Deitado eternamente, ninguém merece

Allianz Parque durante o Hino NacionalHá cerca de dois anos escrevi um post no extinto blog Resistência 1942 criticando a execução do Hino Nacional antes dos jogos. Agora, diante da modificação da lei, que obriga que as duas partes do Hino sejam tocadas, com a parte cantada, ficou necessário um reforço nessa corrente. Do jeito que está, não dá pra ficar.

Naquela ocasião, foi feito um preâmbulo explicando a tradição dos esportes nos Estados Unidos em cantar o Hino Nacional, costume que encantou a alguns parlamentares brasileiros, que viram no exemplo uma forma de aparecer. E enfiaram goela abaixo do brasileiro o mesmo costume através de uma lei.

A argumentação no post, na ocasião, passava pela clara diferença da relação entre povo e pátria nos dois países. Resumidamente: enquanto o brasileiro tem a sensação de estar sendo obrigado a entoar o Hino de uma nação que não lhe dá a mínima, o americano sente orgulho extremo de entoar o Star Spangled Banner.

Em alguns estados do sul do país, as Assembleias Legislativas capricharam: exigem que seja entoado também o Hino Estadual. Os atletas, tensos, ansiosos, precisam redobrar a concentração para a partida. Mas não há foco que segure a perda do aquecimento.

Nossa torcida tinha dado um jeito sensacional de palmeirizar esse momento e não perder o ritmo de comunhão entre campo e arquibancada. Mas com a nova modificação na lei, com os alto-falantes mandando ver no último volume a versão cantada em sua versão completa, perdemos também esse momento. Numa boa: ninguém merece Deitado eternamente.

O primeiro resultado é claro: diante de tanto tempo inócuo, as TVs já perceberam que é um enorme desperdício de dinheiro mostrar essa parte do “espetáculo” e fazem ginástica para adequar o timing dos comerciais.

Esta lei tem que cair. Ou, no mínimo, ser modificada. O Hino pode ser executado 15 minutos antes dos times entrarem em campo, por exemplo, sem quebrar a concentração e o aquecimento dos atletas ou a energia das arquibancadas. As TVs já não mostram mais para quem está em casa e quem está no estádio fica contrariado. Afinal, cumprir esse protocolo aumenta o patriotismo de alguém? Qual será o parlamentar que vai perceber o quanto esta lei é estúpida e propor uma emenda que corrija este enorme equívoco?

Enquanto isso, no Rio…

O Flamengo, time que se autocredencia para polarizar o futebol brasileiro contra o Palmeiras em mais esta temporada, colocou pela segunda vez consecutiva menos de 2 mil pagantes nas arquibancadas. O time que se autoproclama universal, a maior e mais vitaminada torcida da Via Láctea, conseguiu a fabulosa renda de 27 mil reais ontem, em partida contra o Bangu, em Volta Redonda. Enquanto isso, o Verdão arrecadou R$1,2 milhão jogando com o time reserva, para mais de 20 mil pessoas.

A FlaPress se especializou em criticar o patrocínio da Crefisa nos últimos meses. Devia se preocupar mais com a incapacidade de sua torcida em proporcionar receita. Ou com o novo ídolo, com seus olhinhos de margarida, que está de volta. Depois não adianta vir com “mimimi Crefisa”.

Marcio Araújo, ousado
Cada um tem o ousado que merece (crédito: Reprodução)
  • Nunca, a respeito do hino nacional, pensei pelo lado do aquecimento dos jogadores, o q acontece na prática. Eu não tenho nada contra, desde que não atrapalhe. Já q atrapalha, tem que mudar mesmo. E quanto ao Margarida, eles não sabem as cagadas que estão por vir… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Renan B. Baroni

      Pior, eles sabem. Mas ele parece que fez um bom jogo, errou poucos passes, ai agora tá ousado…..como o Conrado disse, “Cada um tem o ousado que merece”.

      • Não sabem. Levaram lavagem cerebral dos olhos de margarida. Logo vão saber de novo kkkkkkkkkkkkkkkkkk

        • Renan B. Baroni

          Lembro dos mulambos no Twitter enfurecidos com o Gente Boa ano passado. É o que to falando, basta um jogo mediano, eles piram já. Vai ver foram 95% de passes pro zagueiro, mas sai bonito no footstats.

          • exatamente.

          • Rafael Capelini

            O GB sempre foi mestre em mascarar as estatísticas, lembro que com nossa camisa também tinha varias ‘roubadas de bola’, ai quem assistia o jogo atentamente via que 90% dessas ‘roubadas’ era que ele em vez de dar o bote ia recuando até outro jogador tentar dar o bote e ele ficava com a sobra limpa…, e acertar a maioria dos passes é fácil quando não se arrisca em nenhum.

      • Revoredo

        Jogar bem contra Madureira, Bangu e Portuguesa-RJ é fácil… já já começa o BR17 e como o Conrado disse, volta o “mimimi Crefisa”.

        • Fernando Castro

          Petrobras podia de boas, Caixa pode de boas, e Crefisa que é empresa privada não pode. O choro é porque nós conseguimos o que nenhum outro clube vai conseguir a curto prazo, que é um patrocínio privado de grandes proporções.

          E se bobear, vão ficar só no cheirinho de novo.

    • Fernando Castro

      Tão é supervalorizando o cara com a estatística de passes certos: 71/71 (vi print em post do Mauro Beting). Por mais que ele “carregue o piano” pelo time que joga, nada justifica tal alvoroço, especialmente no Twitter.

      Quanto ao hino, por mais bonito que seja, goela abaixo não vai.

  • Gustavo Miletovic

    Ousado e Marcio Araújo “olhinhos de margarida” na mesma frase não da!

  • Luiz Henrique Carmello

    Massante demais, e é algo que ja virou robótico, ninguém da a minima. Tanto que depois da primeira parte a mancha ja começa com “é o campeão dos campeões”. Mais uma lei sem pé nem cabeça, que não ajuda ninguém, prejudica um espetáculo que já é prejudicado por OUTRAS leis e favorecimentos sem pés nem cabeça. Resumindo: Brasilzão.

  • Marcos Rodrigues

    “Cada um tem o ousado que merece” SENSACIONAL!! KKKKKKK

  • clluiz

    Tocar o hino nos EUA é obrigatório ou voluntário?

  • Vctr81

    achava q só eu era contra essa merda… pq nao vao cantar hino antes de uma sessão na camara dos deputados? esses sim que tem que honrar a patria. palhaçada do kct, é o fim da picada…ninguem sabe cantar essa porcaria direito, metade das palavras nem existem mais. ridiculo.

  • Juarez Ulhôa

    márcio araújo tem parte com o tinhoso, aquele que ronca e fuça… num é possíver…. Vai passar a carreira como titular no Galo, no Palestra e no menguim……. e não serve pra jogar nem no Uberaba Sport.

    • Danilo Diniz

      Serve pra jogar no SCCP e fazer mais uns 300 jogos por lá pra alegrar a torcida deles

      • Rafael Capelini

        No começo da temporada um torcedor mulambo mais exaltado ao ver o Gente Boa entrando em campo como titular gritou pra ele: “P***a Araujo, poque você não vai à m*rda?!”, ele não titubeou e respondeu: “Mas eles acabaram de contratar o Gabriel Pitbitoca pra minha posição…”

    • Agora que ele saiu daqui, é até engraçado.

  • Juarez Ulhôa

    E desconfio que o “Meu Palmeiras” tem algo a ver com essa mudança da lei…. Coisa de político gambá…. certamente.

    • Verdazzo

      eu nao queria falar nada sobre isso pra não parecer paranoia, mas já que você tocou no assunto…

      • Felipe Lorenzzi

        Mas não existe a MENOR sombra de dúvida sobre essa questão… a perseguição é violenta contra nós, palmeirenses.. .todo inicio de jogo penso isso, o PALMEIRENSE criou por livre e espontânea iniciativa o “meu palmeiras” e isso é uma baita marca!

        Os caras tinham que dar um jeito de ‘abafar’ esse grito/hino autentico!
        Nesse país o rabo esta abanando o cachorro, há muito tempo.. Me lembro que antes do “meu palmeiras” existir, a nossa torcida era uma das únicas que respeitava o hino e ficava em silencio, ou entoando o mesmo… a imprensa JAMAIS destacou isso… claro, nada positivo que passe aqui é destacado, obvio.

        Depois com a entrada do “meu palmeiras” vi muitos comentaristas nitidamente clubistas criticando “a falta de patriotismo e civismo de CERTAS TORCIDAS”…

        me enoja lembrar que em 2007 quando o dito time do povo, visitou seu lugar de mérito… alem da rede mais corrupta do país mudar sua grade para passar jogos de sábado.. coisa impensável em 2003, colocava legendas naquele lixo de cântico “bando de loucos”.. e etc…

        A pergunta é justamente essa: porque a manifestação de alguns é “exaltada” (essa palavra em especial pro Conrado) sob a justificativa de serem “fiéis”, autênticos… originais…. (clubismo disfarçado!)
        e a manifestação de outros, apressam-se para abafar, tratando-se de algo que surgiu naturalmente… espontaneamente, sob a desculpa de patriotismo, civilidade…

        Subestimam nossa inteligência

        Resumo: aqui esta o verdadeiro contra tudo e contra todos… meu avô já contava essa historia… meus tios… e agora vejo com meus próprios olhos… alias, vejo ha 32 anos isso

        e cada vez somos mais PALMEIRAS, e menos “eles”… mais o nosso Palmeiras, mais o MEU PALMEIRAS, meu Palmeeiras… Palmeiras, meu Palmeiras, meu Palmeiras!… .

        • Felipe Lorenzzi

          o tiro de misericordia no cotovelo dos “antis” deve ter sido quando as cameras flagraram alguns JOGADORES DO PALMEIRAS entoando o “meu palmeiras” ao inves do hino…

          nesse dia em algum lugar dessa republica das bananas, algum ‘gambambi’ disse: já chega, vamos censurar!

    • Renan Girotto Meirelles

      Aposto contigo que em jogo pra valer, de decisão, vamos cantar as duas partes do hino entoando cada vez mais forte o “Meu Palmeiras”…e o que era pra atrapalhar, vai atrapalhar mais ainda o visitante. Avanti!

  • Marco

    Ridiculo isso, num jogo de seleção pode ate ser, ate numa final poderia ser, mas todo jogo, isso é coisa de quem nao tem o que fazer. outra coisa o norte americano é hiper super patriota, nós aqui temos que engolir o que esses safados politicos fazem, lá é outra historia

  • MonacoParmerista

    o mais triste dos dois fatos — o hino e a distorção da FlaPress — é que ambos refletem a gravidade do desvio de valores que nosso país apresenta:

    1. a questionável motivação da tentativa de institucionalizar um uso despropositado de um fundamental símbolo da pátria;
    2. junta-se à postura clubística disfarçada de insenção jornalística visando criar uma “verdade paralela” que enaltece o “inenaltecível” e desmerece o meritório.

    e o país abriga isso tudo sem qualquer pudor.

    #ForzaBrazileiros&Brasileiras
    #AvantiPalmeiras

    #ValeuVerdazzo

  • Ralf Olbertz

    O que mais me irrita nessa tentativa de patriotismo “guéla abaixo” é que parte justamente de quem nos faz ter mais vergonha de ser Brasileiro, essa corja de políticos nojenta e asquerosa!

    Com relação ao público dos mulambos.. Aqui na minha cidade, interior do Paraná, não mais que 80.000 habitantes, tínhamos um time muito fraco, que estava ameaçado a cair (e caiu) pra segunda divisão do paranaense, mas não me recordo de ter menos de 2000 no estádio.. hahahaha

    Com relação a Flapress, hoje a FOX postou no twitter sobre o faturamento e os gastos dos clubes, Palmeiras tem uma diferença positiva de mais de R$ 100 milhões entre um e outro.. Ou seja, o patrocínio da camisa é “lucro” e mesmo sem ela estaríamos no azul em uns R$ 20 mi!

    Se a Crefisa sair hoje do Palmeiras, fecharemos contrato com outra empresa e o “lucro” passará a ser de uns R$ 50 mi..

    Obs.: achei bem estranha essa matéria, pq fala q SPFW e SCCP tbm gastam menos do que arrecadam.

    • Danilo Diniz

      Pode até ser que os outros dois clubes de SP gastem menos do que arrecadam também, porém tem uma arrecadação bem menor que a do Palmeiras, então se ferram igual

      • Ralf Olbertz

        Mas a informação que temos é que eles gastam muito mais do que arrecadam.. o SCCP nem as parcelas do impressorão tão pagando..

        • Danilo Diniz

          Realmente não sei mas acho pouco importante desde que o Palmeiras continue assim. Aliás, até gostaria que os outros dois tivessem mais dinheiro pra ficar melhor ainda ganhar deles

          • Ralf Olbertz

            Perfeito, um grande clássico só se faz com dois grandes times em campo!

            Só comentei isso porque achei estranho a mídia falar tanto em dívidas e aí vem uma lista e diz que eles tem saldo positivo.

            Abçs

          • Marcelo Faria

            Pois é Ralf, pura manipulação de dados da mídia esportiva pro queridinho deles não ficar sem patrocínios…”olha como o SPFW e o SCCP tem excelentes gestores, pois não gastam mais do que arrecadam”

  • Danilo Santos

    É a primeira vez na vida que leio algo falando dessa merda que é tocar hinos antes dos jogos. Nunca gostei disso, acho totalmente fora de contexto, sem contar que é chato pra caralho. Fico contando os segundos para assistir o verdão, daí sou obrigado a ouvir o hino de uma pátria que está pouco se fudendo para seus “patriotas”.

  • Daniel

    Sempre gosto de ouvir o hino sendo tocado, cantado ou exaltado em qualquer hora e lugar.

    Com todo respeito, acho que essa discussão não passa de mimimi ou gosto pessoal ou falta de apreço pelo hino por algum motivo pessoal.

    Sobre o argumento de que pode atrapalhar o aquecimento dos atletas, nunca vi um atleta de seleção reclamar de ter de ouvir DOIS hinos antes de uma partida internacional.

    Também nunca vi nenhum time entrar desmotivado no começo do jogo ou atleta se lesionar porque teve de esperar a execução do hino nacional.

    E não podemos confundir a política atual com patriotismo.

    Com todo o respeito: política – e políticos – à parte, nos falta educação moral e cívica isso sim.

    • Verdazzo

      EMC foi uma matéria IMPOSTA durante uma ditadura para obrigar o cidadão, desde criança, a amar o país.
      o ponto defendido é que este amor e orgulho devem brotar naturalmente, porque o cidadão vê coisas à sua volta que o fazem ter esse sentimento.
      misturar imposição com sentimento nunca dá certo.
      abs

      • Daniel

        Respeito sua opinião, Conrado, mas não concordo.

        Quem gosta canta, quem não gosta pode ficar em silêncio ou cantar o que bem entender.

        Ninguém é obrigado a cantar.

        Simples assim.

        Eu tive essa matéria EMC na escola. Mas não falei especificamente dela como matéria escolar, mas literalmente de educação moral – e cívica. Coisa não temos hoje, infelizmente.

        Mas, sobre a imposição da matéria EMC…meu amigo…todas as matérias são impostas: português, matemática…sem exceção…ninguém escolhe. E mesmo assim os alunos não sabem nem escrever e nem calcular basicamente.

        • Will Palestrino

          Daniel concordo em um ponto, se ninguém é obrigado a cantar, não deveria ser lei.

          • Daniel

            Isso é formalidade, Will.

            Não está sendo imposto o patriotismo ou se cantar o hino nacional.

            Jamais obrigação.

      • Wendel Lucas

        se o amor ao país não for incentivado, ele não irá brotar nunca

  • Bussa

    Eu, sinceramente, adoro os hinos e todos os símbolos nacionais. Falta patriotismo em nosso país – o que pode até ser compreendido por estarmos há muito tempo nas mãos de políticos corruptos e organizações criminosas que primam pela manutenção do poder a qualquer custo.

  • Will Palestrino

    Acredito que empurrar o hino via “forceps” nas escolas,toda quarta feria, como eu tive no ensino fundamental, com o objetivo de que o aluno aprendesse, fosse o suficiente e até compreensível.

    O que o autor desta lei fez, de certa forma, foi banalizar o hino nacional. Ele deveria ser executado em situações solenes, internacionais e patrióticas. Executar o hino completo, toda partida de estadual e até do campeonato nacional é banalizar o mesmo! Foge de um contexto de uma olimpíada ou de uma partida internacional.

    Fico em situação constrangedora em ver o hino tocando, atletas em posição, bandeira no telão do Allianz e nós torcida gritando Meu Palmeiras! que agora ficou impossível. Não estou julgando se é certo ou errado sobrepor o hino, mas que esta lei está totalmente fora do contexto está!

    Cantar o hino dez vezes ao dia não nos deixará mais ou menos brasileiro, mas cantar -lo em situações apropriadas, nos traz um pouco de orgulho, desta pátria que tanto nos maltrata.

    Políticos deveriam se preocupar com tantos outros itens, que seria um outro fórum…

    Avanti!

    • Verdazzo

      boa!

    • Didi

      Perfeita análise.

    • Daniel

      Will, como não respeitamos o hino, retira-se o hino?

      Respeito sua opinião, mas essa lógica é como aquela situação que o marido pega a esposa traindo ele com outro no sofá e ele vende o sofá achando que resolveu o problema.

      São uma série de coisas a serem mudadas, sendo que o Hino Nacional, absolutamente, não é o culpado.

      É apenas uma formalidade.

      Mas como brasileiro não gosta de cumprir regras (e em qualquer área), fica essa situação chata.

      Meu filho também não gosta de fazer lição de casa. Mas faz.

  • Ricardo Brites

    No jogo contra o Jorge Wilsterman a torcida entoou o “MEU PALMEIRAS” muito mais alto que a versão cantada do hino nacional e ao final da primeira parte o barulho foi tão grande que os próprios jogadores já se cumprimentaram e deixaram os alto falantes tocando sozinhos, tem que ser sempre assim!

    • Paulo Fontes

      Concordo que seria interessante, ao final da primeira parte do hino, os jogadores deixassem o resto do hino rolar e já partissem para os cumprimentos, mas aí fico pensando: Quanto tempo vai levar para o Palmeiras tomar uma punição?

      • Will Palestrino

        Eles fizeram sem querer e se continuarem serão duramente criticados e punidos. certeza!

        “MEU PALMEIRAS” na primeira parte e o hino do PALMEIRAS na segunda! seguido do tradicional…..palmeirasssss…..palmeirassss……..

  • Ferracini

    A obrigatoriedade de o Hino Nacional ser entoado antes de partidas de futebol entre dois times brasileiros é simplesmente ridícula. É notório na fisionomia dos jogadores perfilados que o aquecimento iniciado no vestiário está indo pro saco…meu Deus, quanta idiotice!

  • Sandro Sgobi

    Procede a informação que é SOMENTE no Allianz que estão tocando a versão cantada com letra do hino? Possivelmente para inibir a nossa torcida de fazer nosso já clássico PALMEIRAS, MEU PALMEIRAS. Li comentários que no Lixão hoje tocaram apenas a versão instrumental. Alguém sabe se é verdade?
    Só sei que enquanto eu estiver no Allianz vou entoar a plenos pulmões NOSSA VERSÃO. As observações sobre as diferenças entre Brasil x USA são muito bem pontuadas. Duas pátrias, duas realidades diferentes. Como brasileiro gosta de copiar sem discernir, chegamos a esse ponto recambolesco de vergonha alheia

  • Grão de Pimenta

    Não cantando a parte “a imagem do cruzeiro resplandece” ja ta bom.

  • Luis Claudio Carrasco Garcia

    Sou totalmente contra conceitos territoriais, linhas divisórias imaginárias, e nacionalismo principalmente, um conceito incutido nas pessoas pelo estado, a fim de nos manipular (“ah, temos de lutar pelo nosso país” buuuu hu!). Graças a esse instinto animal básico e territorial, que os humanos fazem guerras e cometem atrocidades sem sentido. Nós evoluimos e temos consciência, somos melhores do qie isso…

    Resumindo, hino nacional e simbolismos, para mim, não deveriam estar metidos no meio do esporte. Isso é assunto para outra hora e lugar. Nunca assinei nada reconhecendo esse estado e suas leis.

  • Wendel Lucas

    Devo dizer que acho muito bacana cantar o hino antes das partidas, sei que é copiar outros países, mas devemos copiar o que eles tem de bom, independente se o resto ta ruim. A falta de patriotismo das pessoas, só leva as boas pessoas a abandonarem o país, talvez com mais amor a patria, quem realmente quer fazer a diferença, ficaria aqui e tentaria mudar a situação. E isso vem diretamente da cultura, que por meio dessas medidas, é alterada.

  • John Ross

    ‘ Cada um tem o ousado que merece’ Excelente!!

  • Wkocks

    Os parlamentarem deveriam não só copiar o hino, mas também acabar com as benesses que a classe tem. Vamos copiar dos outros países tudo o que for bom então.

  • Rodrigo Marques Carvalho

    Vida longa ao Márcio no Flamengo.

    • Marcelo Faria

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Rodrigo Marques Carvalho

    Civismo não faz mal a ninguém. Achei legal o palmeiras cantar na hora do hino uma vez, na segunda vez e agora considero desrespeitoso. A impressão que se passa é que o Palmeiras é maior que o Brasil. Ganha-se o quê cantando, talvez nada. Perde-se o quê não cantando, muito. Numa terra onde a turma está interessada só no próprio umbigo, escutar o hino é um resquício de nacionalidade, um suspiro de elo nacional. Interessante pensar que se tirar isso o público geral não o escutará em lugar algum. Não é porque é uma cópia que deve ser rotulado como ruim.

    • Erick Emerick

      nascer brasileiro não é opção, ser palmeirense é.
      juro pra vc que cada medalha ou copa do mundo que esse país conquista não muda em nada a sua situação de miséria e todos esses absurdos que vemos diariamente. Aliás, veja como o povo fica feliz ao vencer copa do mundo.
      se alguém vai a um estádio de futebol ver um time de futebol isso AO MEU VER nada tem a ver com sua nacionalidade ou o que ele pensa sobre política. Pelo menos durante aqueles sagrados 90 minutos.
      Sugiro que vc reuna uma galera e cante o hino nacional diariamente aí na Paulista, nas praças, vai mudar o mundo. abraços

      • MATEUS ANDRADE SANTOS ALVES

        E ver o Palmeiras ser campeão de algo muda a situação financeira do torcedor em que?
        Não se trata de ganhar mais ou menos, se trata de amar o teu país!
        Eu não ganho nada pra ser Palmeirense, na verdade só perco com isso. Também não ganho nada amando meu país. Mas em ambas as situações eu não quero nada, só meu Brasil melhor e meu Palmeiras grande como sempre!

        • Erick Emerick

          Ver o Palmeiras campeão é escolha, filho. Você pode amar rugbi e sua querida pátria não tem nada a ver com isso.
          Por que não colocamos o hino antes de filmes no cinema, antes de peça de teatro, de hora em hora na globo?
          O problema é que as pessoas preferem ser hipócritas e acharem que misturar futebol com nacionalismo muda alguma coisa. Ademais, repito, escolhi ser palmeirense e não brasileiro. Quando vou ao estádio o único hino que devia ser obrigado a escutar é o da Sociedade Esportiva Palmeiras.

          Boa sorte com sua pátria.

  • Daniel

    Se você foge à luta, não teme quem te adora a própria morte e muito menos entende o Brasil como terra adorada, não cante o Hino Nacional.

    Cante seu amor ao Palmeiras.

    Eu sou Brasil e não confundo Brasil com os políticos criminosos que temos.

    E se estamos assim é porque quem estão lá roubando tem o mesmo pensamento de muitos que no Brasil vivem e que, como muitos, não são nem um pouco patriotas. Por isso roubam a nação brasileira.

    Estamos indo numa descendente como Nação. infelizmente.

    • MATEUS ANDRADE SANTOS ALVES

      Boa!
      Não é porque temos políticos de péssima índole que vamos deixar de ser patriotas.
      O que deve acabar é essa palhaçada que fazem com a nação e não meu amor por ela!

  • Matheus Braga

    Algumas pessoas tem uma certa distinção de valores, ao meu ver. Cantar o hino não vai te fazer uma patriota, se no metrô você senta no assento dos idosos, na Sé, às 18h (se você conseguir). Menos é mais. No Brasil, os políticos enfiam as coisas de maneira autoritária: aceite, faça e fique quieto! Essa é lei deles. Daqui 2, 3 anos vem alguém e vê que fizeram merda, que banalizaram a parada e muda de novo. É assim, aqui é assim.

  • Nao tenho saco para ouvir o hino antes dos jogos do Palmeiras ou antes de qualquer jogo, acho uma pura perda de tempo, e agora entao ficou pior, tem que ouvir o hino inteiro.

  • MATEUS ANDRADE SANTOS ALVES

    Sinceramente não vejo nada de errado em tocar o hino antes dos jogos. Muito pelo contrário! Tenho absoluta certeza que nenhum jogador de desconcentra por causa do hino, e se caso isso ocorra esse cidadão tem alto grau de deficit de atenção, logo não poderia jogar futebol profissional.
    As vezes as pessoas reclamam das coisas só pra ter o que reclamar. Nossa pátria provavelmente não é a melhor, mas é a nossa pátria, temos de abraçar nossa pátria se um dia quisermos ser um exemplo de país. O hino é só um detalhe, mas é um detalhe que não pode ser esquecido!

  • Schia

    Entoar ou não entoar o hino, ora pois?
    Lembramos todos os dias que somos brasileiros.
    A frase “de uma nação que não lhe dá a mínima” tem tudo a ver com uma séria reflexão, portanto parece muito mais com aquelas aulas de educação moral e cívica enquanto temos temos problemas muito maiores de caráter e de subsistência com desigualdades socais enormes para resolver.

  • Walter J. Rinaldi F.

    Essa coisa ridícula de “enfiar hino” pra se dizer “patriota” tem de acabar! É uma aporrinhação e não significa nada pra ninguém; prova disso é a palmerização do hino.
    Ao invés disto, esse(s) político(s) idota(s) responsável(is) pelo projeto da lei deveria(m) perder o precioso tempo fiscalizando e punindo a CBFe a FPP corruptas; isso eles não fazem!

  • Adilson Silva

    Esse hino eh de esperar deitado eternamente kkkkkkkkkkkk