A culpa é do Palmeiras, como sempre

O vice-presidente da CBF, Francisco Noveletto, comentou as declarações do técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, acerca do calendário do futebol brasileiro. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o dirigente, ligado ao Internacional, relativizou as reclamações de Abel.

Na visão do dirigente, o Palmeiras errou por querer disputar todas as competições com a intenção de vencê-las.

“Quem mandou ele ganhar tudo? Vê se o presidente do Palmeiras ou algum dirigente abre mão. Ele não é obrigado a jogar. Ele quer ganhar. Ele pode abrir mão. Ele não é obrigado. Mas não. Ele precisa fazer caixa, ganhar prêmio da CBF, ganhar prêmio de quem patrocina o campeonato. A CBF vai pagar 60 milhões, 90 milhões para a Copa do Brasil, Libertadores 20 milhões. É tudo assim. Então, eles não são obrigados. Quem mandou ele ganhar? Vamos ganhar só metade para não ter esse problema”

O comentário é bizarro, mas reflete bem o preparo dos dirigentes esportivos do Brasil. Sugerir que um clube deva incluir em sua estratégia entregar algum jogo para ser eliminado de uma competição para poder se manter competitivo em outras é exatamente o que parece: uma auto-declaração de incompetência.

Ironicamente, o planejamento do Palmeiras para 2021 parece caminhar exatamente nessa direção, sacrificando o campeonato paulista para que os atletas, extenuados, possam regenerar suas energias ao mesmo tempo em que o treinador possa ter algumas semanas livres para desenvolver um projeto tático mais sólido.

O Palmeiras teve o desplante

Um dos deveres da CBF é exatamente elaborar o calendário de forma racional e planejada. Incompetentes, não conseguem. De forma amadora, jogaram com probabilidades – e de fato, a tentativa de encaixar tudo até daria certo, não tivesse o Palmeiras o desplante de avançar em todas as competições até o final.

Assim, a culpa acabou sendo… do Palmeiras!

Abel Ferreira vem escancarando o que todos nós, no fundo, sempre soubemos. Mas ele é um profissional que vem de outro país, com outra cultura, e está dirigindo o clube de maior sucesso atualmente no futebol brasileiro. Sua personalidade combativa faz o resto, e suas declarações, se forem tratadas com honestidade, precisam deflagrar uma discussão séria acerca dos rumos do futebol brasileiro.

Há vários caminhos possíveis. Temos competições em excesso, fórmulas com jogos em excesso e clubes em excesso. Todas essas variáveis estão aí para serem discutidas. Mas para isso, precisamos de dirigentes qualificados. O futebol brasileiro precisa de líderes.

Enquanto isso não acontecer, a culpa continuará sendo do Palmeiras.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

Práticas eleitorais entram em pauta no Palmeiras

A chapa Todos Palmeiras, de oposição, protocolou na secretaria do clube um documento endereçado aos presidentes da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo, Mauricio Galiotte e Seraphim Del Grande, no qual solicita a adoção de medidas visando manter a justiça na disputa para as cadeiras do Conselho. A eleição acontecerá no próximo mês de fevereiro.

No documento, os conselheiros traçam paralelos entre as regras da política nacional e o que é praticado no Palmeiras, apontando desequilíbrios nas campanhas atuais e solicitando que medidas sejam tomadas para que o processo no clube seja conduzido seguindo as melhores práticas.

Entre as solicitações, está a proibição da distribuição aos associados de brindes relacionados aos candidatos; a suspensão das campanhas eleitorais antes da convocação das eleições, que formaliza o processo; e a regulamentação do envio de campanha por correspondência aos associados, para evitar confusão entre material de campanha com comunicações institucionais do clube.

Os autores solicitam que a resposta seja dada em cinco dias úteis.

Picuinha

Fabio Menotti/Ag.Palmeiras

É importante lembrar que o presidente do Conselho foi recentemente cobrado a respeito da publicação dos balancetes mensais, pelo mesmo mecanismo formal: carta protocolada na secretaria do clube.

Talvez sentindo-se desafiado, o dirigente declarou que não respondeu propositalmente por achar que não tem que obedecer prazos, sobretudo a algo que ele tomou conhecimento primeiro através da imprensa.

Del Grande ainda mencionou que se o prazo não tivesse sido estipulado, teria respondido no dia seguinte, caracterizando uma picuinha típica das alamedas palestrinas.

Esperamos que desta vez os dirigentes palmeirenses ajam com mais maturidade e respondam às pertinentes solicitações do grupo oposicionista, a fim de que as eleições, de fato, ocorram de forma justa e seguindo as melhores práticas, sem favorecimentos.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

Avanço e coincidências atrapalham o Palmeiras no Brasileirão

The Who arrepiou no Allianz Parque, em 2017

Em novembro próximo, o Allianz Parque completará cinco anos de atividade. O estádio, inaugurado em 19 de novembro de 2014, é um marco no renascimento do Palmeiras e uma fonte de renda fundamental para o clube nas próximas décadas, como já pudemos ver neste post.

A característica multiuso do estádio atrai a realização de grandiosos shows que são agendados, às vezes, com quase um ano de antecedência. A página oficial do Allianz Parque, cuja gestão é da WTorre, mantém o calendário de concertos disponível ao público.

Neste momento, a eclética agenda prevê atrações para todos os gostos: Paul McCartney em março, Star Wars In Concert em abril, BTS e Los Hermanos em maio, Sandy & Júnior em agosto e Shawn Mendes em novembro.

Como já é costume desde a inauguração, o Palmeiras precisa fazer alguns sacrifícios na temporada e mandar jogos fora do Allianz Parque por conta desses compromissos. Neste período, foram 20 partidas em outros estádios, média de 5 por ano – destas, 19 foram no Pacaembu e uma na Fonte Luminosa, em Araraquara. Não houve prejuízo técnico: a campanha foi de 14 vitórias, 3 empates e apenas 3 derrotas.

Problemas à vista

Para este ano, o Pacaembu está fora do roteiro do Brasileirão. Ao fazer uma inédita exigência na iluminação dos estádios, a entidade condicionou a permanência do velho Municipal à altamente improvável reforma do sistema, dado que a Prefeitura claramente tem outras prioridades.

Isto faz com que o Palmeiras precise buscar alternativas para receber os jogos em que haja conflito de agenda. Até a rodada 33, é permitido recorrer a cidades em outros estados

O lado bom é que torcedores de outras praças, que raramente têm a chance de receber o Verdão, poderão assistir nosso time de pertinho – muitos, pela primeira vez.

Resta saber quais estádios atendem às especificações da CBF e dispõem de um estádio cujo sistema de iluminação atinjam 800 lux – a nova exigência da CBF.

Jogos comprometidos

A CBF divulgou a tabela básica do Brasileirão, com todos os jogos marcados provisoriamente para domingos e quarta-feiras – as datas definitivas são marcadas após a deliberação da RGT. Três jogos do Palmeiras parecem comprometidos e demandarão esforços de nossa diretoria junto à CBF para que o Allianz Parque possa recebê-los. Clique aqui para acessar o calendário geral de jogos divulgado pela CBF e acompanhe a resolução do quebra-cabeças.

1) vs. Santos
O show da banda Los Hermanos (18 de maio) vai obrigar o Palmeiras a jogar contra o Santos fora do Allianz Parque, marcado para o dia 19, na quinta rodada. O Pacaembu pode ser usado se o jogo for marcado para as 11 da manhã, se é que esse horário será reeditado este ano. Uma alternativa seria puxar o jogo para o meio da semana, dia 15, uma das três datas previstas para as oitavas-de-final da Copa do Brasil, o que demandaria alguma ginástica de nossa diretoria para que a CBF nos atenda e marque os jogos de Palmeiras e de Santos para as outras duas datas, dias 22 e 29 de maio.

2) vs. Fluminense
O show de Sandy & Júnior está marcado para o sábado, dia 24 de agosto e a tabela prevê a partida contra o Fluminense para o domingo. Talvez houvesse tempo hábil para que o jogo fosse realizado na segunda à noite, mas há o impeditivo que esse horário é do SporTV, que não pode fazer a transmissão porque o Palmeiras vendeu os direitos de TV fechada para o grupo Turner. Mais uma vez, o horário das 11 da manhã permitiria o uso do Pacaembu. O Plano B seria adiar o jogo para o dia 18 de setembro, data prevista para a final da Copa Sul-Americana, contando que o time carioca já estará eliminado.

3) vs. Flamengo
No dia 1 de dezembro, na rodada 36, enfrentam-se dois dos grandes candidatos ao título: Palmeiras x Flamengo. Nos dias 29 e 30 de novembro, o estádio receberá o show do cantor Shawn Mendes. De novo, o horário da manhã resolveria o problema e o Municipal poderia ser o palco do jogo. As datas mais próximas que permitiriam uma manobra no calendário seriam os dias 13 e 20 de novembro, inicialmente vagas, por conta de estarem compreendidas entre datas FIFA.

Esta partida, especialmente, precisa de uma saída a todo custo, a começar pela óbvia importância técnica para o campeonato. Mas por ser um jogo nas cinco rodadas finais do campeonato, o Palmeiras sequer teria a chance de mandar em outro estado, restando, como alternativas, apenas o Morumbi e o Itaquerão. Uma catástrofe!

Avanço do futebol e coincidências

Sede da CBF

A exigência de 800 lux pode ser considerada um avanço no futebol brasileiro, a não ser pelo fato de que poucos estádios país afora satisfarão à determinação, concentrando a realização dos jogos nos grandes estádios, reformadas ou construídas para a Copa de 2014. Barueri, uma alternativa natural aos estádios da capital paulista, ainda não atende à nova exigência.

Por uma grande coincidência, justo o Palmeiras, por mandar seus jogos num estádio que sabidamente é palco de grandes shows, acaba sendo muito prejudicado por não poder mais contar com o Pacaembu como estádio substituto, nessas ocasiões.

Também por uma grande coincidência, um dos jogos-chave do campeonato, a três rodadas do fim, foi marcado para uma data em que já é sabido que haverá um show no estádio. De quebra, o jogo contra o Fluminense, outro time da cidade onde fica a sede da CBF e da RGT, também foi marcado para uma data que coincide com show no Allianz Parque.

À diretoria do Palmeiras cabe, agora, exercitar a política e defender mais uma vez os interesses do clube, tanto junto à WTorre, para que seja criteriosa na marcação de novos shows até o final do ano, quanto (e principalmente) junto à CBF, no sentido de remanejar os jogos em que o clube será obrigado a mandar as partidas fora de nosso estádio.

Eventualmente, o Palmeiras poderia até estudar um projeto para ajudar a viabilizar a reforma do sistema de iluminação do Pacaembu, já que a prefeitura se recusa a custear a adequação, num primeiro momento.

O que não podemos é permitir que essas coincidências atrapalhem nosso caminho rumo ao 11º título brasileiro. Os problemas já estão definidos com muito tempo de antecedência. Dá pra resolver.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Sorteio da Copa do Brasil é envolto em novas suspeitas; Palmeiras volta a ser removido de uma competição e precisa reagir

Cruzeiro 1x0 Palmeiras
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Pela terceira vez consecutiva o Palmeiras foi removido de uma competição por situações alheias à disputa esportiva. Apesar de ter feito duas exibições que poderiam ter sido melhores, o Verdão acabou sem a chance de sequer decidir a vaga nos pênaltis graças à anulação do gol de Antônio Carlos, no último lance do jogo de ida, no Allianz Parque.

Alguém pode contestar a chance do Palmeiras nos tiros livres, dado o baixo rendimento nos últimos jogos – algo que não me parece razoável, já que uma decisão por pênaltis é uma situação completamente diferente de um pênalti com o jogo rolando. Além disso, não sabemos o quanto o Palmeiras treinou para uma eventual decisão, mas parece fácil supor que treinou muito, tanto quanto o Cruzeiro.

Alguém também pode ponderar que se o gol tivesse sido validado, a segunda partida teria outras características desde seu início e que não se pode cravar que a decisão teria ido para os pênaltis. O que faz total sentido.

Mas não se pode ignorar que um gol foi subtraído do Palmeiras no último lance do jogo de ida. Isso é imutável. E isso pesa demais em qualquer confronto de mata-mata em que os times estão minimamente equilibrados, embora seja consenso até na imprensa que o Palmeiras, hoje, tem o elenco mais equilibrado e o time mais forte do futebol brasileiro.

Sorteio estranho

Não precisamos mencionar apenas nossa desclassificação. A história da Copa do Brasil de 2018 vai sendo escrita sob cenários envoltos por situações peculiares.

A despeito do folclore do futebol conter inúmeras histórias de sorteios dirigidos, tomemos como exemplo a forma com que a CBF vem conduzindo os sorteios dos mandos.

O vídeo abaixo tem apenas os segundos finais do sorteio que definiu o mando da final do torneio; mesmo o vídeo completo que circula nas redes sociais mostra a mesma situação: a auxiliar de palco gira as bolas com extrema delicadeza; a bola do meio, escolhida pela moça, não parece se misturar com as outras.

A expressão da menina, diante do anúncio, transmite um certo alívio, mesmo com um sorriso profissionalmente artificial. É um sorteio muito estranho, que dá margem a todas as especulações possíveis.

Contexto sombrio

Em 2004, fiz um estudo informal comparando os resultados das disputas eliminatórias usando a regra do gol qualificado com os resultados do chamado “jogo de 180 minutos”, sem o gol qualificado. Os jogos analisados eram válidos pelas principais competições nacionais, sul-americanas e europeias, a partir da fase de quartas-de-final, quando os clubes são fortes e os confrontos, equilibrados.

O resultado foi que, sem usar o gol qualificado, o vencedor do confronto foi 70% das vezes o time que decidiu em casa, ao passo que essa proporção caiu para 50% quando a chamada regra “do gol fora”.

Fica a sugestão a qualquer leitor para refazer esse estudo de forma científica, para corroborar ou não com o estudo informal feito há mais de dez anos, que traduz o que a matemática intuitivamente já nos sugere: a regra do gol qualificado equilibra substancialmente os confrontos.

Do nada, a premiação da Copa do Brasil saltou de R$ 6 milhões para exorbitantes R$ 50 milhões, muito mais do que o Brasileirão (R$ 18 milhões) e a própria Libertadores (R$ 40 milhões). Segundo a CBF, a medida tem como objetivo “valorizar a competição”.

Também este ano a regra da competição mudou de forma sensível: o mando do segundo jogo, definido por sorteio, passou a ter muito mais importância com o fim da regra do “gol qualificado”. É sabido que esse mecanismo equilibra muito mais as disputas, diminuindo a importância do fator campo – o que valoriza muito a esportividade da competição.

Outra forma de manter a esportividade da disputa seria relacionar o mando da segunda partida a algum mérito esportivo – no caso, o Ranking Nacional de Clubes elaborado pela própria CBF anualmente parece ser a referência mais que perfeita.

A entidade que tem a prerrogativa de dirigir o futebol brasileiro, no entanto, decidiu que seu próprio ranking não serve para nada e entregou o destino da Copa do Brasil às bolinhas da moça com um sorriso no rosto. Algo que vai na direção oposta ao conceito de “valorizar a competição”.

Ligue os pontos

Duas mudanças tão significativas, juntas, configuram uma tremenda coincidência. Quando o destino do campeonato se torna cada vez mais direcionado para um sorteio, no mínimo, estranho, exatamente no ano em que a premiação é estranhamente turbinada, algo parece errado.

De um lado, estamos diante de uma montanha de dinheiro e de uma entidade notoriamente corrupta. De outro, temos um clube que se notabilizou pelos recentes agrados que vêm recebendo do poder público e do consórcio CBF/RGT, que envolvem estádio, arbitragens e gordas cotas de transmissão, e que mesmo assim segue com problemas financeiros que atrapalham até os pagamentos mais prosaicos, como o da empresa de marmitas.

Ao que parece, tirar da competição o competidor mais forte se encaixa muito bem como uma etapa de um elaborado projeto de transferência de recursos.

Mas tudo isso pode ser apenas uma enorme coincidência.

Investigação séria e rigorosa

Muito se tem falado sobre a falta de força do Palmeiras nos bastidores. Num meio onde a corrupção parece irreversivelmente entranhada, chegamos a desejar que o Palmeiras reduza suas chances de êxito nos campeonatos que disputa e siga seu caminho alheio a esse tipo de acordos, mesmo sendo vítima, pela terceira vez seguida, de uma eliminação escusa.

Mas ninguém gosta de apanhar calado. Um clube como o Palmeiras gira mais de R$ 500 milhões por ano, uma estrutura espetacular foi montada nos últimos cinco anos para dar suporte a todas as áreas que envolvem um time profissional de futebol, mas o sucesso esportivo está sendo constantemente afetado por agentes alheios à disputa dentro de campo. Nossa torcida não aguenta mais ser roubada.

O Palmeiras já mostrou o caminho ao reagir contra a manipulação da final do Paulistão. Ao contratar a maior empresa de investigação particular do mundo para reunir provas e se municiar para as contestações, nossa diretoria deu um importante primeiro passo para se resguardar.

Essa deve ser a direção a seguir. Em paralelo, o Ministério Público precisa ser acionado. E o clube deve usar parte de seu orçamento para continuar a ser assessorado por empresas privadas de investigação. Os suspeitos de manipulação e acordos escusos devem ser vigiados em todas as instâncias e denunciados.

Se o Palmeiras não quiser sujar as mãos (e nenhum de nós quer que isso aconteça), precisa liderar uma frente de ações para limpar o meio em que atua, e ir até as últimas consequências. A missão estará efetivamente cumprida quando dirigentes de entidades e clubes rivais que forem efetivamente flagrados em atos de corrupção forem indiciados, julgados e presos. Já passou da hora de darmos um basta em tudo isso.

CADEIA NELES!


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Palmeiras não abre mão de que lugar de (juiz) ladrão seja na cadeia

Maurício GaliotteSegundo reportagem publicada hoje pela Folha de S.Paulo, o Palmeiras abrirá inquérito policial contra funcionários da FPF e árbitros que teriam mentido em depoimento no TJD-SP, em audiência referente à denúncia de interferência externa na final do Campeonato Paulista deste ano.

O clube decidiu tomar esta iniciativa diante das contradições nos depoimentos de algumas testemunhas do processo, apuradas em dossiê elaborado pela empresa de investigação Kroll e pelo parecer do IBP – Instituto Brasileiro de Peritos. A pena para falso testemunho vai de 2 a 4 anos de prisão, mais multa.

Coberto de razões

O Palmeiras está indo às últimas consequências neste caso, e está coberto de razões, em todos os sentidos.

Na esfera esportiva, o TJD já se mostrou totalmente comprometido com a FPF e não mostrou nenhum interesse em apurar a verdade, mas sim em abafar a história. Se depender do esforço do tribunal do delegado Olim, fica tudo como está.

Thiago Duarte Peixoto
Thiago Duarte Peixoto errou contra a ORCRIM e chegou a chorar em desespero: não adiantou; foi pra geladeira

Os árbitros morrem de medo de levantar um dedo e se submetem às orientações da patota, cujo objetivo é defender os interesses da ORCRIM de Itaquera. Se não obedecerem, saem da escala. Vão para a A3. E isso seguirá acontecendo até que o jogo mude.

Para que isso aconteça, é necessário que o pessoal do apito passe a ter outro tipo de temor: o de irem presos.

Manipulações e abafamentos da verdade são corriqueiramente usados para que as operações dos árbitros em campo sejam esquecidas e virem folclore. A falta de elementos concretos sempre ajudou a fazer a fumaça necessária para que a verdade acabasse encoberta.

Ao decidir investir pesado para contratar entidades especializadas para fornecer esses elementos, o Palmeiras, amparado apenas pela lei, vai fechando o cerco em torno do esquema  para fazer a verdade prevalecer.

Mais nada a perder

A briga é grande, mas chegou num ponto em que o Palmeiras não tem mais nada a perder. A maior retaliação que pode vir, já acontece: o roubo descarado e o favorecimento indiscriminado à ORCRIM de Itaquera.

A Receita Federal já obrigou o clube a mudar o contrato com a Crefisa e, do nada, apareceu uma dívida de R$ 120 milhões.

As principais emissoras de TV tratam o Palmeiras praticamente como um clube argentino em seus programas diários de debate.

Faz muito bem o Palmeiras, em semana de Derby, em divulgar que a esfera da briga agora é outra, e que lugar de ladrão é realmente na cadeia.

Se a situação não se resolve nos bastidores do esporte, vamos nos defender de outro jeito. Parabéns à diretoria do Palmeiras pela atitude; vamos seguir acompanhando os desdobramentos com muita atenção.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo