“Era Allianz Parque” coloca o Palmeiras no caminho do topo

Painel de led no Allianz Parque

A “Era Allianz Parque” é uma realidade. O Palmeiras divulgou na semana passada o balanço de 2018 e segundo o documento, aprovado por unanimidade pelo COF, o resultado positivo do Palmeiras foi de R$ 30,7 milhões, após uma receita que superou os R$ 688 milhões.

O valor arrecadado é recorde absoluto no Brasil e reafirma a posição do clube no protagonismo do futebol nacional. Os títulos que o Palmeiras vem conquistando nos últimos anos são resultado também desta força financeira, que tem no estádio seu pilar mais importante.

Como é de conhecimento geral, ao final de 2012 o Palmeiras atravessava a maior crise de sua História. Rebaixado para a segunda divisão e com o fluxo de caixa comprometido a ponto de não conseguir pagar a conta de luz na projeção para abril de 2013, o clube passou por uma profunda reestruturação administrativo-financeira, para enfim, após a inauguração do Allianz Parque, “beber água limpa”.

Hoje o clube tem dívidas modestas e perfeitamente escalonadas; não tem despesas com juros bancários e não precisa apelar para as televisões ou para as federações mendigando adiantamentos de receitas – e assim não é refém de ninguém, podendo endurecer nas negociações.

Maior em 2018; e deve ser também em 2019

Keno, Roger Guedes e Willian
César Greco / Ag.Palmeiras

O ótimo resultado financeiro foi possível pela somatória de grandes fontes de renda. A Crefisa é, de longe, o maior patrocinador do futebol brasileiro – em 2018, foram R$ 78 milhões. O Avanti, mesmo com todos os problemas, segue proporcionando uma renda vultosa ao clube, assim como as excelentes arrecadações do Allianz Parque.

As cifras superaram em muito a previsão do início de 2018 por causa das vendas de jogadores como Keno, Roger Guedes e Tchê Tchê, além das crias da base João Pedro, Daniel Fuzato e Fernando.

Para 2019, o Palmeiras previu uma receita de R$ 561 milhões, dos quais “apenas” R$ 50 milhões viriam da venda de jogadores. O dinheiro da televisão aberta e do pay-per-view também não entrou nessa previsão, já que as negociações com a RGT permanecem abertas e o Palmeiras faz jogo duro.

Mesmo conservadora, a previsão orçamentária mantém o Palmeiras entre os clubes com maior arrecadação do país por mais um ano. E ainda há espaço para crescimento. Muito espaço.

Olhando para o alto

O West Ham, de Londres, que disputava suas partidas no Upton Park, estádio para cerca de 35 mil pessoas, passou a mandar seus jogos a partir de 2015 no London Stadium, construído para a Olimpíada de 2012 e que pode receber até 60 mil espectadores. Desde então, suas receitas no matchday – aquelas provenientes da bilheteria e comércio nos dias de jogos – cresceram substancialmente.

As dívidas provenientes de problemas jurídicos tendem a se esgotar. Desde 2013, o Palmeiras tem feito tudo da maneira mais correta possível e não há notícias de ações de credores desde então – as buchas que ainda aparecem vêm de 2012 para trás, mas devem ser liquidadas no médio prazo.

O Palmeiras vai, pelo menos na teoria, aumentar suas receitas no matchday a partir de outubro, quando o Allianz Parque completará 5 anos de operação. A partir daí, os repasses da WTorre ao clube, em todos os eventos de que detém a operação como shows e comércio em geral, passarão dos atuais 5% para 10% – e daqui a cinco anos o repasse será de 15%.

Há, no entanto, um impasse entre as partes, que segue emperrado e esperando por uma arbitragem. A WTorre não vem repassando a parte das operações que cabe ao Palmeiras há muito tempo. Há uma corrente que acredita que o valor acumulado devido ao clube, com o passar do tempo, será tão grande que a WTorre não chegará ao trigésimo ano como detentora dos direitos da superfície do terreno, deixando a operação bem antes do prazo previsto – a receita proveniente do Allianz Parque, que já é enorme, a partir daí seria toda do Palmeiras.

Os caminhos para crescer ainda mais

As ambições do Palmeiras podem e devem ser grandes, enormes. Ser o maior clube do país e do continente é uma meta que já foi alcançada no aspecto financeiro, faltando apenas confirmar com conquistas esportivas, sobretudo em âmbito continental. Essas conquistas atrairão mais torcedores, que por sua vez serão mais fontes de renda, que serão fundamentais para manter bons times, que conquistarão mais títulos, completando o círculo virtuoso.

A economia brasileira não permite que possamos sonhar em nos equipararmos com equipes de ponta do planeta, como Manchester United e Real Madrid, cujas receitas em 2018 ultrapassaram os US$ 800 milhões (mais de R$ 3 bilhões). Ainda.

No entanto, já podemos pensar em ultrapassar clubes como o West Ham (arrecadação em 2018: US$ 261 milhões, cerca de R$ 965 milhões) e nos equipararmos, ao menos, aos “semigrandes” da Europa, como o Atlético de Madrid. Os colchoneros ocupam a 13ª posição na arrecadação mundial, com US$ 339 milhões (cerca de R$ 1,25 bilhão). O Palmeiras precisaria quase dobrar o que arrecadou em 2018 para chegar a esse patamar. Dá? Claro que dá.

  1. Patrocínio – a Crefisa hoje paga o maior valor do país para aparecer em nossas camisas e propriedades de marketing, mas esse valor, diante do crescimento de visibilidade alcançado pelas empresas do grupo, pode ser muito maior;
  2. WTorre – se a empresa de Walter Torre, no mínimo, voltar a fazer os repasses devidos sobre as receitas de shows e matchdays, os ganhos do clube subirão substancialmente; para isso, é necessário que o imbróglio jurídico entre as partes seja solucionado pela arbitragem;
  3. Avanti – se o clube voltar a investir no plano de sócio torcedor – tanto na estrutura como nos produtos em si – e torná-lo realmente atraente para todos os nichos de palmeirenses, pode voltar a ser o maior plano do país em volume de torcedores e em arrecadação;
  4. Vendas de atletas da base – o Palmeiras está se especializando em vender jogadores da base para outros centros. Com o tempo, pode se tornar uma fonte confiável de jogadores “tipo exportação”. Quanto mais atletas com o “selo Palmeiras” vingarem na Europa, maior o valor das vendas futuras. Além disso, a cada transferência desses jogadores no decorrer de suas carreiras, o Palmeiras ganha um quinhão. E isso também influencia na venda de jogadores já formados, que podem sair por verdadeiras fortunas;
  5. Ações de marketing – é possível buscar novas fontes de renda ao redor do mundo, como fazem os grandes da Europa. A marca Palmeiras tem um potencial gigantesco a ser explorado. Conquistando títulos e se estabilizando como o clube mais poderoso da América do Sul, haverá muitos frutos a serem colhidos.

Pés no chão

Mauricio Galiotte

O presidente Maurício Galiotte constantemente menciona a ambição do clube quando questionado sobre o volume de dinheiro que o Palmeiras vem girando nos últimos anos. Sem recursos financeiros não se faz um clube competitivo e o Verdão rapidamente saiu de uma situação de penúria para ser um dos poucos clubes devidamente encaixados num modelo profissional de gestão do futebol.

É possível continuar sonhando alto, mas é fundamental manter os pés na terra. O clube precisa continuar conquistando títulos para manter a trajetória ascendente, e a Libertadores é um degrau importante que precisa voltar a ser vencido. Tudo tem seu tempo e os passos devem ser dados um de cada vez.

Continuamos tendo rivais à altura ainda em nosso território – o Flamengo também fez um ótimo trabalho de reestruturação econômica e rivaliza conosco, embora ainda não tenha conseguido o mesmo sucesso dentro de campo.

Para seguir conquistando títulos, além da saúde financeira, é necessário manter a excelência no departamento de futebol. E qualquer ebulição política é suficiente para desestabilizar o ambiente e jogar tudo por água abaixo – vide o nosso soberano vizinho de muro.

O profissionalismo deve sempre falar mais alto. O outro rival, que hoje é inimigo, sonhou ser o maior clube do mundo há alguns anos, mas deu passos muito errados para ter seu sonhado estádio e voltou a ser o devedor de marmitas que sempre foi.

Por fim, não adianta nada ter o elenco mais poderoso e ser prejudicado pelas arbitragens em jogos decisivos, como vem acontecendo de forma recorrente em nosso passado recente. O Palmeiras precisa ser respeitado e temido nos bastidores.

Podemos e devemos sonhar alto, estamos com condições para isso. É nossa vez de mirarmos para o céu. Mas para nos mantermos nessa trajetória, é preciso muito cuidado e profissionalismo total. Não há mais espaço para a politicagem mesquinha que caracterizou por muito tempo não só o Palmeiras, mas ainda hoje, todos os clubes de futebol do país. Se aproveitaremos nossa chance ou não, o tempo dirá. VAMOS PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.