Imprensa ergue o muro da vergonha contra o Palmeiras

Moisés x Gabriel
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras ganhou o Derby em Itaquera, no último sábado, e deu um enorme passo para chegar a mais um título estadual em cima do velho rival. Nosso time não jogou um futebol exatamente vistoso, mas foi mais do que suficiente para chegar ao resultado, controlando o jogo e bloqueando todas as investidas do adversário após ter construído a vantagem no placar.

O jogo foi marcado por lances polêmicos, tanto em torno da arbitragem, quanto entre os jogadores, que no final do primeiro tempo se envolveram num empurra-empurra um pouco mais forte em que alguns braços se agitaram mais do que o normal. Mesmo assim, nada que configure nenhuma agressão ou que requeira qualquer ação de um tribunal sério. Coisa de jogo tenso, Derby, decisão – principalmente após uma semana em que tudo o que a imprensa fez foi repetir à exaustão as cenas da briga da decisão de 1999.

Mas a imprensa precisa sensacionalizar tudo – e se puder puxar a análise para os queridinhos, melhor ainda. Para eles, Felipe Melo agrediu Clayson pelas costas e merecia alguns anos de cadeia. Diante da confusão generalizada, o único jogador que teve o nome insistentemente mencionado foi o de nosso camisa 30. Parece que Henrique, Clayson, Balbuena, Sheik e Gabriel faziam parte de uma comissão de paz da ONU.

Felipe Melo não é santo e de fato provocou Clayson, com quem já tinha histórico, ao deixar o braço em suas costas na passagem. Daí a ser uma “covarde agressão por trás” há uma diferença muito grande. Se aquilo foi um soco, eu sou o bailarino da Tim. O movimento, no entanto, deflagrou uma reação aparvalhada do comentarista André Loffredo, torcedor do SCCP, que histericamente tentava caracterizar Felipe Melo com as piores classificações possíveis – confira nesta inacreditável matéria.

O Muro da Vergonha

Inacreditável também foi o pênalti que a equipe do SporTV tentou inventar para o SCCP. No segundo tempo, Antônio Carlos tentou cortar um lançamento para a área. Ele saltou em direção à bola, que bateu em sua mão e o árbitro marcou falta. Nosso zagueiro salta para a frente, com o pé muito próximo da linha da área, e fica muito claro que quando a bola bate em sua mão ele está fora da área. Mas para o SporTV, foi pênalti: eles manipularam um suposto recurso em 3D que mantém Antônio Carlos dentro da área, e subiram um muro digital branco para deixar “claro” que foi pênalti. Até a equipe da ESPN caçoou do muro da vergonha do SporTV.

As equipes da RGT e do SporTV omitiram também um lance que poderia ter decidido o campeonato: ainda no primeiro tempo, Willian e Borja escapam da defesa adversária após lançamento de Marcos Rocha e partem livres com a bola em direção ao gol de Cássio, mas o bandeirinha marcou impedimento.

O lançamento foi longo e na câmera principal nossos dois atacantes não aparecem no quadro; a transmissão ao vivo não mostrou nenhum replay. Nossos atacantes reclamaram muito; nossa torcida, mais ainda, nas redes sociais. Somente 24 horas depois o site da emissora disponibilizou o lance num ângulo aberto que confirma que Willian e Borja tinham condições de jogo. Se houve um time prejudicado pela arbitragem neste Derby, foi o Palmeiras.

Já ganhou?

Mas não foi só da RGT e do SporTV que vieram ataques. A Bandeirantes, cujo Departamento de Esportes é uma espécie de “Notícias Populares na TV”, cobriu o jogo em seu programa Terceiro Tempo com uma tarja na tela que dizia que o Palmeiras está em clima de “já ganhou”.

É sabido que esse tipo de declaração funciona como injeção de ânimo para o outro lado, além de aumentar a responsabilidade do time que supostamente canta a vitória antes da hora. O problema é que o Palmeiras não fez nada disso. Não existe nenhuma declaração de nenhum jogador ou membro da comissão técnica nesse sentido. Nem a torcida, calejada, embarca nessa.

De onde a Bandeirantes tirou o clima de já ganhou? Só pode ser da vontade de ver o SCCP ganhar o campeonato, dando-lhes incentivo artificial e tumultuando nosso ambiente. Não tem outra explicação.

Terceiro Tempo - Já ganhou
reprodução

O mais difícil de todos os tempos

Este Paulistão, por uma série de situações, parece ser o mais difícil de todos os tempos para o Palmeiras. Não pela qualidade técnica dos adversários, que já viveram momentos bem melhores, mas pela sucessão de interferências externas que tentam atrapalhar nossa caminhada.

Desde o Derby do turno, onde fomos vergonhosamente roubados; mais o episódio do mando das quartas-de-finais, quando quiseram nos tirar um mando do Allianz Parque; passando pela suspensão absurda a Jailson, armada pelo TJD, tudo isso temperado com ataques e manipulações constantes da imprensa e arbitragens recorrentemente contrárias ao Palmeiras fazem com que uma eventual conquista no domingo seja épica.

Estamos prontos. A torcida do Palmeiras vai ser o combustível com que nossos jogadores podem contar no próximo domingo. Podem vir com imprensa e juiz. No Allianz Parque vão precisar de mais que isso, vão ter que jogar MUITA BOLA se quiserem sair do estádio com o troféu.


Fiquem atentos ao Periscazzo – live no YouTube, todas as segundas e sextas-feiras,  a partir das 20h. Inscrevam-se no canal: www.youtube.com/verdazzo1914