0
X
4

Em ritmo de treino, o time misto do Palmeiras goleou o Deportivo Táchira no estádio Pueblo Nuevo por 4 a 0 e largou forte na disputa pelo tetra da Libertadores.

Sem encontrar dificuldades em nenhum momento do jogo, o Verdão usou a movimentação para dar ritmo e confiança a peças que tendem a ser importantes na temporada, sobretudo Kuscevic, Jorge e Rafael Navarro.

Ficha Técnica

Crônica do jogo

O Palmeiras passeou na estreia da Libertadores e goleou o Táchira por 4 a 0 em San Cristobal, mesmo com um mistão. Contra um time bastante frágil técnica e taticamente, o Verdão usou armas simples e passou por cima do adversário, que jogando desta forma teria dificuldades para disputar até o campeonato paulista.

Craques como Dudu e Raphael Veiga deitaram e rolaram em cima dos marcadores venezuelanos. E mesmo jogadores menos cotados como Rafael Navarro puderam tirar uma casquinha – melhor para o camisa 29, que marcou seus dois primeiros gols com a camisa do Palmeiras e afastou a má sorte que o perseguia.

Com três zagueiros e laterais lançados, o Táchira deixou duas avenidas nas costas de Camacho e Benitez; o Palmeiras decidiu explorar o lado direito do ataque com Dudu e foi, de fato, uma festa.

Nas bolas paradas, muita liberdade e a cada escanteio era um pandemônio na área do time da casa. Dudu perdeu um gol feito logo no segundo ataque, num escanteio em que aproveitou um latifúndio de liberdade – mas na chance seguinte, não desperdiçou, contando com a colaboração do goleirão.

A liberdade era vista também com bola rolando, e após roubada de bola de Mayke, Atuesta tocou simples para Veiga, que aproveitou o espaço. Na atual fase, o camisa 23  é mortal de qualquer forma, calculem se o deixarem com liberdade: ele recebeu a bola já ajeitando para o disparo e executou antes da chegada do marcador, com muita precisão. Golaço.

O técnico espanhol do Táchira mexeu no sistema defensivo no intervalo colocando Garcéz em campo, mas não adiantou nada: em duas jogadas que nasceram do lado direito de nosso ataque, mais dois gols, e justo de Rafael Navarro, que precisava demais dos gols. O segundo foi executado com um gesto técnico perfeito, uma cabeçada de manual, com a bola picando na grama antes de bater na bochecha da rede.

Com quatro gols de frente, o Palmeiras, claramente, tirou o pé e deu início à gestão de energia. Se precisasse de mais, faria – perguntem ao SPFC…

Próximo objetivo: 3 pontos no Brasileirão, em casa – e o Ceará é muito mais complicado que o Táchira. O Verdão lutará contra o adversário e contra o desgaste da longa viagem e vai ter que contar com toda a competência do NSP para manter os atletas em sua melhor forma.

De qualquer forma, Marcos Rocha e Danilão no Brasil ficaram recuperando as baterias e estarão 100%. Pra cima deles e VAMOS PALMEIRAS!

Escalação

Deportivo Táchira

Varela
Camacho
Restrepo
Calzadilla
Quintero
Marrufo
Benitez
Garcéz
Flores
Cova
Chacon
Arace
Farías
Simisterra
Figueroa
Fernández
Alex Pallarés
TÉCNICO


Primeiro tempo

2'
Palmeiras

Após escanteio da direita, Veiga achou Dudu solto dentro da área; o camisa 7 dominou e chapou buscando o canto esquerdo, mas pegou mal na bola e mandou para fora, perdendo gol certo.

7'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Mais um escanteio da direita batido por Veiga; na segunda bola, Dudu de novo ficou com a sobra, novamente livre, mas desta vez a batida simples por baixo venceu o goleiro Varela, que ajudou.

22'
Palmeiras

Desta vez o escanteio foi pela esquerda; a bola foi rebatida e sobrou para Gabriel Veron, que bateu da meia lua, rasteiro – a bola saiu à esquerda de Varela, com muito perigo.

25'
Palmeiras

A zaga do Táchira não sabia marcar escanteio. Dudu bateu mais um, pela direita; Kuscevic testou da marca do pênalti e a bola beijou o travessão.

34'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Mayke roubou no campo de ataque; a bola ficou com Atuesta que serviu Raphael Veiga, completamente livre pelo miolo; o camisa 23 enquadrou o corpo e mandou uma bomba de canhota, no canto esquerdo de Varela.

43'
Palmeiras

Mayke tabelou com Raphael Veiga, infiltrou na área, recebeu de volta e serviu Gabriel Veron, que escorou para fora, com o gol aberto.

48'

O árbitro encerrou o primeiro tempo, muito fácil de ser apitado.


Segundo tempo

O Palmeiras voltou com Rafael Navarro no lugar de Gabriel Veron.

1'
Palmeiras

Wesley aproveitou bola roubada por Rafael Navarro e bateu prensado; a bola saiu devagarinho à esquerda do gol.

3'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Dudu enfiou para Mayke, que recebeu por trás da zaga e cruzou; Rafael Navarro se antecipou à marcação no primeiro pau e escorou para as redes.

7'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Dudu fez a jogada de velocidade pela direita e cruzou; Rafael Navarro se esticou e não alcançou; a bola passou e Wesley aparou pela esquerda e cruzou de novo; Rafael Navarro já tinha se levantado e testou para as redes.

15'

Saíram Wesley, Dudu e Raphael Veiga; entraram Breno Lopes, Gabriel Menino e Giovani.

21'
Palmeiras

Giovani fez jogada de velocidade pela direita, fez o breque e bateu de canhota, de curva – a bola passou a um dedo da trave direita. Navarro esperava babando para fazer o hat trick.

26'

Jailson chegou atropelando o adversário e recebeu o segundo amarelo, deixando a equipe com dez jogadores.

27'
Deportivo Táchira

Cova bateu falta frontal por baixo; Weverton foi firme no canto direito e pegou sem problemas.

30'
Deportivo Táchira

Em jogada de contra-ataque, Cova chutou de longe e a bola desviou na defesa, quase pegando Weverton desprevenido. A bola saiu em escanteio pela esquerda; Simisterra, impedido, tentou aproveitar o rebote mas Weverton fechou o ângulo.

35'

Zé Rafael entrou no lugar de Atuesta.

42'
Palmeiras

Gabriel Menino cobrou falta sofrida por Zé Rafael com força, mas no meio do gol, fácil para Varela.

49'

E o juiz argentino encerrou a partida.



Notas


Jogador
Descrição
Nota
Weverton
Algumas participações desastradas no primeiro tempo, totalmente frio, e uma defesaça no fim do jogo.
6
Mayke
Jogou em alto nível atacando e defendendo.
7.5
Kuscevic
A disputa com Murilo para ser o reserva imediato está cada vez mais aberta. Ótimo jogo.
8
Gustavo Gómez
Parecia que estava num coletivo, tamanha a tranquilidade.
7
Jorge
Defensivo; não teve quase nenhum trabalho.
6.5
Jailson
Ocupa os espaços de maneira perfeita, mas erra muitos passes. O segundo amarelo foi bem contestável.
6.5
Atuesta
Fez a função de 5 com naturalidade.
6.5
Zé Rafael
s/n
Dudu
Deitou e rolou nas costas de Benitez. Não tem culpa se os caras não sabem marcar.
8
Gabriel Menino
Jogou com seriedade e parece ter entendido o que está acontecendo em sua carreira.
7
Raphael Veiga
Se já é letal contra marcações duríssimas, imaginem contra um sistema tão frágil...
8
Giovani
Entrou com fome, muita fome!
7
Wesley
Taticamente correto, mas na hora de executar faltou inspiração.
6.5
Breno Lopes
Parecia desmotivado.
6
Gabriel Veron
Não fez muito melhor que Rony. Desperdiçou uma boa chance de andar algumas casas.
6
Rafael Navarro
Andou umas 200 casas; finalmente reverteu a onda de má sorte e meteu logo duas nas redes - e podia ter feito mais.
9
João Martins
João Martins
Trabalho tranquilo - convenhamos, com um elenco tão bem treinado, qualquer um de nós faria bonito na beira do campo neste jogo.
7




  • Em muitos jogos esse ano, foi gritante a falta do camisa 9. Principalmente nos gols que o Rony perdeu cara a cara com goleiro ou até sem goleiro. O Navarro só entrava quando o time já tinha feito o resultado e estava diminuindo o ritmo, com o ataque desfigurado. Muitas vezes sem Veiga, Dudu ou Scarpa. As oportunidades que o Rony tinha de fazer gols, o Navarro dificilmente teve. Ontem foi diferente.

    O que isso quer dizer? Será que ele vai ser o 9 que todo mundo queria? Não dá pra cravar nada. Afinal, o adversário de ontem era péssimo. A única coisa que dá pra afirmar é que PRECISA DAR TEMPO para o cara. O crescimento que alguns jogadores tiveram com o Abel Ferreira foi absurdo.

  • Time muito consistente. Normalmente, sofreríamos mais com um time misto – principalmente pela “ressaca” logo após um título. Não com esta comissão técnica, não com esse elenco. Entraram com fome de bola, honraram a alcunha de atual bicampeão da américa e foi um vareio de bola. Sim, o Tachira é muito fraco. Mas o Palmeiras fez o que um grande tem que fazer com times fracos: se impor. Destaco as partidas de Atuesta, Jorge, Menino (que parece estar acordando pra vida) e principalmente Kuscevic e Navarro. E cabe dar parabéns pro Tachira, que em nenhum momento quis partir pra agressão, dar pontapé ou mesmo chilique, igual vimos a Raphaela fazer domingo. Tentaram à todo tempo fazer seu gol de honra.

  • Bora que hoje tem gol do Navarro, pra tirar a zica do primeiro gol, logo em uma liberta. AVANTI PALESTRA.