Levante contra a Conmebol é a saída para os clubes brasileiros

Em meio à repercussão da vitória sobre o Inter e da eliminação da turma do cheirinho da Libertadores, o Palmeiras ainda lida com o parecer do Comitê Disciplinar da Conmebol, que determinou que, pelos próximos três jogos como visitante, não poderá haver torcedores do Verdão nas arquibancadas, além do pagamento de uma multa de US$80 mil.

A decisão, diante das perspectivas, pode até ser considerada positiva, apesar da injustiça ter prevalecido. O Palmeiras se livrou de ter que jogar com o estádio vazio na próxima quarta-feira, contra o Atlético Tucumán, o que representaria enorme perda financeira e técnica, aumentando o risco de uma surpresa. Com a casa cheia, as chances de um desastre diminuem bastante – e o caixa do clube agradece.

Tá bom, mas tá ruim

Confrontamento no UruguaiA proibição da presença da torcida palmeirense nos próximos três jogos fora de casa, no entanto, fará com que apenas numa eventual final o Palmeiras tenha o precioso incentivo na condição de visitante. Nas oitavas, quartas e semis, nossos atletas terão contra si estádios completamente hostis.

A decisão, provavelmente, deu-se por consequência das imagens onde nossa torcida foi filmada trespassando os limites a ela estabelecidos, desprezando que o movimento foi fundamental justamente para evitar que nosso espaço fosse invadido pelos uruguaios, que além de terem atirado pelo menos três bombas durante o jogo, também tentavam cercar nossos torcedores pelo portão de acesso à rua. Assim como Felipe Melo, condenado a seis jogos de suspensão, nossa torcida foi vítima da covardia uruguaia, agiu em legítima defesa e acabou punida.

A saída é um levante

Infelizmente não podemos esperar justiça de uma entidade como a Conmebol, que ontem aprontou mais uma – suspendeu o zagueiro Luís Otávio, da Chapecoense, por três jogos durante a tarde, e avisou a delegação brasileira da punição apenas no vestiário do estádio do Lanús, gerando revolta na equipe brasileira, que não acatou a orientação e mandou o atleta a campo – foi exatamente ele quem anotou o gol da vitória, que recolocou a Chape na luta pela vaga em seu grupo.

Comissão de arbitragem da Conmebol
A Comissão de Arbitragem da Conmebol conta com toda a honestidade de Ubaldo Aquino (esq)

A Conmebol, que segundo parecer do senador Romário após ter acesso a uma série de documentos comprometedores é “mais corrupta que a CBF e que a FIFA”, vem ano após ano prejudicando os clubes brasileiros em suas disputas. Depois do grande roubo de 2001 protagonizado por Ubaldo Aquino (que é membro da comissão de arbitragem da entidade), o Palmeiras volta a sofrer com decisões arbitrárias e claramente injustas e passou da hora de haver um levante brasileiro contra a entidade, exigindo mais transparência, justiça e organização.

Só não podemos esperar que isso parta da CBF. Será necessário que os clubes, numa iniciativa inédita, deixem de lado suas diferenças e formem um bloco sólido, cujo poderio financeiro represente realmente uma ameaça aos planos financeiros da entidade, num movimento que inevitavelmente passará por tratativas com a RGT, elo fundamental nesse cabo-de-guerra. Quem dará o primeiro passo?