Thiago Martins sofre séria lesão e é mais um aos cuidados do “novo” departamento médico do Palmeiras

Thiago Martins
César Greco / Ag.Palmeiras / Divulgação

O zagueiro Thiago Martins sofreu uma séria lesão no joelho esquerdo e deve ficar de fora das atividades com bola por até seis meses. No jogo-treino contra o Jabaquara, realizado no sábado, o zagueiro teve o ligamento cruzado anterior rompido. Ele se junta a Moisés, também com uma lesão grave de joelho, nas sessões de tratamento e fisioterapia que devem começar após a necessária intervenção cirúrgica.

As duas ocorrências colocam à prova os médicos promovidos das divisões de base no início do ano, após as demissões de Rubens Sampaio, Vinicius Martins e Otávio Vilhena. O departamento hoje é coordenado pelo dr. Gustavo Magliocca, que comanda uma equipe de médicos e fisioterapeutas bastante jovens – o mais experiente tem 37 anos de idade.

Sem qualquer conhecimento na área médica, não temos a menor condição de julgar seu trabalho. A única forma de criarmos qualquer juízo é pelos resultados e pelo tempo de recuperação – e mesmo assim, continua sendo mero palpite, pois não temos elementos para avaliar se determinada recuperação foi rápida ou lenta. Cada caso é um caso.

Resta, à distância, torcer para que as escolhas do presidente Maurício Galiotte, tanto na demissão quanto na promoção, tenham sido acertadas, e que a jovem equipe dê conta da responsabilidade de recuperar os atletas do Palmeiras o mais rápido possível, dando-lhes plena condição de performar em alto nível sem risco de reincidência.

“Elenco inchado”

A perda de Thiago Martins traz mais uma vez à tona as críticas da imprensa ao elenco supostamente inchado do Palmeiras. Com cinco zagueiros no elenco, o clube se vê num dilema entre ir ao mercado para repor a perda ou apostar em Augusto, um dos destaques do time sub-20 nas últimas temporadas e que completa 20 anos no próximo mês.

No ano passado,  o time contou com cinco zagueiros. Roger Carvalho, o quinto zagueiro, jogou apenas sete partidas, todas no início da temporada, enquanto Marcelo Oliveira estava ainda testando o elenco para definir os titulares.

Com quatro zagueiros, sendo três de nível comprovadamente superior (Mina, Vitor Hugo e Dracena), os riscos de desfalque são aceitáveis num primeiro momento. Antônio Carlos tem um excelente porte físico e fez uma boa temporada na Ponte Preta em 2016, e em princípio merece nossa confiança. E em caso de necessidade, caso Augusto não conquiste a confiança do treinador, tanto Fabiano quanto Thiago Santos podem quebrar o galho no decorrer de um jogo.

Alexandre Mattos, no entanto, certamente está com o radar ligado. No caso de uma infeliz coincidência de perdermos mais um zagueiro por um longo período, a busca por um reforço será inevitável.

“Acaso” exagerando contra nós

Depois de duas perdas por lesão grave de joelho, temos que torcer para que o “acaso” nos dê uma folga. A se verificar a forma como se deu a lesão de Thiago Martins; a perda será mais fácil de engolir em caso de uma torção por obra do acaso, por uma infelicidade na movimentação. Será inaceitável que tenha sido causada por uma entrada estabanada por um jogador do Jabaquara num mero jogo treino.

Criticamos os estaduais por expor nossos jogadores a esse tipo de situação, e será inadmissível que haja uma ocorrência dessa gravidade numa atividade interna por ocasião de um choque.

  • Valdimir Tibúrcio da Silva

    Não concordo, com todo respeito, com a parte final do texto do Conrado. Lesão desse tipo é um risco que haveria no Estadual ou qualquer outra competição, em jogo ou treino. Se não estivéssemos no Estadual, o que estaríamos fazendo ou disputando? Neste ano, acho inclusive que o Estadual está dando uma base para o time do Verdão na Libertadores. Agora existe risco jogando e treinando para qualquer competição. O Estadual Paulista está até interessante e isso se confirma pela média de público do palmeiras não só como mandante, mas também como visitante. Na televisão isto também está acontecendo. Ao mesmo tempo, o Palmeiras está brigando para um título que nós queremos, Paulista, e preparando-se para outras competições, como Brasileiro e Libertadores. Deu azar, é verdade, com as lesões, mas faz parte. Mas a parte boa que deve ser observada é o elenco. As críticas sobre a quantidade de jogadores, agora silenciam, porque a realidade mostra que a organização e ação do palmeiras estava certa. Mais ainda! Acredito no fato de o Palmeiras estar com dois jogos amistosos, sete jogos no Paulista, jogos treinos certamente fará a diferença contra o Tucuman que só está jogando a Libertadores, face a crise na competição nacional da Argentina. Na minha opinião o Palmeiras estará melhor preparado.

  • Renan Furlan

    No primeiro teste, o novo departamento médico se saiu muito bem, tchê tchê se recuperou rapidamente e já está disponível após fratura…

  • Antonio Frederico

    Eu só penso se na verdade a equipe que cuida da preparação pré-jogos está fazendo o trabalho dela corretamente, alias, nem sei se estou me referindo a eles da forma correta ou se isso não tem nada a ver. Só sei que a bruxa está solta, o tudo que eu quero é que ela pare com isso.

  • Vctr81

    q zica…mas acho que contratar nao precisa nao, temos opções no elenco

  • Renan Antunes

    Vamos apoiar a equipe médica. Eles fizeram um bom trabalho na recuperação do Tche Tche. Faltou mencionar este caso no texto, Conrado! Bater onde tem que bater, elogiar onde tem que elogiar! Abraços.

    • Verdazzo

      mas eu nao bati, nem elogiei, exatamente por nao ter elementos para julgar, como mencionei no texto.
      voce por acaso sabe a gravidade da lesao do tche tche, sabe se o tempo foi mesmo reduzido? ou foi o tempo normal? ou foi maior do que poderia? eu nao manjo de nada disos e nao examinei o tche tche.
      essa é a coerencia que o Verdazzo sempre vai manter.

      • Valdimir Tibúrcio da Silva

        Acompanhando as matérias jornalisticas o Tche Tche teve seu retorno antecipado sim. O acompanhamento dos jogadores e recuperação, no Palmeiras tem sido alvo de elogio, inclusive com técnicas preventivas não utilizados por outros times. Tudo indica que o Palmeiras também recuperou o Barrios (que estava na sua melhor forma física até sair) Edu Dracena com trabalho preventivo (física e tecnicamente muito bem). O mesmo foi feito em relação ao Vitinho e agora Hyoram, tudo com participação do departamento médico. Roger Guedes está voando. Como já disse tudo é um trabalho conjunto, participando o departamento médico. O acompanhamento do atleta através de exame de dna é algo que no Brasil e no mundo, não se tem dados como no Palmeiras. Eu acho que o Renan sendo ou não médico, com base nas informações pode dar sua opinião e isso é tão coerente, quanto aquele que não sendo técnico e sem formação na área, como eu ou qualquer outro que opina, dá sua opinião. Raciocínio contrário, implicaria que só poderia opinar aqui, quem fosse técnico profissional. Acho que não é o caso!

      • Renan Antunes

        Conrado, interpretei o texto como um questionamento à atuação do depto. médico (com a colocação da pouca experiência dos mesmos) e dos dirigentes – leia-se Galliote – principalmente pela não substituição dos profissionais anteriores. Não sou médico e, como você, não podemos atestar a qualidade daqueles que estão lá (exatamente como você disse). A crítica é em relação à demora na substituição dos profissionais (não só percebida neste como em outros textos do Verdazzo). Contudo, é importante dar um apoio sim. Se estão lá, são merecedores. Isso que eu quis dizer com meu comentário. Não existe só o lado das lesões, existe também os elogios que o departamento vem recebendo (conforme mencionado pelo Vladimir em seu comentário) e a rápida recuperação de Tche Tche – não vou colocar links de outras empresas aqui, mas se você buscar “Tche Tche volta antecipadamente” provavelmente encontrará matérias sobre o assunto. Só achei válido ressaltar este fato, pois sei como o Verdazzo preza por ser imparcial (na busca pelo melhor para o Palmeiras) e tentei contribuir com a informação.

  • Renato Sansão

    Lesão faz parte, todos os times grandes estão com 03 a 06 atletas no estaleiro – alguns deles desde meados de 2016.

    Justamente por isso temos que ter 03 atletas por posição – na perda por lesão ou suspensão, seguimos com planos A e B.

    Rápida passada no elenco atual:

    – 04 goleiros (OK)
    – 02 laterais direitos com a possibilidade de improvisar Thiago Martins/machucado e Tchê Tchê/voltando (seria bom ter mais 01 da posição no elenco)
    – 05 zagueiros – com a suspensão do VH e a contusão do TM, teremos 03 e provavelmente o Augusto compondo o banco (OK)
    – 02 laterais esquerdos, com possibilidade de colocar o Michel por ali (OK)
    – 03 volantes contenção, com Arouca incluído na conta (OK)
    – 02 volantes que saem bem com a bola, sendo que temos Moisés machucado e Tchê Tchê voltando (mesmo com o improviso do Zé, falta 01 atleta com essas características no elenco)
    – 05 meias, somando Vitinho e Hyoran a Michel, Guerra e Raphael Veiga (01 atleta sobrando, já que nem Vitinho nem Hyoran são vistos em campo)
    – 05 atacantes pelas pontas, somando Rafa e Erik a Guedes, Keno e Dudu (01 atleta sobrando, já que nem Rafa nem Erik são vistos em campo)
    – 03 atacantes centralizados: Borja, Bigode e Alecsandro (OK)


    Para equilibrar o plantel, penso que o Palmeiras poderia:

    – Trazer 01 LD + 01 volante com boa saída de bola (checar a base antes de ir ao mercado)
    – Emprestar/vender 01 dos meias (Vitinho ou Hyoran) e 01 dos atacantes pelas pontas (Rafa ou Erik). Por características de jogo e também de momento, minhas opções seriam pela manutenção de Vitinho e Rafa.

  • Valdimir Tibúrcio da Silva

    Segundo informação do PVC o Palmeiras vai jogar com Felipe Mello e Thiago para reforçar a marcação no meio de campo. Também segundo o PVC o Borja começa como titular. Quem está ganhando muita moral com o técnico é o Roger Guedes, mas acredito que o Keno começará jogando. Há também a possibilidade de Borja e Willian do bigode jogarem juntos, com o Willian pelo lado de campo. É quase certo que Michel Bastos vai jogar e que o Zé Roberto volta para a lateral esquerda. Não acredito que o Borja jogará a partida inteira, embora tenha feito um treinamento especial, na semana passada, para estar em forma e em plena condição física. Também acho difícil que Tche Tche ou Guerra, entrem na partida, mas é apenas uma opinião.

    • Renan Antunes

      O difícil é escalar tanta gente!!

      • Valdimir Tibúrcio da Silva

        Voce tem razão. É difícil mesmo. Por isso tem que ter um pouco de calma até as coisas se acomodarem. Além disso usar os melhores jogadores para cada jogo. Abraço.

  • Rafael Santos

    boa tarde vcs do verdazzo vão faze um esboço dos times que vamos enfrentar na liberta ??

  • Ruan Santos

    Acho que devem dar chance para o Augusto. Se for contratar um zagueiro teria que ser um que pudesse assumir a posição de titular e não para compor elenco, o que neste momento é um pouco difícil.

  • MonacoParmerista

    Independente da gente ser médico e entender — ou não — de medicina, há um conceito básico na contratação de profissionais, principalmente numa modalidade onde a especialização é um fator tão crítico de desempenho: REFERÊNCIAS, tanto na estruturação do departamento quanto na composição da equipe.

    O clube TEM de seguir benchmarks na configuração da equipe médica e TEM de trazer os profissionais mais gabaritados que o seu orçamento permita.

    Fora isso, teremos amadorismo/apostas, coisas cujo resultado é incerto — no melhor cenário — e fracasso, no mais comum.

    Não sabemos se esses princípios acima foram seguidos; alguém teria de fazer essa avaliação.

  • AlexTala

    Em termos de equipamentos e estrutura o departamento de fisioterapia e fisiologia do Palmeiras hoje é o estado da arte? Imagino que a diretoria tenha escolhido também uma boa equipe para fazer o melhor uso deste arsenal!

  • Czar_SP

    Aposentar um medalhão encostado no elenco para subir um jovem promissor na mesma posição pode ser uma boa decisão técnica, além de economizar em salário.

    Mas fazer isso com a equipe médica? Já vi esse filme. É o “Bom e Barato”, o filme de terror que mais me causou pesadelos em toda a minha carreira de Palmeirense.

  • Vinicius silveira

    Que eram necessárias mudanças no nosso departamento médico, era óbvio. Agora se essas mudanças foram as que precisávamos, só saberemos mais pra frente. Agora várias vezes eu vejo comentaristas falando que responsáveis por prevenir contusões não são do departamento médico e sim do fisiológico. Alguém sabe se esse é o caso mesmo?

  • A equipe médica é uma molecada.