Lista de inscritos do estadual dá dicas importantes sobre as ambições do Palmeiras na temporada

Pedrão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras registrou na FPF na tarde desta terça-feira os inscritos para a disputa do campeonato paulista. Como já é de conhecimento amplo, o regulamento delimita duas listas: uma com atletas oriundos da base, que precisam atender a diversos pré-requisitos, sem limite na quantidade, mas da qual somente cinco podem entrar em campo simultaneamente; e outra com os atletas em geral, limitados a 26.

Vitor Hugo e Gustavo Scarpa, que eram dúvida, estão inscritos. O primeiro recupera-se de uma cirurgia na região inguinal e sua presença na lista é sinal de que a recuperação está caminhando bem. Já o meia teve as negociações com o Almería encerradas e volta a ficar à disposição da comissão técnica.

Um detalhe, no entanto, deixa a torcida desconfiada: o zagueiro Pedrão e o atacante Angulo poderiam ter sido inscritos na lista A, mas ficaram apenas de sobreaviso. As vagas foram “guardadas”, o que só pode ter um significado, diante da disponibilidade de atletas: todas as cinco vagas podem ainda ser preenchidas por jogadores que ainda não fazem parte do elenco atual. Do contrário, não haveria nenhuma necessidade de deixar Pedrão e Angulo de fora.

O Palmeiras tem claras necessidades no comando do ataque e também pode precisar de reforços na zaga, e na lateral esquerda. Além disso, foi revelada uma proposta do clube pelo atacante Ronny, do Athletico-PR. É para a torcida ficar desconfiada mesmo. As ambições do Palmeiras, afinal, podem não ser tão modestas como pareciam.

Timing

Anderson Barros
Fabio Menotti/Ag. Palmeiras

Antes tarde do que nunca, claro. Mas o momento que a força de contratação do Palmeiras parece entrar em cena não é exatamente uma demonstração de planejamento consistente.

Luxemburgo já começou a montar seu plano tático. A comissão técnica já tem os atletas com o preparo físico razoavelmente homogeneizado.

Eventuais chegadas, importantes para finalmente equilibrar setores do elenco que estavam claramente deficientes, não deixam de ser uma evidência de falhas no planejamento.

De qualquer forma, Luxemburgo parece não estar se importando muito com isso e vai trabalhando com o que tem. Receberá os eventuais reforços de braços abertos. Nós, também.

Listas

Abaixo, as listas com os inscritos no estadual:

Lista A
Goleiros
: Weverton, Jailson e Vinicius
Laterais: Marcos Rocha, Mayke, Diogo Barbosa e Victor Luis
Zagueiros: Vitor Hugo, Felipe Melo, Gustavo Gómez, Luan e Emerson Santos
Volantes: Bruno Henrique e Ramires
Meias: Lucas Lima, Raphael Veiga, Zé Rafael e Gustavo Scarpa
Atacantes: Dudu, Luiz Adriano e Willian

Lista B
Lateral
: Esteves
Volantes: Gabriel Menino e Patrick de Paula
Meia: Alan
Atacantes: Gabriel Veron e Wesley


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

Hype sobre a base encobre o desequilíbrio do elenco em formação

O empréstimo de Carlos Eduardo, confirmado nesta terça-feira, mantém a tendência desta janela de transferências: uso massivo da base, nenhuma contratação e muitas dispensas.

Jogadores como Borja e Carlos Eduardo estavam muito desgastados com a torcida e não tinham mais ambiente para seguir no elenco. As dispensas, bem costuradas, vieram em boa hora.

Mas o uso equivocado dos recursos no ano passado parece estar cobrando seu preço. A primeira partida da pré-temporada acontece daqui a oito dias e nenhuma contratação foi feita. A determinação, segundo repercutem os setoristas do clube, é de contenção de despesas.

Para suprir as sete saídas confirmadas até agora no elenco, foram incorporados nove atletas oriundos de nossas categorias de base. E nem todas as saídas tiveram reposição, assim como nem todas as promoções ocuparam lacunas. O elenco ainda parece desequilibrado.

Idas e vindas: desequilíbrio e indefinições

Para a saída de Fernando Prass, Vinicius Silvestre foi incorporado. Para preencher as vagas de Edu Dracena, Antônio Carlos, e Thiago Santos, foram chamados Pedrão, Patrick de Paula e Gabriel Menino – o movimento de Felipe Melo para a zaga corrige este pequeno desencaixe. Até aqui, caso o camisa 30 seja mesmo deslocado, tudo certo.

A saída de Carlos Eduardo está sendo reposta, no papel, por três meninos da base: Angulo, Wesley e Veron. O grupo se ressentia de atletas com essa característica em 2019: além de Dudu, tivemos apenas Carlos Eduardo e Felipe Pires, que logo foi repassado. Teoricamente, os três garotos devem lutar por duas vagas. Até aqui, continua tudo certo.

Luiz Adriano
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Mas ainda há ajustes a serem feitos. De nossa trinca de centroavantes do ano passado, Borja, Henrique Dourado e Deyverson, os dois primeiros já saíram e Deyverson, finalmente, recebeu novas propostas do exterior e tende a ser mais um a deixar o clube. Luiz Adriano e Willian, que não têm porte físico para serem usados como nove clássico, seguem sendo nossas opções para a função.

Papagaio voltou de empréstimo e está treinando separadamente do grupo principal – seria uma opção caso o Palmeiras esteja realmente em situação de penúria, sem nenhuma verba para compras. Mas o ideal, claro, seria investir pesado num reforço para esta faixa do campo.

Victor Luis está cotado para ser negociado com o Atlético, assim como Hyoran – o meia sequer está participando das atividades neste início de trabalhos. Os representantes de Gustavo Scarpa seguem conversando com o Almería-ESP.

Diogo Barbosa
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Se o camisa 26 deixar o clube, Lucas Esteves será a única alternativa para o lado esquerdo da defesa – e o titular, Diogo Barbosa, terminou o ano muito contestado diante de seu fraco desempenho.

Na meia, ainda sem saber se Scarpa fica ou sai, Alan precisa dar certo para ser uma opção para Luxa. Raphael Veiga, Zé Rafael e Lucas Lima rendem bem quando bem usados, mas Luxa precisará ser certeiro para achar a química correta, construindo um desenho tático onde todos produzam o que sabem. Não há margem para erros no setor taticamente mais importante do time. E sequer sabemos quem fica e quem sai.

Vamo-que-vamo

Uma ala da torcida, de forma surpreendente, parece estar comprando bem a ideia de repor as saídas apenas com a base. Provavelmente estão fazendo uma ligeira confusão entre não gastar de forma desordenada com não contratar ninguém.

Um clube com as pretensões do Palmeiras não pode se dar ao luxo de virar um ano sem reforçar o elenco nas funções mais carentes, confiando apenas no poder da base – por melhor que tenha sido o desempenho dos meninos no ano passado. Apostar nos poderes mágicos de Luxemburgo parece um risco muito alto.

Gabriel Verón
Fabio Menotti/Ag.Palmeiras

A diretoria está tentando consertar seus equívocos na administração financeira no ano passado e está aproveitando o hype em cima da base para justificar uma janela inteira em branco iludindo parte da torcida.

Como contra-argumento, há quem defenda a medida usando como exemplo o sucesso do Flamengo, que contratou meio time na janela de julho em 2019. Tomam uma exceção como regra. Um tiro no escuro que foi na mosca virou tendência.

O planejamento do elenco deste ano é o menos profissional desde 2015. O fluxo de caixa capenga está determinando uma postura “vamo-que-vamo”: coloca pra jogar e vê o que acontece, em julho a gente vai atrás pra corrigir que deu errado.

Ainda há tempo para corrigir, embora o planejamento tático esteja nitidamente atrasado diante de tantas indefinições. O Palmeiras não precisa comprar meio time, bastam duas ou três contratações grandes, que demonstrem realmente o tamanho da ambição do clube para esta temporada. Quanto mais demorar, menor parece. TIC TAC!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

Plantel de 2019 já tem quatro baixas; esboço de 2020 começa a ficar mais claro

Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Com o fim da temporada, alguns jogadores já definiram o fim de seus ciclos no Palmeiras e não retornarão ao clube em 2020. São os casos de Edu Dracena, que encerrou a carreira; Henrique Dourado, que retorna de empréstimo à China; Thiago Santos, que foi vendido ao futebol norte-americano, e de Fernando Prass, com o futuro ainda incerto.

A decisão de testar os meninos da base no elenco principal, mais os atletas que estouraram a idade e já rodaram em 2019 por empréstimo em outros clubes permanece, segundo declaração do presidente Maurício Galiotte – mesmo sem definir o diretor de futebol e o treinador.

Assim, já é possível esboçar de forma um pouco mais nítida o elenco que o Palmeiras terá em 2020.

Abaixo, seguiremos a lógica iniciada nesta série de posts, quando iniciamos a análise do elenco e das possibilidades para a próxima temporada.

Defesa

Com a saída de Fernando Prass e a renovação anunciada de Jailson, os goleiros para 2020 parecem definidos: Weverton, Jailson, Vinicius Silvestre e Matheus Teixeira. Para a lateral-direita, Marcos Rocha, com a ressalva de ter dificuldades na marcação do segundo pau, fez uma grande temporada – nosso próximo treinador precisa apenas corrigir essa deficiência. Mayke corresponde sempre que é acionado e Jean, em último ano de contrato, pode seguir sem problemas com terceira opção.

Já o lado esquerdo parece bem mais problemático. Victor Luis faz bem o papel de reserva, mas parece incomodado com essa situação – mesmo sem apresentar um futebol brilhante a ponto de poder reivindicar a titularidade. Diogo Barbosa, apesar de seu potencial, jamais conseguiu em dois anos de clube atingi-lo, e parece ter esgotado a paciência da torcida. Aqui, um reforço de alto nível é muito necessário – e dependendo da intenção de Victor Luis, talvez dois. Enquanto isso, Lucas Esteves sobe e é esperança de renovação.

O miolo da zaga tem em Gustavo Gómez uma referência. Vitor Hugo fez poucas partidas em alto nível desde que retornou da Itália, mas tem créditos que são reforçados com a informação de que jogou todo o semestre sentindo uma lesão na região inguinal, o que tende a ser corrigido com a cirurgia realizada na semana passada.

Luan só precisa de confiança; é um atleta que já deu claras demonstrações de que, com a cabeça tranquila, joga muito bem – cabe ao clube identificar como fazer para que o atleta não sinta tanto a pressão externa.  O mesmo raciocínio se aplica a Antônio Carlos, que já teve seus períodos jogando de forma destacada – como no primeiro semestre de 2018, quando foi titular com Roger Machado – mas também oscilou por conta de nervosismo. O camisa 25 encerra a temporada como quarta opção, claramente, e ainda terá que conviver com a ascensão de Pedrão, que ganhará chances após uma temporada no América-MG.

Meio-campo

Temos dois meiocampistas defensivos já definidos: Patrick de Paula, grande nome do time sub-20 multicampeão em 2019, chega ao time de cima para aprender. Matheus Fernandes, mesmo com o time em forte oscilação, foi um dos atletas mais firmes desta reta final e já briga pela titularidade. Felipe Melo, dono da posição, está cada vez mais lento e vive entre rumores de ofertas para jogar no Boca Juniors. É uma peça que, caso seja perdida, necessitará de reposição.

A figura do volante que “sai mais para o jogo” tem em Bruno Henrique um nome inquestionável; e espera-se que Ramires entre no segundo de seus oito semestres de contrato já recuperado das lesões que trouxe da China. Só observando, Gabriel Menino chega para aprender e evoluir – e, quem sabe, ganhar seu espaço num futuro próximo.

O meia criativo que também pode recompor a linha defensiva, neste momento, é Zé Rafael. Até como centroavante, jogou; sua versatilidade o garante como um dos destaques do elenco para 2020. Lucas Lima e Raphael Veiga tiveram uma temporada com mais baixos que altos e a comissão técnica precisa decidir entre um dos dois, já que uma contratação de impacto nesta função se faz necessária. Ou mesmo duas.

A função de meia criativo que joga sem a obrigação de voltar, apenas dando o primeiro combate ainda no campo ofensivo, foi muito bem desempenhada por Gustavo Scarpa, que teve sua reputação arranhada diante da torcida por causa do pênalti desperdiçado no último Derby. Artilheiro do time ao lado de Dudu, segundo jogador com mais passes para gol, Scarpa não merece esse questionamento tão severo por causa de um pênalti.

Hyoran já completou três anos de clube e, embora não tenha prejudicado, também não estourou como se esperava. Só deve ficar se não se incomodar em não ser o titular absoluto, para tentar, por mais um ano, lutar pela posição. A seu lado, ainda com todos os créditos possíveis, deve aparecer a figura de Alan, destaque da base desde o sub-17 e que finalmente chega à idade de ser aproveitado no time de cima.

Ataque

Para as extremas, estamos muito bem servidos. Dudu é a maior referência do time; há cinco anos no clube e sempre jogando em alto nível. Se por um lado Carlos Eduardo é uma dispensa premente, por outro, temos três meninos babando por duas vagas: Gabriel Veron, Angulo e Artur, que fez boa temporada no Bahia.

Luiz Adriano e Willian são excelentes atletas para se manter no elenco, já que possuem versatilidade ofensiva para jogarem tanto mais presos na área quanto em movimentação. Ambos são ótimas soluções táticas – Luiz Adriano consegue até ser considerado um centroavante ideal por muita gente, mesmo sem ter estrutura corporal mais adequada para o confronto físico com os zagueiros.

Para a centroavância, parece ter chegado o momento do Palmeiras realizar as perdas financeiras: Borja e Deyverson foram investimentos altos que infelizmente não deram certo e o clube precisa arranjar a melhor solução para minimizar o prejuízo e fazer com que os atletas sigam suas carreiras com outras camisas. Precisamos de duas presenças fortes de área no elenco de 2020 e só temos por enquanto a possibilidade de Papagaio, mal aproveitado nos empréstimos para Atlético-MG e Goiás, para ser testado. Precisamos de reforços!

Comando

Não adianta nada ficarmos conjecturando nomes de atletas se não sabemos nem quem será o treinador. De fato, não sabemos sequer quem será o diretor de futebol. O Palmeiras de 2020, embora já possua um rascunho do elenco, não tem cara, não tem identidade.

O tempo segue passando e a diretoria anda não definiu os pilares do futebol do Palmeiras em 2020. As negociações seguem difíceis exatamente porque os profissionais em vista sabem da urgência. TIC-TAC TIC-TAC.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Reformulação 2020 – parte II

A análise do elenco de 2019 visando a reformulação – dispensas e contratações – iniciada ontem com o setor defensivo, tem sequência hoje com o meio do campo.

Atletas que ocupam a faixa central do campo de jogo, hoje, não podem mais ser classificados simplesmente como “volantes” ou “meias”, embora essa ainda seja a forma mais popular de identificar as funções. Essa maneira até funciona – e usamos aqui mesmo no Verdazzo, na página do elenco – quando se quer ter uma visão macro, que não necessita de aprofundamento. Mas quando a ideia é analisar o elenco para efeito de planejamento, cada uma dessas posições precisa ser ser desmembrada em pelo menos dois cortes. Nada muito complexo.

Os volantes, meio-campistas mais defensivos, podem ser divididos entre aqueles que são especialistas em defender (MD: fazer os desarmes e cobrir espaços) e os que “saem mais para o jogo” (MDO: avança ao ataque, mas a prioridade do posicionamento é baseado na possibilidade de perda da bola e na composição da linha defensiva).

Já os meias têm como função primordial a criação, mas também podem compor a linha defensiva na perda da bola – alguns têm mais facilidade para essa recomposição (MOD); outros, seja pelo porte físico, seja pela velocidade, renderão melhor se não tiverem a obrigação imediata de se reposicionar, limitando-se ao primeiro combate (MO).

Meiocampistas defensivos (MD)

Thiago Santos e Felipe Melo
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Neste momento temos apenas Felipe Melo e Thiago Santos com essa característica no elenco; Patrick de Paula, grande destaque do Sub-20, já está confirmado no período de testes.

Thiago Santos, no Palmeiras desde 2015, mantém um ótimo relacionamento com o grupo e corresponde muito bem sempre que solicitado. Encara bem o papel de segunda opção e é confiável. Não existe o menor motivo para liberá-lo.

A falta de velocidade de Felipe Melo, que tem contrato até 2021, bem como seu potencial em atrair problemas sempre incomodam a uma parte da torcida, a despeito de sua técnica inegável e carisma latente. Não sabemos o quanto esse desconforto passa também por quem está estudando a formação do elenco. Caso ele seja emprestado, será necessária a contratação de mais um atleta.

Meiocampistas defensivos-ofensivos (MDO)

Ramires e Bruno Henrique
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Jean, neste momento, está muito mais para a terceira opção de lateral direito do que como alternativa para o meio do campo. Nesta faixa, temos Bruno Henrique absoluto e inquestionável, e Ramires, com um contrato longo pela frente, já como reforço “antecipado”.

Mas ainda cabe mais um atleta neste ponto da grade, e Gabriel Menino surge como mais uma esperança da base, embora o elenco atual conte ainda com Matheus Fernandes. Tudo indica que estes dois atletas lutarão, no período de testes, por uma vaga para toda a temporada. Quem for preterido deve ser emprestado.

Meiocampistas ofensivos-defensivos (MOD)

Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Zé Rafael, Lucas Lima e Raphael Veiga estão, respectivamente, há um, dois e três anos vinculados ao Palmeiras e não conseguiram, a despeito de seus reconhecidos talentos, empolgar a torcida e as comissões técnicas com que trabalharam.

Os três são atletas que teriam espaço facilmente em 90% dos clubes da Série A e provavelmente ficariam muito incomodados se fossem relegados a segundo plano no elenco por mais um ano.

Essa é uma decisão que envolve o projeto tático que o treinador vai implementar. Ele deve decidir, baseado em mapas de análise de desempenho, com quais deles quer contar para 2020. Um ou dois desses três deve ser emprestado – e aí será necessário ir ao mercado, para reposição.

Não adianta segurar nenhum dos três para que eles entrem em apenas 20% dos jogos. Ou existe uma perspectiva real de protagonismo por parte dos que permanecerem, ou é melhor liberá-los e remontar o setor com perfis adequados.

Meiocampistas ofensivos (MO)

Gustavo Scarpa e Hyoran
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Gustavo Scarpa e Hyoran podem jogar por dentro ou pelos flancos e têm como ponto forte as ações ofensivas, com pouco poder de recomposição e combate, até pelo porte físico. Ambos são muito talentosos e têm personalidade forte.

No entanto Gustavo Scarpa, artilheiro do time na temporada, alcançou uma posição no elenco na qual não pode ser considerado dispensável, ao contrário de Hyoran – até pelo número de chances recebidas.

A permanência de Hyoran não seria mal vista pela torcida, mas depende da avaliação da comissão técnica. Em caso de dispensa, obviamente o mercado precisaria ser acionado.

É muito difícil entender quais teriam sido os critérios que barraram a promoção de Alan, do Sub-20, para ser a terceira opção nesta função. Destaque desde o Sub-17, articulador da seleção brasileira da categoria, Alan não foi citado por Alexandre Mattos por ocasião da revelação de que a base seria aproveitada em 2020.

***

Amanhã seguiremos a análise da reformulação com o ataque. Acompanhe!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

Reformulação 2020 – parte I

Com o fim definitivo das chances de conquistas em 2019, as atenções dos torcedores já se voltam para o ano que se aproxima. Mudanças estruturais e no elenco são muito especuladas pela torcida nas redes sociais.

O Verdazzo desenvolverá uma série, entre hoje e sexta-feira, dos setores que compõem o grupo que disputa os troféus tão almejados pela torcida. A sequência se inicia hoje, com a defesa. Amanhã, o assunto será o meio-campo. Na quinta-feira, o tema será o ataque, para, enfim, discutirmos o técnico e o diretor de futebol na sexta-feira.

Goleiros

Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras tem por padrão usar quatro goleiros, sendo um da base. Vinicius Silvestre vinha sendo um dos maiores destaques do CRB, na Série B, e aos 25 anos terá sua verdadeira chance no elenco do Verdão – certamente não como quarto goleiro.

Como Weverton parece ainda ter um longo trajeto como titular, os olhares recaem sobre os dois veteranos: Fernando Prass e Jailson, grandes parceiros desde 2014, agora tendem a disputar uma vaga no elenco do Palmeiras de 2020. Não por falta de merecimento, mas por um movimento de renovação, um deles deve deixar o clube no final do ano, quando ambos terão o contrato encerrado.

Laterais

Victor Luis e Marcos Rocha
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Matheus Rocha teve um bom início de ano, mas perdeu rendimento no segundo semestre em seu empréstimo ao Vitória – talvez por isso não tenha sido mencionado por Mattos entre os que terão chance no Palmeiras em 2020. Com isso, Marcos Rocha e Mayke permanecem firmes no elenco. A terceira opção, na falta de um atleta da base confiável, permanece sendo Jean, que ainda tem mais um ano de contrato.

O lado esquerdo ganha um bom reforço com a promoção de Esteves, vindo da base. Diogo Barbosa, mesmo livre das lesões, teve uma temporada fraca e jamais repetiu o bom futebol que exibiu nas passagens por Botafogo e Cruzeiro. Victor Luis, aos 26 anos, não está satisfeito por sequer ser aproveitado em rodízio. Um dos dois pode sair, o que tende a abrir uma vaga no elenco para contratações.

Zagueiros

Luan e Edu Dracena
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

A trinca formada por Gustavo Gómez, Vitor Hugo e Luan dominaram a zaga do Palmeiras em 2019. Gómez e Luan formaram uma dupla extremamente sólida antes da Copa América, atingindo números notáveis e constituindo a verdadeira defesa que ninguém passa.

A facilidade do paraguaio em atuar dos dois lados fez com que Luan, atual terceira opção após a recontratação de Vitor Hugo, sempre fosse acionado, qualquer que fosse o titular impedido de atuar. Com isso, Edu Dracena e Antônio Carlos perderam muito espaço.

Antônio Carlos tem vínculo com o clube até 2023. Nas oportunidades que teve no primeiro semestre, não comprometeu de forma grosseira e mostrou que pode ser útil. Edu Dracena, por sua vez, é outro que terá seu contrato encerrado no fim do ano e ainda não teve chances com Mano Menezes. Os dois disputam espaço com Pedrão, que será avaliado após um empréstimo ao América-MG, no qual foi aproveitado em apenas oito partidas.

Infelizmente Luan e Vitor Hugo não transpareceram solidez no segundo semestre. Até Gustavo Gómez, unanimidade na torcida, tem feito jogos menos seguros comparando com o defensor firme que conhecemos a partir do meio de 2018. Mesmo assim, o paraguaio segue sendo a referência em nossa zaga. Vitor Hugo, ainda com status adquirido em 2016, deve seguir. Assim, Edu Dracena e Antônio Carlos, esquecidos por Mano Menezes, são os que estão sob maior risco. A tendência é que o veterano seja dispensado para a contratação de um reforço.

Amanhã a série continua, com o meio-de-campo. Acompanhe!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.