Palmeiras x Athletico-PR será inédito na Libertadores; contra Felipão, será a 3ª vez

Raphael Veiga do Palmeiras em disputa com Hugo Moura do Athletico-PR, durante partida válida pela décima quinta rodada do Brasileirão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

As datas para os dois confrontos entre Palmeiras x Athletico-PR já foram definidas pela Conmebol

O Palmeiras conheceu seu adversário da semifinal da Libertadores na noite de ontem: será o Athletico-PR, treinado por Luiz Felipe Scolari. A equipe paranaense deixou para trás o Estudiantes após vencer por 1 a 0 no placar agregado – os times empataram em 0 a 0 no jogo de ida, em Curitiba, e o Athletico venceu o duelo na Argentina por 1 a 0, com gol no último minuto marcado por Vitor Roque.

Será a primeira vez na História que o Verdão enfrentará o Athletico-PR na Libertadores, e a segunda em torneios realizados pela Conmebol, já que os dois times se encontraram na Recopa Sul-Americana deste ano.

Semifinalista pela décima vez, o Palmeiras já encarou outros times brasileiros nesta fase da competição por duas vezes e levou a melhor em ambas: venceu o SCCP nos pênaltis na edição de 2000 e superou o Atlético-MG no ano passado graças ao gol de Dudu, no Mineirão. Pelos lados paranaenses, será a segunda vez que chegam entre os quatro principais times do torneio continental – a outra oportunidade foi em 2005, quando foram derrotados na decisão.

As datas das duas partidas já foram definidas pela Conmebol. A ida, na Arena da Baixada, acontece no dia 30 deste mês (terça-feira), às 21h30; a volta, no Allianz Parque, será na semana seguinte, dia 6 de setembro, no mesmo horário. Ambas as partidas serão transmitidas pelo SBT.

Dono da melhor campanha da fase de grupos, o Palmeiras segue invicto na atual edição da Libertadores – são oito vitórias e dois empates, com 35 gols marcados e 5 sofridos. O Athletico-PR, por sua vez, tem cinco vitórias, três empates e duas derrotas, com 12 tentos a favor e nove contra.

Palmeiras reencontrará Felipão na Libertadores

Terceiro técnico mais vencedor da História do Palmeiras e o primeiro a conquistar a Libertadores pelo clube, Luiz Felipe Scolari enfrentará o Verdão pela terceira vez na competição continental. Os dois duelos anteriores foram marcados por muita emoção.

Abel Ferreira e Felipão se cumprimentam em jogo do Palmeiras contra o Athletico-PR, durante partida válida pela décima quinta rodada do Brasileirão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Em 1995, Felipão era o treinador do Grêmio nos históricos confrontos que terminaram em 5 a 0 para os gaúchos no estádio Olímpico e 5 a 1 para o Verdão no Palestra Italia (6 a 5 para o Grêmio no placar agregado). À época, Carlos Alberto Silva dirigia o Palmeiras.

No ano de 2001 ocorreu o segundo encontro e, desta vez, o Palmeiras levou a melhor. O embate foi diante do Cruzeiro, com o primeiro jogo, disputado no Palestra Italia, terminando empatado em 3 a 3 e o segundo, no Mineirão, em 2 a 2. Na decisão por pênaltis, Marcos brilhou ao pegar três cobranças e o Verdão, comandado por Celso Roth, venceu por 4 a 3.

Palmeiras alcança invencibilidade recorde na Libertadores e chega a 10 semifinais

Equipe do Palmeiras posa para foto oficial antes do jogo contra o Atlético-MG, durante segunda partida válida pelas quartas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Palmeiras está há 18 jogos sem perder na Libertadores, sendo 13 vitórias e 5 empates

O Palmeiras de Abel Ferreira vem quebrando recordes atrás de recordes na Libertadores. E na noite de quarta-feira, frente ao Atlético-MG em um Allianz Parque lotado, a história se repetiu.

Ao empatar em 0 a 0 no tempo regulamentar, a equipe chegou a 18 jogos de invencibilidade dentro da competição, marca que representa a maior série invicta de um time em toda a História da Libertadores. Para fechar a noite com “chave de ouro”, o objetivo principal da noite também foi atingido: vitória nos pênaltis e classificação à semifinal.

O feito palmeirense começou a ser construído ainda na edição passada, com a goleada por 6 a 0 sobre o Universitário, no Allianz Parque. Desde então, foram mais 12 vitórias e outros cinco empates. O último revés ocorreu em 18 de maio de 2021, para o Defensa Y Justicia.

De quebra, o Palmeiras também obteve sua maior série invicta jogando no Brasil pela Libertadores. São 12 jogos sem saber o que é derrotado no país, números que superam os 11 jogos de invencibilidade conquistados entre 1961 a 1968.

Palmeiras chega a 10 semifinais de Libertadores

Com o triunfo, o Palmeiras alcançou a fase de semifinais da Libertadores pela 10ª vez na história e igualou as marcas de SPFC e Grêmio. Os três times são, atualmente, os que mais disputaram essa fase do torneio continental entre os brasileiros.

Vale destacar que o Palmeiras está na semifinal pelo terceiro ano seguido, já o rival alcançou tal feito pela última vez em 2016 e os gaúchos em 2019. A equipe de Abel Ferreira espera o confronto entre Athletico-PR e Estudiantes, que acontece nesta noite na Argentina, para saber quem será o adversário. Independentemente do clube que avançar, o Palmeiras terá a vantagem de fazer o segundo jogo em casa por ter tido melhor campanha na fase de grupos.

O retrospecto do Palmeiras em semifinais de Libertadores, até o momento, aponta seis classificações e três eliminações. Avançou em 1961, 1968, 1999, 2000, 2020 e 2021; caiu nas edições de 1971, 2001 e 2018.

Celebração pós-classificação: jogadores do Palmeiras falam em mentalidade vencedora e confiança para superar Atlético-MG

Diretoria, comissão técnica, staff e jogadores do Palmeiras, comemoram a classificação após o jogo contra o Atlético-MG, durante partida válida pelas quartas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Destaques do Palmeiras no duelo, Murilo, Raphael Veiga e Zé Rafael celebraram a classificação após o apito final

Mesmo com dois jogadores expulsos – Danilo aos 30’ do primeiro tempo e Gustavo Scarpa aos 36’ do segundo –, o Palmeiras segurou o Atlético-MG no tempo normal (0x0) e conseguiu a heroica classificação à semifinal da Libertadores nos pênaltis, com uma vitória por 6 a 5.

Após Murilo converter a última penalidade, o clima no Allianz Parque foi de euforia, tanto dos jogadores e comissão técnica, quanto da torcida presente no estádio.

Personagens do Palmeiras nas cobranças de pênaltis, Raphael Veiga, Zé Rafael e Murilo concederam entrevista ao final do jogo e destacaram a força mental do grupo para superar as adversidades.

Confira o que os jogadores do Palmeiras falaram

  • Raphael Veiga

“Foi um jogo muito difícil. Com 11 já ia ser complicado, imagina com 9. Já falei outras vezes e repito: somos muito fortes mentalmente. São nessas horas, nessas circunstâncias adversas que mostramos a força. É muito fácil acreditar e ter fé quando tudo está dando certo; o difícil é continuar acreditando quando as coisas não vão bem. Somos um time de guerreiros, ‘todos somos um’ e a classificação foi merecida”.

“Passar para uma semifinal de Libertadores é muito difícil porque há grandes equipes. A forma como se desenrolou o jogo foi muito difícil pra gente, nervosismo nas penalidades. Soubemos jogar. Nem sempre o importante é jogar bem e, sim, vencer”.

  • Zé Rafael

“O Abel e toda sua comissão técnica de portugueses, além do Cebola [Andrey Lopes], trouxeram uma mentalidade diferente para nossa equipe e acredito que isso tem nos levado a conquistar os objetivos. Conseguiram agregar muita coisa, sendo uma delas essa competitividade, mentalidade vencedora. Lógico que não venceremos todos os jogos, mas entendemos que temos que vender caro uma derrota. Temos feito isso, esse é o caminho. Manter os pés no chão, não relaxar com as vitórias”.

“Mantivemos a cabeça fria nos momentos mais difíceis e o coração quente para cada dividida, disputa de bola. Nos cobramos isso, de nunca se entregar. Estamos de parabéns por tudo que ocorreu no jogo, primeiro um jogador a menos, depois com dois a menos. Fizemos por merecer a classificação. A torcida supriu os jogadores que saíram. Passaram muito energia para nós, nos mantiveram confiantes”.

[Sobre a organização tática da equipe após a expulsão de Danilo] “O Abel chamou alguns jogadores e deu as instruções. Rapidamente nos organizamos; no intervalo ele nos passou mais algumas coisas e nos mantivemos organizados no 2º tempo. Esse é o espírito da nossa equipe”.

  • Murilo

“Sinto-me em casa aqui no Palmeiras. Estou feliz em poder jogar por esse clube. Cada vez faço mais amizades, me sinto mais próximo deles. Isso é fundamental dentro e fora de campo. Eu estava muito confiante. Sabia que o Weverton iria pegar. Pude manter a tranquilidade para converter, graças a Deus”.

“A inteligência dos jogadores facilitou nas alterações que o Abel fez logo após a expulsão. Logo após o intervalo, nós também cumprimos com o que ele pediu. Nessas horas, precisamos nos manter focados, com a cabeça boa. Isso é fundamental e nossa equipe mantém isso”.

Noite especial: Weverton comemora classificação e 250 jogos pelo Palmeiras

Weverton defende pênalti pelo Palmeiras em cobrança alternada no jogo contra o Atlético-MG, durante segunda partida válida pelas quartas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Goleiro titular há 4 anos, Weverton defendeu a cobrança de Rubens e foi fundamental para a vitória do Palmeiras nos pênaltis sobre o Atlético-MG

A histórica classificação do Palmeiras à semifinal da Libertadores teve um gosto especial em dobro para o goleiro Weverton: além de ter defendido o pênalti de Rubens nas cobranças alternadas, fator que foi fundamental para a vitória da equipe, o camisa 21 também celebrou a marca de 250 jogos com a camisa do Verdão.

“Para mim é motivo de muito orgulho atingir essa marca. Muito difícil alcançar esses números, ainda mais em clube com tradição na questão de goleiros, muito bem representada. Poder dar alegria para o torcedor me dá muito orgulho e responsabilidade de querer continuar fazendo um bom trabalho, mantendo minhas rotinas”, destacou Weverton em entrevista coletiva após o duelo.

Na lista dos goleiros com mais jogos na História do Palmeiras, Weverton ocupa a nona posição, logo atrás de Fernando Prass (274 jogos) e Gilmar (289). Emerson Leão, com 621 partidas, encabeça o ranking.

Entretanto, se na relação de jogos o camisa 21 ainda busca as primeiras posições, na de títulos o feito já foi alcançado: ele é o goleiro mais vencedor do clube, com sete conquistas, empatado com Sérgio e deixando para trás nomes como Oberdan Cattani, Velloso, Valdir Joaquim de Morais e o próprio Leão.

Em 2022, Weverton tem a possibilidade de aumentar os números. Além de seguir vivo na Libertadores, o Verdão também lidera o Campeonato Brasileiro, com seis pontos à frente do segundo colocado.

12 vezes Weverton

Eleito pela Conmebol o melhor jogador da partida, Weverton defendeu sua 12ª cobrança de pênalti pelo Palmeiras, sendo a segunda em uma partida de Libertadores – a primeira ocorreu em 2019, contra o Godoy Cruz (oitavas-de-final).

O jogador revelou após o jogo que recebeu dicas dos preparadores de goleiros sobre a batida de Rubens e também destacou seu estudo.

“Estudo muito, sempre vejo no caminho do CT ou do hotel para o jogo, observo as possibilidades. Hoje [quarta-feira], recebi uma informação muito importante para mim dentro do campo”, disse.

“O preparador de goleiros falou que talvez o Rubens fosse um dos poucos que batia naquele canto e me deu essa dica antes de começar a decisão. Foi uma informação importante para mim. Depois é o seu momento, de estar no um para um com o batedor e optei por fazer o que ele tinha passado para mim. Me deu esse feeling. A informação valeu a classificação”, complementou.

Com a ajuda de Weverton, o Palmeiras deu fim à série de cinco derrotas seguidas nos pênaltis, desde 2021. Antes do triunfo sobre o Atlético-MG, a última vez que o time tinha tido sucesso nos tiros livres acontecera frente ao SCCP, na final do Paulista de 2020.

Abel Ferreira celebra classificação e elogia jogadores: “Nasceram para fazer história neste clube”

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG, durante segunda partida válida pelas quartas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Após classificação heroica à semifinal da Libertadores, Abel Ferreira enalteceu também a torcida do Palmeiras

De forma heroica, o Palmeiras superou o Atlético-MG e avançou à semifinal da Copa Libertadores. Com um a menos desde os 30 minutos do 1º tempo e com dois a menos a 15 minutos do fim, o Verdão segurou o empate em 0 a 0 e fez o Allianz Parque explodir de alegria nas cobranças de pênalti – Murilo converteu a última batida após Weverton defender o chute de Rubens.

Ao final do duelo, em entrevista coletiva, o técnico Abel Ferreira celebrou a classificação e distribuiu elogios aos jogadores.

“Temos comportamentos coletivos, treinamos os comportamentos da equipe. Com menos um em campo, o que fizemos foi manter o nosso comportamento. Por tudo que estes rapazes têm feito, eles nasceram para fazer história neste clube, é o destino deles. Fomos capazes, de forma coletiva, de superar estas adversidades, que foram muitas. Sou um treinador muito orgulhoso dos meus jogadores”, disse o treinador, que também comentou sua primeira vitória nos pênaltis comandando o Verdão.

“Os penáltis são competência e não conheço uma equipe que perde sempre e outra que ganhe sempre. Um dia iríamos ganhar. Hoje eu disse antes: vai ter que ser hoje, por todo o contexto. Menos um, menos dois… tinha que ser hoje”, declarou o comandante.

Antes do triunfo desta quarta-feira, o Palmeiras vinha de cinco reveses seguidos em pênaltis (contra Al Ahly, Flamengo, Defensa Y Justicia, CRB e SPFC).

“Somos do tamanho dos nossos pensamentos, não interessa de onde viemos. A força mental dos jogadores é fruto dos pais e mães deles, que devem estar orgulhosos do que eles fazem. Já disse várias vezes, minha cota no jogo é de 30%. Os outros 70 pertencem a eles. Não corri, não me desgastei; eles lutaram até o fim, foram ao fundo do espírito e capacidades coletivas”, acrescentou.

Abel Ferreira e o plano de jogo

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG, durante segunda partida válida pelas quartas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

O treinador explicou também as alterações táticas após a expulsão de Danilo, no qual alinhou Raphael Veiga ao lado de Zé Rafael, inverteu Gustavo Scarpa para a ponta esquerda, trouxe Rony para a direita e colocou Dudu mais avançado, como o centroavante da equipe.

“Sempre fazemos planos de jogo. Às vezes, os jogadores devem rir quando peço para fechar os olhos e imaginar o que acontece no jogo. E eu faço igual com a minha equipe técnica. Crio alguns cenários que podem acontecer para estarmos preparados. Não sou só eu, somos uma equipe técnica. Temos cabeças para pensar bem”, relatou.

“Em dois ou três minutos pensamos nas alterações. Chegamos a relevar a entrada de um zagueiro, mas depois avaliamos que não. Colocamos o Dudu de centroavante, o Rony para a direita e seguimos o plano. Deu certo porque eles [jogadores] fazem acontecer”, complementou.

Abel separou um tempo da coletiva para também responder Cuca, que afirmou que o jogo para o Atlético-MG ficou mais difícil com um homem a mais em campo porque o Palmeiras se fechou, e aproveitou para dar pitacos sobre as escolhas do treinador adversário ao seu time.

“O Cuca é experiente e quando analisar o jogo vai ver que tinha muita gente fora do nosso bloco, eles optaram por atacar por fora. Tu tens que ter gente por dentro para atacar nossa linha. Tinha os pontas, os laterais, os zagueiros por trás, e poucos jogadores dentro do nosso bloco. Isto foi para nós foi mais fácil de controlar”, pontuou.

“Claro que com menos um, como iríamos atacar uma equipe com essa qualidade? São melhores do que ano passado. Quando revir o jogo, [o Cuca] vai ver que nossa equipe foi muito competente. Quando vi o adversário jogando só por fora, fizemos uma boa parede e chegamos no fim com mais arremates que o adversário”, detalhou.

Elogios à torcida

Torcida do Palmeiras em jogo contra o Atlético-MG, durante segunda partida válida pelas quartas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Além de todo o empenho dos jogadores em campo, outro fator que chamou a atenção foi a torcida palmeirense, que apoiou o time durante todo o tempo e chegou a cantar mais alto em momentos de adversidades, como as expulsões de Danilo e Gustavo Scarpa.

“Os torcedores, tal como eu, aprenderam a respeitar e admirar estes jogadores. A prova disso é o público em cada jogo, seja na Libertadores ou em outra competição. Isso mostra o respeito e admiração que eles conseguiram através do trabalho e do espírito que se vê dentro de campo, os torcedores sentem. Quando os dois se juntam, é a torcida que canta e vibra, passa para os jogadores. A forma como eles jogam, passa para a torcida, que sente um respeito muito grande pelo que este time está fazendo e vai continuar a fazer”, concluiu.

Classificado, o Palmeiras volta as atenções para o Brasileirão. Neste sábado, a equipe enfrenta o SCCP em Itaquera, às 19h.