WTorre lança atrações para rentabilizar o estádio; museu e restaurante seguem parados

A WTorre anunciou um novo pacote de atrações para a torcida do Palmeiras na manhã desta sexta-feira: o “Allianz Parque Experience”, um leque com seis atrações que o palmeirense poderá experimentar para ampliar sua relação com o clube e com o estádio.

A atividade mais impactante é o rapel a 40 metros de altura, desde a cobertura do estádio, que os torcedores poderão descer por “módicos” R$ 220. Também haverá bar temático e visita guiada por ídolos do passado, peladas no gramado do estádio e atividades com videogames. Tudo para tentar rentabilizar mais ainda o estádio

Sempre é bom lembrar que todos os eventos realizados pela WTorre terão parte da renda destinada ao Palmeiras: 5% até 2019; 10% até 2024; 15% até 2029, e assim sucessivamente, até atingir 30% entre 2039 e 2044, quando o controle total do estádio voltará para as mãos do Palmeiras – isso se a construtora não decidir tirar o time de campo antes, diante dos valores que ainda permanecem em aberto e que serão decididos em novas rodadas de arbitragens.

Palavra empenhada e não cumprida

Estas iniciativas para tentar rentabilizar ainda mais o estádio são o que podem sustentar a operação da WTorre, que tem dificuldades para cumprir o que prometeu na época em que precisou convencer os sócios do clube a aprovarem a mudança no estatuto, passo indispensável para que fosse feito o contrato de cessão de uso de superfície sobre o qual todo o projeto foi calcado.

A carcaça do restaurante panorâmico permanece na fronteira entre as arquibancadas Superior Norte e Leste; ociosa, crua, comendo um espaço importante onde poderia haver torcedores apoiando o time em campo. O museu segue sem previsão de ser ativado e os troféus que o Palmeiras seguem conquistando estão acondicionados em caixas de papelão num depósito qualquer, situação que perdura há pelo menos sete anos.

Isto sem mencionar que um dos grandes desejos de nossa torcida é ter o escudo do Palmeiras exibido em todos os cantos do estádio, algo que nos vem sendo negado pela WTorre – a desculpa oficial é que a prefeitura não permite, mas é sabido que não há nenhuma disposição da construtora em caracterizar a estrutura como casa palmeirense para não tirar a “neutralidade” do local em eventos extra-futebol, que recebem torcedores de outros clubes.

Tomara que a WTorre seja bem-sucedida em suas novas “Experiences” e assim consiga caixa para tocar os projetos que estão parados, cumprindo a palavra empenhada, disponibilizando nosso museu e finalizando o restaurante – ou então revertendo de uma vez aquele local em cadeiras para acomodar mais torcedores. Só aceitaremos mudanças nas propostas iniciais, que vocês podem relembrar nos vídeos abaixo, se forem para deixar nossa casa melhor. Nunca pior.


 

  • Acho que falta para o elenco do Palmeiras, respectivamente por ordem de necessidade:
    Um lateral esquerdo para brigar pela titularidade com o Egídio, ex; Maxwell, Márcio Azevedo, Pablo Armero, etc.
    Um atacante matador, para realmente fazer gols, titular, ex; Diego Tardelli, Eduardo Vargas, Diego Forlán, Rodrigo Palacio, Kleber, etc.
    E por último um lateral direito se necessário, titular no caso, ex; Jonathan, Apodi, Yago Pikachu, Cicinho, Ayrton.

    • Parei de ler quano tu escreveu P. Amero.. kkkkkkk
      MEU DEUS, esse cara é reserva no bahia, nem o Bahia quer ele. Kkkkkkk

      • Mateus, li o restante do comentário dele e só há uma conclusão possível: o cara tá de brincadeira (Forlán já não aposentou?). kkkkk Valeu, Lucas, rir é importante pra saúde. Um abraço.

  • A verdade é que só o PN e seus diretores batiam o pé e brigavam peloa direitos do Palmeiras. Infelizmente creio que enquanto não tivermos ele de volta no poder, não vamos ter quem nos defenda, Já que hj os que mandam no clube só pensam em vazar informação, viajar as custas do clube e tumultuar o ambiente.

  • A realidade é a seguinte: Não dá para jogar a toalha, até o fim tem que
    acreditar, mas com a aposta de alto risco com todas as fichas nas Copas
    (Cdb e Libertadores), que tem bem encaminhada as respectivas eliminações
    e abrir mão do BR17 praticamente nos tirou a chance de título, tem que
    jogar com o que tem de melhor sim, pois tem que pelo menos ficar entre
    os 4 ou 6 primeiros para voltar pra Liberta, ajustar o time nesse ano e
    nos preparar melhor para 18. 2018 não precisamos investir a montanha de
    dinheiro gasta até agora, com jogadores medianos que se acham craques e
    para se ter um bom time, basta ver os exemplos de SCCP, Grêmio e
    Botafogo que pouco ou nada gastaram e possuem desempenhos bem superiores
    ao nosso Verdão até o momento. Mas vamos que vamos, que ainda dá tempo
    de virar tudo.

  • Até a sala de entrevista pra uma Arena desse porte é vergonhosa… baita de uma salinha sem vergonha… enquanto nas outras Arenas é um auditório gigante, se é padrão Fifa muita coisa teria que mudar… mas nada foi mudado até agora, só a SEP está cumprindo a determinação da arbitragem, cedendo as cadeiras que deveriam ser do Avanti.

  • Não ter o restaurante e o museu prontos já é algo preocupante, mas não ter o escudo do Palmeiras no estádio, nas escadarias ou pelo menos nos corredores internos é algo absurdo, um desrespeito imperdoável à parceria que um dia houve. Isso não dá pra aceitar.

    • Verdade. A falta de escudos é inadmissível. E uma sala de troféus que exiba as conquistas e linda história de nosso Verdão.

  • Mesmo cumprindo toda sua parte assinada no contrato, a WTorre já conta com a antipatia de 15 milhões de pessoas, que contam os minutos pra que lucrem o que tem direito e saiam da nossa casa.

    • Contam com antipatia por NÃO cumprir com as promessas e por terem tentado buscar no grito direitos ALÉM daqueles que deveriam ter, como no caso das cadeiras, e enquanto não foi oficializado a decisão jurídica de que não conseguiriam fizeram um monte de patacoada no estilo pirracinha porque não conseguiram. Eles mesmos que buscaram essa antipatia.

  • Nossa revolta e nossas reclamações são bem pertinentes.

    Ao mesmo tempo, a “pergunta que não quer calar” é: QUEM no clube agirá no sentido de exercer a coerção desses direitos contratuais? Ou tudo está por conta da arbitragem?

    NÃO É POSSÍVEL que não haja um dirigente que assuma essa IMPORTANTÍSSIMA responsabilidade.

    Afinal, como estampou-se na camiseta comemorativa da CdBR 2015 — ainda no campo de jogo — “na minha casa, mando Eu”!

    • Perfeito, por que ninguém no clube se manifesta? Parece que se venderam pra essa construtora maldita, talvez explique porque o Nobre não era aceito. Agora começo a achar o contrato ruim, só não é pior que o do gambá obviamente, mas das arenas feitas é a pior, a do grêmio também não é muito boa, mas são 15 anos e com acabamento superior e capacidade pra 60mi… 15 anos comparado com 30 relativamente passa rapido … São 30 anos e tudo foi mal feito, o acabamento é ruim, o gramado é ruim, estádio prometido pra 45mil hoje tem 39mil, nada foi terminado! Não sei, mas será não tinha como romper esse contrato via justiça? Nada vem sendo cumprido…

  • Com o restaurante e o museu prontos e funcionando irão arrecadar muito mais do que essas ações do Experience. WTorre deixe de mimimi e foque no que dará resultado e mídia espontânea. Invista na torcida do Palmeiras termine o museu e o restaurante.

    • Pois é. Concordo que com o museu e o restaurante a WTorre e o Palmeiras lucrariam muito. Mas esse Experience eu acho muito valido existir, é uma experiencia única pro torcedor. Mas o prometido ja deveria ter sido cumprido.