Allianz Parque, peça fundamental no sucesso esportivo do Palmeiras

Allianz ParqueO Allianz Parque foi inaugurado em novembro de 2014. Em pouco mais de dois anos em atividade, já houve 71 partidas do Palmeiras no novo estádio, e o salto do clube em relação às temporadas anteriores, em várias frentes, é notável.

Vamos a algumas comparações, a começar pelos resultados em campo.

Nestes 71 jogos no Allianz Parque, vencemos 47, empatamos 12 e perdemos outros 12; um aproveitamento de 71,8% dos pontos disputados. Isolando os últimos 71 jogos disputados no velho Palestra, entre 2008 e 2010, o resultado é bem parecido: 46 vitórias, 15 empates e 10 derrotas, com os mesmos 71,8% de aproveitamento.

Mandamos 158 jogos durante a construção do Allianz Parque, em dez estádios diferentes: 106 no Pacaembu, 21 na Arena Barueri, 13 no Canindé, 5 na Fonte Luminosa e no Prudentão, 3 no Novelli Júnior, 2 no Estádio do Café e 1 no Benedito Teixeira, Jayme Cintra e Morenão. No cômputo geral, foram 91 vitórias, 34 empates e 33 derrotas, com apenas 64,8% de aproveitamento.

Público e renda

Mas é no público e renda que notamos a diferença mais arrebatadora: nos últimos 71 jogos no Palestra, a média de público registrada foi de 15.932 pagantes. Nos 158 jogos em que vagamos pelo Brasil, o público pagante médio foi um pouco menor: 13.925. No Allianz Parque, são 30.315 pagantes por jogo.

Considerando que o ticket médio do Allianz Parque é praticamente o dobro do que a maioria dos clubes brasileiros costuma praticar em seus estádios – inclusive o próprio Palmeiras, antes da inauguração do Allianz Parque – podemos concluir, grosseiramente, que a bilheteria do Palmeiras quadruplicou a partir de novembro de 2014.

O conforto proporcionado pelas cadeiras, a cobertura, os serviços e a manutenção das dependências atraiu ao estádio um público com um perfil diferente do habitual, que não se importa em pagar mais que o valor de um bilhete popular. Foi este grupo que trouxe esse resultado extraordinário de público e renda.

Círculo virtuoso

Além da bilheteria, o Allianz Parque influenciou também em outra fonte de renda do Palmeiras: o sócio-torcedor. Os sócios Avanti da categoria Ouro, que são atraídos pelo Gol Norte, precisam se manter com o rating em seu nível mais alto se quiserem garantir o acesso aos jogos mais disputados. Mas dezenas de milhares de palmeirenses acabam aderindo ao programa para usufruírem dos descontos oferecidosnos outros setores também. Além da renda garantida ao clube, o sistema acabou desenvolvendo nesses torcedores o hábito, antes adormecido, de apoiar o Palmeiras no estádio em todos os jogos.

Recursos financeiros advindos do Avanti e das bilheterias, com o apoio maciço de um volume muito maior de torcedores geram vitórias esportivas. As vitórias esportivas atraem mais sócios torcedores e mantém o estádio lotado. E assim o Palmeiras deu a primeira volta na roda, que agora consegue se manter girando quase que por inércia, fechando o círculo virtuoso.

Pagamos caro

Ao contrário do que parte da imprensa quer fazer crer, não somos um clube abençoado pelos céus por ter o Allianz Parque. Pagamos caro por ele – os quatro anos sem casa foram um martírio para nossa torcida, sobretudo quando não contamos nem com o Pacaembu. Os mandos no Canindé e na Arena Barueri foram especialmente desagradáveis, por vários aspectos. Chegamos a jogar para 4.430 pagantes em 2014, contra o Vilhena no Pacaembu, em jogo válido pela Copa do Brasil. No Allianz Parque, até agora, o menor público foi de 15.037, contra o Coritiba, na reta final do Brasileirão de 2015 – com todo o foco da torcida na final da Copa do Brasil que seria disputada três dias depois.

Pagamos caro não só nos quatro anos em que a torcida foi jogada de um lado para outro e o time não conseguiu se sentir em casa em momento algum, nem no (meu, no seu, no nosso) Pacaembu, o que gerou a comprovada queda no rendimento. Para ter o Allianz Parque, todos sabemos, foi feita uma parceria com a construtora WTorre, que recebeu em troca da execução da obra os direitos de superfície do estádio por 30 anos, com regras obscuras que vêm sendo discutidas em complexos processos de arbitragem. A postura da parceira tem deixado muito a desejar em vários aspectos e vem notoriamente sendo um ônus a mais para o clube nesse processo.

Identidade

Hoje temos um estádio confortável, mas que nos foi muito estranho no início: coberto, com todo seu aspecto asséptico, suas escadas rolantes e sua iluminação acachapante, que contrastavam com o velho Palestra, com seu cimento áspero, iluminação de boate, que mantinha como cenário os bairros das Perdizes e da Pompeia. Antes tínhamos um fosso onde se cantava “Chico Lang, viado!”; passamos a ter um público que tira selfies, se diverte no telão e bate bastões infláveis. Mas aos poucos esse novo público passou a compreender o espírito de estádio; ao mesmo tempo, o público tradicional já aprendeu a conviver com os novos frequentadores e o resultado é uma identidade própria, já em fase de solidificação

Os resultados falam por si. Em pouco mais de dois anos, temos um estádio muito agradável e sempre cheio, que gera muito dinheiro; onde o time tem um aproveitamento muito bom, que já levantou dois títulos e abrigou várias partidas inesquecíveis, desde os gols por cobertura no SPFC, até o heroico gol de Mina, aos 50 minutos do segundo tempo, há dois dias.

Nosso novo estádio é, indiscutivelmente, um dos grandes pilares do sucesso esportivo que o Palmeiras vem alcançando, ao lado da administração financeira extremamente habilidosa e da excelência no departamento de futebol, desde a estrutura física até o nível dos profissionais, passando pela indispensável blindagem da Academia de Futebol.

Se ainda há na mídia quem diga que o Allianz Parque não foi um bom negócio para o Palmeiras, ligue o alerta: é mal informado, estúpido ou simplesmente clubista. VAMOS PALMEIRAS!

  • Ighor Silva

    E o melhor de tudo: Não se preocupar em ver o nome do seu time exposto em paginas de escândalos políticos quase que diariamente. Avanti!

    • Verdazzo

      bem pontuado. mas não sei se é o melhor de tudo, acho que está mais para um agradável bônus, mesmo sendo obrigação.

    • Wagner Cesar

      Apesar da WTorre tbm estar no balaio, nada se compara ao que alguns aí estao passando hahaha

  • Didi

    O Allianz e jogadores como Dudu e Zé Roberto são o marco desse novo Palmeiras que nasceu em 2015.

  • michelblopes

    “Ao contrário do que parte da imprensa quer fazer crer, não somos um clube abençoado pelos céus por ter o Allianz Parque.”
    Quem vende essa tal benção é habituado com a precariedade dos clubes cariocas ou com a maior parte da vida dos gambás.

  • Márcio S

    Nosso estádio causa inveja em torcedores rivais e mídia. Totalmente ridículo o Allianz Parque ser chamado de “Arena Palmeiras” pela RGT…

  • Marco

    Fui em muitos jogos, posso dizer que quase um por semana, nos anos 80 e 90 no Palestra e era uma alegria quando anunciavam o publico entre 20 e 24 mil a torcida delirava

  • Matheus Alves

    Não posso deixar de citar: é impagável ver alguns torcedores do SCCP lamentando o fato do Impressorão estar ligado com diversos escândalos e até mesmo dizendo que o estádio é amaldiçoado por causa das eliminações frequentes em mata-mata.

    • AlexTala

      Hahahaha

  • Wilfrido Paredes

    Quando me tornei sócio torcedor no dia 26 de agosto de 2014, foram com dois objetivos.

    O principal, é claro, presentear meu clube que fez 100 anos e ajudar de alguma forma o Palmeiras em sair desta fase nefasta que nos perseguiu no começo deste século. Este foi o motivo principal.

    O segundo foi o Allianz. Sem dúvida nenhuma foi um dos grandes fatores desse aumento na nossa média de público. A contratação do Dudu no início de 2015 também foi um marco desta mudança. Lembro bem, pois acompanhava, que o sócio torcedor aumentava em quase mil novos sócios por dia em janeiro devido a esta grande contratação.

    • Bussa

      Na época, vibrei com a contratação de Dudu como se fosse um título – mesmo sem nem imaginar que o baixinho jogaria tudo que está jogando agora.

  • Vctr81

    dispensa comentarios mesmo…porém uma coisa ainda me chateia bastante, a condição do gramado…mesmo agora que não estamos em épocas de shows vemos pedaços de grama voando qdo alguem da um carrinho…será q vai ser sempre assim?

    • Ferracini

      Verdade!! Também fico muito chateado com um estádio que tinha tudo para ser perfeito, apresentar um gramado desses. Melhorou um pouco, mas está longe de ser bom.

    • Marcio Binotti

      Pois é, a questão do gramado realmente é o que ainda incomoda no Allianz Parque. Hoje até que está bom, mas quero ver no proximo jogo da libertadores, contra o Penharol, que será depois de haver 3 shows no Allianz Parque. O jogo é importantíssimo e o gramado não pode atrapalhar.

  • Marco Oliveira

    “Se ainda há na mídia quem diga que o Allianz Parque não foi um bom negócio para o Palmeiras, ligue o alerta: é mal informado, estúpido ou simplesmente clubista. VAMOS PALMEIRAS!”

  • Danilo Peressim Pinto

    Ouso dizer que sem essa reforma seríamos hoje um Vasco paulista!

    • Henrique Lobato

      Nunca tinha pensado por esse lado, mas sua colocação foi perfeita , moro na grande vitória espírito santo , e convivo com vascaínos doentes , e vejo neles o sentimento que eu tinha a alguns anos .

    • Fr3dpa

      Sem o Nobre na verdade… O Allianz sem a revolução que o Nobre
      conseguiu implantar nada disso seria possível, só iríamos ter um estádio
      bonito, mas sem time! Por nossa sorte tudo corroborou pro nosso
      sucesso, ótima gestão, investimentos, estádio, aconteceram tudo no mesmo momento… incrível!

      • AlexTala

        Sem duvida o Nobre foi fundamental, sem ele o sapo barrigudo teria se vendido para a WT e estaríamos jogando a segundona no Canindé

  • AlviVerde Imponente

    Sem sombra de dúvidas uma parcela da nossa ascensão se deve ao Allianz parque, apesar de ser novo, sinto saudades do antigo Palestra tudo que aprendi sobre o Palmeiras foi lá e a bancada tremia, saudadess

  • Renato Sansão

    Texto perfeito, o vídeo dos bolivianos filmando a arena desacreditando da monstruosidade do estádio fala por si só. Senti apenas falta de ler o nome de Luiz Gonzaga Belluzzo, um cara que pagou caro demais por seus erros e que é talvez o grande responsável pela existência desse caldeirão-cartão postal da cidade chamado Allianz Parque.

    • Carioca Verdão

      Obrigado, Belluzzo, vítima do musgambá e sua gangue, q preferem ver o Palmeiras na merda, a ver um opositor triunfar.

  • Henrique Lobato

    Aquele post do Ano que vem chegou ,resume bem oque é ser palmeirense hoje, nem nos meus sonho mais delirantes imaginaria q viveríamos isso tão rápido depois de 2002 até 2014 os anos das trevas

    • AlexTala

      É mesmo bem lembrado! Agora podemos curtir o momento presente!

  • Sandro Sgobi

    Eu diria que com o Allianz finalmente o Palmeiras entrou no século XXI. O velho Palestra era cheio de rachaduras,saudosismo e História, mas definitivamente não atendia mais à demanda da imensa torcida palmeirense. Sou do interior de SP e o afluxo de torcedores que se dirigem a cada jogo do Palmeiras para SP para assistir aos jogos é digno de uma migração em massa. 80% dos que converso são sócio-torcedores, mesmo morando longe. (como eu sou). O Palmeiras não podia passar a eternidade jogando para 10 mil torcedores por jogo. Não dava mais para torcedores mais idosos e crianças irem até o Parque Antarctica tomarem sol e chuva no cimentão. Hoje vemos essas faixa etárias a vontade no Allianz. Enfim, não tem Crefisa no mundo que faria o time dar liga sem o aparato do Allianz, elenco qualificado e competência no processo administrativo. O circulo virtuoso teve inicio e se quem estiver no comando da SEP tiver competência, não irá mais ter fim. É o que já acontece com o Barcelona por exemplo. Avanti Palestra!

  • Luis Claudio Carrasco Garcia

    Moro no litoral, sou Avanti, e embora esteja inadimplente no momento, a situação desafogando, volto a ficar em dia. Em tempo, fui em dois jogos, a estreia com derrota para o Sport, e o amistoso ano passado contra o Red Bull, na pré-temporada. Valeu muito a pena ter virado Avanti e ficado 5 horas na fila pra pegar a carteirinha!

  • Bussa

    A história do Palmeiras o coloca entre os principais clubes do mundo. É verdade que esta agremiação passou por uma fase nefasta e que nos arrepia só de lembrar, no entanto, agora, uma virada fenomenal trouxe de volta a auto-estima palestrina. O estádio lotado é uma representação concreta desse sentimento que voltou a tomar conta de todos nós.
    O Allianz traz a nós ares de modernidade que nos coloca em patamares muito elevados em relação ao resto dos times sulamericanos. Que este ciclo vicioso de vitórias, bons elencos e casa cheia perdurem por muito tempo.
    Zé Roberto avisou para aqueles que tinham esquecido: o Palmeiras é grande!
    Ninguém tem forças para segurar essa avalanche alviverde quando todo seu potencial é manifestado.

    • AlexTala

      O Palmeiras é o time da virada! Agora temos que nos manter atentos para não deixar as múmias ressuscitarem.

  • Antonio Frederico

    Só digo que para o Palmeiras dar um salto ainda maior na frente de todos, ela precisa urgentemente fazer aquele sistema de jogos transmitidos pela “realidade virtual” acontecer ao vivo. Imagina o salto na quantidade de sócios torcedores se o clube licenciasse isso e o torcedor longe de SP pudesse sentado em seu sofá ter a experiência de estar no Allianz Parque?

  • manso10

    Um erro grosseiro de EB, ao substituir Guerra, colocar mais um volante e implantar a famosa avenida Egídio.EB que pensou que o Palmeiras era Ponte Preta, disso não tenho dúvidas. Ao atrair o time do Santos para o campo do Palmeiras, o gol deles era uma questão de tempo, e não deu outra. Vejam só como é o destino, o forte elenco do Palmeiras resolveu a partida em dois minutos, a partir do momento que se desfez a situação que o nosso técnico cagão criou. A sorte de EB parece que vai durar muito.

    Vamos Palmeiras. Pense grande EB.

    • Francisco

      Cara, seu comentário não pode ser sério. As vezes parece que tá torcendo contra, só por que não gosta do treinador.

      Foi um jogão, criamos inúmeras chances (o goleiro deles também pegou demais) e vencemos o santos lá na Vila. Feito que, se não me engano, nem o Cuca conseguiu. Os nossos gols tiveram total interferência das corretas decisões do nosso treinador.

      Vamos apoiar, parceiro.

  • Anderson

    Boa administração ajuda muito, mas acho que existe algo a mais nessa torcida, é aquele sentimento que todo brasileiro tem, da dificuldade que nos é imposta. Diferente do dia-a-dia, vencer esses invejosos, que querem te jogar pra baixo, fortalece muito a SEP. Imagina se tivéssemos pista livre?