Borja: é preciso ouvi-lo mais e falar menos

por Douglas Monaco*
Borja
César Greco/Ag.Palmeiras

É fato que o desempenho de Miguel Angel Borja nestes primeiros meses após sua contratação pelo Palmeiras tem frustrado/preocupado a torcida e alimentado dois focos de negatividade contra o jogador: os (maus) profissionais da pretensa imprensa esportiva têm se esbaldado em criticar a contratação e em “profetizar” que Borja será um mico no clube; os políticos do clube têm exercido a habitual pressão contra os dirigentes que trouxeram o jogador, marcadamente o executivo de futebol, Alexandre Mattos.

Observando a coisa de fora desde a chegada dele, a impressão que dá que está faltando ouvi-lo mais. Tem muita gente dizendo o que é que ele tem de fazer para render bem. Mas não tenho certeza de que ele tem sido ouvido, de como ele tem recebido essa enxurrada de conselhos e de como ele tem convivido com tanta expectativa.

Mais à frente, explico melhor o que quero dizer, mas antes acho importante descrever o que vi nele desde a sua chegada.

O desempenho visível de Borja

Os primeiros minutos contra a Ferroviária foram apoteóticos, desde o frisson que antecedeu sua entrada no jogo vindo do banco até o golaço num contra-ataque que demonstrou força, velocidade, rapidez de raciocínio e perícia na finalização.

Depois, veio outro golaço numa sexta à noite contra o Red Bull em Campinas, também vindo do banco. Aí veio uma sequência que começou com aquela sensação de “uuuuhh” no jogo contra o Tucuman, lá, em que ele finalizou bem várias vezes, mas em todas, por pouco, a bola não entrou.

Borja
Marco Galvão/Estadão Conteúdo

A sequência seguiu com algumas oscilações de rendimento, pênalti perdido contra o Peñarol no Allianz Parque, reações espalhafatosas a substituições durante os jogos, bons jogos contra o Novorizontino, a debacle contra a Ponte Preta e a declaração um pouco controversa do então treinador sobre “Borja ter vindo a peso de ouro e sentir-se incomodado por não estar rendendo proporcionalmente”.

Tudo isso gerou uma nuvem de dúvida sobre ele: “vale tudo que custou”? “É um Obina gourmetizado”? “Foi contratado com base em pouca observação”? Parece que torcida e “emprensa” acabaram fomentando essas versões.

Trocou-se o treinador e logo na coletiva de apresentação de Cuca – o novo-antigo treinador – este prometeu mantê-lo nos jogos até o fim para ele se sentir à vontade. Na reestreia de Cuca, Borja pôs duas para dentro, foi mantido até o fim do jogo e a coisa parecia solucionada.

Mas com novas oscilações, substituições e até idas para o banco, as dúvidas voltaram; hoje, a grande colocação é que falta a ele assimilar ideias que Cuca requer de seus jogadores, inclusive o centroavante: movimentação, recomposição e bote no homem com a bola.

Suspeitas

Suspeita 1

Parece que o Borja está sem autoconfiança, errando passes e toques simples que um jogador da qualidade dele normalmente não erra. A sensação é que ele tem ouvido tanto sobre coisas em que tem de evoluir que passa por um autoquestionamento generalizado que o está inibindo até de fazer coisas básicas.

E essa inibição o atrapalha em momentos mais cruciais, como a escolha que fez na última quarta-feira na finalização defendida pelo goleiro, após jogada e passe geniais do Alejandro Guerra. Vendo o lance com atenção, percebe-se que havia espaço para ele fintar o goleiro para a direita e finalizar para o gol vazio. Ele tem habilidade e velocidade para isso, conforme demonstram as dezenas de gols feitos em 2016.

A impressão é que, ao invés de optar por um lance com um certo risco, mas que para ele com sua categoria, seria perfeitamente exequível, ele quis resolver logo e “se livrar da pressão”.

Suspeita 2: falta ouvi-lo

Borja
AFP

A impressão é que muito tem se falado com ele, mas pouco se tem ouvido dele. E às vezes, para algumas pessoas, o “ouvir” tem de ir além de perguntar “como vai” ou “vem cá e me conta o que está acontecendo”.

Quero dizer: é fundamental entender a história da pessoa a quem se quer ensinar algo, para que se possa formular o ensino levando em conta as premissas da pessoa, e até palavras a que a pessoa esteja acostumada.

Eu assistiria a muitos jogos dele do tempo pré-Palmeiras, buscaria informações sobre a trajetória da carreira, quais características dele foram valorizadas nos momentos em que ele foi subindo desde a base até ser eleito “Rei da América” em 2016.  Esse conhecimento possibilitaria dizer o que se quer dele hoje em palavras que ele entende e que refletem conceitos e práticas que foram fatores de seu sucesso.

Outro efeito importante dessa iniciativa seria que Borja ganharia mais confiança nos que o comandam, algo que, por sua vez, fortaleceria a sua autoconfiança.

Momentâneo pessimismo

Fiz questão de escrever este texto porque, francamente, neste momento sinto me um pouco pessimista quanto às reais chances de sucesso dele. Nem de longe por desconfiança quanto a ele ou quanto à comissão técnica, que entendo ser da maior competência, principalmente o treinador.

Mas, no contexto de nosso clube – zumbis do conselho, cornetagem da torcida, inveja da “emprensa” etc. -, não consigo enxergar condições de se dar tempo a ele para esse desenvolvimento.

Há algumas semanas, em “¿Qué pasa, Miguelito?”, o Verdazzo pedia à torcida do Palmeiras que tivesse mais paciência com Borja. Corretamente, o texto apontava para as qualidades do jogador como justificador dessa paciência.

Meu temor é que as condições para a concessão de tal paciência estejam se deteriorando.

Por isso é que uma atenção mais integral, mais detida na pessoa dele e em entendê-lo pode ser o fator decisivo – e urgente – em extrair desse grande profissional todo o potencial que ele tem para oferecer.

Que nosso treinador – que parece ser um cara muito humano, além de possuir extrema competência no trabalho – tenha essa sensibilidade e consiga falar com o Borja, “na língua do Borja”.

#ForzaCuca
#ForzaBorja

* Douglas Monaco é leitor e padrinho do Verdazzo.

  • Boboris

    Basta ver que boa parte de jogadores bons que vêm para o Palmeiras, e que não dão certo, saem daqui e arrebentam em outro time. Camisa pesada, cornetagem exagerada, inveja da imprensinha, todos fatores já citados pelo Conrado. Eu incluiria também uma, para mim inexplicável, tendência de jogador se machucar à toa no Palmeiras como outro fator. Barrios foi só o último exemplo dessa longa lista. Só espero que o mesmo não aconteça com o Borja.

  • Wilfrido Paredes

    Olá Monaco, bom dia.

    Acredito que as vitórias farão a temperatura da cobrança diminuir e dar tranquilidade e confiança.

    Isto vale tanto para ele quanto para os demais no Palmeiras.

    Quando ganha, independente de jogarmos bem ou não, tudo fica mais calmo.

    Infelizmente, futebol continua dependendo muito do quarta e domingo.

    Se ganha, ótimo. Se perde, péssimo…

  • Marco

    Sequencia de jogos é o que ele precisa, acho que contra a Ponte e Cruzeiro, ele vai deixar o dele, pra pegar confiança e arrebentar na liberta

  • Vctr81

    uma coisa é fato, o cara não suporta pressão tão bem. O valor da transferencia, a recepção em guarulhos…o cara deve estar desesperado para meter 2,3 gols por jogo…se não consegue, deve se sentir mal. na colombia nao tinha nada disso, ele foi uma aposta barata. agora é diferente. pra mim é psicologico….se ele voltar a jogar sem esse peso, e com alegria, vai render mais…..agora, mesmo assim não esperem jogadas geniais dele, toques de categoria, o cara é um centroavante e ponto. tipo um henrique dourado mais veloz e com mais força. ou um obina gourmetizado ehhehehe (brinks)

  • Old and Wise

    O perigo maior é ima vaia desproporcional numa tarde ou noite ruim no nosso estadio. Tem que por pra jogar quando o jogo for fora…ai pode tirar. No Allianz ou ele entra durante o jogo…ou não é substuido ate o fim. O resto é com ele porque tem que apresentar qualidade
    O

  • Antonio Frederico

    Ele vai atingir o ápice dele contra o GAM, vai ser o jogo em que ele vai calar a imprensa.

  • Gabriel Pedro

    Não acho que seja difícil achar uma solução neste caso. Borja é o nosso atacante titular. PONTO! Escala-lo como titular é obrigação, deixa-lo até o final, não é obrigação, mas neste momento, é uma boa opção.

    Do mesmo jeito que falam tanto que “jogador que chegou desconfiado pelo torcida ganha o amor dentro de campo” quando o jogador ganha a desconfiança, tem que dar oportunidade dentro de campo pra que ele recupere essa confiança, e no caso do Borja, a qualidade dele é indiscutível.

    Não temos opção melhor para a posição, Willian não é opção. Temos que aceitar a má fase e apoiar. O que acontecerá depois disso, só o tempo dirá.

  • Juliano Luana

    Lembrar que o Gabriel Jesus após as olimpíadas,ficou doze jogos sem marcar gols,e nem por isso foi para o banco,lógico que não tem comparação um com outro,a meu ver,Borja tem que ser titular,com confiança,só se tira a pressão de um jogador confiando nele,os esquema também tem que favorecer,ele meteu gols em dois jogos na estreia,contra o Vasco mais dois,o cara tem qualidade,mas o problema da torcida palmeirense,e que estão querendo um ídolo,alguém como Evair, Edmundo, Rivaldo,aí querem que o jogador chegue,e faça gols em todas as partidas,e isso é difícil,nos palmeirenses,devemos ter calma nessas horas,ter ídolos hoje em dia e difícil,basta olhar para trás,lá no início da década dois mil pra cá, ninguém se firmou,tivemos os melhores técnicos no time,e foi ganho pouca coisa,vemos times com bem menos que o Palmeiras jogando redondinho,times que se desmancha todo ano e sempre brigando,e porque o Palmeiras é tão instável? Alguma coisa tem de errado.

  • Renato Sansão

    Douglão, concordo com cada linha escrita. Direto, preciso, conciso e muito oportuno.

    E digo mais: Borja, por ser muito acima da média, precisa de uma sequência grande no time titular para ganhar confiança, ritmo de jogo e a tranquilidade de ter tempo para errar, e consequentemente acertar. Enquanto suas entradas em campo forem uma mistura de ampulheta com bonequinho de vodu, ele – que precisa e merece atenção especial – vai seguir em instabilidade até o final de sua passagem pelo clube.

    Se o moleque (de apenas 24 anos) ficar focado em atuar no último terço do campo, com boa sequência de jogos (se possível inteiros) e apoio irrestrito de torcida + elenco + comissão técnica, ele fatalmente será o atacante que todos esperamos quando fomos buscá-lo no aeroporco. Ouvi-lo mais é um bom (re)começo.

    • MonacoParmerista

      abrazzo, Samson!

  • Douglas Gouveia

    Concordo com o texto – se tratarmos ele como tratamos o Valdivia quando chegou – a chance de dar certo é muito maior – mas isso também depende dele – precisa ter paciência para se adaptar ao futebol brasileiro, principalmente a imprensa imparcial e fofoqueira, nem que tudo isso signifique algum tempo de banco.

    Mas, ainda insisto que a questão esta no esquema de jogo – assim como o Barrios e Alecgol, Borja não se encaixa muito na pretensão tática do Cuca. Acredito piamente que, se fosse o Cuca o treinador, não aprovaria a compra do Borja – basta ver a sede do Palmeiras em buscar um centroavante no mercado, tendo dispensado Barrios e Alecgol.
    Se o time jogasse para ele, como nove-nove de oficio – aposto que se adaptaria muito mais rápido.

  • Anderson diassis

    Borja além de ter uma sequência tem que jogar na área, não buscando a bola na ponta ou no meio

  • Ferracini

    Tenho uma teoria que é bem parecida com a “suspeita 1”.
    Somos um time que quando o centro-avante pega na bola, tem dos dois lados opções de jogadas com jogadores do quilate de Dudu, Roger Guedes, Willian (artilheiro do time diga-se de passagem)…ele deve mesmo se sentir inseguro sobre qual o melhor desfecho para a jogada.
    Sei que é do jogo, mas vejo muitas vezes os jogadores reclamando com o companheiro por não ter sido acionado em jogadas que não deram certo e isso pode estar afetando o Borja, que tem nitidamente uma personalidade mais tímida.
    Será que não está faltando uma colaboração/paciência também dos jogadores e não só da torcida?

  • Giuliano Varela

    Parabéns Monaco! Excelente texto. Acompanho seus comentários e sempre traz excelentes reflexoes! Abs

  • Edinog

    Comentário bem equilibrado Douglas e me permita uma colocação, existe no Clube um setor que parece que analisa as qualidades e virtudes do jogador que pretendem contratar, não ? Será que analisaram a personalidade do Borja ? Foi feita e poderiam ter se equivocado, correto, porém, parece que ele é bem tímido, muito mais para o Guerra do que para o Mina, então, já deveriam estar preparado e se vamos contratar pela fama que o jogador tinha no momento, deveriam estar preparados para trabalhar a personalidade do mesmo, com certeza teríamos evitado muito desgaste.

  • Wladimir Cruz

    Principalmente a imprensa Santista, pega muito no pé do Borja,Sormani, Kalil, Ricardinho do EI, só avisar para esses jornalistas do Damião, que o Santos contratou por uma fortuna e ainda não pagou

  • Marcos Aurélio Bardini

    Perfecto! Muito bom texto.

    Observando o Borja, não tenho dúvidas de que ele tem
    muita qualidade para fazer gols e que se tivesse jogado os 9 jogos desse
    Brasileiro estaria brigando com o Henrique Dourado pela artilharia.

    Borja
    jogou apenas 2 jogos e mais 60 minutos neste campeonato. Não tem 3
    partidas completas ainda e fez 3 gols. Willian que é o artilheiro do
    time na temporada, fez seus 10 gols em mais de 30 jogos, enquanto o
    colombiano fez seus 7 gols em 20 jogos, sendo que em apenas “4 JOGOS”
    ele jogou os 90 minutos. Miguel Borja tem a melhor média de gols/jogo do
    Palmeiras no ano e se fazermos a média de gols/minuto jogado veremos
    que a média é melhor ainda. E vejamos, tudo isso diante de toda essa
    desconfiança, de toda esta pressão e de toda esta repercussão negativa.
    Borja
    é um finalizador nato e considero impossível torná-lo um eximio jogador
    tático. Guardando as devidas proporções, seria o mesmo que tentar
    adaptar o Romário a este esquema.

    Indagado, por um repórter da
    Fox Sports sobre “o por que” Lucas Barrios estaria fazendo tantos gols
    no Grêmio, Valdir Espinosa (auxiliar técnico) assim falou: “O Renato
    chamou ele e disse: _ Barrios, eu confio em você. Arrisque! Jogue! Mesmo
    que você errar, mesmo que você estiver mal, você vai continuar no time,
    pois eu confio em você.”
    Que números Borja teria se tivesse recebido a mesma confiança e sequência de jogos?
    OK.
    Willian é um jogador muito voluntarioso, muito dedicado e faz seus
    gols… mas ambos podem até se completar em campo. Não é porque se joga
    com um centroavante nato e de pouca combatividade que o resultado da
    equipe será inferior. Vide o Grêmio de Lucas Barrios.

    Agora
    tracemos um paralelo entre a declaração de Valdir Espinosa e o que Borja
    recebeu até agora no Palmeiras. As declaração dadas são quase sempre em
    tom de cobrança, expondo o jogador a “emprensa” oportunista, como a do
    EB citada no post.
    Não vamos longe. Ouçamos a entrevista do Cuca logo
    após a vitória no último jogo. A menção ao gol da vitória ficou quase
    invisível às cutucadas sobre recomposição, trabalho de pivô,
    introspecção…
    Oras… claro que ele não fez um grande jogo. Claro
    que ele errou bolas simples ao tentar sair da área. É visível a sua
    falta de confiança. Mas era o momento de, perante a (má) imprensa,
    elogiar o cara. Falar sobre sua evolução. Elevar a alto estima do garoto
    (24 anos)… e não dar alimento para “emprensa”.
    Posteriormente, internamente, chama o garoto, lhe cobra e lhe orienta sobre suas falhas.
    Isso se chama blindar o jogador.

    Sei
    que alguns torcedores discordam. Acham que é o cara que precisa reagir.
    No entanto, cada individuo reage de uma maneira e é papel do
    Gestor/Facilitador/Treinador entender a personalidade de cada um e usar a
    melhor estratégia de potencializar e extrair o melhor da pessoa.
    Isso deve funcionar assim em qualquer empresa.

    Enfim,
    o Palmeiras está acima de qualquer jogador. Mas se fosse um “zezinho”
    comprado por 3 pares de chuteira e que ganhasse 2 salários mínimos não
    estaríamos aqui discutindo sobre isso, no entanto tratasse da maior
    contratação em valores da história do clube. Ele é patrimônio do clube.
    Ficar nesse mimimi e ver o garoto cair no ostracismo sem ter retorno
    técnico é o que não deveria acontecer.

    AVANTI MEU VERDÃO!

  • AlexTala

    é isso mesmo, devemos ser muito mais pacientes que os resultados virão. Estendo os seus comentários ao resto do time. Sempre fomos mais pessimistas e trágicos do que o necessário e muitas vezes não permitimos que o time encontre seu encaixe.

  • Anderson Fontes de Carvalho

    Ótimo Texto!!! Fazendo um paralelo, lembro quando o jovem
    Valdívia chegou ao Palmeiras em 2006(acho) como uma promessa vinda do
    Colo-Colo. Nos primeiros jogos em que ele entrou no segundo tempo ele
    foi um jogador um tanto espalhafatoso e estranho. A torcida ficou
    desconfiada da qualidade do jogador. Foi aí que entrou o dedo do então
    técnico, Caio Júnior, que chamou o jogador, conversou com ele, o tratou
    como a um filho, lhe passou confiança e a partir daí surgiu o grande
    Valdívia dos anos 2007 e 2008.(A segunda passagem foi ruim pelo estado
    físico e o descomprometimento do jogador). Valdívia até hj é grato pelo
    que o falecido Caio júnior fez por ele. Concordo que esteja faltando um
    “Caio Junior” pro Borja.

  • Allan Bó

    Tempo ao tempo! Infelizmente uma palavra (tempo) que no futebol brasileiro não existe, somos imediatistas, vitória a qualquer preço! Expectativa depositada nesse jogador foi e está sendo imensa, a “impressa” medíocre alimenta essa super-valorização do atleta e tira um sarro no Palmeiras, na qual os clubinhos queridinhos podem tudo, mas nós…Acredito que em breve, o Borja irá guardar uns golzinhos a mais na liberta e está tudo certo! AVANTI!

  • Felipe Vila

    Precisa filtrar um pouco mais. A impresinha desse a lenha sem fundamento. o willian tem apenas 3 gols a mais , com quase 800 minutos de jogo a mais . O Borja e muito melhor q willian refulgo do cruzeiro… segue o comparativo Willian 32 jogos 2015 minutos 10gols . Borja 20 jogos 1249 minutos 7 gols.

    • Igor L. G. Pasqueta

      Um desses setoristas que publicam notinha no twitter disse algo nesse sentido há coisa de um mês. Em sua frase, dizia que a única coisa que justificava a preferência pelo Bigode é que ele participava mais do jogo, porque até então a média de gol dos dois era exatamente a mesma.

      • Felipe Vila

        acabou de passar na fox, aproveitamento do time com Borja 72%, com willian 63 %

  • xandresoares

    Excelente post, Douglas! Parabéns!

    Ninguém compra um anel de esmeralda para usa-lo como pingente no pescoço e usar uma bijuteria no dedo…

    Acho bem por ai.. mas além de tudo isso, tem o Cuca querendo que ele corra atrás de lateral, participando ativamente na recomposição. Então além dessas suspeitas que você citou, incluiria está também: Esquema tático que o desfavorece.
    Se estivesse sem confiança, mas jogando da mesma forma que sempre jogou na Colômbia, com certeza seria mais acionado e participativo… talvez a bola não entrasse, mas teria mais oportunidade.
    Então temos: Jogador sem confiança+esquema que não favorece+dificuldade de ouvi-lo = Bola que não entra, perdido no campo e não sabe como resolver isso.
    Barrios e Alecgol também sofreram com isso (Alecgol menos, por causa da experiencia, tema mais vivencia e sabia interpretar a ocasião).
    Imagina o Borja jogando no Fluminense no lugar do Henrique… já teria metido muito mais que 10 gols… no lugar do Fred.. No lugar do Jo…
    Certeza que o Cuca preferia o Cristaldo de volta, pra correr que nem doido e ainda meter gol.

  • Zanelato

    Parabéns pelo texto, Douglas. Muito bem escrito.
    Além disso, merece ser destacada a profundidade com que trata um tema tão delicado, em relação ao qual, diga-se de passagem, concordo com o ponto de vista apresentado!
    O Borja precisa, SIM, de tempo! A regra não é alguém chegar de uma cultura tão diferente da nossa, principalmente no futebol, e render tudo o que pode. Só o tempo trará isso. E tenho certeza que a comissão técnica sabe desse ponto!

  • Belo artigo! Aqui tu resumiu bem como a atmosfera que cerca o Palmeiras não é mesmo para qualquer um: “zumbis do conselho, cornetagem da torcida, inveja da “emprensa”… Mas pelos aplausos da torcida na Quarta, ao menos na substituição dele, tive uma ligeira impressão que ainda estamos com um certo fôlego. Mas seu texto é bem pontual e realmente muito providencial. Todos deveriam ler: os zumbis do conselho, torcida corneteira, “emprensa” invejosa, e talvez/especialmente nossa comissão técnica.

  • Rafael Sousa

    Eu pessoalmente, descarto a suspeita 2, no clube tem psicólogos, Alexandre Mattos, Cuca… tenho certeza que todos estão tendo conversas desse tipo, o tempo todo…
    Agora, a suspeita 1, tenho certeza que acontece… difícil ter tranquilidade num momento desses para ser o Borjão do ano passado…

  • Charles

    Parabéns, Douglas. Ótimo texto.
    Mais um atenuante para o Borja, é que além de parecer estar sentindo dificuldades com a adaptação ao Brasil, ele chegou no meio do campeonato paulista e após alguns jogos, houve a troca de técnicos. Com o Cuca ele voltou à estaca zero e está reiniciando um trabalho, porém agora com um cenário diferente, se antes era só euforia e boa expectativa, agora há pressão e desconfiança.
    Acredito que com o tempo ele consiga superar as dificuldades e mostrar a que veio.

  • Matheus Alves

    Com nossa camisa o Borja tem: 20 jogos, 1249 minutos jogados (13,87 jogos) e 7 gols.

    Ele jogou quase 14 partidas completas e fez 7 gols, marcando 1 gol a cada 180 minutos/2 jogos, ou seja, uma média de 0,5 gols por partida.

    Essa média não é nem de longe ruim. Vale lembrar, que todos os gols foram feitos na grande área.

    O fato é que ele não vem jogando bem e erra algumas jogadas de forma tola. O que me parece ser absolutamente falta de adaptação ao sistema tático e/ou dificuldade em entender o que o Cuca pede.

    É preciso ter MUITA paciência com o Borja, pq ele já se mostrou ser um jogador importante e talentoso. E essa paciência deve vir principalmente do Cuca, sabendo usar o jogador da melhor forma possível, o que envolve ceder em alguns aspectos e ser incisivo em outros.

  • Matheus Alves

    Tomara que nosso “Obina Gourmet” também tenha a mania de fazer 3 gols num certo clube…

  • Antonio Paulino

    É fácil resolver o problema do Borja. É só trazer Mac Torres. Aí teríamos o ataque do Atlético Nacional melhorado. Guerra, Mac Torres e Dudu. Na frente, esperando os presentes, Borja.

  • GustGiannella

    Sinceramente não vejo como o Borja irá reverter essa situação do banco de reservas. Faltam mais oportunidades a ele, jogar jogos inteiros, fazer com que ele se sinta útil. O Cuca disse que deixaria ele jogar os 90 minutos, mas não tem cumprido isso.

    Hoje vivemos uma época muito, mas muito estranha na torcida do Palmeiras. Vivemos anos de trevas, com contratações ridículas, rebaixamentos, goleadas históricas… e com dois anos de hegemonia a torcida já ficou mimada. A torcida do Palmeiras sempre foi corneteira, mas está passando dos limites.

    Os números do Borja não são ruins, no Campeonato Brasileiro ele é nosso artilheiro com três gols, tendo jogado apenas quatro partidas. Ele claramente está se esforçando para jogar da maneira que o Cuca pede, saindo da área, marcando… essa não é a característica dele, mas mesmo assim o faz. Pena que muitos não reconhecem e só conseguem repetir que nem papagaio o valor que desembolsamos para contratá-lo.

    Creio que falta entendimento que se trata de um ser humano que tem sofrido uma pressão exagerada. Enquanto o Cuca não der oportunidade a ele, ou não fizer com que o time jogue pra ele, as coisas não irão mudar.

    • Rafael Capelini

      2 anos de hegemonia??

      Infelizmente nem isso tivemos!!

      Tivemos um boa campanha num mata-mata (passando a maioria das fases no limite);

      …e ano passado onde só tivemos realmente um verdadeiro domínio no segundo semestre. Isso está muito longe de ser hegemonia!!
      (hegemonia:
      substantivo feminino;
      1. supremacia, influência preponderante exercida por cidade, povo, país etc. sobre outros.
      2. p.ext. autoridade soberana; liderança, predominância ou superioridade.)
      *No futebol, ter hegemonia é ser dominante (não necessariamente o vencedor de todos, apenas da maioria, mas dominante quase que de inicio ao fim das disputas) em todos os torneios disputados durante um extenso período de tempo…

      Não estivemos nunca sequer perto de ter “hegemonia”.

      único momento de nossa história pós anos 70 que tivemos verdadeira hegemonia foi 93/94.

      Fora isso, concordo com seu comentário.

      • GustGiannella

        Rafael, está certo, talvez a palavra ‘hegemonia’ tenha sido exagerada, apenas quis dizer que os últimos dois anos, 2015 e 2016, foram com times competitivos, brigando por títulos e conquistando. Algo que há tempos não acontecia.

  • Wkocks

    O Borja não casa com o estilo do Cuca. Na minha visão o Pratto casaria melhor, mas o Galo não quis vender para concorrente na LIBERTA. Ponto final. O Cuca tem que olha também o investimento feito pelo clube/patrocinador e de alguma forma conseguir encaixar o colombiano para fazer sucesso. Essa é a função de um funcionário de um clube. Para mim, o sucesso está mais na mão do Cuca, do que na do Borja

    • Luis Claudio Carrasco Garcia

      Eu lamentei, muito, que o Pratto foi pros bâmbis. Ele sim, tem perfil de protagonista. Borja é muito tímido, acanhado.

  • John Ross

    Borja joga muito, com a 9 enfiado na area.

  • André_Verdão

    O que o Cuca vem pedindo ao Borja está matando o talento do jogador. O Borja é jogador de área e dá dó ver o cara no meio de campo buscando bola (isso não é da característica dele). Não querendo comparar (é claro) mas se fosse o Romário no lugar o Cuca ia mandar ele buscar bola no meio campo, marcar volante? Não, porque o Romário (mesmo sendo um gênio) seria um jogador comum se fizesse isso. O Borja não é um Romário mas no nível de América do Sul é um atacante sem igual, que qualquer time gostaria de ter e se for fritado vai arrebentar em qualquer outro lugar porque vão usar ele na característica dele. No verdão ele lamentavelmente vem sendo bem mal aproveitado.

    • Luis Claudio Carrasco Garcia

      Você disse algo que as pessoas também dizem, que não consigo não ficar “incomodado” (nada pessoal, por favor!): que ele é muito bom para os padrões americanos. Não sei de onde a torcida tira essas conclusões, tudo que ele fez foi jogar bem 4 partidas da liberta passada, se comparar com toda a carreira dele ( que não tem brilho nenhum), é menos de 0,01%… Ao meu ver, a compra do Borja ( pelo valor pago) foi um erro de avaliação da diretoria. Palmeiras tá parecendo pobre que ficou rico: vai equipar a casa nova, e em vez de fazer como uma pessoa que sempre foi rica, que vai comprar móveis e decoração minimalista com design arrojado, faz como quem é pobre, se vislumbra, e compra tudo no polishop e nas casas bahia kkkk. Tá osso essa gastança com má avaliação. Claro que alguns dão certo, mas me parece que dá muito mais errado, o Barrios sendo outro terrível exemplo.

  • Gustavo Arthuzo

    Bom, confesso que fiquei um tanto decepcionado com este início do Borja. Os número não são de todo ruins, mas quem assiste aos jogos vê uma série de problemas.

    Ao meu ver, o maior deles é a falta de confiança; isso é tudo para um jogador, principalmente para o centroavante. Gera erros de passes, finalizações precipitadas e decisões erradas; o Borja sofre com isso. Não é um jogador que foi preparado pra ser craque, não tem a mentalidade de um craque, é acanhado e tímido.

    Porém, isso tudo pode ser superado. Um exemplo é o Henrique Ceifador, apesar de diferente personalidade, tinha sua qualidade técnica posta em dúvida no Palmeiras; não por menos, o Palmeiras pagou pelo LEANDRO BANANA, o valor que seria necessário para contratar o Henrique e dispensou o mesmo. Hoje, com confiança, em um esquema que lhe favorece, tende a terminar o ano beirando os 40 gols.

    Portanto, apesar de não por a mão no fogo, não acho que o Borja seja um caso perdido, se o colombiano recuperar sua confiança, se adaptar ao esquema (ou o Cuca adaptar ele ao esquema), podemos ter um ótimo fazedor de gols no time.

    Não tem muito a ver, mas o Leandro Iamin (que não cansa de escrever porcaria) do ESPN FC, fez um texto que beira o ridículo, comparando Borja com um centroavante colombiano que jogou a final da Libertadores contra o Palmeiras em 99. Questiona Mattos (o cara que venceu em 4 anos, 4 títulos nacionais) e fala mais um monte de absurdo. Segue o padrão MCP, Gabriela Moreira e Maurício Barros de jornalismo. Sugiro o boicote.

    • Wilfrido Paredes

      Gustavo, bom dia. Também li o texto do tal Iamin e achei um absurdo o que ele escreveu como representante do torcedor Palmeirense.

      Me deu a clara impressão que quis queimar o Mattos, falando sobre contrataçőes confusas em 2015.

      Esquece ele que em 2015 tivemos que montar um novo elenco (27 jogadores) pelo péssimo 2014 que tivemos.

      PVC nesta semana também criticou o excesso de contratações. Mas esqueceu de citar que das 53 contratações 27 foram em 2015 por uma situação de necessidade que o clube passava.

      Em 2016 e 2017 a quantidade de contrataçőes foi equivalente a que outros clubes fizeram, mas ninguém comenta dos outros clubes…

  • leandrocosas

    Respeito sua opinião e de todos, mas acho sinceramente que não dará tão certo quantonera esperado. Espero que eu esteja errado e queime a lingua.
    Digo isso não só pela qualidade técnica dele (que também acho limitada), mas sim pelo impeto de jogar, a impressão que eu tenho é que ele não gosta de jogar bola ou não gosta de jogar no Palmeiras. Jogador sem alma, sem vontade, sem garra, vice quando ele viu o Prass apanhando no Uruguai e ficou olhando.
    Outra coisa, acho que o Cuca poderia testá-lo mais fixo na área, acho que ali ele poderia render mais, ele não tem habilidade pra sair da área. Talvez só empurrar a bola pra dentro, seja a dele.
    Espero q eu esteja errado 🐷

  • Trautman Green Beret

    Concordo com a análise. Cheguei a comentar com amigos no início do ano que os estrangeiros iriam render quando estivessem “se comunicando” bem. Mina faz isso de forma natural, extrovertido que é, Guerra é mais cerebral e levaria mesmo um certo tempo até se sentir mais à vontade (e olha só como ele vem atuando bem, agora), e o Borja, mais introvertido, ainda precisa desse tempo para “engrenar de vez”. Aí, meus amigos, com a bola chegando mais redonda para ele, porque ele vai estar dizendo na linguagem dos demais jogadores do elenco como ele quer recebê-la, segura o cara… Avanti Borja, avanti Guerra, avanti Dudu e Roger Guedes, vamos mandar menos tijolos para ele encaçapar! Avanti, Palmeiras!

  • MonacoParmerista

    a tutti Fratelli: muito obrigado trocar essa ideia aqui no Verdazzo. A esperança é que, pensando juntos, consigamos ajudar nosso Verdão.

    obrigado ao Conrado por abrir esse espaço sensacional de troca de ideias.

    Aproveito pra passar um comentário que veio pelo Twitter: um Fratello lá avisou que o Borja não passou por categorias de base e começou logo como profissional aos 19 anos. Chequei na página sobre ele no Wikipedia e parece ser isso mesmo, logo, fica feita a retificação do que falei no texto.

    Abrazzi.

  • Luis Claudio Carrasco Garcia

    Queria saber onde que o Borja é craque, ou tudo isso que as pessoas falam. Melhor que o Willian? Pra CA, sim. Vale 34 milhões? Nope, diretoria gastou muito mal dessa vez. A carreira dele nunca teve nada demais, fez 4, 5 jogos bons ano passado, pronto, virou craque. O ceifador tá fazendo várias partidas boas esse ano, vamos tirar ele do flu por 40 milhões? Claro que não…

    • Rafael Capelini

      Bom, vamos lá:
      Ninguém afirma que ele é “craque” não como Evair, Alex, Rivaldo, Romário, Ronaldo, etc… apenas um goleador matador excepcional.

      Portanto dentro de sua função, Centroavante ele é sim muito acima da média e logo “craque como centroavante”, como é o Fred, Ricardo Oliveira, Falcão Garcia,…,como foram Oséas, Túlio, Davor Suker,… (todos eles longe de ser ‘craques’, a não ser na função de mandar a bola pra rede)

      Sobre ter feito “4 ou 5 bons jogos” ele ESTRAÇALHOU nos 4 jogos mais importantes do ano passado, os dois da semi-final e as duas finais da Libertadores, não só pelos gols, mas por infernizar a defesa adversária o tempo todo. E Não parou por aí, manteve o mesmo ritmo durante o 2o semestre todo, levando seu time a final da Sulamericana também e sendo dominante no campeonato colombiano. Ele tem excelente finalização, bom drible seco dentro da área, oportunismo e instinto. E também uma frieza rara na frente do goleiro (que sumiu após sucumbir a pressão, mas é só ganhar confiança, que volta)
      Mas…

      …muito além disso, o que dá pra afirmar que é um centroavante fora de série, foi o que já demonstrou aqui: Não fez nenhuma partida brilhante ainda, mas já demonstrou em vários lances isolados que tem todas as características acima e um enorme potencial ainda não explorado. Deu suas caneladas também, mas isso é normal dentro das circunstancias. Um bom jogador dá caneladas volta e meia, mas um caneludo (por mais que as vezes tenha uma fase brilhante) não consegue demonstrar as qualidades e o potencial que ele já demonstrou.

      Sobre “valer 34 Mi”, isso é muito, mas muito relativo mesmo no louco mercado do Futebol. Ou o menino lá dos urubus, que ainda nem jogou profissionalmente, vale 45???

      Ele veio após um semestre brilhante, onde foi JUSTAMENTE escolhido como ‘Rei das Américas’. Inclusive na frente do companheiro de equipe, craque cerebral: Guerra. Com uma média de gols, e aproveitamento de pontos fantástico. Isso obviamente eleva o preço. (E não se esqueça que justamente a posição de maior valorização no mercado, é o de centroavante, sem falar no potencial valor de revenda, mesmo em fase ruim, ainda tem time interessado em pagar por ele hoje, mais do que pagamos…)
      Quem não queria contratar o melhor jogador das Américas?? Precisávamos de um CA fora de série (mesmo quando tínhamos Jesus ano passado todos ainda pediam um 9-9) e fomos atras dos dois que o mercado daqui ofereciam como melhores, Pratto que o galinho bateu o pé em não negociar conosco (e o próprio demonstrou pouco interesse de vir), e o ‘Rei das Américas’. E ainda tem o fator ‘dupla dinâmica’ dele com o Guerra, que nós já tínhamos contratados.

      E olha que ele jogando mal, desentrosado, fora do esquema, pouco à vontade, sem confiança,…, ainda tem uma média de GOLS por minuto Muito BOA!!! Ele foi contratado pra fazer o que mesmo??)

      Imagina quando começar a se sentir à vontade…
      (ok pode ser que isso nunca aconteça com nosso manto, mas SE acontecer, SE a comissão técnica e o time conseguir encaixar ele, vai virar uma arma letal, e mais do que justificar sua contratação)

    • 9 – MARQUINHO

      O cara pode até não ser nenhum craque, mas ai você deprecia demais também. rsrsrs.

      Borja até ser contratado pelo Palmeiras com “23 ANOS”.

      Campeão da Copa Sulamericana 2015
      Campeão da Super Liga da Colômbia 2015
      Campeão da Copa da Colombia 2016
      Campeão da Copa Libertadores 2016
      Estava na final da Copa Sulamericana 2016, mas o Atlético Nacional entregou o título para a Chapecoense devido a tragédia com o time catarinense.
      Artilheiro do Campeonato Colombiano 2016 (19 gols).
      Artilheiro da Copa da Colômbia 2016 (08 gols)
      Artilheiro da Copa Sulamericana 2016 (06 gols).
      Chegou ao Atl. Nacional na semi-final da Libertadores 2016 e fez 5 gols em 4 jogos sendo fundamental na conquista da Copa.
      Foi eleito o melhor jogador das Américas em 2016.
      Disputou a última Olimpíada pela sua Seleção e está presente nas convocações da seleção principal da Colombia.
      Em 2016, fez 39 gols em 50 jogos. Média de 0,78 gols por jogo.

      Henrique Dourado: 28 anos (setembro/2017)

      Campeão da série A2 do Campeonato Paulista pela Portuguesa
      Nunca foi artilheiro de nenhum campeonato.

  • Gustavo Arthuzo

    E tem mais uma coisa. O valor de 40 milhões assusta um pouco, mas temos de nos acostumar com os novos valores do futebol. Nossa moeda é desvalorizada também. Pagaram 27 milhões no MAICON, que é horrível; Vitor Hugo saiu por um valor próximo a este. Fora as transações na Europa, onde 40 milhões de reais é troco.

  • Rafael Capelini

    Li muitos comentários preocupados com o fato do Borja se introvertido, e portanto não ter o perfil de ser protagonista.

    Isso é BOBAGEM!!

    Lembrando que o próprio Evair, Monstro Sagrado, tinha perfil introvertido, e nem por isso deixou de ser o grande protagonista!!! Alex extremamente introvertido!! O próprio Ademir Da Guia dizem que era bem introvertido e não houve maior protagonista…

    • Edinog

      Rafael, permita-me lembrar que Evair e Ademir da Guia, além de estarem no seu próprio País, ou seja, já conheciam todos os caminhos que é viver na sua própria casa e o Borja veio de um País menor, com costumes menores e com certeza deve estar com dificuldades na adaptação. Precisamos é dar tempo a ele para se soltar, coincidentemente li recentemente e estou lendo o livro do Marcos e do Prass e apesar, de serem pessoas simples e com bom padrão de vida, a vida e a fama para um jogador que está surgindo é complicado para se adaptar a nova realidade, fama, holofotes, etc.

      • Rafael Capelini

        Imagina o Alex, chegando na Turquia, o que não deve ter sofrido… E mesmo assim tem até estátua dele por lá hoje!!

        • Wilfrido Paredes

          Alex, maior meia que vi jogar no Palmeiras…

        • Edinog

          Realmente Rafael, o Alex também era introvertido, hoje mais maduro e vendo seus comentários na imprensa, fica claro que o dia a dia lhe ajudou muito e também a convivência em outros Países, ou seja, tudo muito natural na vida de um ser humano. Quanto ao futebol, realmente o Alex é muito mais jogador que o Borja, na minha opinião apenas um goleador.

  • greensemstress

    Poucos conheceram Artime do nosso Verdão e Flávio do arquirrival. Os tempos são outros mas eram “fazedores de gols”. Espero que Borja por ser estrangeiro acostumado a 35/40 jogos por temporada, novo de idade e vindo para uma praça onde o futebol é o esporte nº 1 e com muito mais jogos por temporada, ainda não se encaixou e ainda mais porque me parece muito introvertido. Vai depender DELE ter paciência e bom ouvido e perspicácia para assimilar as coisas úteis para deslanchar! Vaaaiii BORJA!!!
    Outra coisa, gostaria de ver R.Veiga e Hyoran jogarem por mais tempo, mesmo que em jogos onde o adversário seja de menor expressão, apesar de que no brasileirão contra nós, todos entram retrancados e por 1 bola. E a “midia” acha que temos obrigação de ganhar todos os jogos com mais de 4 gols …
    Avanti VERDÃO!!!

  • Humberto De Carvalho Leal

    Bela análise, estou cansado de ver palmeirenses falando em “erro de avaliação” ao trazer o jogador, quando na verdade meia dúzia de fato acompanharam o seu futebol no ano passado e a maioria fica repetindo o discurso dos nossos formadores de opinião, tão leigos e díspares ao analisar jogadores oriundos do futebol sulamericano…

    Minha preocupação, contudo, é ver se Cuca não irá “queima-lo”, tendo em vista o episódio Barrios do ano passado, preterido por Banana e Alecgordo…

    No mais, ainda acredito no potencial de Borja… ele só precisa de sequência, e quando digo sequência, não é meia dúzia de jogos, e sim uma titularidade ao longo do semestre, como o que aconteceu com Dudu em 2015, tão criticado e depois tão aclamado…

    • Wilfrido Paredes

      Humberto concordo com quase tudo,.a minha ressalva ė apenas em relação à Dudu.

      Que palmeirenses são esses que criticam o desempenho de um jogador por ter perdido um penalti na final do paulista de 2015 ?

      Dudu, desde sua chegada, sempre jogou muito no Palmeiras

      Foi a maior e melhor contratação que Mattos fez…

      • Rafael Capelini

        Bom Will, na verdade o Dudu teve sim algumas oscilações, era muito bom desde que chegou, mas extremamente inconstante, e bastante egoísta.

        Seu futebol e sua personalidade evoluíram muito, primeiro no 2o semestre de 2015, e depois quando ele e o Cuca passaram a falar a mesma língua amadureceu de vez!! Acredito que o mesmo ocorrerá com o Borja.

        • Wilfrido Paredes

          Rafael, bom dia. Eu ainda fico com a impressão que ele estava mal por causa da final do Paulista de 2015.

          Infelizmente, uma boa parte dos torcedores analisam pelo resultado e não pelo desempenho…

          Abs

  • Rafael Capelini

    AGORA o Borja engrena!!!

    EXCELENTE NOTICIA!!!

    A peça que tava faltando ao quebra-cabeça da comissão técnica está de volta!!!

    Alberto Valentim volta pra ser auxiliar de Cuca!!!

    Vários relatos internos do ano passado dão conta de que quem fazia muito bem a ponte entre os atletas e o Mestre era justamente ele. Pior é que no começo dessa semana pensei em escrever um ensaio com o título: “Valentim precisa Voltar!” kkk leram meu pensamento. Muito boa Notícia!!
    É o óleo que faltava pra azeitar a engrenagem. Certeza que ele vai saber como extrair o máximo do Borjão, e o Cuca valoriza pra caramba as opiniões dele…

    • Wilfrido Paredes

      Valentim será preparado por Cuca para substituí-lo…

    • Anderson Fontes de Carvalho

      Dizem que Valentim tem uma relação muito boa com os jogadores, e isso com certeza fará uma diferença para o bem. Quanto ao Borja já não sei se o Valentim resolverá o problema… O Valentim tava aqui na época do Barrios e não foi suficiente para tirar a teimosia do Cuca em não dar chances pro Argentino. Espero que vc esteja certo, mas acho que a cabeça dura do Cuca ainda irá prevalecer…

      • Rafael Capelini

        O problema do Barrios não era teimosia do Cuca em não usa-lo. Ou querer fritá-lo…

        Era FÍSICO!!

        O Cuca se abusou rápido porque toda vez que mais precisava ele nunca estava disponível, ou se estava disponível , não estava 100%

        A participação dele naquela inter-temporada em que o Cuca arredondou a equipe foi extremamente capenga. Alertado sobre o fato do Argentino-paraguaio estar no Clube a mais de ano e nunca ter estado bem fisicamente por mais de 1 mês consecutivo, Cuca chegou a conclusão que não podia confiar nele.

        Montou o esquema principal e os alternativos sem levar em conta ter o Barrios a disposição.

  • Sanderson

    Durante todo o campeonato, existem jogos que vc tem a sensação que “é para mudar o campeonato”, sabe, aquela rodada, que quando, vc vence todos os times da sua frente perdem, e se vc perde, todos ganham… Tô com essa sensação para amanhã, e que vai ser a primeira opção!!!!

  • greensemstress

    Qdo Cuca saiu, logo pensei em Valentim como a melhor opção mesmo porque ocorreu exatamente o que era previsto. Perdeu-se todo o trabalho da equipe de 2016 com EB e com a volta de Cuca estamos penando para remontar todo o trabalho que tinha dado certo. Infelizmente o VERDÃO peca em não confiar no que já está “teoricamente” implantado. É assim com os garotos da base que não tem a real esperança de jogar no time principal e qdo sobem é com responsabilidade gigantesca de não poderem cometer qquer erro. Pergunto: porque Hyoram e Veiga entram esporadicamente para jogar 10/15 minutos? Quanto custaram as transferências deles e qual o benefício até o momento? Então imaginem se os garotos da base terão chances reais de se firmarem. Caso excepcional como o Gabriel Jesus é 1 em 1000 e mesmo assim, foi difícil o garoto se firmar, praticamente ele se impôs junto aos “técnicos” em face do seu nível.
    Fico imaginando os garotos treinando desde os 13/14 anos nos times de base sem a perspectiva de evoluir e sabendo que terão chance nenhuma de se tornar titular no time de cima. É como um “office boy” entrar numa empresa sabendo que não será jamais um mero “auxiliar administrativo”. E isso penso, vem de uma cultura de anos a fio da administração de visão curta e imediatista.
    E mudando de assunto, tá difícil engolir todo ano perder para a Ponte, Coritiba e Santos na casa deles!!!
    Vamos mudar a escrita???!!! Avanti VERDÃO!!!

  • Rubens Jr.

    Penso que Evair e Oséias passariam fome no Palmeiras. Incrível como muitos treinadores são incapazes de montar um esquema de jogo para que a bola chegue no centroavante.

  • Gustavo Bakai

    A única coisa que na minha opinião faltou no texto – o qual eu concordo plenamente, é que precisamos colocar na cabeça de alguns torcedores é que o Borja é patrimônio do clube. Queiram ou não, tecnicos e até dirigentes passam, sem machucar tanto assim as finanças do time. Borja foi a maior contratação da história palestrina e queimá-lo neste momento, seria no mínimo covardia. Entendo que nas próximas semanas teremos uma sequencia dificílima de jogos onde fatalmente o elenco vai ter que ser rodado. O que o nosso professor não pode, é como ontem, em um jogo pegado e precisando de marcação, colocar o cara pra recompor o meio campo aos 40 do segundo tempo. Enfim, vamos acreditar. Avanti!

  • Marcelo Moreira

    Só pra citar caso mais recente, Dudu passou por situação semelhante: questionado por imprensa, pressionado pela própria torcida e por vezes até preterido pela comissão técnica. Teve a atenção devida, colocou a bola no chão e a cabeça no lugar e hoje acredito que seja um dos jogadores mais incontestáveis do elenco, além de ter sido decisivo em nossas conquistas de 2015 e 2016.

    Vejo que, com Borja, não é muito diferente. Entendo que sua adaptação é ainda mais difícil por ser de outra nacionalidade, falar outro idioma, ter outros costumes e ser de personalidade mais introspectiva, mas ainda acredito que vá encaixar. Como bem dito no texto, parece que toma a decisão mais ‘afobada’ pra se livrar da pressão, o que vai na contramão da sua característica de finalização.

    E, relembrando, pra quem quer a cabeça do cara: tivemos um jogador que passou quase uma década sugando o clube, com custo-benefício bastante questionável, portanto, calma ai…

  • Andre Luís Sousa Araújo

    Acho que a melhor solução, a curto prazo, seria o Cuca moldar a tática do time às qualidades do Borja. Deixar o cara fazer a coisa do jeito dele. Vendo o que o cara fez ano passado, como abrir mão dele para colocar em campo o Willam, que desde que ganhou a responsa de ser o homem de referência do time, quase não fez mais gols?

    Que passa, Cuca? É difícil não ter em mente que o Cuca faz questão de barrar o Borja não apenas para preservá-lo enquanto supostamente o ensina como deve se portar dentro de campo com a camisa do Palmeiras, mas também pura e simplesmente para pressionar a diretoria a contratar outro homem, de peso, pro setor.

  • dinossoares

    Na minha opinião a solução é bem mais simples:
    “Borja, só saia da área para:
    1) Evitar impedimento
    2) Comemorar um dos seus vários gols no jogo
    3) Ir para o vestiário (intervalo ou final do jogo)”

    • dinossoares

      Borja sabe fazer gol como poucos, mas não vai bem fora da área. Cada um no seu cada qual.

    • Breno Henrique

      Concordo plenamente!
      Mas o Cuca não concorda, pra ele centroavante tem que sair da área, marcar……e o Borja não é esse cara.

  • Daniel

    A verdade é que o Borja é um grande finalizador.

    Dentro da área, acima da média. fora dela um jogador comum.

    Está sentindo o peso dos altos valores envolvidos em sua transferência.

    Precisa só de tempo para se adaptar.

    O Valdívia, quando chegou no palmeiras, demorou quase 2 anos para ser titular.

    Só a torcida esquecer do valor investido nele e deixar o tempo cuidar.

  • 9 – MARQUINHO

    O Borja não joga porque não tem intensidade e estão querendo despejar mais um caminhão de dinheiro para trazer o Diego Sono?
    Não entendi.

    • Wilfrido Paredes

      Pelo que li e entendi, Cuca, assim como Tite, vê Diego Souza como o jogador mais próximo para fazer o papel de Gabriel Jesus, um falso 9 com mobilidade e técnica. Além de poder jogar como meia…

    • MonacoParmerista

      respeitosamente, sugiro que você veja no YouTube um apanhado com 35 gols dele no ano passado.

      Estimo que o desempenho dele captado nas imagens possa dar uma ideia alternativa àquela que você expressou sobre a intensidade com que ele joga.

      abrazzo.

  • Perfeita a abordagem Douglas , há de se levar em conta também a dificuldade em se comunicar. O perfil de timidez impacta muito nessa questão de comunicação , a pessoa tende a se retrair e prolonga o periodo de adaptação
    O que o texto identifica e eu concordo 100% é nesse momento dar mais atenção ao aspecto psicológico do atleta. Até porque o histórico dele indica que já teve dificuldade em se adaptar em outros paises. Um caminho pode ser aplicar um assessment nele para identificar perfil de comportamento e identificar em quais situações ele ganha efetividade e a comissão técnica e diretoria trabalhar em cima disso
    É comum times Europeus colocarem a disposição de jogadores estrangeiros pessoas preparadas e capacitadas para acompanhar o jogador e sua família durante o período de adaptação na cidade

  • Wilfrido Paredes

    Senhores, pelo que estamos vendo e lendo nas entrevistas de Cuca nas últimas semanas, está claro que Borja será reserva no Palmeiras.

    Não tenho dúvida quanto a isso.

    Isso não significa que ele não será importante e decisivo em vários jogos que o Palmeiras tiver a necessidade de um centroavante fixo…

  • Breno Henrique

    Cara, eu sempre achei que o Borja é um Obina melhorado. Mas acho que ele pode render mais do que está rendendo. É só ver a média de gols dele, é a mesma que a do Roger do Botafogo e ele é muito mais jogador do que o Roger.
    Acho que o Cuca vai acabar limando ele, ja está fazendo isso, o Cuca quer um centroavante que marque a saida de bola adversária, que volte, que acompanhe o volante/meia… mas me parece que ele não está tentando fazer com que o Borja seja esse cara, e da pra fazer isso. O Tite não fez o Jadson marcar lateral? Parece que o Cuca não quer ter esse trabalho, quer um jogador pronto. Aí é que eu acho que mora o problema, esse jogador não existe. Na verdade existe, mas ele está no Manchester City e estava aqui até ano passado.

  • Helder Gonzales

    Belo texto!