“Devolvam esse Borja!”

César Greco / Ag.Palmeiras

Miguel Borja foi o reforço mais caro do Palmeiras para a temporada. O atacante colombiano de 24 anos teve grande destaque na campanha do Atlético Nacional na conquista da Libertadores do ano passado e o Verdão investiu mais de US$ 10 milhões em sua contratação.

Nas duas primeiras partidas, o cartão de visitas: um gol com pouco mais de dez minutos em campo, contra a Ferroviária, decidiu um jogo que estava ficando complicado; e contra o Red Bull, foi mais uma vez às redes no lance final do jogo. Em 65 minutos em campo, totalizando 37 segundos com a bola no pé, meteu dois gols.

Mais do que os gols, sua postura em campo é claramente diferenciada. Borja é forte fisicamente, ganha sem muita dificuldade as disputas com os zagueiros adversários; demonstrou excelente coordenação e tempo de passadas para equilibrar o corpo e fazer a finalização da melhor forma possível, e uma ótima pontaria – os dois gols marcados mostraram enorme precisão. Na verdade, todas essas qualidades saltam aos olhos e é desnecessário ressaltá-las ao leitor mais atento.

Mas no último jogo a bola não entrou. Borja teve três chances claras de gol e falhou em todas:

  • na primeira, bateu de chapa, de primeira, após cruzamento rasteiro de Keno; pegou Lucchetti no contrapé mas o goleiro fez o milagre ao se contorcer todo e espalmar a bola;
  • na segunda, Dudu deu um passe açucarado para o colombiano, que estava mais aberto pela esquerda – deixando claro que não é jogador que fica fixo no meio dos zagueiros. Borja cortou pelo meio, tirou do zagueiro com muita facilidade e soltou o canudo com a direita – a bola bateu na orelha de Lucchetti, que virou o rosto para o lado;
  • na terceira, no segundo tempo, mais uma vez Dudu serviu o camisa 12, que ajeitou rapidamente o corpo dentro da área e teve tudo para fazer o segundo gol, mas ao bater de curva no canto direito de Lucchetti tirou demais e a bola saiu raspando a trave.

Foram três finalizações de gente grande. A maioria delas nem teria acontecido ou não teria levado perigo, fosse Borja um atacante comum. Mas isso não importa para a torcida do Palmeiras nas redes sociais.

A cornetagem em cima do colombiano, que aconteceu sobretudo no Twitter, foi insana. Os próprios palmeirenses que pediram, no calor do jogo e das chances desperdiçadas, que ele fosse devolvido para a Colômbia ou vendido, admitem que as postagens não devem ser levadas a sério.

Qualquer pessoa razoável consegue separar postagens feitas na emoção de opiniões que mereçam maior consideração. Os tweets tem carimbo de data e hora, é fácil saber quando o torcedor está usando o cérebro ou a ponta do dedão do pé para decidir o que tuitar. Mas nem todo mundo tem o cuidado de verificar o momento da postagem e as consequências dos tweets viram interações que beiram o absurdo.

Há também os tweets que são reflexos amplificados daquela opinião com a qual o autor já casou. Ele decidiu que odeia determinado jogador, e mesmo numa noite em que o dito tem uma boa atuação, ele espera o primeiro toque errado na bola para descarregar no teclado toda sua revolta.

Ligar para a ex, de madrugada, bêbado

Tuitar durante um jogo, sobretudo em momentos tensos, é uma ideia tão boa quanto ligar para a ex de madrugada, bêbado, depois de uma balada com o placar zerado. Há quem goste de viver esse tipo de emoção.

Cabe a quem está lendo dar todo o tipo de desconto e não entrar na onda. Vale sempre uma checada no perfil do autor, se o tweet realmente chamou sua atenção – muitas vezes é apenas um troll. Mesmo operando há mais de dez anos, o Twitter ainda é mal utilizado por muita gente por pura falta de entendimento da ferramenta – por quem escreve, por quem lê e por quem se dá o direito de julgar.

Filtro ligado é fundamental. Não fosse por ele, e o Borja já poderia começar a pensar em jogar no SCCP ou no Flamengo. Que tal?

  • O torcedor é reflexo da sociedade, logo, vamos ter o torcedor calmo, o razoável, o nervosinho, o ignorante, etc… O problema é que todos, do razoável ao intolerante, tem o mesmo acesso a internet. Resta torcer para quem lê, manter a serenidade e entendimento disso. Não tenho a menor dúvida sobre a qualidade do Borja, já mostrou que é diferenciado. Gol feito qualquer um perde, e sinceramente, contra o Tucuman, só 1 realmente foi perdido, o que a bola veio rasteira e cruzada, e ele chutou no goleiro. As outras duas exigiam bem mais, pois a jogada precisou ser trabalhada pelo atacante, com o goleiro fechando os ângulos.

  • Concordo plenamente com o texto. Analisemos a qualidade na finalização que resultou seu gol de estréia: qualquer jogador mediano daria em cima do goleiro. Além disso, as finalizações que não resultaram em gols contra o Tucumán foram realmente bem executadas e os tentos não saíram por pequenos detalhes.

  • O problema da nossa torcida é que quando um jogador faz uma boa atuação, ele é o melhor do mundo, mas quando ele erra, ele é o pior. É 8 ou 80.

  • Borja teve uma noite de Jesus. E o goleiro deles uma noite iluminada. Gosto da velocidade, movimentação do colombiano. Vai dar muita alegria.

    O jogo difícil foi importante pro time cair na real, saber que arbitragem é FDP ao cubo na liberta. Os outros podem meter o sarrafo que não pega nada.

  • Temos um puta time ! Muitos podem questionar a titularidade de alguns atletas (Prass ou Jaílson) , mas não sua qualidade técnica , entramos para ganhar tudo esse ano e isso assusta a mídia , que tem outros eleitos , a bruxa nos tirou titulares que estão fazendo falta , pois alguns reforços ainda estão se adaptando .Nosso manto é pesado , e não é fácil chegar em Sampa e se acostumar com a metrópole. Vamos ser campeões.

  • Quem é mais velho deve se lembrar daquela novela chamada “O Bem Amado” e deve se lembrar também do personagem chamado Nezinho do Jegue. Quando ele estava sóbrio era um grande defensor de Odorico Paraguaçu; quando estava bêbado atacava o Odorico de todas as formas possíveis. Deem uma boa pesquisada no Youtube por esse personagem. Ele esta vivo na alma de muito palmeirense nesse mundão virtual.

  • Ainda bem que não somos bicholores: senão seríamos conhecidos como torcida tpm. É impressionante como muitos de nossa torcida são impacientes. Tem que apoiar sempre, mesmo quando não tá bem.

  • Aproveitando o ensejo de misturar esses dois assuntos que não se misturam (na minha opinião), futebol e tecnologia. Quero aproveitar o grande número de acessos que o Verdazzo tem, e fazer a todos os palestrinos um pedido, apelo, solicitação (chamem do que quiser). Durante o jogo do Palmeiras, se estiver no estádio, não fique feito um idiota gravando tudo com o celular. Especialmente se o Palmeiras estiver perdendo ou empatando o jogo. Muitos de nós não somos tão pacientes quanto a torcida do PSG, que perde um jogo ganho, filma tudo e acha bonito. Ano passado no jogo contra o Nacional do Uruguai eu quase arremessei o celular do cara da minha frente, que filmou o jogo do primeiro ao último minuto com comentários pra lá de medíocres. Fico me perguntando: Será que algum dia na vida o cara vai dar um play no jogo, lance, penalti, escanteio, etc que ele gravou pra ver de novo? Eu só acho que isso é muito babaca… na boa.

    Quanto ao texto, concordo. No calor do jogo ou logo após o seu final e um resultado negativo, não entre em redes sociais, não responda provocações de whatsapp, não atenda telefone… muitas vezes longas amizades acabam por conta disso.

  • Torcedor que corneta o Borja deve ter algum problema, o cara é uma baita jogador. Tem que entender que não está no auge da forma física (e mesmo assim já marcou 2 gols). O que me incomoda mais no EB é não usar o Guerra com frequencia (que também é um baita jogador). Eu trocaria o Keno pelo Guerra. Dudu na esquerda e ajudando na meia, Guerra na direita também com liberdade de ir pra meia e mais o Michel Bastos centralizado com dois volantes (Felipe Melo e Tche e Tche) seria perfeito. Se bobear o Raphael Veiga como meia seria melhor que o Michel Bastos também.

  • 2016: Diretoria boa, elenco bom e técnico bom, nos últimos anos, essa combinação tinha algum “ruim” no meio

  • Desde 2015 o trabalho vem sendo bem feito. Só ignorante para falar o contrário. E para esse ano não foi diferente. Contratamos bons jogadores, temos um elenco melhor ainda, mas tivemos que mudar de treinador. EB foi estudado pela Diretoria e precisa de tempo e também de PAZ para analisar o melhor esquema de jogo, onde cada jogador vai se adaptar melhor, etc.. Os jogadores novos tem que se adaptar. E a torcida?? Tem que torcer, apoiar, ter paciência, pois fazer pressão só vai complicar o ambiente e ajudar os adversários.

      • Apesar da “austeridade” o planejamento de 2014 poderia ter sido bem melhor… gastou uma grana alta com os argentinos, deixou as referencias técnicas do elenco saírem, errou na contratação do Gareca que não era técnico para aquele elenco, o time era péssimo infelizmente precisávamos de um técnico que jogasse com o time retrancado e por uma bola, totalmente o oposto do Gareca que queria jogar pra frente… enfim montaram o pior time do Palmeiras dos últimos anos… aquele time era pior que os dois que caíram fácil…

      • Concordo que os outros treinadores OO e MO deixaram a desejar… o começo do EB apresenta muita oscilação mas agora que ele tá ai temos que apoiar e dar tempo para ele trabalhar, acredito que com o apoio da torcida e da diretoria ele vai ir conhecendo o elenco, aprendendo com os erros e vai se sair bem! Até porque não temos muitas opções de treinadores no Brasil…

  • Esperar o que das redes sociais de um País de imbecis ??????? Uma sugestão, só perco o meu tempo lendo algo interessante na internet, comentários sobre artigos ou reportagens, então, já tomei uma decisão, nem perco o meu tempo lendo, pois vai acrescentar o que ????

  • Esse é um ponto interessante. O pessoal usa as redes sociais (Twitter, Facebook, WhatsApp) para desopilar durante as partidas. Pessoalmente, não consigo ficar com um olho na partida e outro no celular/computador. Eu me desligo do mundo nessas horas. Não abro as redes sociais, silencio grupos de WhatsApp e às vezes até o celular para não receber ligações sobre comentários dos jogos.
    Twitter e WhatsApp são usados para conversas em tempo real. No calor do momento, numa jogada errada, a cornetada saí automaticamente como se a pessoa estivesse comentando na arquibancada com o amigo do lado. Mas perde totalmente o sentido no minuto seguinte.
    Imagina a torcida do Palmeiras nas redes sociais quando da chegada do Evair, em 1991. Quem trocaria o Careca Bianchese por um jogador “bichado”, com problema na coluna? Ainda bem que o Twitter só apareceu bem depois. O problema é que depois das redes sociais, muitos “Evair” possam ter sido defenestrados do Palmeiras.

  • Diretoria incompetente!
    Devolvam imediatamente pra Colômbia e tragam de volta o Leandro Banana!!!!!!!

  • A melhor coisa é desligar o celular durante o jogo, eu mesmo bloqueei e discuti com um colega de longa data por causa de postagens cretinas durante o jogo rs!

  • Me irrita ler nego dizendo que o cara perdeu gols… meu, pelo amor de Deus!! O cara criou as chances de gol e quase marcou, isso é beeeem diferente…

  • Com o advento das redes sociais vivemos o império da mediocridade. Qq mlk espinhudo e punheteiro, q não sai da frente do computador, se acha grde entendedor de futebol pq joga fifa o dia inteiro. Esses mlks (q não comem ninguém) são a maior praga da internet, por isso não tô nem aí pros trends topics e afins. Palmeirense de verdade sabe q o time é bom e q o Borja é matador de primeira qualidade.

  • Apenas reflexo da bipolaridade palestrina. Amanhã ele mete 2 e vira o maior centroavante da história…

  • O Borja podia ter marcado um golzinho, mas acontece. Mas tem que ver também que foram criadas três oportunidades claras com ele e isso é um ótimo sinal.

  • Falar bobagem de cabeça quente e muito facil, dificil e reconhecer isso e se desculpar.
    Borja parece um cavalo puro sangue, otimo atleta, agil, rapido e forte o melhor jogador possivel pra suprir a saida do GJ. Conrado falou tudo, perdeu mas foi bem ao criar e conseguir concluir ao gol. Me pareceu que o Borja sentiu ao perder o gol e na sequencia do lance o VH ser expulso, isso causou uma ansiedade nele que ate ajudou pq buscou as jogadas mas o fez errar na finalizaçao. Normal ficar nervoso perdendo e com um a menos, o Borja ainda esta se adaptando e sem ritmo de jogo, a tendencia e ele melhorar mais ainda, vai fazer muitos gols esse ano.

  • Uma parte da torcida é muito influenciada pelas redes sociais e pela imprensa. É uma pena que alguns não saibam discernir os comentários que tem como objetivo desestabilizar o nosso time e entram na onda.

  • O problema dos imbecis de redes sociais, é que dão mais munição ainda para a imprensa que já nos odeia, que acha maravilhoso ir lá ao vivo tentar influenciar o cara que acabou de chegar no país.

  • Eu concordo com você Conrado. Mas acho que tem que ter paciência com o Borja, com o Guerra, com a evolução do time e com o Eduardo Batista, só isso.

  • Kkkkk excelente a comparação sobre Twitter durante o jogo. Também acho que o Borja é um jogador diferenciado e que espero será decisivo na Liberadores. Agora analisando o jogo de quarta onde muitos execraram EB e VH, na minha opinião o peso dos gols perdidos por ele teve um peso maior no empate, principalmente pela circunstância do jogo.