2
X
0

A partida foi uma até os 38 minutos, quando Raphael Veiga abriu o placar: o time do Al Ahly estacionou o ônibus desde o início e tinha peças interessantes para tentar explorar eventuais falhas de nosso sistema defensivo.

O Palmeiras, por sua vez, não se lançou de qualquer forma à frente, diluiu as chances do time egípcio armar contra-ataques perigosos e tentou achar espaços entre as linhas do adversário – algo que aconteceu exatamente aos 38 minutos, após roubada de bola de Zé Rafael que terminou num lindo passe de Dudu para Veiga , após participação também decisiva de Danilo. É importante pontuar que Veiga, à frente de seu marcador, só não estava impedido porque Rony estava aberto mais adiantado do lado esquerdo, puxando um marcador.

Após o gol, o Palmeiras se reposicionou para se defender de um adversário que obviamente tomaria mais iniciativas ofensivas e para aproveitar os espaços que fatalmente apareceriam. E nem demorou muito: em mais uma jogada que se iniciou com uma roubada de bola de Zé Rafael, Veiga devolveu o presente para Dudu, que arrancou, entrou na área e mandou um míssil cruzado – o goleirão ajudou e o Verdão abriu dois gols logo no início do segundo tempo.

Veio um certo relaxamento e o jogo quase ficou perigoso na falha de Weverton, aos 26 minutos, que o VAR tratou de corrigir. Até nisso nosso goleiro é bom: só falha quando pode. A expulsão de Ashraf aos 36 encerrou as chances do adversário e o Palmeiras avançou à final do Mundial de Clubes.

O adversário ainda será definido, mas o que sabemos é que Abel tem um plano para ele. O Palmeiras, graças ao entrosamento adquirido por um elenco que joga junto há muito tempo sob as ordens do mesmo comandante, joga fácil e atingiu uma maturidade competitiva rara. A imagem de Abel com os dedos indicadores apontados para a cabeça é forte a ponto de fazer nossos atletas não perderem mais o domínio das ações em momento algum. Quando a bola fica mais no pé de nosso adversário, é bem provável que faça parte de mais um plano.

Serão mais quatro dias de ansiedade, um sentimento que normalmente é associado a incômodo. Neste caso, a ansiedade do palmeirense é invejada pelos torcedores de todos os times do mundo, estes sim, verdadeiramente incomodados com a possibilidade do Verdão mais uma vez chegar ao título máximo do planeta.

O protagonista do Brasil e da América do Sul agora está mostrando mais uma vez ao globo seu tamanho. E nossa torcida, para variar, segue encantando ao mundo do futebol. Sábado tem mais! VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Escalação

Al Ahly

Lotfi
Ibrahim
Rabia
Fahty
Ashraf
Hany
Dieng
Al-Sulaya
Abdelkader
Maâloul
El Shahat
Sherif
Taher Mohamed
Soliman
Magdy Afsha
Pitso Mosimane
TÉCNICO


Primeiro tempo

Nos primeiros 30 minutos o panorama do jogo foi sempre o mesmo: o Palmeiras tinha a posse da bola e rodava o jogo com paciência, buscando um espaço. O time egípcio, inteligentemente, construiu um sistema defensivo muito compacto e tinha jogadores bem posicionados para os contra-ataques rápidos. Assim, o jogo ficou travado. Enquanto ninguém errou, nada aconteceu.

31'
Palmeiras

Marcos Rocha tabelou com Dudu, foi ao fundo e cruzou por baixo; Raphael Veiga chegou na entrada da área para finalizar mas foi travado; na volta, Zé Rafael recebeu de costas para o gol na altura da meia-lua, girou o corpo e bateu forte – a bola explodiu na zaga e saiu em escanteio.

38'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Zé Rafael roubou, Piquerez apoiou e a bola caiu nos pés de Danilo, que ligou rápido com Dudu; com a defesa do adversário dando espaços, o camisa 7 deu outro toque rápido para Veiga, que estava atrás do zagueiro – Rony, na esquerda, puxava um zagueiro que deu condições ao camisa 23, que infiltrou na área e tocou de direita no canto de Lotfi.

42'
Al Ahly

El Shahat tocou para Al Sulaya por dentro, que bateu de fora, por cima do gol.

47'

Com boa atuação, o árbitro francês terminou o primeiro tempo.


Segundo tempo

As duas equipes voltaram sem alterações para o segundo tempo.

3'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Após roubada de bola de Zé Rafael, Raphael Veiga recebeu toque de Rony e deu de calcanhar, de primeira, para a arrancada de Dudu, que imprimiu velocidade, entrou na área e fuzilou de direita – o goleiro ajudou e a bola entrou no ângulo direito.

6'
Al Ahly

Maâloul bateu falta da meia direita com perigo, por cima do gol.

14'
Al Ahly

Fahty bateu da meia direita; Luan se atirou na bola, que desviou e foi a escanteio.

22'
Al Ahly

Após cruzamento da esquerda, Fahty empurrou Zé Rafael e testou do bico da pequena área – a bola saiu por cima do travessão. O juiz não marcou a falta clara.

26'
Al Ahly

Abdelkader chutou da meia esquerda, sem muita pretensão; Weverton foi para a bola, que era fácil, mas errou e soltou nos pés de Sherif, que empurrou para as redes. O VAR rapidamente identificou que o avante egípcio estava impedido e o gol foi anulado.

32'

Saíram Raphael Veiga e Dudu; entraram Jailson e Wesley.

35'

Ashraf deu uma entrada dura por trás em Rony e, com auxílio do VAR, foi expulso pela arbitragem.

36'
Palmeiras

Danilo infiltrou pela esquerda, entrou na área e cruzou por baixo; Jailson fez o corta-luz e Marcos Rocha chegou batendo de três dedos, mas a bola saiu perto da forquilha esquerda do Al Ahly.

40'

Saiu Zé Rafael para a entrada de Atuesta.

42'

Saíram Rony e Gustavo Scarpa; entraram Deyverson e Breno Lopes.

49'
Al Ahly

Hany tabelou com Soliman e bateu de primeira; a bola ia na gaveta direita mas Weverton voou para evitar o gol egípcio e mandou a escanteio.

50'
Al Ahly

Após a cobrança do escanteio, Breno Lopes tentou sair jogando, foi desarmado e Hany aproveitou o cochilo para cruzar na marca do pênalti; Soliman testou forte e a bola explodiu no travessão.

51'

O juiz francês Clément Turpin encerrou a partida. O Palmeiras está na final do Mundial de Clubes.



Notas


Jogador
Descrição
Nota
Weverton
Sem ritmo, falhou feio e quase deu um gol de graça para o Al Ahly que poderia ter transformado um jogo tranquilo num inferno. Viva o VAR.
5
Marcos Rocha
Um tanto fora de tempo, chegando atrasado e cometendo faltas bobas perto da área.
5.5
Gustavo Gómez
O Sheriff deles não deu nem pro cheiro para o nosso.
7.5
Luan
Partida inesquecível. Tirou tudo com uma precisão absurda. E forma-se a fila para os pedidos de desculpas.
9
Piquerez
Mostrou que está em ótima forma física e que não perdeu o momento tático do time com o resguardo por causa da Covid.
7.5
Danilo
O que esse rapaz está jogando é uma ignorância. Aos 48 do segundo tempo, estava dando pique como ponta-esquerda - e voltou correndo para recompor.
8.5
Zé Rafael
Mais uma vez, qualidade técnica com imposição física. E muita inteligência.
7.5
Atuesta
s/n
Dudu
Um dos maiores jogadores de nossa História meteu gol na semi do Mundial. E deu um passe para outro. Façam logo um busto, para alegria da "Burra".
8.5
Wesley
s/n
Raphael Veiga
Direto das arquibancadas do Palestra, o meia que fez gol em final de Libertadores e no Mundial. Fora o passe de calcanha pro gol do Dudu. Que dupla!
8.5
Jailson
Chegou ao clube pedindo passagem. O problema é que ninguém dá a tal da passagem... Tem que esperar!
7
Gustavo Scarpa
Preso taticamente na composição do lado esquerdo, ficou devendo um pouco na armação.
6
Breno Lopes
s/n
Rony
Segue se desdobrando e se entregando em todas as disputas. Sua mera presença do lado esquerdo puxou um zagueiro e deu condições para que Veiga se projetasse livre no lance do primeiro gol.
7
Deyverson
s/n
Abel Ferreira
Abel Ferreira
Este homem sempre tem um plano, e na maioria das vezes funciona.
8.5




  • Taticamente o Palmeiras foi quase perfeito. Porém houveram muitos espaços na recomposição defensiva pelo lado direito, a maioria deles deixados por Dudu, que estava perdido na recomposição, obrigando muitas vezes Marcos Rocha sair do jogador que ele estava marcando, para marcar o jogador que Dudu abandonava. Algumas vezes Dudu escolhia marcar até mesmo alguém que já estava sendo marcado por um jogador do Palmeiras, fazendo uma bagunça na recomposição defensiva. Foram várias as vezes que Veiga ou Marcos Rocha apontava para quem Dudu deveria marcar. Wesley entrou e persistiu o mesmo erro.

  • Independente do resultado da final tenho algumas conclusões:
    1- Abel Ferreira, o maior técnico da história da S.E.Palmeiras
    2- Dudu acaba de entrar definitivamente para o seleto grupo de ídolos eternos do panteão alviverde. Pelo menos dos que vi jogar se junta a Evair, César Sampaio e Marcos.
    3- Sempre fomos e seremos.

  • Só gostaria que absolutamente todos os jogadores entendam que a próxima partida será um dos jogos mais importantes da nossa história. É só disso que precisarmos: uma garra sobrenatural e nunca antes vista pois técnica e tática já sabemos que eles têm. Se a força da vontade de todos for descomunal, derrubamos qualquer adversário que vier. Vamos, Palestra! Sejam a materialização de cada estrofe de nosso hino e entrem para a eternidade! Avante!

  • Estou ansioso, porém bastante confiante da capacidade de todo o nosso elenco – e apoiando integralmente todo o plano traçado pra esta competição.

    Só vai ser dureza fingir trabalho na hora do jogo mas, ao menos, poderei acompanhar pela internet.

    VAMOS, PALMEIRAS!!

  • Depois de ver a semifinal fiquei bem confiante. Parecia um jogo entre times pequenos do paulista. Mesmo com os reforços vindos da seleção acho que dá pra levar essa. Vamo q vamo! Avanti Palestra!!!!