O pensamento vivo de Mustafá

Mustafá Contursi
Keiny Andrade/Folhapress

Mustafá Contursi concedeu uma longa entrevista publicada ontem na Folha de S.Paulo. Nela, com a mesma habilidade com que manipulou o Conselho e reescreveu o estatuto do clube, o que lhe confere poder eterno no clube, nega tal influência. Crê piamente em seus conceitos claramente ultrapassados e atua fortemente para reimplantá-los no Palmeiras. O material completo pode ser lido aqui.

A entrevista começa com uma grande pérola. Perguntado sobre o que o clube precisa fazer nos próximos anos, crava: redução de 20% das despesas em todos os setores. Mustafá tem a percepção de que o clube está gastando muito sem ponderar que, pela primeira vez em décadas, o clube consegue ser superavitário ao mesmo tempo que consegue resultados expressivos. Em seu pensamento, não importa ter as contas equilibradas; o que não pode é gastar – mesmo que esse investimento seja o combustível para as receitas extraordinárias que o Palmeiras alcançou. Mustafá confunde austeridade com avareza.

A recomendação de cortar 20% em cada área é patética. Mustafá defende uma medida que não pode se aplicar nem em orçamento doméstico. Provavelmente deve achar que o investimento na implantação do SAP no clube foi dinheiro jogado fora. O papel de pão ainda deve lhe ser de grande valia.

Mustafá bombardeia o departamento de marketing e justifica, criticando uma suposta deficiência na força de vendas. Para isso, usa o fato da Crefisa ter batido na porta do Palmeiras para fechar o patrocínio, e não o contrário. Segundo Mustafá, os profissionais que desenvolveram dezenas de contratos de licenciamento e fizeram do Avanti um sucesso estrondoso usam o Palmeiras como cabide de emprego. Para ele, marketing é apenas sinônimo de “departamento comercial”.

Com todos esses conceitos, não é à toa que, quando o futebol do Palmeiras esteve de fato sob seu controle, tivemos um desempenho digno de uma Portuguesa. Não compreende que o futebol mudou, que novas metodologias foram desenvolvidas, que o mercado está muito mais dinâmico e que para se ter um elenco com 30 jogadores dignos de vestir nossa camisa, é necessário ter bem mais que isso sob contrato, pois jamais alguém acerta 100% das contratações. Hoje, jogador que não dá certo é realocado por empréstimo, e a fila anda. O que não pode é ter um monte de atleta disputando Bobinho Open em Guarulhos – ou colocá-los no Palmeiras B, uma de sua invenções que sangrou os cofres do clube por anos.

Alexandre Mattos é uma máquina de fechar contratos, seja para reforçar o Palmeiras, seja para aliviar nossa folha de pagamento com os jogadores que ficam fora dos planos. Para Mustafá, hoje no Palmeiras há muitos profissionais que trabalham apenas em interesse próprio. Incomoda demais ao velho cartola perceber que o setor mais importante do clube esteja nas mãos de um “forasteiro”.

Poder

Mustafá Contursi age nas sombras. Como um mestre da manipulação, construiu durante anos sua fortaleza de poder. Trilhou o caminho da presidência nos anos 70 e 80, para alcançá-la no início dos anos 90, no melhor momento possível: quando a Parmalat havia acabado de entrar no clube e exercia a co-gestão do futebol. Dinheiro não era problema, e os títulos mascaravam todo o resto.

Por resto, entenda-se uma enorme puxada de tapete: seguindo a sucessão de arranjos políticos da casta que comanda o clube há seis ou sete décadas, Seraphim Del Grande era o próximo da fila para assumir a presidência do clube após os dois mandatos de Mustafá. Mas aquela cadeira parece ter mel. Mustafá usou a influência que pode ter um presidente do Palmeiras para solidificar a lealdade eterna de dezenas de conselheiros. Deixou Seraphim na mão, passou por cima do estatuto e ficou na presidência o quanto quis – o tempo necessário para moldar o clube à sua imagem e semelhança. Todos os departamentos do clube social foram controlados por alguém indicado ou abençoado por ele. Os votos nas eleições eram direcionados nesses pequenos feudos aos candidatos de sua chapa.

Não havia democracia. O grupo que se insurgiu contra ele, o Muda Palmeiras, capitaneado por Seraphim Del Grande e Luiz Gonzaga Belluzzo, não podia nem usar camisetas de ordem pelo clube: quem ousasse protestar, tinha o adereço retirado e era expulso do quadro associativo. Uma lista negra foi construída por seus pequenos passarinhos, que espionavam os fóruns de internet e anotavam os nomes de torcedores que representavam um potencial perigo. Quando estes palmeirenses tentavam ficar sócios do clube, eram barrados. Marcos Kleine, guitarrista do Ultraje a Rigor, é o exemplo mais famoso – mas há dezenas de casos.

Na base do terror, Mustafá cravou suas garras no clube, e só perdeu o poder quando provou de seu próprio veneno, quando Affonso Della Monica o surpreendeu e se aliou à oposição para conseguir seu segundo mandato. As portas para o Muda Palmeiras se abriram, e o Palmeiras finalmente  conseguiu montar bons times entre 2008 e 2009. Mas passou rápido e foi infrutífero.

Apesar de palmeirenses legítimos com grande preocupação com o futebol, a Muda Palmeiras, que deu origem à chapa UVB, tem quadros também muito fracos; o máximo que conseguiram foi um Paulistão. Pior: no mandato seguinte, Belluzzo não conseguiu recuperar os investimentos pesadíssimos, não os converteu em mais títulos e teve um seriíssimo problema de saúde, deixando o clube com um enorme vácuo de poder. Como resultado de tudo isso, Mustafá voltou com tudo, recuperou facilmente o apoio dos conselheiros que o haviam traído e conseguiu colocar na cadeira o presidente mais incapaz possível: Arnaldo Tirone, também conhecido como Pituca, o Loiro.

“O MEU clube”

Mesmo com todo esse histórico, Mustafá teve a desfaçatez de declarar à Folha que não tem apego à política do clube. Diz que se deixou envolver e que agora tem responsabilidades, como se não tivesse escolha. Quem circulou por muitos anos pelas alamedas e mais de uma vez o ouviu se referir ao Palmeiras como “o MEU clube”, em discursos que transbordavam ostentação de poder, tem sérias dúvidas sobre essa declarada falta de apego.

A última demonstração de poder foi a mudança de data de associação de Leila Pereira, dona da Crefisa. Mustafá usou o gosto pela publicidade de Leila para acolhê-la em sua chapa – com o marido, José Roberto Lamacchia, na aba. Os dois emplacaram suas eleições e puxaram mais de dez conselheiros para a chapa de Mustafá, que assim ampliou consideravelmente sua base de poder, que diminuía eleição após eleição.

Mustafá só respeita o dinheiro. Foi assim que Paulo Nobre conseguiu habilmente impor o profissionalismo no clube – na hora da discussão, as operações financeiras propostas pela equipe de Nobre, e conseguidas com seu prestígio financeiro, eram irrefutáveis.

Maurício Galiotte não tem esse prestígio financeiro e parece não ter envergadura política para manter a roda girando. Mustafá, com sua meta de 20%, já está manipulando a troca da competente diretoria que nos levou ao topo do futebol brasileiro pela turma do papel de pão. Inclua nesse bolo, quem diria, a UVB, aquela que lhe jurou ódio eterno em nome do amor ao Palmeiras. Como vemos, o amor era mesmo ao poder.

Coragem

Os frutos que colhemos em campo hoje foram plantados na gestão passada. Os ótimos resultados, como nos anos 90, cegam os associados e a torcida para o que acontece nos bastidores.

Toda uma estrutura está prestes a ser desmontada e a tendência é voltarmos ao estágio de 15 anos atrás – com a diferença que as receitas continuarão a ser enormes, mas não serão direcionadas ao futebol. Afinal, Mustafá defende claramente o fortalecimento do “quadro associativo” – seu grande curral eleitoral. Para sustentar esse enorme elefante, nada melhor que o dinheiro que mantém a hoje magnífica estrutura do futebol. Mas para Mustafá, é simples: “é só mandar gente embora”.

Pelo bem do Palmeiras nos próximos anos, precisamos que Maurício Galiotte encontre um jeito de manter a máquina funcionando. Além de habilidade política para compensar a falta de estofo financeiro, vai precisar de bastante coragem. Terá?

  • Qual seria a melhor maneira de um torcedor de longe de SP ajudar o clube? Pois ficando sócio, não teríamos condições de comparecer as votações.

  • Entendam bem : o time vive numa ótima maré. O que a mídia nojenta faz: criar contendas; rixas e inimizades para atrapalhar o ambiente. Com o Nobre na presidência o sapo boi ficou de lado.

  • Na boa, tenho achado este Galliote um baita dum banana. Ele vem com este discurso que eh pacificador, mas sinto que eh bananice mesmo. Me parece um marionete do Mustafa.

    Confesso que toda vez que vejo uma reportagem com nome do Mustafa, rapidamente checo a idade dele pra saber quanto tempo ainda terei que engolir este dinossauro.

    O caminho democratico ainda eh considero uma das maiores revolucoes no Palmeiras, a possibilidade de voto entre os socios torcedores. Para mim, nada mais do que justo. Voce paga e ajuda o Verdao, logo tera a oportunidade de escolher que candidato quer.

    Nunca veriamos um caso como o banana do Tirone assumindo a presidencia do clube. Lamentavel.

  • Pessoal, entendam: não há modernidade alguma enquanto houver conselho deliberativo, enquanto não separar clube social e enquanto o profissionalismo não estiver no estatuto (há profissionais hoje porque o Nobre, a sua revelia, os quis, mas não há nada obrigando o Galliote a mante-los). Enquanto isso não acontecer, estaremos sujeitos a lapsos muito esporádicos de ganho esportivo. Infelizmente, parece que ainda não foi dessa vez. Vergonha desses conselheiros pamonhas que apoiam esse sapo poi. Merecem uns tapas na cara.

  • Não existe um sujeito que me dá mais repulsa que este senhor.
    Causa-me náuseas quando ele fala em presidência. Ele como tal, conseguiu fazer o Palmeiras ser chacota com campanhas pifeas e times tenebrosos.
    Pela primeira vez em décadas o time trilha um caminho de sucesso e modernidade, então aparece esta múmia pedindo o retorno do feudalismo.
    Este ser obsoleto deve ser abominado e combatido pelos verdadeiros palmeirenses, já que a maior parte desta horda do qual tira seu apoio são torcedores de outras agremiações que se associam ao clube para utilizar a piscina.

  • Por isso a manobra que envolveu a Leila era questionada: 1) porque deixa claro quem manda na política do clube; 2) porque aumenta esse poder trazendo vários eleitos ao conselho.

    É inacreditável que nenhum ser humano fez com o Mustafá o que Andres fez com o Dualib. NINGUÉM teve coragem de colocá-lo na parede pelas atrocidades que fez ao Palmeiras. NINGUÉM. Nem Belluzzo, Cipullo, Paulo Nobre, etc. E o PN teve seu maior erro no Palmeiras: não ter apoiado a reforma estatutária.

    A reforma estrutural política não aconteceu e agora duvido que aconteça. E todos que apoiaram essa manobra política e os que tiveram oportunidade e não incriminaram esse cidadão tem culpa. TODOS! Lembram daquele desvio do sindicato ou federação, ou algo do tipo que acusaram o Mustafá? O que ele fez? Devolveu o dinheiro e ficou por isso mesmo. Ele é liso, por isso está no poder até hoje.

  • Galinhote é um fantoche do Bostafá. Pra mim já é nítido que esse Presidente é um banana. A estrutura já está sendo desmontada e se os resultados esperados esse ano não vierem, ano que vem já terá ido tudo por água abaixo. O Bostafá já se associou a Leliloca pq que ela tem muita grana e é a única que pode bater de frente com o Nobre (em termos financeiros) caso ele decida voltar a presidência ano que vem.

  • Mais uma vez o futebol reflete a sociedade, como um microcosmo desta. Assim como o Brasil está regredindo à época da escravidão, da subserviência, o Palmeiras corre o risco de tornar à rotina dos rebaixamentos.

  • meu pai nasceu no mesmo ano que ele e faleceu ano passado, não poderia ser o mustafa no lugar dele?

  • Temo que nem a morte vai apagar a imagem do Jabba the Hutt no Palmeiras. Daqui a dois anos nas próximas eleições, qual o cenário que se desenha com relação a candidatos? Muito curioso.

  • Enquanto não mudar o estatuto vai ser isso, o profissionalismo tem que estar atrelado ao estatuto, pra não vir nenhum Tirone/Mustafá e mudar tudo a seu bel prazer. Outra coisa é ‘montar a diretoria’ que deveria ser em chapa e acabar com isso de querer agradar a todo mundo, até agora Galiotte ainda não montou sua diretoria, imaginem o que vem por aí…

  • Olhar a cara desse senhor me remete a imagem da tabela do brasileirão com o Palmeiras rebaixado. Sensação muito ruim.

  • Dá pra ter esperança de que o Paulo Nobre faça oposição ao mustafá na próxima eleição? Será que ganha?

  • Estamos novamente nas mãos desse senhor, ou ele simplesmente gosta dos holofotes? Cada vez que vejo esse rosto nefasto me sinto indignado.

    • Pensei o mesmo e já tava indo pegar a caixa de rojão que está guardada há alguns anos pra esta ocasião… ledo engano, infelizmente.

  • Conrado, gostaria de agradecer esse post, sou Campo grandense( Cidade do “querido” Dubinha), e comecei a procurar a mídia palestrina pra entender melhor as entranhas do dia-a-dia do clube. Comecei no Turma do amendoin, PTD, 3VV, até me estabelecer aqui, comecei essa procura a uns 6 anos, quando quis entender melhor sobre o Palmeiras, pois nunca tive oportunidade de ir ao antigo Palestra, nem no allianz parque. Mas lendo esses esse tipo de informação me faz sentir um pouco mais Palmeirense, o mal que mustafa e sua laia causam e todas as entranhas do clube, causos como do chico lang viado, esse tipo de coisa, pois muitas vezes fui questionado sobre o que acontecia com o meu time e não sabia hj sei. E espero que em breve quando a situação financeira melhorar me tornar um padrinho pra vc pode continuar com o excelente trabalho. Parabens Conrado.

  • Bom, daqui 2 anos o Paulo Nobre pode voltar a ser presidente do Palmeiras, certo? Espero que em 2 anos o Mustafá não consiga estragar com tudo. Ah, se ele fizer o favor de via a óbito antes a gente também agradece.

  • Achei o Mustafa muito transparente e acho que devemos respeita-lo, mesmo vendo que sua percepção é distorcida em relação a grande maioria. Numa pergunta acredito poder distinguir o Mustafa dos demais, e assim definir como ele pensa.

    Qual das alternativas você escolheria:
    – O Palmeiras é um time de futebol que tem um clube.
    – O Palmeiras é um clube que tem um time de futebol.

    Nos torcedores, apaixonados pelo time e por sua história, com certeza escolhemos a primeira, mas com certeza o Mustafa escolheria a segunda.

    Dentro de sua logica, ele afirmou que o técnico usa somente 15 ou 16 jogadores, então para que ter sob contrato 80 atletas. Demonstra logica de quem vê o time a serviço do clube, mas para o torcedor apaixonado, é que quer que o time perpetue uma história gloriosa, ter 80 atletas foi o processo para chegar até um time competitivo e capaz de perpetuar e manter o Palmeiras participando da história.

    A entrevista dele mostra o quanto ele esta desfocado dos anseios e desejos dos torcedores apaixonados pela história, não do clube, mas do futebol que o projetou.

    • Falácias e mais falácias desse senhor, na época dele o clube chegou a ter muito mais de “80 atletas sob contrato”.

      Se a memoria não me falha, chegou a ter muito mais de 100, e desses, não tinha 2 ou 3 que serviam pra ser nem banco de nenhum time com aspirações sérias. A maioria ficava encostando sangrando o clube, ou ‘emprestados’ com o Palmeiras pagando até 100% dos salários.

  • Preocupante. Temos a oportunidade única de ganhar tudo esse ano e podemos ser atrapalhado por este senhor. Se ele conseguir mudar a diretoria esse ano podemos ter certeza que vai refletir mo elenco. Tem gente na impressinha doido pra ele voltar.

  • do fundo da alma, espero que o atual presidente NÃO FAÇA JUS à desqualificante alcunha que já lhe está sendo atribuída em inúmeras inserções que tenho visto na web: B3 (sucessor de Tirone e Frizzo, B1 e B2 respectivamente).

    #VoltaPresidenteNobre

  • Paulo Nobre vai voltar daqui dois anos se Deus quiser, só ele pra salvar esse clube de voltar pro amadorismo.

  • Parece que o Galiote está confundindo habilidade política com submissão política, estou decepcionado, tomará que ele saíba o que está fazendo, mas por enquanto o que temos é o seguinte:
    1) Leila Pereira – é fantástico que a empresa dela e do marido patrocine o Palmeiras e ajude na aquisição e salários de alguns jogadores bem como na construção de um hotel e centro de recuperação no CT do clube, mas daí a ratificar a condição dela de sócia desde 1996 a partir de uma declaração unilateral do Mustafá vai uma diferença abissal.
    2) Mancha Verde – só uma pergunta, para que retomar o relacionamento com uma torcida que agride jogadores do Palmeiras e está as voltas com um caso policial cabuloso da morte de um de seus fundadores?
    3) WTorre – o que a WTorre fez no agendamento destes próximos shows é abaixo do condenável, simplesmente ignoraram o calendário de jogos do Palmeiras e agendaram shows na data de uma finalíssima na qual o Palmeiras desde o começo do ano, é apontado como o principal favorito para conquistar o título. Não sei se o MG tomou alguma providência nos bastidores, mas esta postura da WTorre ainda que seja fundamental estabelecer um bom relacionamento com a parceira, deve ser combatida a todo custo.
    4) Mustafá – o post do Conrado é autoexplicativo, mas acrescento alguns pontos que não podem jamais serem apagados da memória do torcedor: Mustafa Contursi foi o responsável direto pelos dois rebaixamentos do Palmeiras em 2002 e 2012; cedeu subservientemente a vaga do Palmeiras no campeonato mundial de clubes de 2000 ao vasco da gama de eurico miranda; sempre foi contrário a construção do Allianz PArque; em 2004 o Palmeiras vendeu o melhor jogador do time, o Vagner Love enquanto o time liderava o campeonato com ótimas chances de conquista, o time inclusive havia goleado o Santos que acabaria se tornando campeão por 4 a 0 na Vila; em 1978 na qualidade de diretor de futebol entrou em rota de colisão com os líderes do elenco por causa da premiação na semana dos jogos finais do Brasileirão contra o Guarani.

  • Tanta gente boa morre e esse maldito ainda vivo. Eu vejo a mancha ir ameaçar jogador mas nunca vi cobrarem esse maldito, sera pq?

  • Como disse na reportagem da Folha, só tem um jeito de livrarmos deste câncer do Palmeiras, é pedir a Deus que o leve em Paz.

    • Acho que lá encima ele é barrado, tem que esperar o cara de baixo resolver chamar seu filhinho mais querido pra organizar as picanhadas do enxofre… rsrs

  • Preocupante a força deste senhor, que teve a grande oportunidade de transformar o Palmeiras em uma potência mundial na época da Parmalat e foi incapz e que foi o principal responsável pela queda em 2002.

    Acredito que Galiotte terá habilidade em lidar com estas situações e manter a estrutura que foi montada pelo presidente Paulo Nobre.

    Gostaria de pontuar apenas a gestão do Sr. Belluzzo que comprometeu seriamente o fluxo de caixa das gestões posteriores, adiantando receitas de forma irresponsável e que contribuiu para a queda em 2012. Claro que o grande responsável foi Tirone, mas não devemos esquecer que tudo é uma consequência do trabalho que é desenvolvido pelas gestões que se passaram.

    Ao Sr. Belluzzo o eterno agradecimento pelo fechamento dos acordos para a construção do Allianz Parque e vinda da Parmalat…

  • Sinistro , esse Senhor é a personificação do mal que precisa ser combatido. Espero que o MG tenha essa habilidade e a coragem necessária para barrar a influencia desse senhor e não permita que decisões erradas e prejudiciais ao Palmeiras sejam tomadas. Não podemos andar para trás.

  • Em contraponto a esta pífia entrevista do Mustafa, temos a ótima entrevista concedida pelo Alexandre Matos ao Benja. Odeio esse tal de Benja, mas assisti a entrevista inteira e foi sensacional. Quem ainda não assistiu procura no youtube, pois vale a pena. Mostra justamente o oposto do pregado pelo Mustafa. Mostra como um profissional capacitado, dinâmico e arrojado, foi capaz de colocar o Palmeiras novamente nos holofotes e dos títulos. Destaques para as contratações do Mina, do Borja e especialmente do Dudu, que mostraram como um profissional que entende do que faz, resolve as coisas.
    Espero que o Galiote consiga ter o jogo de cintura que teve o Paulo Nobre quando foi presidente, mantendo a profissionalização do futebol e ainda assim conseguindo manter o Mustafa ao menos sem querer interferir tanto no futebol. Porém, como muito bem dito ao final do texto, vamos ver se o Galiote conseguira fazer isso.

  • Desde a história da Senhora Crefisa eu estou com muito medo que os anos 2000 voltem.. e a cada ato do quadro político Palmeirense eu sinto os velhos fantasmas voltando!

    Infelizmente a curto prazo não vejo solução, estão todos muito satisfeitos com seus cargos e o poder conseguido, ninguém está se importando com o futuro do futebol do Palmeiras, já que hoje ele o time está bem..

    O primeiro ato que me assustou, por uma ironia do destino ou por um ato de mestre, foi a demissão do DM, que muitos Palmeirenses criticaram por anos, só que enquanto estávamos na expectativa dos novos nomes, que deveriam ser profissionais com renome e gabaritados, fomos surpreendidos pela “subida” dos médicos da base para o time principal..

    Mesmo que com o tempo estes novos profissionais provem serem melhores do que os antigos, hoje sabemos que a ascensão deles não se deve a busca pela melhoria do DM, mas sim por mero corte de gastos!

    Acorda Galiotte, antes que seja tarde, agora é hora de costurar apoio com os poucos que pensam exclusivamente no Palmeiras.. Isso dá tempo ainda, mas só se o Galiotte não for mais um que se fingiu de Palmeirense só para chegar ao poder!

    Hoje a visão do nosso futuro está nebuloso, ainda dá tempo de voltarmos aos trilhos, mas tem que ser logo!

  • Realmente me dá medo o Mustafá ter a voz ouvida por um veículo como a folha.
    Como ele pode falar que os cartolas são incompetentes diante dos resultados atuais do Palmeiras?
    Tenho desprezo por esses caras que só querem poder , em detrimento à todo o resto e, principalmente, ao nosso clube.

  • Precisamos nos movimentar agora, fazer algo para que o Sapo Boi não consiga destruir o que foi construído nos últimos anos.