Scolarismo: é melhor abraçar

O Palmeiras teve dois comportamentos bem distintos em campo na última quarta-feira, quando venceu o Junior, em Barranquilla, por 2 a 0. No início do jogo, de forma até surpreendente, tomou todas as iniciativas, abriu o placar e poderia ter feito mais gols. A partir dos 20 minutos se retraiu, resistiu às tentativas do time da casa e só ampliou o placar nos minutos finais do segundo tempo, contando com o desespero do adversário, que se expôs.

Uma chuva de críticas se abateu sobre o time de Felipão por isso. Assim como em 2016 e 2018, caretas e muxoxos acompanharam as análises dos sábios cronistas dos sofás de estúdio. Ao Palmeiras, não basta vencer; o time tem que dar espetáculo. Parece que o objetivo principal de uma partida de futebol é trocar mais passes que o adversário e parte da torcida embarca nessa onda. Ao ler as redes sociais após o jogo, parecia que o Junior tinha goleado.

É claro que o direito à corneta é sagrado e o time de Felipão, mesmo tendo conseguido um excelente resultado, está sujeito a críticas como qualquer outro. A questão é: será que estamos entendendo o que estamos criticando?

Que a crônica vai detonar o Palmeiras, aconteça o que acontecer, já sabemos. O que a torcida precisa ter claro em mente é que nosso técnico hoje é o Felipão, nosso general multicampeão que nos conduziu a títulos em todas as três passagens pelo clube. E Felipão pensa as competições de uma forma muito particular – e já era tempo de entendermos, todos, essa maneira, já batizada por aí de Scolarismo.

Objetivos

Felipão
Cesar Greco/Ag Palmeiras

O objetivo primário numa partida de futebol é fazer mais gols que o adversário. Na fase de grupos, vencer por 1 a 0, como aconteceu em seis das dezesseis partidas da primeira rodada (incluindo as vitórias de Inter, Flamengo e Cruzeiro), serve tanto quanto o nosso 2 a 0, ou quanto os 5 a 4 da Universidad de Concepción no Sporting Cristal.

O Palmeiras abriu o placar aos 10 minutos de jogo, jogando um futebol intenso, sufocando o Junior em seu estádio e com chances até de aumentar o placar. Não ampliou, e a partir dos 20 minutos passou a administrar o resultado.

Levando em consideração que o jogo contra o Junior era o mais difícil de toda a fase de grupos, e conhecendo o modo de pensar de nosso treinador, é razoável imaginar que Felipão estaria plenamente satisfeito se trouxesse um ponto da Colômbia. Assim, mesmo que sofresse o gol de empate, o objetivo estaria alcançado.

O Junior não conseguia penetrar em nossa área, embora alguns lances de perigo pudessem ter sido melhor construídos em cima de nosso lado direito. Os chutes de longe eram bem defendidos por Weverton, em noite segura. O Palmeiras joga em Mirassol no sábado e depois recebe o Melgar, na terça-feira, numa sequência desgastante. Todos esses elementos podem explicar a opção de Felipão, com a margem de um gol construída, por suportar as investidas dos colombianos em vez de buscar o segundo e o terceiro gols.

“Mas e se…”

Junior 0x2 Palmeiras
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Junior poderia ter empatado o jogo ainda no primeiro tempo e o Palmeiras passaria a ter o empate, objetivo traçado desde o princípio, ameaçado. Qual seria o comportamento do time?

Esse exercício vai ficar no campo da adivinhação e se relaciona com o tempo em que o Junior teria conseguido o empate. Se fosse nos 15 minutos finais, o Palmeiras provavelmente permaneceria encolhido para segurar o empate. Se fosse antes disso, não é absurdo imaginar que o time retomaria o ritmo dos 20 minutos iniciais, encararia o desgaste físico e correria os riscos de se abrir um pouco, mas tentaria o gol – como fez sem sucesso durante os 90 minutos nos clássicos contra o SCCP e Santos.

Alguém pode perguntar por que não tentamos o segundo gol antes de sofrer a pressão do Junior. Mas na verdade, o time até tentou, por mais dez minutos. Aí houve a opção pela administração.

O Palmeiras poderia ter tido mais momentos de pressão, de “modo turbo”. Por exemplo, a partir dos 35 minutos do primeiro tempo, voltar à carga, aumentar o ritmo, e contar com o intervalo para recobrar as forças, em vez de ficar o tempo todo esperando o Junior cometer um erro, confiante na avaliação de que o time da casa oferecia poucos perigos. Na volta do intervalo, o time poderia ter forçado um pouco mais – por dez minutos, que fosse – e poderia ter chegado ao segundo gol.

Felipão insistiu em confiar no gol solitário como margem de segurança, e acabou premiado com o vacilo dos colombianos nos acréscimos, chegando ao segundo gol – algo que apenas mais quatro times entre os 32 conseguiram marcar nesta primeira rodada. Esse gol poderia até ter saído antes, mesmo no “modo econômico” – mas o que importa, no final das contas, é que saiu.

De novo: “mas, e se…”

Alguém pode mencionar que Felipão fez exatamente isso em 2018, no mata-mata – perder por 1 a 0 estava em seus planos na Bombonera para reverter no Allianz Parque; o 0 a 0 até os 35 do segundo tempo mantinha o Palmeiras seguro no “modo econômico”. Ninguém contava com a felicidade que Darío Benedetto teria logo após entrar em campo. E, de fato, o sujeito marcar dois gols foi um evento pouquíssimo provável. E será pouquíssimo provável de se repetir.

Felipão está muito convicto de suas estratégias, e se apoia nas dezenas de títulos conquistados para isso. As exceções existem e estamos sujeitos a elas quando falamos de futebol. Esse é o risco que ele topa correr. Isso é o Scolarismo.

Scolarismo: é melhor abraçar

Felipão
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Há outras escolas, que preferem marcar dois ou três gols para ter uma margem mais segura antes de tirar o pé do acelerador. Jogando aberto, pra cima, mais “bonito”. Trocando passes e dando espetáculo. Aplicado ao Palmeiras, daria mais trabalho para a imprensa criticar – como aconteceu em 2016, com o “Cucabol”.

Até podemos reclamar da falta de mais períodos do jogo em “modo turbo”. Mas Felipão é assim, e é com ele que vamos até o fim – ou alguém acha que ele está prestes a cair? É claro que não está. Eventualmente, com o passar da temporada, nosso técnico pode se sentir mais seguro em mandar o time alterar o “modo”, como num videogame onde apertar um botão pode mudar muita coisa. Mas neste momento da temporada, em que o entrosamento do time ainda não está no ponto ideal, ele prefere não correr esses riscos. Ele é assim.

Se estamos com ele, e se vamos com ele até o fim, é melhor abraçar o Scolarismo para curtir melhor esta temporada. Entender como pensa nosso general é o primeiro passo para tirar o asterisco da alma e passar um 2019 mais leve – e talvez comemorando os possíveis títulos sem se preocupar com as críticas que fez durante todo o ano e recorrer ao cínico “nunca critiquei” para se justificar depois, com o sorriso amarelo. De quebra, seremos uma torcida muito mais unida, nas arquibancadas e nas redes sociais. Que tal?


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.