Abel vê Palmeiras inteligente e afirma: “jogamos com as armas que tínhamos”

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG, durante partida válida pela primeira partida das semifinais da Libertadores 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Substituição de Dudu, que saiu irritado da partida, também foi assunto na coletiva de Abel

O primeiro jogo da semifinal da Libertadores entre Palmeiras e Atlético-MG, que ocorreu no Allianz Parque na noite de ontem, terminou empatado em 0 a 0. Para o técnico Abel Ferreira, o Verdão cumpriu com sabedoria boa parte do plano traçado pela comissão técnica.

“Parte do nosso plano foi cumprido. A gente sabia da força do adversário pelo lado esquerdo, por conta do Guilherme Arana. Analisamos a forma que eles fazem gols e a maioria saía dos pés dele. Então queríamos fazer nossas transições por lá. Infelizmente não tivemos a capacidade de fazer isso bem, até houve algumas oportunidades. Mas, sim, era o que a gente queria. Fomos muito bem sem bola, tivemos atitude e fomos inteligentes. Agora: com bola, vamos melhorar para o próximo jogo”, disse o comandante em entrevista coletiva.

Ainda sobre a partida, Abel detalhou o jeito do Atlético-MG atuar e destacou a importância do Palmeiras não ter sofrido gol.

“Nós não conseguimos jogar e nem o adversário. Eles tiveram o pênalti, mas a posse de bola deles ocorreu fora do nosso bloco, que foi bem compacto no nosso corredor central. A gente tinha que fazer isso porque era a forma de se defender bem contra uma equipe que gosta de atrair. A todo instante o Nacho, Diego Costa e o Hulk saiam das suas posições para buscar a bola e criar espaços na nossa defesa. Percebam que o Atlético ficou muito com muita posse, mas trocou passes atrás da linha da bola, fora do bloco”, explicou.

“Vínhamos de uma sequência de jogos com gols sofridos e agora nas últimas duas partidas não sofremos, isso passa confiança à equipe. Um time que não é sólido defensivamente não ganha nada. Eles investiram forte em jogadores de ataque e fazem gols com facilidade. Jogamos com as armas que tínhamos, está tudo em aberto”, acrescentou.

Ao ser questionado porque a escalação inicial não contou com nenhuma Cria da Academia, o treinador apenas disse: “Foi coincidência. Observo os treinos e escolho aqueles que entendo que fará o melhor para o Palmeiras no jogo, não por questão de idade. Hoje [terça-feira], curiosamente os escolhidos eram os mais experientes. Tenho que ser leal aos princípios, acreditar em todos os jogadores, não importa se é jovem ou não, e é isso que faço”.

Abel comenta a reação de Dudu ao ser substituído

No segundo tempo, Abel optou por substituir Dudu, que mostrou irritação ao sair de campo, e colocar Wesley. O técnico comentou a reação do camisa 43 e admitiu que ainda “precisa ver as imagens”.

“Acredito que ele estava chateado pelo jogo que fez. O Dudu sabe que pode fazer mais. Ele também sofreu uma marcação cerrada e individual do Mariano, isso dificultou. Entretanto, ninguém aqui está acima dos interesses da equipe e todos os assuntos resolvemos cara a cara. O Dudu não faltou com respeito, apenas acredito que ele ficou frustrado porque não conseguiu desenvolver em campo”, finalizou.

O jogo da volta ocorrerá na próxima terça-feira no Mineirão, às 21h30, com a presença de torcida. Além da vitória, qualquer empate com gols classifica o Verdão à final da Libertadores.