Após mais de cinco anos, Dudu deixa o Palmeiras

Após uma longa novela, finalmente foi feito o anúncio oficial: Dudu está fora do Palmeiras. O atacante foi emprestado ao Al Duhail-QAT por um ano, com opção de compra. Pelo empréstimo, o Palmeiras receberá limpos € 6 milhões. Caso queira ficar com o jogador em definitivo, o clube catari deverá desembolsar mais € 7 milhões daqui a um ano. Os valores não parecem compatíveis com o tamanho do jogador. Parecem combinar mais com a estatura do atleta.

A saída de Dudu representa a perda do maior ídolo recente da História do clube. No século 21, nenhum jogador fez tantos gols com a nossa camisa – foram 70. Na sequência, longe, vêm Vágner Love (54) e Willian (46). Na lista de jogos, Dudu, com 305, só perde neste século para Marcos (392) e é seguido por outro goleiro, Fernando Prass que atuou 274 vezes com nossa camisa.

Mais do que os números, Dudu foi o símbolo de uma nova era. Depois de anos de péssimas administrações, Dudu foi contratado de forma agressiva e destaque de um elenco totalmente renovado. Sua contratação foi um chapéu comemorado pela torcida nos dois maiores rivais. O próprio jogador tratou de oficializar o simbolismo da transação ao comemorar um gol num Derby pegando emprestado um chapéu de um jornalista.

Sua chegada, que coincidiu com os primeiros jogos no Allianz Parque, foi fundamental na explosão de novas assinaturas do Avanti e da grande virada administrativa e esportiva que o clube deu a partir de 2015. Foi protagonista na conquista de três grandes títulos e um símbolo da postura desejada em campo, jogando sempre com entrega total. Sua saída dói, e muito.

Dói, mas passa

Quando um ídolo dessa envergadura deixa o clube, é sempre um golpe para a torcida. É doloroso, é deprimente, mas faz parte. Como todos estão cansados de saber, os jogadores passam e o clube continua. A saída de Dudu precisa ser superada – e será, mais cedo, ou mais tarde.

Embora a diretoria tenha acenado em off com reposições, é bem pouco provável que aconteça. A rigor, a reposição foi feita antes mesmo de sua saída, com a chegada de Rony. À época, foi pontuado que o Palmeiras não precisava de mais um jogador para a função de atacante de flanco, por melhor que fosse a qualidade do novo contratado. Agora faz sentido.

Enquanto não tinha a saída definida, Dudu estava sendo cotado por Vanderlei Luxemburgo para jogar por dentro – algo que ele poderia fazer bem, mas que ainda era uma incógnita. O fato é que, com Willian, Rony, Veron, Wesley e Luan Silva à disposição, taticamente a saída de Dudu não abre nenhum grande buraco no elenco, desde que Luxa encaixe bem alguém para fazer o miolo.

Em valores absolutos, a transação é muito boa. Excepcional, na verdade. São quase R$ 2 milhões mensais, entre salários e outras obrigações, economizados. E claro, cerca de R$ 45 milhões no caixa, que provavelmente abaterão parte dos cerca de R$ 170 milhões que o clube passou a dever para a Crefisa da noite para o dia, em valores corrigidos. O que é bastante questionável é se Dudu vale isso ou muito, muito mais.

Ele volta?

Dudu e Vitor Hugo

O modelo da transação foi um empréstimo com opção de compra. Hoje, ninguém gostaria de ter perdido Dudu, uma referência técnica, artilheiro e homem com participação decisiva com dezenas de assistências. Mas uma vez que ele saiu, o time vai superar sua saída e se readaptar. Muitos jogadores poderão ganhar espaço e crescer muito.

Daqui a um ano, se Dudu voltar, o Palmeiras deixará de ganhar mais € 6 milhões. É como comprar o jogador de volta. A pergunta é: valerá a pena pagar esse valor por um jogador de 28 anos? Hoje, a maioria dos palmeirenses, ainda machucados com sua saída, diria que sim, mas daqui a um ano, talvez a resposta seja outra. Vai depender muito do encaixe do time.

O fato é que sua volta não depende do Palmeiras, e sim do clube catari, para quem a quantia é irrisória. A não ser que Dudu não se adapte e que faça força para deixar o Oriente Médio, é bem pouco provável que a compra não seja concretizada. O que nos permite pensar de forma bem concreta que este “até breve”, na verdade, é mesmo um “adeus”.

Tanto a torcida quanto o clube precisam superar sua saída. E isso vai acontecer. Nada como uma sequência de jogos para que voltemos a olhar para a frente.

Gratidão

Dudu

Nestes pouco mais de cinco anos, Dudu fez tudo o que a torcida queria de um jogador em campo: marcou gols em todos os principais rivais, tirou sarro, montou de cavalinho, deu tranco em juiz, meteu gol de cobertura e meteu gol em final, foi o maior artilheiro e o jogador com mais assistências.

Dudu foi ídolo e referência também para as crianças, que viam nele o principal motivo para serem palmeirenses e jogadores de futebol quando crescerem. Nossa torcida aumentou demais por causa de Dudu, que conseguiu um fato raro: mais de cinco anos vestindo a mesma camisa.

Depois de usar o mesmo nome de um consagrado ídolo que até busto tem na sede do clube; com a mesma camisa 7 consagrada por Julinho Botelho, Jorginho e Edmundo, Dudu vai deixar muitas saudades e merece toda a gratidão da torcida do Palmeiras. Que seja muito feliz na sequência de sua carreira.

E se acabar voltando, claro, vai ter lugar no time. No coração da torcida, o lugar já está cativo.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

O significado da permanência de Dudu

Dudu e Vitor Hugo

O Palmeiras anunciou no sábado a extensão do contrato de Dudu por mais um ano – seu contrato, que ia até o final de 2022, agora vai até dezembro de 2023 – mais cinco anos, o máximo que a legislação permite.

A permanência de Dudu certamente foi a melhor notícia para a torcida do Palmeiras nesta janela de transferências. O melhor jogador do futebol brasileiro ao final de cada temporada, diante do cenário financeiro internacional, normalmente é dado como perda certa a ser reposta pelos clubes. Nessa condição, não é incorreto dizer que o Palmeiras fez a melhor ‘contratação’ entre todos os clubes do país.

Como não podia deixar de ser, a notícia deixou a torcida extremamente empolgada. Além de manter no Verdão um jogador extra-classe e com isso sustentar o status de melhor elenco do país, a condição de ídolo parece ficar cada vez mais evidente – algo perfeito num cenário onde a necessidade por adoração a personalidades é uma regra.

O anúncio, no entanto, talvez precise ser melhor compreendido.

Ele fica – até a próxima janela

Zé Roberto, Dudu e Borja comemoram gol do Palmeiras

Foi comunicado que atleta e clube encerraram todas as conversas para uma possível transferências e que Dudu jogará no Palmeiras – pelo menos até a próxima janela – ou seja,  ele poderá sair do Palmeiras no meio do ano.

As circunstâncias que envolveram sua permanência estão ligadas à mudança nas regras de contratação por que passou o futebol chinês, que agora tem mais restrições para contar com atletas estrangeiros – tal mudança facilitou, inclusive, que o Palmeiras conseguisse o empréstimo de Ricardo Goulart. Mas isso não impede que, para o replanejamento das próximas temporadas, Dudu não volte a ser alvo dos clubes orientais.

As negociações entre o Palmeiras e os agentes de Dudu caminharam para a permanência diante de uma série de fatores, que certamente envolveram ajustes financeiros – tanto em sua multa rescisória, quanto em seus salários. Mas não garantem nada em relação ao que vai acontecer depois de julho. Se desta vez houve acordo, significa que está ótimo para todos – até a próxima rodada de negociação.

Isto precisa ficar bem claro para a torcida, que parece ter esquecido que o contrato anterior já era longo e que mesmo assim Dudu poderia sair a qualquer momento. O que deve ser comemorado é que as probabilidades de saída, a cada renovação, ficam cada vez menores – à medida que a idade do craque vai avançando, ele se torna menos atrativo para outros mercados. O Palmeiras tem, hoje, o privilégio de manter no elenco um atleta espetacular no auge de sua forma física e técnica.

Ídolo ou não: isso importa?

Dudu
Divulgação

É muito comum inserir a idolatria como tema nas discussões sobre futebol. Especular se um jogador é ou não ídolo de uma torcida é um dos esportes preferidos nas mesas redondas sobre o nada que infestam as televisões – e parte das torcidas curiosamente parecem adorar o assunto, afinal, os entendidos estão lá decidindo por eles quem são seus ídolos.

A idolatria é uma relação que deveria ser mais particular. Cada um decide, muitas vezes involuntariamente, o que sente em relação a cada atleta que tem o privilégio de vestir a camisa sagrada de nosso time. Lances rápidos, ou mesmo pequenos gestos fora de campo muitas vezes tocam pontos de nosso subconsciente e fazem com que uma relação de profundo respeito e afeto passe a ser cultivada – e essa relação aumenta ou diminui de intensidade a cada partida, a cada semana, com novos gestos.

Dudu
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

A permanência de Dudu foi encarada por muitos como um gesto de amor ao clube. De fato, já são quatro anos completos, três títulos nacionais e uma relação muito bem construída com a torcida. No sábado, foi possível ler nas redes sociais que, com a decisão, Dudu entrava de vez para o rol de grandes ídolos do Palmeiras – como se esse rol existisse formalmente.

Como todo mundo, Dudu é, antes de tudo, uma pessoa que tem suas ambições pessoais, tem família e usa sua ocupação profissional para satisfazer suas necessidades. Neste momento, o pacote Palmeiras lhe dá as melhores condições, e foi isso que o fez tomar essa decisão. No que ficamos muito satisfeitos! Ontem, mesmo num jogo morno, Dudu foi um dos melhores jogadores do time.

Que o camisa 7, a cada ponto de tomada de decisão, sempre faça suas ponderações com a direção do clube, e que enquanto estiver valendo a pena tê-lo como jogador do Verdão, como agora, que ele decida por ficar.

A hora da despedida sempre chega, mais cedo ou mais tarde. Que o Palmeiras, os palmeirenses e o próprio Dudu aproveitem bem esta permanência e curtam muito tudo o que ela vem nos dando: um jogador que se entrega totalmente em campo, capaz de jogadas espetaculares, que incendeia a torcida no Allianz Parque, que amedronta os adversários e que é fundamental para a conquista de títulos.

Avanti!

Digna de todos os elogios a forma com que Alexandre Mattos comunicou a torcida da extensão de contrato de Dudu. No vídeo, o dirigente deixa claro que os ajustes financeiros que propiciaram a conclusão do acordo só aconteceram graças aos recursos do Avanti.

Nosso programa de sócio torcedor sempre deve ser a fonte de receita mais valorizada pelo clube. Todos sabemos como as receitas vindas dos contratos com a TV e com patrocinadores são importantes no modelo econômico do clube, mas a fonte mais pulverizada, e por isso mais segura, é a que vem da torcida.

Essa retomada à valorização do Avanti, deixado um pouco de lado nas últimas temporadas em detrimento à excessiva valorização da relação com a patrocinadora, é um excelente sinal. As coisas podem caminhar em paralelo, de forma equilibrada.

O clube precisa agora voltar a fazer do sócio Avanti um apoiador satisfeito. Os serviços seguem confusos e pouco eficientes. A propaganda feita por Mattos tem um significado muito grande, mas o torcedor, sobretudo aquele que deixou de apoiar mensalmente nos últimos anos, precisa se sentir recompensado em todos os sentidos para reativar a relação.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho

Regulamentação do uso de redes sociais pelos atletas: já passou da hora

Dudu InstagramEm sua conta no Instagram, ontem, Dudu manifestou-se aparentando uma certa resignação. A imagem ao lado reproduz a postagem: “Feliz ou não, é a lei da vida. Seguir em frente com a cabeça erguida. Superando tudo que está por vir”.

Pouco depois, O atacante retirou o trecho “Feliz ou não, é a lei da vida”, mas já era tarde. Centenas de torcedores manifestaram toda sua indignação e intolerância para com o atleta, como se ele houvesse desrespeitado o Palmeiras.

Dudu teve uma proposta financeira muito alta da China e quis sair. Talvez as críticas desmedidas e raivosas de alguns torcedores em outros episódios de tensão tenham pesado em seu desejo; talvez tenha sido só a grana mesmo. Mas a diretoria do Palmeiras, após vender Keno, não abriu mão do camisa 7 para não prejudicar ainda mais o projeto esportivo de 2018 e manobrou para que Dudu permanecesse no clube pelo menos até o fim deste ano – seu contrato vai até 2022.

A mensagem de Dudu não foi negativa, muito menos desrespeitosa ao Palmeiras. Foi um desabafo pessoal, de quem queria algo mas teve que se resignar com um desfecho diferente. Parece que alguns torcedores não sabem conviver com esse tipo de manifestação e se sentem ofendidos com o fato de existir no mundo um atleta que prefere não estar no Palmeiras, por algum motivo. Parece que os jogadores são obrigados a amar o Palmeiras como se fossem os próprios torcedores. É muito melindre.

O dia seguinte: feliz!

Hoje Dudu chegou à Academia de Futebol para o treino da manhã e não aparentava nenhuma negatividade, como se pode ver abaixo, na sequência de tweets dos setoristas Thiago Ferri, do Lance, e Rodrigo Fragoso, do Esporte Interativo:

Dudu parece focado no trabalho, feliz, e possivelmente segue tendo em vista uma transferência ao final da temporada. Isso não impede que o atleta tenha um bom desempenho até o final do ano; o tom de resignação de sua mensagem transparece exatamente isso.

Podia ter evitado

Dudu
Djalma Vassão/Gazeta press

O inferno das redes sociais já condenou Dudu. Sabemos, no entanto, que esses chiliques são efêmeros e duram, se tanto, duas semanas – a não ser que o jogador demonstre apatia em campo e/ou tenha mais episódios de destempero que remetam à manifestação de ontem. Neste caso, a sementinha plantada no Instagram tende a virar uma árvore de frutos bem amargos. Dudu será vaiado e perseguido – e se o time desgraçadamente acabar eliminado de forma precoce de alguma competição, será prudente evitar até visitas a supermercados e agências bancárias.

Talvez Dudu tenha tentado passar uma mensagem de positividade, com foco na maturidade em aceitar uma situação que não considerava a melhor para si, mas que aceitou pelo bem do grupo, para cumprir uma palavra empenhada. Talvez ele estivesse tentando mostrar que sabe levantar a cabeça e seguir em frente. Sabe-se lá qual o foco principal da mensagem. Mas em tempos de absoluta intolerância e falta de raciocínio, a postagem se mostrou um desastre. Se bem assessorado, ele podia ter evitado.

O uso de redes sociais por parte de jogadores não pode ser comparado aos de pessoas comuns. Atletas profissionais são figuras públicas e representam o clube que os pagam. Em casos extremos algumas declarações podem até condenar uma temporada inteira – como pode ter acontecido com o “áudio vazado” de Felipe Melo no ano passado.

Enquanto os clubes não regulamentarem o uso das redes sociais por parte dos atletas que mantêm sob contrato, terão que conviver com a tensão permanente de terem que desarmar uma bomba-surpresa. Se essa regulamentação for redigida de forma criteriosa, contemplando apenas os assuntos sensíveis, e for muito bem explicada e assimilada pelos jogadores sem deixar a impressão de ser um mero instrumento repressivo e ditatorial, todos têm a ganhar, principalmente os próprios atletas.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Fogo amigo sobre Dudu pede nova intervenção da diretoria do Palmeiras

TJD-SPTribunais, Federação, arbitragens, concorrentes, imprensa… é pancada de todo lado. O Palmeiras chama atenção pelo sucesso administrativo financeiro e pelo forte elenco que conseguiu reunir para a disputa das últimas temporadas – e paga por isso.

Nosso elenco tem jogadores suspensos com extremo rigor pelos tribunais – no ano passado, Alecsandro chegou a ser suspenso preventivamente por um doping que depois foi provado que não existiu. Até tribunais trabalhistas estão nos prejudicando: Gustavo Scarpa, um dos maiores destaques do elenco, está impedido de exercer sua profissão por mesquinharia de um pequeno clube da zona sul do Rio, combinado com um suspeito tráfico de influência.

A imprensa, com desfaçatez, bate forte, distorcendo fatos e emitindo opiniões enviesadas escondida sob o manto da imparcialidade, manipulando a opinião das torcidas em geral e dos próprios palmeirenses.

Mesmo assim, o Palmeiras chega competitivo em todos os torneios – mas tem parado nas arbitragens, seja por atuação dentro ou fora das quatro linhas. Os dois últimos campeonatos erguidos pelo inimigo, ex-rival, tiveram de forma inequívoca a indispensável interferência dos homens do apito e de seus chefes.

Isso basta? Parece que não. Agora tem fogo amigo na jogada. Mais uma vez, uma parcela de nossa torcida resolveu atrapalhar ainda mais o clube, numa reação raivosa que combina a rasura intelectual manipulada por jornalistas desonestos, com a frustração de não conquistar os títulos, somada ao fato de ver a ORCRIM de Itaquera os conquistando.

Burrice tem limite?

Esses infelizes enxergam os jogadores como seus empregados e se dão o direito de descontar as frustrações de suas vidas provavelmente medíocres naqueles que, em suas limitadas visões, são os responsáveis pelo Palmeiras não estar conquistando todos os títulos, a única forma de se sentirem vencedores na vida. Mal sabem que, se um dia forem patrões de alguém, não deverão tratar os empregados do jeito que estão tratando quem defende as cores do Palmeiras em campo.

A estupidez chega ao ponto dos cidadãos se deslocarem até Buenos Aires, onde o Palmeiras faz um enorme clássico sul-americano contra o Boca Juniors, num dos estádios mais hostis do mundo, para xingar nossos jogadores na porta do hotel. É de se supor que uma pessoa que faz esse tipo de sacrifício para ver aquelas camisas verdes em campo queira que o time ganhe o jogo. Como ele espera que os jogadores deem seu máximo se, em vez de mostrarem seu apoio, o hostilizam em território inimigo? Qual o limite da burrice humana?

Por que o alvo é Dudu?

Dudu
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Dudu, especificamente, tem sido o principal alvo dessa gente, sabe-se lá por quê. No último domingo, ao marcar o gol da vitória do Palmeiras sobre o Inter, nosso capitão não se sentiu à vontade para comemorar efusivamente. Preferiu retornar ao campo de defesa em silêncio, em resposta aos ataques que recebeu no Instagram, onde até imagens de seus filhos pequenos foram alvo de alguns animais. Notem: ele não saiu xingando ou fazendo gestos; apenas se recolheu.

Na “visão” desses torcedores, não basta que o jogador seja bom, que marque o gol da vitória contra um adversário tradicionalmente duro num jogo em que a vitória era essencial. Para eles, o atleta precisa ser humilhado, aceitar e ainda ser um ator, mostrando uma alegria que não está sentindo. Ao ser autêntico, Dudu acaba desafiando seus detratores, que se juntam em bando, ou usam a distância da internet, para exercerem suas autoridades.

Há jogadores que conseguem lidar bem com esse tipo de pressão; outros, nem tanto. Dudu, de fato, mostra uma sensibilidade acima do normal para essas situações, o que é suficiente para que seja classificado como mimado e chorão – a eterna mania das pessoas em dar adjetivos para as pessoas com quem não concordam. Para reforçar seus argumentos, usam seu salário e a faixa de capitão para afirmar que ele merece a perseguição, tem que aguentar calado e só se manifestar, com muita alegria, quando cumpre sua obrigação de fazer os gols das vitórias. Resta saber por que essa perseguição começou – embora não seja muito difícil de imaginar para quem já acompanha futebol há algum tempo.

Mais um problema para a diretoria resolver

Alexandre MattosO clube precisa agir. Em tempos bicudos como os atuais, a blindagem precisa se estender às redes sociais, para proteger os jogadores e suas famílias de ataques deploráveis. Nossos jogadores infelizmente não podem se expor saudavelmente na internet como pessoas normais, sobretudo os que não lidam bem com esses tipos de ataque – que são cinicamente, classificados como meras “críticas” por quem os faz ou apoia.

Seria interessante também fazer um trabalho de mapeamento dos perfis mais hostis e identificar quais, realmente, são de palmeirenses pouco providos de inteligência, e quais são de identidades falsas, criadas sistematicamente com o único objetivo de tumultuar ainda mais nosso ambiente – estratégia que, numa escala muito maior, já ganhou até uma eleição nos Estados Unidos.

Dudu precisa de atenção especial. Um acompanhamento específico, com um bom profissional, para que ele continue crescendo mentalmente e amadurecendo. Quem lembra de seu comportamento em 2015 e o vê hoje percebe facilmente uma grande evolução, mas ainda há muito onde melhorar.

À medida que o mundo vai se tornando mais complexo e sofisticado, a direção de um clube de futebol que pretende se manter como o maior vencedor do país precisa estar atenta às novidades e se adequar a elas. Nossos jogadores precisam também de novas formas de blindagem e apoio, para, acreditem, não sermos vítimas de fogo amigo e podermos focar somente nos ataques externos, que nunca vão cessar. Segue o barco.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Respeito, muito respeito, para criticar Dudu

Dudu
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras fez sua segunda partida na temporada e os jogadores mostram nitidamente que estão assimilando as orientações de Roger Machado. As jogadas já têm começo, meio e fim, mas ontem especialmente, foi necessária uma estratégia para lidar com o calor infernal que fazia em Ribeirão Preto.

Enquanto o Botafogo veio para o tudo ou nada no primeiro tempo, fazendo do time uma sanfona bem arrumadinha – se encolhendo bastante quando o Palmeiras tinha a bola, e saindo em rápidos e perigosos contra-ataques, o Verdão cadenciou o jogo, rodando a bola sem pressa e deixando os atletas do time da casa acabarem com suas energias. Os dois primeiros chutes a gol do Palmeiras só vieram após os 40 minutos.

O Botinha não era exatamente um George Foreman, mas o que o Palmeiras fez foi exatamente o que Muhammad Ali fez na célebre luta no Zaire em 1974: suportou a pressão do adversário, levando-o à exaustão, e chegou à vitória de forma extremamente fácil no segundo tempo.

Futebol não é boxe, e cada atleta tem uma forma de “se poupar”. Para quem está vendo de fora um atleta cumprindo essa orientação, um pique dado sem toda a intensidade, ou uma chegada mais leve numa dividida, pode parecer o velho corpo mole.

Logo quem?

DuduDudu não é o tipo de jogador que combina com esse tipo de estratégia, embora fosse necessário. Nosso capitão, conhecido por sua raça e dedicação durante todo o jogo, um cara que dá 110% em cada lance, transparecia apatia.

Entram também no pacote uma certa vontade de tocar de calcanhar na bola, a própria ferrugem típica de início da temporada e as informações de que recebeu propostas milionárias para jogar na China.

Foi o que bastou para alguns torcedores tomarem certas liberdades nas redes sociais. Ainda no primeiro tempo, acessaram sua conta no Instagram e fizeram ataques covardes, usando palavras duras, com todo o ódio que já é característico desta era.

Pouco depois, uma legião de palmeirenses abafou as manifestações negativas enchendo a mesma postagem com mensagens de apoio e gratidão a Dudu. O jogador que hoje é o maior símbolo da ressurreição do Palmeiras, que fez dois gols na final da Copa do Brasil contra o Santos, que marcou um gol de cabeça no Cássio e colocou um boné, que meteu gol de cobertura no Denis, que é um dos líderes de assistências do elenco e artilheiro do Allianz Parque, só pode ser desrespeitado por gente que não respeita a si mesmo.

Ninguém está acima do bem e do mal

Dudu
Divulgação

Nosso camisa 7, assim como qualquer jogador que passa pelo Palmeiras, estará sempre sendo posto à prova. Faz parte de vestir uma camisa tão pesada. Talvez ele saiba lidar com os ataques como os de ontem e tire de letra. Ou, menos provável, talvez isso tenha sido a gota d’água para que ele tome a decisão de deixar o Palmeiras e ganhar dois caminhões de dinheiro do outro lado do mundo. Esperamos que não.

Não foi só um mau primeiro tempo. Dudu jogou mal também na parte final do jogo, errando lances que não costuma errar, como aquele em que saiu de frente para o goleiro, mas não conseguiu tirar para o lado e fazer o gol. Aceitável, para início de temporada, sob um sol tão forte – e principalmente pelos créditos acumulados. Mas é claro que irrita.

Já podemos ver jogadores rendendo razoavelmente bem, como Felipe Melo, Victor Luis, Willian, Borja e Lucas Lima. Outros foram mal no primeiro jogo, mas já deram sinais de reação, como Tchê Tchê e Marcos Rocha. Dudu fez uma dobradinha de jogos ruins; pode e deve ser criticado.

As críticas, no entanto, devem estar revestidas de respeito, muito respeito. Dudu não está acima do bem e do mal, mas todos sabemos do que ele é capaz. E se continuar jogando mal, algo muito simples vai acontecer: ele vai para o banco, já que temos Willian, Gustavo Scarpa, Keno e Guerra brigando com ele por duas vagas pelos flancos. Não precisa o revoltadinho de internet demonstrar toda sua falta de atributos morais e de educação básica para tirá-lo do time.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo