Anderson Barros revela saída de Danilo Barbosa confirma negociação com substituto

O diretor de futebol do Palmeiras Anderson Barros, concede entrevista coletiva, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Em entrevista coletiva, Anderson Barros ressaltou por diversas vezes que o Palmeiras seguirá um planejamento nas contratações

No final de tarde desta quarta-feira, o diretor esportivo do Palmeiras, Anderson Barros, concedeu entrevista coletiva na Academia de Futebol e falou sobre diversos assuntos. Dentre eles, a escolha do clube em não contar mais com Luiz Adriano.

“Trabalhamos com ele por duas temporadas, tivemos ótimos resultados, mas entendemos que há um encerramento de um ciclo. Foi dessa forma que chegamos à decisão. Comunicamos o atleta desta decisão, da forma mais transparente possível. Foi algo definido em conjunto; o Luiz Adriano, hoje, não faz parte desse planejamento inicial”, disse.

Além do atacante, Barros confirmou também a não renovação do empréstimo de Danilo Barbosa junto ao Nice, da França, e revelou que o Palmeiras já tem adiantada a contratação de um volante para repor a saída: Jailson, ex-atleta do Grêmio.

“Existe um planejamento que está sendo executado, desde a saída dos atletas na temporada passada até o início da nova temporada. Nós não deixamos em momento algum de considerar esse planejamento. Um exemplo é o Danilo Barbosa, no qual não conseguimos renovar seu empréstimo conosco. Acontece. Mas, hoje, temos em andamento a contratação de outro atleta, o Jailson Siqueira [ex-jogador do Grêmio]. Uma oportunidade de mercado que vem sendo acompanhada pelo Palmeiras há algum tempo. Pois é assim que a gente realiza todo o trabalho”, contou.

“Existe um setor hoje, a análise de mercado, que nos permite acompanhar todos os movimentos. Quando acontece alguma situação como esta [a do Danilo Barbosa], nós estamos prontos”, acrescentou.

Anderson Barros fala em “responsabilidade” para contratar

O diretor comentou ainda que o Palmeiras segue um planejamento para contratações e que o clube não fará nada fora do previsto para trazer um jogador.

“Nós não temos um teto [para gastar], temos algo que é maior do que qualquer teto, é uma responsabilidade para com o Palmeiras. “O maior desafio é ter a responsabilidade para a contratação. Nos foi dada a condição de contratar, nós temos essa possibilidade, entendemos o mercado, mas nós não podemos errar, não podemos fazer com que o Palmeiras sofra no sentido de uma contratação que deu errado. Não vamos fazer dessa forma.”, falou.

“Logicamente que nós ainda buscamos outras peças para completar o elenco, mas não vamos deixar de seguir o que acreditamos, que foi o planejamento. Vamos buscar mais peças para fortalecer a nossa equipe, porém sem abrir mão da execução do planejamento”, completou.

Anderson chegou ao Palmeiras no início de 2020 e, sob sua gestão, o clube conquistou duas Libertadores, uma Copa do Brasil e um Campeonato Paulista.

Confira outros assuntos abordados na coletiva de Anderson Barros:

– Busca por um novo lateral-direito

“Nossos dois laterais do elenco, Marcos Rocha e Mayke, atendem nossas expectativas. O Mayke, mesmo após um período de recuperação de uma lesão no joelho, foi muito bem na final da Libertadores. E o Rocha, por sua vez, é fundamental. Temos o entendimento que estamos muito bem servidos na lateral-direita”.

– Situação contratual de Deyverson e Gustavo Scarpa

“Tivemos casos específicos [no ano passado] e soubemos conduzir. Faremos da mesma forma com o Scarpa e Deyverson. Nós sempre procuramos ter ações em conjunto dos atletas e sermos sempre transparentes. Antes disso, temos algo fundamental que é a disputa do Mundial. A prioridade total no momento é esse torneio. Os atletas estão cientes dessa condição”.

– Aumento salarial de Abel Ferreira

“O Abel tem um contrato em vigência até 31 de dezembro de 2022 conosco, com possibilidade de prorrogação por mais um ano. O que aconteceu durante esse período foi um reconhecimento do trabalho desenvolvido por ele. O profissional Abel Ferreira teve um reconhecimento do Palmeiras”.

Veiga e Scarpa falam sobre pressão vivida na final do Paulista 2020 e contam bastidores do tri

Veiga e Scarpa comemoram gol do Palmeiras contra o Atlético-GO, durante partida válida pela trigésima primeira rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Dois dos jogadores que mais atuaram pelo Palmeiras na temporada, Veiga e Scarpa foram os líderes de gols e assistências do clube

Raphael Veiga e Gustavo Scarpa foram um dos principais nomes da temporada 2021 do Palmeiras, que terminou com o título da Libertadores sobre o Flamengo, em Montevidéu. Com 18 gols marcados, sendo alguns deles em partidas decisivas, Veiga foi o artilheiro do Verdão, enquanto Scarpa, com 22 assistências, foi o líder em passes para gols.

Na tarde de terça-feira, os dois participaram do podcast PodPah e falaram sobre diversos assuntos, dentre eles a conquista do tricampeonato da Libertadores e a diferença entre as partidas contra Santos e Flamengo.

“O que ajudou a gente é que nós já tínhamos disputado uma final na temporada anterior. Toda a ansiedade e a pressão por ganhar aconteceu muito mais na partida contra o Santos. Fazia um tempo que o Palmeiras não ganhava uma Libertadores, então nós tínhamos que ganhar aquele jogo. Fiquei sem dormir durante uns dois dias. Para o jogo contra o Flamengo nós estávamos mais tranquilos, já havíamos passado por isso e soubemos conduzir melhor a ansiedade e nervosismo”, contou Veiga.

Antes da decisão acontecer, a equipe rubro-negra era apontada como favorita por grande parte da imprensa. Para os meio-campistas, no entanto, isso não afetou a preparação do time.

A dupla Veiga e Scarpa protagonizou vários lances decisivos na temporada 2021. Na foto, Gustavo Scarpa comemora gol de Raphael Veiga contra o Santos, durante partida válida pela trigésima rodada do Brasileirão 2021, no estádio da Vila Belmiro.
Cesar Greco

“Eu levo isso de uma forma mais tranquila. Umas das coisas que nos ajudou a vencer a partida foi realmente reconhecer que o time do Flamengo era melhor. Mas, por ser um jogo só, nós tínhamos chances, até porque também temos qualidade. Independente das brincadeiras, acho que isso não muda nada”, disse Scarpa, que prosseguiu falando de sua preparação.

“Cada um tem seu jeito de se concentrar, o meu é lendo livro ou vendo um vídeo de tutorial de bateria ou skate. Levei meu skate para o Uruguai porque já sabia que a gente ficaria três dias presos dentro do hotel, então eu iria andar pelos corredores”.

Veiga e Scarpa contam sobre a pressão antes da final do Paulista de 2020

Além de falarem sobre os títulos da Libertadores, a dupla comentou também sobre a pressão vivida pela equipe na disputa de pênaltis da decisão do Campeonato Paulista do ano passado, diante do SCCP.

“Eu não queria que aquele jogo fosse para os pênaltis porque é muita pressão. Não era uma sensação boa porque a gente já tinha perdido uma final para eles em 2018 e se a gente perdesse de novo, ia dar ruim. Eu particularmente estava muito nervoso e quando eu bati e fiz gol fiquei muito aliviado”, lembrou Scarpa.

“A gente conversou antes do jogo e não queríamos que fosse para os pênaltis, mas eu cheguei no Scarpa e disse pra ele que tinha sonhado que o jogo iria pros pênaltis. Por mais que a gente treine, há um frio na barriga. E o pior pra mim é a caminhada até a bola”, contou o camisa 23, que nunca desperdiçou uma penalidade máxima pelo Verdão, são 15 gols em 15 cobranças.

Na temporada, os meio-campistas participaram diretamente de quase metade dos gols anotados pelo Palmeiras (113 no total). Foram 30 ações para Scarpa e 24 para Veiga.

Gustavo Scarpa chega a 18 assistências na temporada

Gustavo Scarpa durante treinamento do Palmeiras na Academia de Futebol.
Cesar Greco

“Foi fantástico”, disse Abel sobre a atuação de Gustavo Scarpa

O meia Gustavo Scarpa novamente foi decisivo na vitória do Palmeiras sobre o Sport com suas assistências para gol, assim como vem acontecendo durante toda a temporada do Verdão.

Atleta que mais vezes entrou em campo pela equipe na temporada, com 48 jogos, Scarpa deu seu 18º passe para gol no duelo contra os pernambucanos. Colocado em campo no intervalo, o camisa 14 cobrou o escanteio que achou Luiz Adriano no meio da área para empatar a partida, aos 8 minutos do segundo tempo.

Contabilizando os sete gols anotados, o meia chega a 25 participações diretas em gols na temporada – disparado, o líder neste quesito entre os atletas do elenco.

“O Scarpa fez um jogo fantástico, foi fundamental para sermos mais agudos”, comentou Abel Ferreira sobre a partida do meia contra o Sport.

Para Abel, falta Scarpa aprimorar o jogo sem bola para ser “completo”

Gustavo Scarpa do Palmeiras em disputa com Mendoza do Ceará, durante partida válida pela décima nona rodada do Brasileirão, no Castelão.
Cesar Greco

Apesar dos impressionantes números, Gustavo Scarpa não tem o posto de titular no Palmeiras de Abel Ferreira, pelo menos no momento. Durante um período do Brasileirão, o meia era escalado entre os onze, ao lado de Raphael Veiga.

Entretanto, desde o retorno de Dudu que o meia vem sendo o “12º jogador”. Para o comandante, uma das principais diferenças entre Scarpa e Veiga é o jogo sem bola, no qual o camisa 23 entrega mais.

“Gosto de jogar com três tipos de médios: um 5, 8 e um 10. Temos dois “10”, o Veiga e o Scarpa. Só posso escolher três [no meio-campo]. Quando preciso de uma equipe mais aguda, precisamos de jogadores do banco que fazem isso. O Scarpa nos dá isso”, explicou.

Contratado em 2018, Gustavo Scarpa tem 166 partidas pelo Palmeiras e 30 gols anotados. Rei das assistências em 2021, o meia só perde para Dudu no retrospecto geral; enquanto o camisa 4+3 tem 80 em 326 jogos, Scarpa tem 35.