Raphael Veiga minimiza presença de torcida no Mineirão: “quem resolve somos nós em campo”

Raphael Veiga em jogo do Palmeiras contra o Atlético Mineiro, durante primeira partida válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Sobre a partida, Raphael Veiga afirmou que o Palmeiras se adaptou ao que o “jogo pedia”

Após empate em 0 a 0 no Allianz Parque, Palmeiras e Atlético-MG definirão quem irá à final da Libertadores na terça-feira que vem. A partida, que ocorrerá no Mineirão, contará com a presença da torcida do time mineiro.

Em entrevista coletiva ao final do jogo, Raphael Veiga foi perguntado sobre a questão e minimizou.

“Temos um grupo com bastante jogadores experientes. Lógico que se eu fosse escolher, gostaria de ter jogado com a torcida a nosso favor no Allianz. Sentimos saudade. Mas isso é algo que foge do nosso controle, temos que respeitar as autoridades. Sabemos que a torcida deles irá ajudá-los, mas temos que ir concentrados, porque quem resolve os problemas somos nós dentro de campo”, disse.

Ter a presença dos torcedores no estádio não será algo inédito para o Atlético-MG nesta edição da Libertadores, já que isso aconteceu na fase anterior, quando os mineiros enfrentaram o River Plate. Para o duelo frente ao Verdão, foram liberados cerca de 30% da capacidade total do Mineirão.

Raphael Veiga analisa o empate em 0 a 0

Sobre a partida, Raphael Veiga destacou a eficiência defensiva do Palmeiras e afirmou que o time soube se adaptar ao que o “jogo pedia”.

“A gente sabe que o Atlético-MG é uma equipe que gosta da posse e que por muitas vezes tenta atrair a gente para ganhar espaço na frente. Tivemos a leitura que fechar o meio era melhor. Uma pena que não encaixamos um contra-ataque, uma bola. Mas fomos sólidos e temos tudo para sairmos classificados”, analisou.

Ao ser indagado sobre o que o Verdão deve fazer no jogo seguinte para conseguir a classificação, Veiga foi direto: “Precisamos fazer gol. É simples e é isso que ganha jogo”, e depois prosseguiu: “Temos que ser inteligentes, saber jogar o jogo e não fazer de qualquer jeito. Nós temos a ciência da qualidade dos nossos adversários. Temos que ler bem a partida, entender os espaços e fazer um grande jogo para que nós consigamos a classificação”.

Para finalizar, o camisa 23 despistou sobre qual será a estratégia escolhida pelo clube no Mineirão, mas pediu um Palmeiras “intenso e competitivo”.

“Vamos rever o jogo de hoje [terça-feira] e ver o que podemos fazer. Isso é algo interno entre nós e a comissão técnica. Iremos comprar a ideia do que for passado para nós”, concluiu.

O duelo contra o Atlético acontecerá na terça-feira, às 21h30. Antes, porém, o Palmeiras terá pela frente o SCCP pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro; o clássico ocorrerá sábado no Itaquerão.