1
X
0

Pré-Jogo

Com o vice-líder sentindo cada vez mais o cheirinho de jogo contra o Tacuary, o Verdão recebe o Inter em um jogo quase decisivo para o destino da taça de campeão brasileiro. Em caso de vitória, o Verdão ficará muito perto do nono título, mas para isso, precisará passar por cima de um time que vem para buscar a vitória para fugir da ameaça do rebaixamento. São dois fortíssimos motivos para o Palmeiras vencer o jogo a qualquer custo.

Este será também o último jogo em que o Palmeiras não poderá vender ingressos para o Gol Norte do Allianz Parque, em consequência de punição imposta pelo STJD para ajudar o Flamengo.

DESFALQUES:
Lesionados
: Barrios, Rafael Marques e Roger Carvalho
Transição física: Fernando Prass e João Pedro
Suspenso: Moisés
Não relacionados: Vagner, Rodrigo e Vitinho

RELACIONADOS:
Goleiros: Jailson e Vinicius
Zagueiros: Edu Dracena, Yerry Mina, Thiago Martins e Vitor Hugo
Laterais: Egídio, Fabiano, Zé Roberto e Jean
Volantes: Matheus Sales, Arouca, Tchê Tchê, Gabriel e Thiago Santos
Meias: Allione, Cleiton Xavier e Fabrício
Atacantes: Alecsandro, Dudu, Erik, Gabriel Jesus, Leandro Pereira e Roger Guedes

Com o desfalque de Moisés, suspenso, é praticamente impossível, mais uma vez, acertar o time que Cuca mandará a campo. São dezenas de variações, e poderiam ser mais, não fossem as lesões de Rafael Marques e Barrios. De qualquer forma, o que podemos esperar é um Palmeiras bem diferente do que vimos em Santos, valorizando mais a posse da bola e tomando a iniciativa do jogo.

ADVERSÁRIO

A principal dúvida de Celso Roth é o aproveitamento de Vitinho, que se recupera de dores na coxa direita – se não puder jogar, Aylon vai para o jogo. Outra indefinição no setor é na meia, onde Valdívia e Eduardo Sasha brigam por uma vaga. Anderson deve permanecer no time, depois das boas atuações nos últimos jogos. O provável time é Danilo; Ceará, Paulão, Ernando e Geferson; Anselmo, Rodrigo Dourado, Anderson, William e Eduardo Sasha (Valdívia); Vitinho (Aylon).

Lei do EX: Fabrício e Alecsandro (Palmeiras).

PARPITE

O Inter tem a dificuldade extra de lidar com a recente eliminação na Copa do Brasil, de certa forma, dolorida. Tem também a pressão de lutar contra o rebaixamento. Mas a hora que a bola rolar isso deve desaparecer, e quem precisa entrar em campo com inteligência é nossa torcida. É final, temos que dar apoio o tempo todo, mesmo se tomarmos um gol cedo, sobretudo para Gabriel Jesus, que é nosso maior talento. E será com um gol dele e outro de Dudu que o Verdão vence o jogo: 2 a 0, para 31.789 pagantes.

VAMOS PALMEIRAS!

Pós-Jogo

Sob muita chuva, num jogo em que os nervos falaram mais alto que tática e técnica, o Verdão venceu o Inter no Allianz Parque pela contagem mínima e se aproximou muito da conquista do nono título brasileiro, abrindo seis pontos de vantagem para o Santos, que terá vantagem em caso de um eventual empate em pontos ganhos. Por isso, para a conquista, basta ao Palmeiras fazer sete pontos nos quatro jogos restantes, mesmo que nossos três perseguidores vençam todos os seus jogos.

Além disso, ao fazer nossa obrigação, mandamos o Inter de volta para a zona do rebaixamento. Sem dúvida, um belíssimo bônus.

PRIMEIRO TEMPO

Cuca apostou as fichas em Cleiton Xavier para coordenar as jogadas ofensivas; restabeleceu a titularidade de Roger Guedes e sacou Allione; fixou mais uma vez Gabriel Jesus no comando do ataque e Dudu fez o lado esquerdo. O Inter, por sua vez, veio com muita disposição para lutar pelo meio-campo, e Celso Roth escalou Alex para tentar as metidas de bola para Aylon. Mas os dois veteranos meias estavam em tardes pouco inspiradas; o campo molhado mantinha a bola muito viva e as marcações fortes dos dois lados faziam o jogo muito pegado no meio, com poucas escapadas de perigo. Assim, sobrou aos times as batidas de fora e as bolas paradas – algo cada vez mais comum neste campeonato.

Aos 5, a primeira chance: depois de uma bola alta em nossa área, Anderson pegou o rebote e tentou o arremate, mas sem direção. Aos 16, Tchê Tchê procurou Mina aberto na lateral da área; Paulão se apoiou no ombro de nosso zagueiro na disputa; a bola bateu na cabeça de Mina e no braço do zagueiro do Inter e saiu pela linha de fundo. Dudu bateu, a bola foi afastada da área mas Thiago Santos pegou a sobra e a jogou de volta na área; Cleiton Xavier, como um centroavante, aproveitou a bola viva e tocou na saída de Danilo, que nada pôde fazer. Explodiu o Allianz Parque.

O Inter, que fez cera em todas as chances que teve nos 15 primeiros minutos, passou a ter pressa, e naturalmente abriu um pouco mais o meio-campo; o Verdão passou então a bloquear o setor com mais vigor ainda para tentar conectar os ataques com velocidade. Mas Gabriel Jesus e principalmente Dudu estavam em tardes muito ruins, cabendo a Roger Guedes articular nossas jogadas mais interessantes.

Aos 30, o Inter teve uma falta do lado esquerdo; na jogada ensaiada, a bola foi puxada mais para a esquerda e Alex tentou bater por fora da barreira – a bola triscou a bochecha da rede, com muito perigo. Roger Guedes acabou sentindo, pouco depois, uma pancada no quadril, mas mesmo assim arrumou um escanteio perto do fim do primeiro tempo. Dudu bateu e Vitor Hugo, no oitavo andar, testou firme, na gaveta, mas Danilo Fernandes fez uma defesa de placa e evitou o segundo gol.

SEGUNDO TEMPO

Não deu mesmo para Roger Guedes, que deu lugar a Alecsandro – Gabriel Jesus caiu pelo lado direito. Ceará, do Inter, também sentiu lesão e Eduardo Sasha entrou sem eu lugar – William, que estava deslocado pela meia, voltou a sua posição de origem. Mas mesmo com as mudanças, o jogo seguiu igual ao primeiro tempo, muito congestionado no meio e bastante picotado.

Aos 8, Dudu perdeu a bola de forma tola e deu o contra-ataque para Anderson, que arrancou com muita velocidade com campo aberto; perseguido por três palmeirenses, ele entrou em nossa área mas Jean conseguiu um toque que colocou a bola em seu pé direito, que não é o bom – a conclusão acabou saindo por cima.

Cleiton Xavier sentiu lesão no ombro e pediu para sair – Fabiano entrou para fazer o lado direito, e Jean subiu para reforçar a marcação no meio-campo; Tchê Tchê, o mais inspirado do Palmeiras juntamente com Vitor Hugo, passou a coordenar os ataques.

A bola seguia queimando no pé dos jogadores dos dois times. Sem uma sequência de 3 ou 4 passes, a posse mudava de lado muito rápido – melhor para o Palmeiras, que seguia na frente no placar. Aos 24, depois de ótima troca de passes que passou por quase todo o setor ofensivo, Fabiano bateu de chapa, com a perna esquerda, buscando o ângulo direito de Danilo, mas a bola saiu por muito pouco.

O Inter respondeu aos 35 em lance muito parecido: em bola rebatida, Diego, que havia entrado no lugar de Aylon, bateu de curva, buscando o ângulo esquerdo de Jailson, que só torceu. O Palmeiras então passou a cozinhar o jogo, mesmo com apenas um gol de frente, colocando a vitória em risco. Mas o Inter mostrou por que está na zona do rebaixamento e não ameaçou nosso gol, apelando apenas para os chuveirinhos desordenados.

O Palmeiras foi quem mais esteve perto de ir às redes mais uma vez, aos 41: Tchê Tchê brigou, soltou para Jean que deu uma linda enfiada para Gabriel Jesus; dentro da área, de frente, ele tocou no canto, mas Danilo Fernandes fez mais uma defesa espetacular, dando um tapinha na bola que bateu na trave; Tchê Tchê ainda tentou aproveitar o rebote mas Danilo fechou o ângulo e tocou a escanteio. E assim terminou o jogo.

FIM DE JOGO

Impressionante a demonstração de foco do grupo após o apito final. Todos se reuniram em nossa área e se fecharam mais ainda para não deixar que o bom resultado dê a falsa ilusão de conquista. Ainda faltam sete pontos e todos parecem ter total consciência de que se todos os passos não forem dados, não se chega a lugar algum.

Cuca terá onze dias para preparar o time para a sequência final. O Atlético tropeçou de novo e está a dez pontos do Palmeiras, com 12 pontos em jogo – o título já parece fora de alcance. Mesmo a vaga no G3 para pular a primeira fase da Libertadores, ficou mais complicada após a rodada. É bastante provável que Marcelo Oliveira não arrisque lesionar seus titulares no jogo do dia 17. Mesmo a torcida do Atlético deve guardar seus cobres para a final da Copa do Brasil, que deve vir com um preço salgado. O jogo deve ser bem menos hostil do que a tabela sugere – mas devemos nos preparar como se fosse o jogo da vida deles. Falta pouco. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Palmeiras

GOL
Jailson
LAD
Jean
ZAG
Mina
ZAE
Vitor Hugo
LAE
Zé Roberto
VOL
Thiago Santos
MEI
Gabriel
VOL
Tchê Tchê
MEI
Cleiton Xavier
LAD
Fabiano
MEI
Dudu
MEI
Roger Guedes
ATA
ATA
Gabriel Jesus
TÉCNICO
Cuca

Internacional

GOL
Danilo Fernandes
LAD
Ceará
ATA
Eduardo Sasha
ZAG
Paulão
ZAE
Ernando
LAE
Géferson
VOL
Anselmo
VOL
Rodrigo Dourado
MEI
William
MEI
Alex
MEI
Valdivia
MEI
Anderson
ATA
Aylon
ATA
Diego
TÉCNICO
Celso Roth

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
0
Jean
0
Mina
0
Vitor Hugo
0
Zé Roberto
0
Thiago Santos
0
Gabriel
0
Tchê Tchê
0
Cleiton Xavier
0
Fabiano
0
Dudu
0
Roger Guedes
0
0
Gabriel Jesus
0
Cuca
Cuca
s/n