Com queda nos preços, Palmeiras anuncia pré-venda para o jogo contra o Internacional

A torcida do Palmeiras em jogo contra o Red Bull Bragantino, durante partida válida pela vigésima quinta rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Palmeiras poderá ter Allianz Parque com 50% da capacidade de público

O Palmeiras anunciou na manhã desta quarta-feira, que o início da venda de ingressos para o jogo contra o Internacional, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, será na quinta-feira a partir das 10h.

Como de costume, os sócios Avanti terão prioridade na compra até às 10h de sexta-feira, dia 15, quando a comercialização para o público em geral começará.

Para o confronto contra os gaúchos, alguns setores do estádio tiveram uma redução no preço dos ingressos em relação ao duelo anterior, diante do Red Bull Bragantino.

Tabela com os valores/descontos dos ingressos de acordo com os planos para sócios Avanti divulgado pelo site oficial do Palmeiras.
Reprodução

Para adquirir os ingressos, os torcedores terão que anexar o comprovante da vacinação completa contra a Covid-19. As pessoas que receberam apenas a primeira dose, podem ir ao estádio desde que com teste antígeno negativo feito 24 horas antes da partida ou com teste RT-PCR negativo feito em até 48 horas antes do jogo. O uso de máscara é obrigatório.

Carga disponibilizada para o jogo entre Palmeiras e Inter será maior

De acordo com o protocolo de segurança estabelecido pelo Governo de São Paulo, o Allianz Parque poderá receber 50% da sua capacidade total; aproximadamente 22 mil pessoas. Contra o Bragantino, que marcou o retorno do público, foram disponibilizados cerca de 13.500 ingressos (30%), e 8.884 foram vendidos.

Palmeiras e Internacional se enfrentam no próximo domingo, às 16h. Vindo de cinco jogos sem vencer no Brasileirão, o Verdão precisa da vitória para continuar na briga por uma vaga no G4, que dá a vaga direta para a Libertadores do ano que vem.

Abel chama para si a responsabilidade da derrota e admite: “Estamos mal”

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Red Bull Bragantino, durante partida válida pela vigésima quinta rodada do Campeonato Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

De ponto positivo, Abel Ferreira elogiou a postura da torcida do Palmeiras

No jogo em que marcou o reencontro da torcida do Palmeiras com o time no Allianz Parque, o Verdão sofreu uma dura derrota por 4 a 2 para o Red Bull Bragantino e estacionou nos 39 pontos. Depois da partida, em entrevista coletiva, o técnico Abel Ferreira assumiu a culpa pelo resultado e fez questão de enaltecer o esforço dos jogadores.

“Estamos mal. É um momento de dor para quem gosta do Palmeiras. Queremos mais e melhor da equipe. Os jogadores deram tudo. Cometemos erros? Sim. Mas colocaram em campo tudo que podiam e tinham. Tentamos, poderíamos ter feito o 3 a 3 logo na sequência do segundo gol, mas a verdade é que o primeiro gol que sofremos espelhou um pouco do que tem sido os nossos erros em jogos passados”, disse.

“O maior culpado sou eu. Eu que escolho os que estão disponíveis para jogar. Os erros deles são os meus erros. Sim, tivemos falhas, mas o maior responsável sou eu”, acrescentou.

O Bragantino abriu 3 a 0 em 35 minutos de jogo. Dudu, no final do primeiro tempo, descontou para o Verdão e Raphael Veiga, aos 16 do segundo, diminuiu para 3 a 2 e devolveu esperança ao torcedor. Entretanto, o visitante chegou ao quarto gol nos minutos finais com Artur e sacramentou a vitória.

Os quatro gols sofridos deixaram o Palmeiras como a terceira pior defesa do Campeonato Brasileiro. Apenas Chapecoense e Bahia foram vazados mais vezes.

“Nos dois primeiros chutes deles, saíram dois gols. Isso deixa para baixo qualquer equipe. Sempre corremos atrás, conseguimos descontar ainda no primeiro tempo. No intervalo eu pedi calma aos jogadores, nós tínhamos o público a nosso lado, era fazer mais um gol até os 15 minutos [do segundo tempo] para entrar na partida outra vez. E foi isso que fizemos”, declarou.

“Mas o que adianta dizer se colocamos três bolas na trave, se o goleiro adversário fez mais três defesas, finalizamos 18 vezes, e perdemos por 4 a 2. Mesmo hoje tendo muitas ausências, temos que assumir o mau momento e estar todos juntos. ‘Todos somos um’ é na boa e na ruim. Ainda falta muito para o final e temos uma Libertadores para conquistar. Os jogadores sabem que podem fazer mais e melhor. Quando as coisas não estão bem, é preciso focar e trabalhar mais. É assim no futebol, como na vida”, completou.

Abel elogia postura da torcida

Mesmo com o time perdendo o jogo por três gols, a torcida do Palmeiras não parou de apoiar a equipe. As críticas e as vaias apareceram assim que o juiz Rafael Traci decretou o fim da partida.

Sobre a postura dos palmeirenses, Abel Ferreira foi só elogios:

“Essa torcida ganha jogos. Nós com um elenco ‘top’, com eles nos empurrando igual hoje, ganhamos os jogos. Não é normal nós estarmos perdendo por 4 gols, que é uma vergonha, e eles continuarem ajudando. Acredito que eles viram que estávamos tentando o máximo, que demos o melhor. E no fim, eu aceito as críticas, porque não fizemos um bom jogo. O que eu quero dos torcedores é o que aconteceu hoje: nos apoiaram o jogo todo e no final nos cobraram. Eles apoiaram durante os 90 minutos”, enalteceu.

Para finalizar, o comandante falou sobre as chances de título do Palmeiras no Campeonato Brasileiro.

“É preciso ser realista. O Atlético-MG e o Flamengo estão muito bem e, neste momento, o Palmeiras não está forte. Estamos atravessando um mau momento. Agora, temos que nos lembrar que teremos um jogo importantíssimo no dia 27 e são esses jogos [do Brasileirão] que irão nos preparar até lá. Com esses jogadores. Somos o Palmeiras, jogue quem jogar, seja mais experiente ou mais novo, é o Palmeiras que está jogando e temos responsabilidades”, finalizou.

Sem muito tempo para lamentar a derrota, o próximo jogo do Palmeiras acontecerá na terça-feira, contra o Bahia, fora de casa, às 21h30.

Palmeiras reencontrará sua torcida no Allianz Parque após 57 partidas

Torcida do Palmeiras retornará ao Allianz Parque após 57 jogos. Nesse sábado, dia 09/10, a arena Allianz Parque voltará a receber a torcida do Palmeiras.
Reprodução

Última vez que o Palmeiras contou com a presença do seus torcedores no Allianz Parque foi em março do ano passado

A espera, enfim, vai acabar. Depois de 578 dias, ou 57 jogos com o Allianz Parque vazio, a torcida do Palmeiras poderá novamente assistir ao time das arquibancadas do estádio. O jogo que marcará o reencontro acontecerá amanhã, às 21h, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, contra o Red Bull Bragantino.

Campeão de três campeonatos na temporada passada (Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Libertadores), o Verdão contará com a ajuda do seu torcedor num dos momentos mais delicados de 2021. Vindo de uma derrota para o América-MG por 2 a 1, o Palmeiras atravessa uma sequência de três jogos sem vitória no Brasileirão com uma visível queda de rendimento dentro de campo.

No último jogo do Palmeiras no Allianz Parque, diante do Juventude, o técnico Abel Ferreira comentou que acredita que a torcida terá um papel fundamental na concentração dos jogadores – vale ressaltar que, desde que chegou ao clube, o comandante nunca contou com a presença dos palmeirenses no estádio.

“Estou ansioso para ver o Allianz Parque com torcida. Acredito que eles tirarão metade do meu trabalho de ter que, no início do jogo, colocar os jogadores em alerta. Estou ansioso para que voltem, os torcedores são a alma do futebol. É um ambiente espetacular, que venham ajudar, apoiar, criticar. Gosto de ter estádio cheio porque os torcedores ajudam a avaliar o desempenho de todos nós”, disse ele.

Além de Abel, o atacante Breno Lopes, herói do bicampeonato da Libertadores, também é outro personagem importante da histórica temporada de 2020 que verá o Allianz Parque com torcida pela primeira vez. Última contratação do clube no ano passado, o camisa 19 tem 46 jogos pelo Verdão (sendo metade deles na casa palmeirense) e nove gols marcados.

Durante todo o período que atuou com os portões fechados, o aproveitamento do Palmeiras em seus domínios foi de 64%: 32 vitórias, 14 empates e 11 derrotas, com 110 gols a favor e 48 contra, além dos troféus da Copa do Brasil e do Paulistão levantados.

Além de Breno Lopes, outros sete jogadores do atual elenco ainda não ouviram os gritos da torcida do Verdão no estádio: Renan, Danilo, Wesley, Kuscevic, Danilo Barbosa, Jorge e Piquerez.

No último jogo do Palmeiras com torcida no Allianz Parque, Luiz Adriano foi o nome da partida

Luiz Adriano comemora um dos seus 3 gols marcados pelo Palmeiras contra o Guaraní-PAR, durante primeira partida válida pela segunda rodada, fase de grupos da Libertadores 2020, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Com Vanderlei Luxemburgo como técnico, o último jogo do Palmeiras no Allianz Parque com presença de torcida aconteceu em 10 de março de 2020. Pela segunda rodada da primeira fase da Libertadores, a equipe recebeu o Guaraní e venceu por 3 a 1 – o grande nome da partida foi Luiz Adriano, que marcou três gols.

Artilheiro do time na temporada passada, com 20 bolas na rede, o camisa 10 vive um momento bem diferente do daquela noite de 10 de março. Com dois gols anotados nos últimos quatro meses, o atacante não vai às redes no Allianz Parque há oito jogos, maior seca desde que foi contratado pelo Palmeiras.

Apesar disso, Luiz ainda mantém o posto de ser o segundo atacante com a melhor média de gols no estádio: 0,36 (15 tentos em 41 partidas) – apenas Borja, com média de 0,38 (19 gols em 50 jogos), está à sua frente.

Governo de SP antecipa retorno do público aos estádios; Palmeiras pode receber torcida no dia 9

Governo de São Paulo antecipa retorno do público aos estádios! A arena Allianz Parque voltará a ficar lotada pela torcida do Palmeiras.
Ag.Palmeiras

Na próxima terça-feira, dia 28, a CBF se reunirá com os clubes da Série A para sacramentar o retorno do público

O governador de São Paulo, João Dória, anunciou em sua conta oficial no Twitter que o Governo do Estado decidiu autorizar a volta do público aos estádios de futebol paulistas a partir do dia 4 de outubro. Inicialmente, a previsão era para 1º de novembro.

De início, os clubes poderão receber 30% da capacidade dos estádios; já a partir do dia 15 a previsão é que este número suba para 50% e, em 1 de novembro, a ideia é que os estádios já estejam recebendo 100% da capacidade. No caso do Palmeiras, 30% do Allianz Parque representam aproximadamente 13 mil pessoas.

De acordo com o protocolo, os clubes terão que exigir dos torcedores um comprovante com esquema vacinal completo. Para aqueles que receberam apenas a primeira dose, será preciso apresentar um teste negativo com validade de 48 horas para o tipo PCR ou de 24 horas para os de antígeno. O uso de máscara será obrigatório.

CBF promoverá Conselho Técnico entre os clubes da Série A para debater o retorno do público

Palmeiras 3x1 Guaraní-PAR
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

No próximo dia 28, a CBF promoverá um conselho técnico para debater o retorno do público com todos os clubes da Série A do Brasileirão.

Caso o conselho referende a decisão, o Palmeiras poderá reencontrar sua torcida no dia 9 de outubro, quando enfrentará o Red Bull Bragantino, pela 25ª rodada – a última vez que o Verdão jogou com público no Allianz Parque foi em 10 de março do ano passado, na vitória por 3 a 1 sobre o Guaraní-PAR.

A torcida, no entanto, ainda precisa conter a ansiedade e ficar atenta, já que há a possibilidade da partida ser adiada por conta da rodada tripla das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Catar.

Após duas partidas, Palmeiras já é bastante cobrado. É justo?

Palmeiras 2x1 Água Santa
César Greco/Ag.Palmeiras

O futebol voltou no estado de São Paulo depois de mais de quatro meses de paralisação devido à pandemia da Covid-19. Após duas rodadas disputadas – as duas que restavam para ser concluída a fase de classificação – foram definidas as oito equipes que disputarão o título do campeonato paulista.

Mesmo perdendo o Derby na reabertura dos trabalhos, o Palmeiras conseguiu ultrapassar o Santo André e se classificou em primeiro lugar no grupo, o que garantiu ao Verdão o mando da partida nas quartas-de-finais. Mas o futebol apresentado deixou a desejar nas duas partidas, causando apreensão em boa parte da torcida.

Diante do SCCP o Palmeiras teve 61% de posse de bola no segundo tempo, após as instruções de Luxemburgo no intervalo, mas não conseguiu reverter a vantagem no placar do adversário. O grande nome do jogo foi o goleiro rival. Já ontem, contra o Água Santa, a posse de bola chegou a absurdos 83% no primeiro tempo, mas o time tampouco conseguiu chegar às redes de Giovanni. A virada só veio quando o time entrou em modo desespero, após sofrer um gol inacreditável.

A dificuldade que o time mostra para converter a posse de bola em gols assusta. Nas redes sociais já é possível notar termos como “mais um ano perdido” e quetais. Será que é para tanto?

Aprender a ganhar e também a perder

SCCP 1x0 Palmeiras
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O pânico que se instala tem muito a ver com o resultado no Derby. O estrago causado por uma derrota no confronto contra nosso principal adversário é conhecido há décadas e nossa torcida não consegue se livrar desse efeito colateral.

Ninguém gosta de perder Derby e não se trata de pregar a indiferença ao resultado. Mas não podemos deixar que isso tenha um efeito tão prolongado.

Precisamos aprender a ganhar Derbies no campo tanto quanto precisamos aprender a perdê-los fora deles. A História mostra que as duas coisas acontecem em proporções idênticas.

A perspectiva fatalista que é traçada hoje devido aos resultados das duas primeiras partidas após quatro meses é absolutamente desproporcional. Foram apenas dois jogos e exige-se que o time esteja voando. É irreal.

Basta olhar ao redor

É claro que notamos ajustes a serem feitos nestes dois jogos. A saída de bola ainda precisa ser aprimorada. As jogadas pelos flancos podem ser mais frequentes, sobretudo usando os laterais, para furar retrancas.

As trocas de passes precisam ser mais ágeis. Nosso time ainda não consegue equilibrar disciplina tática e jogo pensado com rapidez e agressividade. A demora em se decidir o que fazer com a bola permite ao adversário se posicionar melhor e a barreira fica mais difícil de ser rompida.

César Greco/Ag.Palmeiras

Isso tende a vir com o tempo. Uma boa ocupação de espaços de forma coordenada é resultado de tempo. E ainda não houve tempo para que esse estágio fosse atingido, nem para nós, nem para ninguém.

Basta dar uma olhada a nosso redor. Nenhum dos grandes paulistas está jogando melhor que o Palmeiras; todos ainda estão brigando com a falta de ritmo e com a busca pelo melhor preparo físico, ainda com o entrosamento ainda em estágio inicial.

O único time que parece um pouco mais avançado é o Red Bull Bragantino – não por coincidência, o time da empresa de energéticos deu um jeitinho de furar a quarentena e recomeçou os treinos antes dos outros times.

E se ampliarmos um pouco o alcance do radar, constatamos que nos outros grandes centros tampouco há alguém jogando realmente bem nessa volta pós pandemia.

Todos estão com problemas e é natural que a diferença entre os times que se destacarão no Brasileirão e os que serão figurantes, neste momento, ainda não esteja pronunciada.

O Palmeiras precisa que a torcida, mesmo ausente dos estádios, seja um ponto de apoio do time. Cobramos que nossos jogadores sejam melhores que os dos adversários, mas não nos esforçamos para sermos melhores que as outras torcidas.

Entender o contexto da temporada, fazer as cobranças de forma equilibrada e ter maturidade para absorver rápido o impacto de uma derrota num Derby são alguns dos pilares desse esforço.

VAMOS PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.