Após empate, João Martins faz duras críticas à arbitragem

João Martins em jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG, durante partida válida pela trigésima quinta rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

A três dias da final da Libertadores, João Martins falou também da preparação da equipe e dos desempenhos dos jogadores reservas

O Palmeiras entrou em campo na noite desta terça-feira para enfrentar o Atlético-MG, pela 35ª rodada do Brasileirão, com um time totalmente alternativo. Até no banco de reservas o Verdão teve mudança, já que Abel Ferreira estava suspenso e foi substituído por seu auxiliar, João Martins.

Com gols de Wesley, aos 27 minutos do primeiro tempo, e Deyverson, aos 11’ da etapa final, o Palmeiras empatou com o Galo em 2 a 2. Ao final da partida, em entrevista coletiva, João Martins fez duras críticas à arbitragem por não anular o gol de Hulk (Nacho estava impedido e atrapalhou Jailson), que foi muito semelhante ao tento invalidado de Patrick Paula pela arbitragem de Fortaleza e Palmeiras.

“Precisamos falar do lance do segundo gol do Atlético-MG. Como é possível nós sermos prejudicados pelo terceiro jogo seguido, essa é a realidade. Admitimos no final do jogo contra o Ceará que o gol do Patrick foi bem anulado, mas hoje o gol do Hulk também deveria. São coisas incompreensíveis. O VAR só funciona às vezes”, disparou.

“Além disso, no pênalti ao nosso favor, como que um árbitro perto do lance não vê que o jogador colocou a mão na bola. Depois, no VAR, ele tentou ao máximo ver se estava dentro da área. Por último, o assistente, no primeiro tempo, assinalou diversas faltas laterais para o adversário. Já no segundo, quando éramos nós atacando ao seu lado, disse que quem marca falta é o juiz. É melhor rir do que chorar”, acrescentou.

Sobre a partida, o auxiliar lamentou as chances desperdiçadas e elogiou o desempenho de Danilo Barbosa, Gabriel Menino e Patrick de Paula.

“O que faltou para sairmos com a vitória hoje? Fazer os gols nas boas oportunidades que tivemos e o árbitro anular o gol que foi mal validado. Jogamos contra a equipe mais forte do campeonato e precisamos nos adaptar. O Danilo Barbosa jogou de zagueiro e foi bem. Colocamos dois volantes [Patrick de Paula e Gabriel Menino] para controlar um pouco mais a nossa largura defensiva e conseguimos”, analisou.

João Martins fala da preparação para a final

Questionado sobre a preparação da equipe para a decisão e se algum dos reservas ganharam mais pontos com a comissão técnica, o auxiliar afirmou que o mais importante é que todos estejam prontos.

“Dissemos aos jogadores para eles se prepararem individualmente e um pouco coletivamente para o jogo de sábado. Queremos que todos estejam no mesmo nível, todos são fundamentais. E [para] eles usarem a partida de hoje para se prepararem fisicamente e mentalmente”, contou.

“Teremos quatro dias para trabalhar e temos a noção que todos darão o melhor para ajudar a equipe. Só 11 entram em campo e nem todos podem iniciar, mas podem entrar [durante o jogo] e o que a gente quer é que todos ajudem, nem que seja para apoiar o colega que irá a campo”, finalizou.

O Palmeiras viaja amanhã a Montevidéu e fará seus treinamentos no estádio Gran Parque Central, que pertence ao Nacional. O reconhecimento do gramado no estádio Centenário, palco da final, acontecerá na sexta-feira à tarde.