0
X
3

Pré-Jogo

Pré-jogo Novorizontino x Palmeiras

Na noite deste sábado, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita o Grêmio Novorizontino, na partida de ida das quartas-de-finais do Paulistão 2018. Depois de garantir a melhor campanha na fase de classificação e de garantir o mando na volta até nas eventuais semifinais, o Verdão busca avançar na competição com vitórias, para garantir também o mando nas possíveis finais.

Palmeiras

DESFALQUES
Trabalho físico:
Diogo Barbosa
Tapetada: Gustavo Scarpa
Lesionados:
Mayke, Jean, Artur e Deyverson
Não inscritos:
Mayke, Jean, Pedrão e Hyoran

Roger Machado já adiantou na coletiva de ontem que deve manter o time que vinha jogando – mesmo antes de sair a rescisão de Gustavo Scarpa no BID ele continuaria na reserva. Sem problemas de suspensão e com todos os cartões zerados, o Verdão vai de Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo e Bruno Henrique; Willian Bigode, Lucas Lima e Dudu; Borja

Novorizontino

Doriva também poupou seus titulares na última partida da fase de grupos e vem com o time descansado e limpo nos cartões. Conforme pontuado ontem, nenhum jogador de 2018 estava no time de 2017, que também enfrentou o Verdão nesta mesma fase do campeonato.

Sem previsão de novidades, o Novorizontino deve entrar em campo com Oliveira; Tony, Anderson Salles, Éder Ferreira e Thallyson; Adilson Goiano, Jean Patrick e Jean Carlos; Cleo Silva, Alisson Safira e Juninho.

Retrospecto

Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Novorizontino
Novorizontino
Jorge Ismael de Biasi
Jorge Ismael de Biasi
Flavio Rodrigues de Souza
Flavio Rodrigues de Souza
Taça Campeonato Paulista
Campeonato Paulista

 

Parpite

O Verdão deve ter pela frente um time que joga aberto, vindo pra cima e tentando aproveitar o potencial de Alisson Safira, artilheiro do time com 4 gols. Contra um time que vem pra cima, nosso time deve impor sua maior categoria, mesmo com um gramado que tende a sofrer com as chuvas – e a previsão para este sábado em Novo Horizonte é de chuvas por toda a tarde e início da noite. Repetindo o placar de 2017: Novorizontino 1×3 Palmeiras, com dois gols de Borja e um de Marcos Rocha, para 9.432 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

PFCPFC e PFCI  (Milton Leite e Wagner Vilaron)

Pós-Jogo

Novorizontino 0x3 PalmeirasCesar Greco / Ag.Palmeiras

Num jogo em que os dois times sofreram bastante com o calor e a umidade, o Palmeiras conseguiu mostrar muita eficiência e bateu o Novorizontino por 3 a 0 no Jorge Ismael de Biasi e praticamente garantiu a classificação para as semifinais do Paulistão – algo que só não vai acontecer se o time do interior reagir de forma espetacular e fazer algo que ninguém fez nos 100 jogos no Allianz Parque: marcar quatro gols.

PRIMEIRO TEMPO

Ao contrário do que dizia a previsão do tempo, o dia em Novo Horizonte foi de tempo claro e o gramado, ao menos, estava em boas condições para se jogar bola. Sem novidades na escalação, o Verdão entrou em campo cauteloso, esperando a definição da forma com que o Novorizontino, segundo melhor ataque do campeonato, se comportaria – e o que se viu foi o time da casa, conforme esperado, buscando o jogo.

Aos sete minutos, após cruzamento da direita, Jean Carlos aproveitou falha da defesa – Marcos Rocha estava com dois – e escorou buscando o cantinho direito, mesmo com pouco ângulo – Jailson estava bem colocado e apenas viu a bola passar à sua direita; ela ainda bateu na trave.

O Palmeiras chegou pela primeira vez aos 11: Borja escorou o lançamento longo para o meio, onde estava Willian Bigode, que bateu de chapa, mas a bola ficou na zaga. Aos 14, após falta da esquerda no segundo pau, Alisson Safira entrou por trás da zaga e testou firme, buscando o canto direito de Jailson – a bola saiu raspando. O Palmeiras respondeu no minuto seguinte, após troca de passes no ataque, Willian recolheu, puxou para a perna esquerda e disparou – a bola parou em Lucas Lima, que estava na marca do pênalti tentando pegar o rebote.

O jogo estava bastante aberto, com a bola parando pouco na faixa central do gramado. O Palmeiras então tentou tirar a velocidade do jogo e rodou a bola por muito tempo, até Lucas Lima cruzar da direita para Borja, na área; Tony chegou por trás e deu um tranco no colombiano: pênalti indiscutível, que o juiz assinalou. Dudu bateu com força no canto direito, Oliveira foi na bola mas não alcançou.

O Novorizontino se arreganhou após o gol e deixou espaços. Aos 22, Marcos Rocha fez um lançamento longo para Borja; a bola quicou e encobriu o zagueiro, ficando à mercê do colombiano, que podia ter feito um golaço mas pegou de canela na bola, que saiu rolando pela lateral. Passou vergonha.

Aos 23, Willian tabelou com Borja e desceu em velocidade pela esquerda; invadiu a área, cortou o zagueiro e bateu cruzado, buscando o canto esquerdo de Oliveira, que se esticou e defendeu parcialmente; Victor Luis chegou para tentar aproveitar o rebote mas a zaga aliviou.

O Verdão então diminuiu muito a cadência do jogo, até pelo forte calor. Pouca coisa aconteceu além dos dois times alternando trocas de passes e cometendo muitos erros. Em ritmo morno, a partida caminhou até o final do primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Logo aos 27 segundos, Bruno Henrique lançou Willian em velocidade; ele partia em direção ao gol em posição legal, mas o bandeirinha tratou logo de marcar impedimento. Aos seis, Borja tentou um chute de longa distância e mandou a bola fora do estádio.

Aos sete, o Novorizontino armou um contra-ataque rápido pela esquerda; Juninho acionou Thallyson, que cruzou no primeiro pau; Safira cabeceou com força, no ângulo, mas Jailson saltou e esticou o braço direito para mandar a escanteio – uma defesaça. O time da casa se animou e no minuto seguinte Thallyson cruzou no segundo pau; Safira ganhou de Victor Luis e a bola sobrou para Cleo Silva, que se esticou para tentar escorar para o gol, na sápida de jailson; ele não pegou em cheio na bola e Victor Luis interceptou a bola que se arrastava em direção ao gol.

Parecia que o time da casa ia manter a pressão, mas o Palmeiras respondeu rápido: Marcos Rocha desceu em velocidade e inverteu o jogo; Borja deixou a bola passar e ela se ofereceu para Willian, livre; ele dominou e tocou na saída do goleiro, mas a bola saiu por pouco – um erro crasso de finalização.

Aos 16, depois do chutão de trás, Lucas Lima enxergou Dudu fazendo o facão e enfiou; o capitão entrou de carrinho e tocou de bico; a bola explodiu no peito de Oliveira. E depois do octogésimo quinto erro grosseiro de Borja, Roger mandou Keno a campo em seu lugar – Willian passou a jogar mais enfiado. Pouco depois, Lucas Lima deu lugar a Guerra.

O jogo seguia em banho-maria até os 31, quando Keno acertou um belo lançamento para Willian, que mais uma vez aproveitou o enorme espaço deixado pela defesa do Novorizontino e saiu na cara do goleiro; ele aproveitou a bola pingando para fazer uma finta de corpo no goleiro e tocou para o gol vazio.

Mesmo com o gol sofrido, o Novorizontino não conseguia reagir, possivelmente sofrendo muito com o calor – o Palmeiras aproveitava e fazia o relógio passar. O time da casa chegou de novo aos 41, numa boa cabeçada de Alisson Safira pra fora.

Aos43, o Palmeiras chegou ao terceiro e jogou a pá de cal sobre o time da casa: Marcos Rocha cruzou; Willian disputou com a zaga e a bola se apresentou para Keno macia, gostosa, pedindo “me chuta, me chuta, me chuta”; Keno encheu o pé, sem chances para Oliveira. O Novorizontino ainda tentou o gol de honra aos 45, com Magno Alves, num bom chute de média distância, mas Jailson estava lá para acabar com a graça. E o jogo acabou

FIM DE JOGO

O placar não refletiu o que foi o jogo, mas ninguém pode dizer que foi injusto, afinal, o Palmeiras foi eficiente aproveitou as chances que teve e não houve interferência da arbitragem. Com o placar construído e com o forte calor, parece natural que o time tenha jogado numa intensidade abaixo do que a que estamos acostumados.

Desde que nos jogos grandes nossos jogadores mostrem que são capazes de impor um ritmo forte, mesmo sob um calor equatorial, nos jogos grandes e decisivos, um jogo mais moderado como o desta noite não incomoda – claro, apoiado num placar de 3 a 0; caso o resultado não tivesse sido tão satisfatório, a compreensão da torcida com o ritmo mais lento não seria a mesma. Que venha o jogo da volta e VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Novorizontino

GOL
Oliveira
LAD
Tony
ZAG
Anderson Salles
ZAE
Éder Ferreira
LAE
Thallyson
VOL
Adilson Goiano
VOL
Lucas Siqueira
MEI
Everton
MEI
Jean Carlos
ATA
Magno Alves
ATA
Cleo Silva
ATA
Alisson Safira
ATA
Juninho
ATA
Francis
TÉCNICO
Doriva

Palmeiras

GOL
Jailson
LAD
Marcos Rocha
ZAG
Antônio Carlos
ZAE
Thiago Martins
LAE
Victor Luis
VOL
Felipe Melo
VOL
Moisés
VOL
Bruno Henrique
MEI
Willian Bigode
MEI
Lucas Lima
MEI
Guerra
MEI
Dudu
ATA
Borja
MEI
Keno
TÉCNICO
Roger Machado

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Uma defesaça e outras boas participações. Tem futuro, esse garoto.
8
Marcos Rocha
Parece que está em seu oitavo ano no Palmeiras.
8
Antônio Carlos
Muito exigido no jogo aéreo, seu ponto forte; ganhou algumas mas perdeu outras.
6
Thiago Martins
Passou alguns apertos com o tal de Cleo Silva.
5.5
Victor Luis
Já passou da fase de ser chamado de "ex-menino da base". Está jogando como gente grande.
7
Felipe Melo
Partida correta, com a virilidade na medida exata.
6.5
Moisés
Com ele à frente da zaga a saída de bola sempre melhora - pena que mal utilizada pelo resto do time.
6
Bruno Henrique
Ótima partida, com um grande senso de colocação e fugindo à regra dos erros de passes.
7.5
Willian Bigode
Participou demais do jogo, respondeu como se o Gustavo Scarpa ainda estivesse o ameaçando. Errou dois gols feitos, mas participou decisivamente de outros dois.
7.5
Lucas Lima
Sumidão, teve momentos de brilho isolados.
6.5
Guerra
Mal pegou na bola.
s/n
Dudu
Bateu o pênalti muito bem e perturbou a defesa do Novorizontino - sem grande brilho.
7
Borja
Uma boa participação num lance no início do jogo, sofreu o pênalti e só. Seu melhor lance foi quando decidiu não pegar na bola e ela ficou com Willian.
4
Keno
Dois lances decisivos: o lançamento para Willian no segundo gol e a finalização no terceiro. Ainda bem, porque de resto errou exatamente tudo.
6
Roger Machado
Roger Machado
Escalou sem inventar, mexeu certo e mostrou muita insatisfação com o ritmo lento do time. Gostamos.
8