Não gostamos de futebol; gostamos mesmo é do Verdão

Derby - Daronco
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

O Campeonato Brasileiro de 2017 tende a terminar com mais um asterisco. Não será novidade: muitos Brasileirões já foram decididos de forma “não-convencional”, mesmo nos pontos corridos. De cabeça, sem forçar muito, podemos mencionar os títulos de 1974, 1978, 1986, 1995, 2005, 2008 e 2009 como direcionados por movimentações extra-campo. E se puxarmos pela memória, a lista certamente aumentará.

Sempre haverá quem alegue que isso é choro de perdedor. Pode até ser. Mas as evidências estão aí: o roubo de Héber Lopes no gol de Borja, ao melhor estilo Carlos Simon, seguido pela operação no Derby, num jogo decidido num pênalti inventado por Jô, que ele mesmo converteu – o atacante do SCCP nem deveria ter jogado, já que deveria ter sido expulso na rodada anterior ao chutar um adversário.

O futebol desperdiçou uma história espetacular

Heber Roberto LopesO Palmeiras vinha de uma desvantagem de 17 pontos na rodada 22, numa arrancada que tendia a zerar a diferença na rodada 32 e culminar com o decacampeonato. Houve quem dissesse que era por obra do “Esquema Crefisa” – os mesmos que lançaram falsas polêmicas nos dias que sucederam o Derby, para tirar o foco do escândalo. Desculpem, não somos burros; não queremos saber de polêmicas com Clayson, com Neto ou com Chico Lang, e sim que parem de nos roubar.

O fato é que o Palmeiras, mesmo com uma troca de técnico, havia engrenado e o futebol estava prestes a ganhar uma incrível história de virada e superação. Assim como a virada do Vasco na final da Mercosul de 2000 é um episódio grandioso da história do esporte, o título do Palmeiras em 2017 seria um evento a ser lembrado por gerações a fio.

Mas o futebol e seus meandros parecem mesmo é gostar de asteriscos e rejeitaram esse capítulo. Não foi permitido ao Palmeiras protagonizar mais uma trajetória espetacular. Azar do futebol.

É assim desde o início

Palestra Italia 1915O Palmeiras representa desde seu nascimento a resiliência, a resistência. Um clube que nasceu para congregar a imensa comunidade italiana em São Paulo, que se ressentia não apenas da saudade da pátria-mãe, mas também da rejeição que sofriam no novo país – numerosos, falavam seu próprio idioma enquanto eram usados como mão de obra barata nas plantações e indústrias, enquanto as outras comunidades de imigrantes, menos numerosas, se forçavam a aprender o português mais rapidamente.

Chamados pejorativamente de carcamanos, os italianinhos do Palestra Italia em pouco tempo passaram a dar bailes de bola em clubes de elite com muito mais tempo de atividade – e também no outro time de origem popular, o SCCP.

O Palestra nunca foi engolido. Foi combatido. Teve até que mudar de nome. Mas resistiu, e seguiu encantando, atraindo o amor não apenas dos oriundi, mas também de todos os brasileiros que, além de apreciar um futebol bem jogado, compreendiam o significado de entrar em campo envergando o uniforme verde e branco.

Com o tempo, os times da elite paulista minguaram diante da força popular nos campos. O Palestra e o SCCP passaram a comandar o esporte e a população passou a se dividir na preferência entre os dois clubes: de um lado, os italianos e seus amigos, de outro, o imenso balaio de gatos. O sujeito não escolhe torcer para o SCCP, ele é escolhido; na maioria das vezes, entra no embalo da maioria e aceita. Já o palmeirense, com raízes italianas ou não, na contra-corrente, recusa-se a ser apenas mais um na massa descerebrada e escolhe seu clube.

Segue a resistência

O Palmeiras continua sendo roubado, nos tiram campeonatos que já ganhamos e os que continuamos tentando ganhar; os campeonatos decididos por forças alheias às quatro linhas seguem surgindo, e mesmo assim o Palmeiras permanece sendo o maior campeão nacional.

O futebol, com sua irresistível atração por asteriscos, parece não gostar do Palmeiras. Não tem problema, nós também não gostamos tanto assim do futebol; gostamos mesmo é do Verdão. E vamos ganhar mais campeonatos nos próximos anos, sendo duas vezes melhor do que é preciso e passando por cima dos adversários, das arbitragens, das falsas polêmicas e dos asteriscos. VAMOS PALMEIRAS!


Verdazzo é patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Aqui, o link para se tornar um padrinho deste site: https://www.padrim.com.br/verdazzo

  • Cristiano Rimoldi

    depois de tantos anos .. tantas fases do “bom e do barato” estamos na vanguarda.
    existe o golpe para tentar manter os gambas competitivos, mas o enforcamento financeiro deles esta próximo. deixa o tempo resolver.

    • Meu medo é a nossa diretoria omissa deixar essa fase maravilhosa passar em branco e nos enforcarmos também.

      • Cristiano Rimoldi

        cara.. não sei.. o fator “allianz parque” é algo novo nesse cenário… alem do avanti claro. não é uma onda causada por um patrocinador que pode sair de uma hora pra outra e ai já era. alias se a crefisa sair, entra outro no dia seguinte…

  • Giuliano Varela

    Sensacional!!! Nada como lembrar do porquê somos palmeirenses…

  • Wilfrido Paredes

    Parabéns Conrado, na minha opinião, o seu melhor texto…

  • ISSO! BRAVO!!! Vamos PALMEIRAS, Avanti PALESTRA! 💚

  • Antonio Frederico

    Sabe aquelas novelas ou filmes onde a pessoa (sccp) gosta de alguém (brasileiro) mas esse alguém (brasileiro) gosta de outra pessoa (palmeiras), mas essa pessoa (sccp) faz de tudo, trapaceia, conspira e ate mata para ficar com ela (brasileiro) mesmo sabendo que ela (brasileiro) não o ama (sccp)??

    Não é porque eu sou palmeirense não, mas é só olhar a história com olhos de imparcialidade para saber: nós somos os mocinhos.

  • Penhaman

    Sabe o que mais orgulha nisso tudo? É a raiva e o ódio que demonstram a cada dia por nós. E é isso mesmo que eu quero. Ser odiado por ser palmeirense. Quanto mais ódio sentirem, quanto mais tirarem sarro quando perdermos, quanto mais piadas cretinas e polêmicas vazias fizerem, mais eu tenho a certeza que o Palmeiras está no caminho certo das vitórias e que nós, os palmeirenses, seremos os únicos ao seu lado para apoiar e suportar tudo isso.

    O resto? O resto torce pro curinca…

  • Fedato Palmerista

    ” Ninguém vai ganhar esta poha na mão grande ”
    Todo mundo sabe que se o Paulo Nobre não convoca a coletiva de imprensa e fala o que tem que ser dito, a coisa iria pender pro lado do cheirinho e dificilmente levaríamos o título em 2016 .
    Nunca é tarde pra se dizer a verdade, o esquemão tá na cara de todo mundo, mas ninguém da imprensa vai falar nada .
    Nosso presidente precisa tomar uma atitude, tem que convocar uma coletiva e dizer que vai na CBF saber o porque desta ” coincidência ” de erros nos jogos mais decisivos do campeonato .
    O clube trabalha sério e investe muito pra ser feito de otário como foi a semana passada .
    Mandar cartinha e videozinho não resolve nada .

    • MonacoParmerista

      #VoltaPresidaPN

  • MonacoParmerista

    Minha imagem de perfil aqui do lado diz tudo. Meu SAGRADO Pai me ensinou: o Palestra é o Maior!

    #PontoFinal

  • Allan Leite

    Que texto emocionante! Que pena ainda não ter o Conrado 100% dedicado ao projeto verdazzo, pois seus conhecimentos e sua intimidade com as palavras são sensacionais. Ate hoje me arrependo de não ter virado padrinho antes. Sem mentira esse texto mexeu comigo, a tempos não acompanho mais o futebol, mas continuo seguindo o MEU o NOSSO PALMEIRAS!

  • Roger Jr

    Sei não! Depois do Derby, li muitas besteiras da nossa própria torcida. Alguns achando que ser “roubado” é normal e o time que passe por cima de tudo, afinal o Palmeiras é grande e não merece igualdade nas disputas.
    Quando algum outro time é “roubado” a internet enche que comentários reclamando de “apito amigo”, “esquema RGT”, “esquema CBF” e etc. Mas quando é o Palmeiras o “assaltado”, aí a culpa é somente dos nossos jogadores, do nosso treinador, da presidência, da torcida e etc. Como um time vai ter força nos bastidores, se não tem apoio total nem da própria torcida?

    • Verdazzo

      bem observado, mas creio que essa é uma minoria ruidosa – muito, muito burra.

      a maioria está muito revoltada. mas permanece em silencio – talvez ainda no processo de lamber as feridas.

      • O maior Campeão Brasileiro

        Conrado, estou a lamber as feridas. Só acho que apesar de termos sido roubados de diversas formas nas últimas duas semanas. Arbitragem, mídia fizeram o máximo para impedir a derrocada do SCCP que ainda não está totalmente segura.

        Só um comentário sobre Valentin, ele está implementando suas convicções e isso no médio prazo deve trazer bons frutos. Agora neste clássico acho que ele não entendeu a temperatura e mesmo a questão tática do jogo. Creio que ele não usou as mazelas dos itakeras que eram medo e posse de bola(deles) contra eles. Poderia ter pressionado alguns minutos como fizemos na etapa inicial, mas deixar a linha de defesa alta o tempo todo, tendo Edu, Egídio e Mayke para correrem? Deu para eles o que queriam, o contra ataque constante. Ficar com a defesa na linha do meio campo depois de atrás do placar ok, ótimo, mas não precisava ter feito isso o tempo inteiro até tomar o gol. Para mim Valentin não soube ler o derbi nem a temperatura do jogo nem a tática. Mas, isso é normal de um técnico novato. Mas, ele internamente tem que ser chamado a atenção para isso.

        • Boboris

          Concordo plenamente. Haja vista a entrevista do dia anterior em que o Valentim disse que era um jogo normal, que valia 3 pontos e que empate servia. Acho que a paúra da pressão (que já havia estragado grande parte do ano) contaminou a análise dele. Tem que pilhar sempre em Derby, mas agora é tarde.

    • Marco

      Cara to numa raiva tao grande, com esses roubos, sempre a favor de quem, tomara que esse arbitro de video venha logo, claro que vai ter boicote de alguns favorecidos, mas vai arrumar muita coisa errada, principalmente esse negocio de interpretação, que sempre é a favor dos mesmos

  • Fedato Palmerista

    Alguém sabe me responder se o Nobre pode se candidatar novamente já para o próximo mandato ????

    • MonacoParmerista

      A lembrança que tenho de conversas e Periscazzi é que ele pode SIM.

      Mas posso estar com a lembrança errada. Penso que o Conrado conhece bem o Estatuto do clube e, talvez, possa responder com certeza à pergunta.

      #VoltaPresidaPN

  • Renan B. Baroni

    Sem dúvida um dos melhores textos que já li sobre o Palmeiras. Obrigado Conrado! Seguimos firmes!

    • Mateus J. C. Arndt

      Assino embaixo !!!! clap clap clap

  • DEVANIR CATANIO

    clap clap lap clap clap ,, somos isso simmm , somos isoo e muito mais , SOMOS PALMEIRAS , SOMOS PALESTRA ITALIA , SOMOS VERDÃO , SOMOS O ORGULHO DO FUTEBOL onde vivemos em uma terra falida , onde o FUTEBOL se apequenou tannnnttttoooo que escolhemos ser somente PALMEIRAS E SEUS ADJETIVOS !!! te amarei para sempre MEU QUERIDO PALMEIRAS !!!

  • A sensação que eu tenho é que para evitar um novo “7×1” (melhor conhecido como imenso fiasco), SCCP precisou optar pela “ajuda” externa (melhor conhecido como roubo). Ia ser a maior humilhação já sofrida pela SCCP no SÉCULO, pior que o Tolima, ia ser o 14×0, mas no Brasil, ladrão sempre tem a razão!!

  • Marco

    Se nesses proximos 5 jogos são 3 em casa, conseguirmos 4 vitorias acho que ainda da tempo de pega-los

  • Ricardo

    Eu sempre gostei de assistir jogos de futebol, independente do time, pois gostava muito de ver e aprender dribles, táticas etc… Pois queria fazer igual quando eu jogava.
    Hoje em dia eu tô perdendo a vontade de assistir por N motivos e a primeira coisa que fiz, foi parar de assistir essas bostas de programas esportivos.
    O vício pelo Palmeiras continua, mas o prazer de assistir futebol tá morrendo aos poucos………

    • Marco

      Ta nojento mesmo, eu so vejo do palmeiras e campeonato ingles só, programa esportivo de vez enquando na espn, mas é raro

  • Nero Azzurri

    Por isso tudo é que não existe no mundo do futebol, um clube com uma História tão rica, linda e gloriosa! Obrigado meus avós (que vieram no fundo do navio) e meu pai por ser palestrino!!!

  • Neto Zanin

    Simplesmente perfeito o texto! Há muito eu percebi que não gosto de futebol. Gosto do Palmeiras. E são coisas bem diferentes. Futebol transformou-se numa arena onde valores são confrontados, e não mais apenas a disputa entre dois clubes. O clube dos imigrantes x o clube da corrupção (inclusive com apoio maciço do ex-presidente barbudo), o bem x mal, o certo x o errado, o decente x a vergonha, a cura x a doença…….enfim.
    Palmeiras, para mim, tem sido sinônimo de luta por valores raros, em meio à imundíce que contamina o futebol.

    • “Palmeiras têm sido sinônimo de luta por valores raros.”

      — Excelente! Vejo da mesma forma.

  • Décio Sant Anna

    Meu primeiro jogo no estádio foi palmeiras x guarani, final de 78.. meu pai me levou, era santista mas era meu amigo, desde aquele tempo, e sempre respeitou a vontade do filho. Ali eu vi aquele bosta que hj comenta arbitragem na globo fazer merda, e comecei a entender que torcer pro palmeiras é prazeroso, mas exige estômago… um ano antes, eu vi os imundos saírem da fila com uma enorme maracutaia, não tinha entendido muito bem, só mais tarde, com mais idade pude começar a compreender como as coisas funcionavam pro lado de lá.. enfim, apesar de tudo, minha escolha foi correta, eles que comemorem suas conquistas inventadas, as nossas são legítimas e merecidas.

  • Ramon Voznak

    Realmente o Verdão é o mais odiado, tentaram nos prejudicar ano passado, fazendo de tudo pra gente não ser campeão, mas a gente tinha um presidente que sabe ser presidente e defende o seu time a todo custo, e nós bastidores fomos fortes e vencemos tudo e todos. Se o nosso atual presidente convocasse uma impressa e botasse uma pressão em todos nos jogos contra as marias e gambás, no mínimo estaríamos a 2 pontos dos gambás, mas o desespero foi tão grande, que devem ter maquinado o mal, vamos prejudicar nesses dois jogos, pq se eles passar, já era e vai ser feio perder a liderança no final do campeonato pro maior rival.
    Qdo o Verdão chegou a esses 6 pontos, e não dependia de ninguém, sem brincadeira, o Brasil virou Palmeiras contra Gambás, pq seria um campeonato épico, via torcedores de outros clubes torcendo pro Palmeiras pra desgraça dos gambás não se distanciar. Mas tadinho dos gambás, lutaram tanto, pra perder agora, pro Palmeiras ainda. Vai pra pqp. Quando não conseguem beneficiar a praga, prejudica os times que tão chegando pra brigar. Esquema vagabundo esse viu. Até quem não torce pro Palmeiras ta puto com essa arbitragem pq o Campeonato tava pegando fogo, e agora molho td.
    Vamos continuar jogo a jogo, e é bom que a diretoria já esteja se preparando pro ano que vem, pq vamos estar famintos por títulos.
    Avanti Palestra.

  • Ivan

    Desde que escolhi torcer para o Palmeiras quando ainda criança, eu era o único entre os meus amigos e aonde moro em Brasília, é um lugar infestado por torcedores de times do RJ… Enfim, sempre me senti distinto, diferente e ao mesmo tempo orgulhoso por torcer para um time com a história que o Palmeiras tem! Isso que eu nem tenho ligações familiares com a Itália. Torcer para o Palmeiras me faz me sentir superior/distinto/diferenciado aos demais torcedores dos outros clubes, principalmente os de massa. Belíssimo texto e vamos Palmeiras!

  • Charles

    Todo palmeirense tinha que ter acesso ao Periscazzo de segunda-feira e a esse texto. Toda a essência de ser palmeirense está aí. Parabéns.

  • Andre Almeida

    Realmente, eu só assisto jogo do Palmeiras, o resto, bom, é o resto, então nem assisto.

  • Daniel Santoro

    É sempre mais fácil e cômodo vitimizar-se com teorias conspiratórias e tentar apequenar o rival – o que acaba por transformar-se num auto-apequenamento – do que reconhecer que o Palmeiras não jogou nada o ano inteiro e dançou em todas as competições que disputou.

  • AlexTala

    O roubo, mais um, foi fato e ficará guardado na memória de todos os cidadãos de bem.
    O seu texto Conrado Cacace prova que sairemos melhores ainda, a sua inspiração para escreve-lo prova isso!

  • O problema na minha opinião é a antítese. Nós gostamos do Palmeiras, mas os poderosos que comandam e sempre comandaram o futebol não gostam.
    Deveríamos ter um plano de médio e longo prazo para mudar isso… Não precisam gostar como nós e tampouco nos ajudar. Apenas parar de nos prejudicar, rs.

  • Mateus J. C. Arndt

    Só li hoje esse seu texto Conrado, mas queria ter lido ontem, no dia que vc escreveu…
    Sempre te acompanho, desde o Parmerista, pq vc sempre foi o q melhor põe no papel o q EU sinto nesses momentos.
    Pra mim, esse texto está perfeito. Parabens e obrigado. Abço.

  • Victor

    Ao final do Mundial de 1999, com o gol mal anulado do Alex e aquele time do Manchester erguendo a taça, fiquei meio chateado, mas achei que era um “erro”, e continuei torcendo pelo meu time. A imprensa bate muito na tecla de que “erros acontecem pra lá e pra cá”, e eu achava que isso era verdade, mal sabia que fazia parte da manipulação armada pra proteger o circo que são as competições de futebol.

    Em 2000 vi a imundície sendo convidada em nosso lugar para o “Novo Mundial da FIFA”, aquele que justificaram de uma forma descarada a participação do time ridículo (a qual até hoje eu não entendo) e na qual diziam que nós seríamos convidados na edição de 2001 (algo que nunca aconteceu).

    Quando acabou a libertadores de 2001 pra nós, no jogo naquela merda de estádio argentino, eu não conseguia acreditar no que eu estava vendo… Fiquei revoltado. Com 14 anos de idade decidi de uma vez por todas que NUNCA MAIS ME IMPORTARIA COM FUTEBOL. O senhor “RoUbaldo Aquino” me tirou o tesão do futebol. Como que um cara sozinho podia resolver a coisa?

    Num acúmulo absurdo de situações ridículas em 3 anos seguidos, e que são FATOS e não invenções minhas, eu simplesmente LARGUEI MÃO.

    Muito tempo sem acompanhar futebol, no máximo dando uma ou outra olhada em resultados ou em jogos que estavam passando na televisão, a vida acabou por me levar até a cidade de São Paulo, algo nada planejado. Sou natural de Curitiba, morei em outros lugares, mas em São Paulo nunca tinha pisado, meu pai não é torcedor do Palmeiras e nunca incentivou que eu frequentasse estádios… Enfim, o que pensei em fazer assim que pisei em São Paulo? Assim que pude fui correndo pro Parque Antártica! Podia não acompanhar mais futebol, mas tinha camisas do Palmeiras, a paixão tinha esfriado mas ali estava ainda, e como tinha finalmente a oportunidade, fui CORRENDO!

    Curiosamente o jogo era contra um time da “minha cidade”, o Coritiba, e o Palmeiras ganhou de 2 a 0.
    A sensação foi incrível! Lembro como se fosse ontem! Entrei já me sentindo em casa, por mais que nunca tivesse ido ao estádio, e por mais que estivesse sozinho. Conseguia identificar os setores que tanto tinha visto pela televisão há muitos anos atrás mesmo que não assistisse mais a um jogo de futebol por um bom tempo. Me coloquei ao lado da Mancha Verde, cantei o hino, comemorei os dois gols, e ao fim do jogo estava decidido e falei pra mim mesmo: “vou passar pelo menos mais 1 aninho por aqui viu… aproveitar pra ver vários jogos e repetir essa experiência única”. Então ali fiquei, numa cidade que muita coisa me desagradava, mas que a possibilidade de ir a todos os jogos que eu queria me fazia querer ficar por mais tempo.

    Hoje em dia, de volta a Curitiba, ainda escolho partidas durante o ano pra pegar meu voo pela manhã, ir ao Allianz Parque, ver o jogo, e voltar pra casa a noite.

    O Futebol em si? É realmente Podre! Nojento! Revoltante!

    Interesses rolam soltos, trabalhos profissionais de equipes milionárias ficam na mão de caras que são “convidados” a apitar os jogos, sem compromisso algum, sem qualquer responsabilização, tudo na boa e velha camaradagem.

    Sou novo relativamente novo mas já vi Florminense subir direto da série C pra A.
    Já vi gambás ganharem títulos a rodo, e inclusive a vaga para participação em mundiais.
    Já vi até seleções ganhando vaga na Copa do Mundo com gol de mão.
    Já vi investigação mundial revelando o quanto a FIFA é porca.
    Já vi investigações que mostram que a CONMEBOL não merece meu respeito.
    Sério, o futebol em si é NOJENTO!

    Porém, isso tudo não muda, nem nunca vai mudar a excelente sensação de entrar no Allianz Parque, pegar o meu lugar e acompanhar o jogo, torcer pelo meu time… Fico feliz com as conquistas? Claro que fico! Mas o que conta mesmo é a magia de entrar num lugar com 30 mil desconhecidos que por 90 minutos tem o mesmo objetivo, e que lá dentro canta junto, xinga junto, comemora junto… Isso é o futebol!

    A CBF e seus campeonatos? MAS QUE SE FODAM MESMO! Bem como quero mais que a Conmebol e FIFA se fodam juntos!

    O que importa no final é só uma coisa… O Palmeiras, porra!

    • Fernando Castro

      Valeu a pena ler!

    • Marcelo Faria

      É isso aí, excelente texto!

    • Galdino

      Parabéns!

    • Marcos Carsado

      Parabéns pelo texto, me identifiquei, parece um pouco com minha história… só mão concordo com,,,, 30 mil desconhecidos… nada… quando pego a fila pra entrar no Pq. Antártica (com meu irmão) ou agora no Allianz(sozinho), já me sinto em familia e o papo rola como se fossem meus irmãos, como de fato são… irmãos Palmeirenses.

  • Juiz acabou de marcar um pênalti que ninguém viu no jogo do Brasil graças ao vídeo. Fantástico!
    Justiça sendo feita! Se fizerem um trabalho retroativo por aqui, o SCCP voltará a ter apenas 1 titulo brasileiro.
    A marcação dentro da área vai mudar radicalmente a partir de agora…

    • Flávio Ferreira

      Colega Rafael, pode ter certeza que não será bem assim. Se a faculdade de parar um jogo pela arbitragem de vídeo (um recurso externo) ficar apenas nas mãos dos juízes o roubo continuará. Isso porque o juiz de vídeo avisará se quiser. Se o time que se sentir prejudicado não tiver direito de exigir a revisão, os juízes escolherão os lances que devem ser parados e os que devem permanecer errados. O lance do gol do Romero seria um típico lance que eles alegariam que não deu tempo de ver e passou “sem querer” batido. No entanto, sem dúvidas que, se tudo fosse honesto, eles teriam apenas um título BR ou nenhum sei lá!

  • Mais um penalti! Agora nem precisa de vídeo…

  • Anderson

    “Que sabe ser brasileiro”. Não sou descendente de italiano e mesmo assim sinto que nós somos bem diferentes, os caminhos para chegarmos aos títulos são bem complicados, pra dizer o mínimo.
    Mas isso também me enche de orgulho, sou brasileiro, mas não gosto do jeitinho em nada, muito menos no esporte. Penso da mesma forma, não curto futebol, e sim meu Palestra.

  • Otavio Prado

    Podem me chamar de maluco, mas lembrando que quando nós assumimos o apelido pejorativo “porco”, que era usado para tirar uma da nossa cara pelos rivais, transformamos o que era um xingamento em um lema. Nós somos porcos, e dai?
    Acho que agora temos que dizer em alto e bom som: nós não temos mundial e ponto final. Mesmo que reconheçam um dia o título de 1951, o que eu duvido imensamente, temos que reconhecer que ele não quer dizer muita coisa hoje em dia. E assim esse papo ridículo de ficarem gritando por ai: “O Palmeiras não tem mundial” iria para a mesma vala que mandamos os gritos de “seus porcos!”.
    E se esse for um objetivo sério, ter um título mundial reconhecido sem nenhuma divergência, então o caminho é bem longo, mas não impossível.