Palmeiras inspira confiança no Mundial, apesar da letargia da diretoria

Abel Ferreira comanda treino do Palmeiras visando a disputa do Mundial de Clubes 2022
Cesar Greco

A menos de 4 semanas da estreia no Mundial de Clubes, Abel Ferreira trabalha para colocar o elenco que jogará a competição em condições de disputar o título.

A competição nos Emirados Árabes acontece no início da temporada e não há a preocupação com o desgaste físico acumulado. Os atletas do Verdão chegarão a Abu Dhabi perto da condição atlética ideal – ainda estarão “na subida”, dado o retorno das férias.

Por isso, o time considerado titular por Abel pode ser usado sem maiores restrições; o uso intensivo do elenco não deve ser necessário no Mundial. São apenas duas partidas, a serem disputadas com muita intensidade, mas numa fase bastante amena do calendário.

Assim, a base do time que venceu a Libertadores, mantida, deve permanecer para a competição nos Emirados Árabes. Dos reforços confirmados até agora, Atuesta e Murilo aparecem com mais chances de serem incorporados aos titulares, dependendo da opção tática de Abel para cada jogo.

Pressa? Que pressa?

O diretor de futebol do Palmeiras Anderson Barros, concede entrevista coletiva, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Talvez seja a confiança na manutenção do elenco titular que venceu a Libertadores que faz com que a diretoria do Palmeiras não demonstre a agilidade no mercado que a torcida deseja.

Na defesa, Abel ainda sonha com um zagueiro canhoto para melhorar a saída de bola e aproveitar Piquerez mais avançado. Sem essa peça, já que Murilo é destro, o uruguaio tende a seguir ajudando na saída de 3, prejudicando a saída rápida pelo lado esquerdo. Para resolver a questão, Gustavo Scarpa pode seguir sendo usado pelo flanco, região onde o camisa 14, claramente, não rende todo o seu potencial. A boa notícia é que Jorge parece bem mais desenvolvido fisicamente que no ano passado e passa a ser mais uma opção.

No ataque, Rony segue sendo o favorito para figurar como peça mais avançada, mas Deyverson, na esteira do gol decisivo em Montevideo, e o novato Rafael Navarro, que conduziu o Botafogo a uma campanha de destaque na Série B, aparecem como opções.

Obviamente o torcedor espera ainda por uma grande contratação para ser o 9 do Palmeiras na temporada de 2022, mas a esta altura, parece pouco provável que uma negociação concretizada nas próximas horas renda o centroavante do Mundial, diante do tempo necessário para cumprir todo o processo de ambientação. É sabido que no futebol, às vezes, encaixes acontecem rápido – mas é bem raro.

Os novatos

Marcelo Lomba

Marcelo Lomba substitui Jailsão no elenco e sabe que sua função é estar à disposição quando Weverton, titular absoluto, estiver fora de combate.

Experiente e ainda em boa forma técnica, vai ser importante para o vestiário e também na lapidação de Vinicius Silvestre, que ainda sonha com a titularidade no futuro.

O zagueiro Murilo chegou para ser a opção de zagueiro pelo lado esquerdo, onde está acostumado a jogar, mesmo sendo destro.

Se tiver o passe com o pé esquerdo bem calibrado, pode tomar conta do setor. Mas vai precisar conquistar a confiança da comissão técnica e isso leva algum tempo.

Jailson

Jailson chega para fazer o “5” e ocupará a vaga de Felipe Melo no elenco. Além de ser um volante com características mais combativas, pode ser deslocado para a zaga numa eventualidade.

A falta de ritmo de jogo causada pela longa inatividade, no entanto, pode atrapalhar neste início de temporada.

Atuesta

O colombiano Atuesta aparenta ser um meio-campista completo, com noções de marcação, ocupação de espaços e capacidade para armar jogadas por dentro.

Tem tudo para ser o cara que dá o passe que quebra linhas, algo que Danilo ainda não desenvolveu por completo. Briga para ser o “8” do Mundial.

Bastante jovem, Rafael Navarro ainda não tem envergadura para satisfazer a torcida, que sonha com um anúncio de impacto.

No entanto, ser a principal peça numa campanha de destaque do Botafogo devia animar mais. O clube carioca já não tem porte para nadar de braçada nem na segunda divisão; se conseguiu, foi graças a um ponto fora da curva e os botafoguenses ainda lamentam demais sua saída para o Verdão. Dá para colocar algumas fichas no cara.

Confiança em ganhar o Mundial, apesar da letargia

O atual elenco certamente não dará conta de toda a temporada, mas pode ser perfeitamente capaz de trazer o bicampeonato mundial.

O entrosamento adquirido, o pleno entendimento das propostas do treinador, a forma física adequada e o foco ajustado são fatores que jogam a nosso favor. Não tivemos nada disso em 2021, no Catar. Todos os nossos principais adversários de 2022 têm problemas relacionados a alguns desses aspectos. Por isso, é bastante possível sonhar com mais uma conquista.

Mas isso não exime a diretoria de futebol de cobranças, mesmo se o título vier. Era obrigação do Palmeiras ter dado a Abel Ferreira o elenco completo já para o Mundial. Não se vence uma Libertadores toda hora; não se disputa um Mundial toda hora. É uma chance rara de conquistar um campeonato histórico que está sendo tratada como uma passagem trivial, apenas um campeonato a mais.

O tamanho da disputa merecia um esforço especial da diretoria. Fazer loucuras, cometer irresponsabilidades, nunca é o caminho correto, mas o diretor de futebol está no cargo há dois anos; a presidente já sabia que estaria eleita há tanto ou mais tempo e o trabalho não tem “apenas um mês”. Deveria haver planos de contratação para cada lacuna do elenco para entregar ao treinador o elenco completo no dia da reapresentação. As indefinições depõem contra a existência desse planejamento.

Que essa letargia da diretoria não nos custe uma chance de vencer mais um campeonato histórico. VAMOS PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.