Weverton descreve seu estilo de jogo debaixo das traves: “simplicidade e concentração”

Felipe Melo e Weverton durante segunda partida do Palmeiras contra o Atlético-MG, válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Mineirão.
Cesar Greco

Weverton concedeu entrevista coletiva na Academia de Futebol e comentou sobre diversos assuntos

Colecionador de diversos prêmios individuais, o goleiro Weverton, em entrevista coletiva concedida na quarta-feira, na Academia de Futebol, comentou sobre seu estilo de jogo e destacou dois pontos que acredita serem fundamentais para um arqueiro: “simplicidade e concentração”.

“Gosto de mostrar segurança. Os adversários que são de alto nível sabem quando o goleiro gosta de espalmar. Eu sou seguro e quero mostrar para eles que é difícil fazer gol em mim. Acredito que goleiro precisa ser simples para ser regular. Toda bola é perigosa. Essa é minha forma de jogar”, contou.

“Fico feliz com a minha postura em campo. Meu desejo é que meus companheiros olhem para trás e confiem em mim para jogarem tranquilos. Não sou invencível, mas vou poder ajudar eles a manter a baliza zero, que é sempre o objetivo em campo”, acrescentou.

Além da qualidade debaixo das traves, que o faz ser convocado à Seleção Brasileira com frequência, Weverton também apresenta um bom jogo com os pés. No duelo frente ao Atlético-MG, terça-feira passada, o Verdão teve duas boas chances de balançar as redes adversárias, com Piquerez e Rony, através de lançamentos do arqueiro.

“Converso muito com os atacantes, vejo bastante como as outras equipes jogam. Se estão com a linha alta, se jogam na sobra, como posso explorar os lançamentos. Estamos conseguindo fazer boas jogadas através dos meus lançamentos, mas está faltando sair o gol. Até brinquei com o Rony, porque ele teve uma grande chance. Falei: ‘pô, Rony. Me ajuda’”, detalhou.

“O importante é eles saberem que tem um goleiro ali atrás que pode encontrar eles numa ligação direta. Não chute para frente. Óbvio que às vezes erro, mas às vezes dá certo. No momento certo, vamos fazer gol assim e comemorar bastante”, prosseguiu.

Estratégia do Palmeiras contra o Atlético-MG e o trabalho de motivação feito pela comissão técnica

Weverton e Gustavo Gómez, observam Zé Rafael em disputa de bola com Hulk durante jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG Mineiro, na segunda partida válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Mineirão.
Cesar Greco

Sobre os dois confrontos do Verdão diante do Atlético-MG, o camisa 21 ressaltou a estratégia escolhida pela comissão técnica e rebateu as críticas recebidas pela equipe.

“As pessoas gostam de dizer que o Palmeiras só joga se defendendo, mas se analisar o jogo contra o Atlético-MG friamente, também vai ver que o Éverson fez, pelo menos, três defesas. Nós poderíamos ter ganhado o jogo no segundo tempo. Prevaleceu a estratégia do Palmeiras. Aquilo que o Abel planejou foi muito bem executado. Tem que dar os parabéns a ele e a toda comissão técnica, porque conseguimos chegar novamente à decisão”, enalteceu.

“Sobre o primeiro jogo, o Palmeiras não chutou, mas o Atlético também não. Eu não fiz uma defesa na ida. As pessoas acham que só o Palmeiras tem que dar espetáculo, dar show. Tem que olhar para o outro time também. Foi um bom jogo, aberto, e nós tivemos o mérito de fazer o gol fora de casa”, rebateu.

Nos dias que antecederam a partida contra o Galo, Abel Ferreira e seus auxiliares não treinaram apenas como o Palmeiras iria se portar dentro de campo, como também trabalharam a parte mental dos atletas e a motivação para o jogo.

“O Abel é um cara muito motivador, que procura sempre trazer à nossa memória o que nos dá esperança. Ter a taça da Libertadores [dentro do vestiário] é lembrar o quanto é importante voltar a uma decisão de Libertadores. Na semana ele perguntou o que significava isso e cada um respondeu da sua maneira. A taça nos trouxe a memória de poder disputar outra final e marcar nosso nome na História do clube. Foi uma motivação a mais, uma inspiração para todos nós”, revelou.

Weverton fala sobre jogar com torcida no estádio

Weverton durante segunda partida do Palmeiras contra o Atlético-MG, válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Mineirão.
Cesar Greco

Diferentemente do Palmeiras, que não pôde ter a presença da sua torcida no Allianz Parque, a equipe mineira teve a liberação do governo do Estado para contar com quase 18 mil atleticanos no Mineirão.

Ainda que isto tenha sido visto como uma vantagem para o adversário, Weverton acredita que o público gerou uma pressão a mais ao Atlético e afirmou que o Verdão soube usar isso ao seu favor.

“A gente sente muita falta de entrar com nossa torcida no Allianz Parque. É ruim para a gente, sabemos como é bom. Mas ontem era um ambiente de pressão para eles e aproveitamos. Tinha bastante gente no estádio e uma coisa que estava com saudade de ver era o quanto o estádio se cala ao sofrer um gol do adversário. O Mineirão se calou no momento do gol e a gente estava bem no jogo”, disse.

Foco no Brasileirão

Para finalizar, o goleiro não quis comentar sobre a final da Libertadores, já que o jogo acontecerá somente no dia 27 de novembro, e pediu foco total do Palmeiras no Campeonato Brasileiro.

“A final acontecerá só daqui a dois meses. Vamos focar todas as nossas ações no Brasileiro. Somos o segundo colocado, ainda temos chances reais de conquistá-lo. Brigaremos até o fim e o nosso foco nesses dois meses será neste campeonato”, finalizou.

Com 38 pontos, o Palmeiras está a 10 do líder, Atlético-MG. Neste domingo, a equipe terá pela frente o Juventude, às 18h15, no Allianz Parque.