Abel fala em tirar ‘ano sabático’ após o Palmeiras e sai em defesa de Rony

Abel fala em tirar ‘ano sabático’ após o Palmeiras e sai em defesa de Rony.
Divulgação

Abel concedeu entrevista ao podcast da Conmebol Libertadores, nesta segunda-feira

De contrato renovado com o Palmeiras, Abel Ferreira participou do podcast da Conmebol Libertadores na tarde desta segunda-feira e declarou que já tem um plano de carreira definido para os próximos anos: ficar no Verdão até o final do vínculo e tirar um ano sabático.

“Não tenho intenção nenhuma de ser técnico de seleção nos próximos anos. Projeto o que quero a curto e médio prazo, e hoje quero cumprir meu contrato [até 2024] com o Palmeiras. Quero estar aqui e depois tirar um ano sabático. Aí falaremos sobre seleções, clubes… aí veremos”, disse o treinador.

À frente do banco de reservas do Palmeiras há quase um ano e seis meses, Abel contabiliza quatro troféus conquistados e, no último sábado, alcançou sua nona final ao vencer o Red Bull Bragantino na semifinal do Campeonato Paulista.

“Gosto muito de fazer o plano da minha carreira. Vim ao Palmeiras contra a vontade da minha família, cheguei por convicção própria, porque estudei, sabia que era um grande clube que vai me dar chance de brigar por títulos. Assinei e renovei porque queremos continuar a lutar por títulos. Não sei se vamos ganhar, mas a ambição é continuar nas finais”, complementou.

Em quase duas horas de programa, o treinador falou de diversos assuntos. Dentre eles, sobre como enxerga parte da imprensa no Brasil.

“O jornalista veste muito a camisa, não pode. Tem que tirar a camisa para falar dos adversários. Se quiser fazer algo sério e honesto tem que tirar a camisa. Quando o Palmeiras joga bem, falar que jogou bem. Caso não, falar que foi mal. Tem que ser assim com todos os clubes. Não me interessa o time que você torce, tem que ser imparcial”, declarou.

Abel sai em defesa de Rony

Abel comentou também sobre Rony, que vem sendo utilizado como centroavante e às vezes é criticado pela torcida nas redes sociais. O comandante sabe que o camisa 10 peca em algumas oportunidades de gol, mas ressaltou sua importância para o time.

“O Rony, com a bola, é nota 7. Se ele fosse, com a bola, nota 9 ou 10, ele não estava no Palmeiras; estaria no Barcelona ou no Bayern de Munique. Não é à toa que já há muitos clubes que o querem. Muitas vezes, a melhor coisa para o jogador é saber qual nota ele é em cada quesito, e como pode evoluir. O Rony é um pouco afobado em algumas decisões que toma, mas no último jogo [diante do Red Bull Bragantino], ele já teve mais calma para tomar algumas decisões”, declarou Abel, que também revelou que pediu à diretoria que não o vendesse.

“Já recusamos propostas por ele. Eu disse na época para a diretoria: ‘Por favor, não vendam esse jogador!’. A proposta era de 7 milhões de euros e eu pedi: ‘Por favor, não vendam esse jogador, ele é muito importante não só para mim, mas para o Palmeiras’. Ele vai cometer erros, é claro, mas todo mundo comete. Eu cometo, o Messi, o Cristiano Ronaldo, o Neymar. O objetivo é tentar acertar mais do que errar”, concluiu.

Para finalizar, o treinador também elogiou todos os jogadores do clube. “Eles são os melhores profissionais com quem já trabalhei. Lá na Europa, os do Braga não gostavam muito de fazer Academia; os do Paok não queriam fazer um trabalho para evitar lesões, o pré-treino e o pós-treino. Cheguei aqui e vi que eles [os jogadores do Palmeiras] se dedicam o tempo todo. Espetacular”.

Everaldo Coelho, diretor de marketing do Palmeiras, faz promessas e deseja 100 mil sócios Avanti até o final do ano

“Atacando em várias frentes”, Everaldo Coelho, diretor de marketing do Palmeiras, faz promessas e deseja 100 mil sócios Avanti até o final do ano.
Reprodução

No comando do marketing do Palmeiras desde o início do ano, Everaldo Coelho concedeu entrevista ao canal de YouTube do jornalista Paulo Massini, na noite de segunda-feira

Na noite de segunda-feira, Everaldo Coelho, novo diretor de marketing do Palmeiras, concedeu entrevista aos jornalistas Paulo Massini, Diego Iwata e Willian Correia e garantiu a todo instante que o Palmeiras “está atacando em diversas frentes [no marketing]” para gerar mais receitas ao clube, mas não se aprofundou em nenhum tema e preferiu também não estipular prazos.

O diretor comentou sobre a entrada do Palmeiras no marketing digital (e-sports, metaverso, NFTs), o patrocínio no futebol feminino e nos esportes amadores, o alcance do Avanti, defendeu o valor pago pela Crefisa para patrocinar o clube, entre outros assuntos.

“Eu, com 45 anos [de experiência] trabalhando no setor financeiro, aprendi que a gente só coloca prazo quando está fechado. E a presidente é a primeira a cobrar os prazos que a gente se prontificou a colocar. Algumas coisas estão caminhando, mas tenho a visão que temos que fechar com parceiros de relevância. Estamos em um momento de transformação. Assumi no começo desse ano e nesses dois primeiros meses tivemos o atropelo natural do Mundial, tivemos a reestruturação do departamento, que foi necessário. Se falar que o carro está trocando o pneu andando, pode até ser”, disse.

“Temos um patrocínio forte, temos grandes parceiros. A gente tem que evoluir aquilo que a gente imagina que pode melhorar. Minha prioridade hoje é que o torcedor Avanti seja melhor atendido. Estamos discutindo patrocínios para os outros esportes, há valores e preços, é preciso negociar cada um deles. As propriedades são infinitas e temos que achar outras formas de comercializar. Naquilo que a gente tem, está tudo caminhando dentro do que nós esperamos. Tudo requer calma”.

Confira os principais temas respondidos por Everaldo Coelho

  • Restruturação no departamento de marketing

“Sob minha gestão, além do marketing, temos a comunicação e a TV Palmeiras. Somadas essas três áreas temos 44 profissionais […] Houve uma restruturação em cargos gerenciais porque havia um em cada produto oferecido pelo clube (licenciamento, lojas físicas e online, escola de futebol, entre outros), e isso não me parece ser muito adequado. Por isso fizemos a restruturação. A gente entende que, em uma visão mais piramidal, com gestão e equipe para gerir cada processo que queremos trabalhar, é muito mais rápido e conseguimos resultados maiores”.

  • Maketing digital

“Estamos trabalhando fortemente em uma plataforma única de relacionamento com o torcedor. Para que tudo que o torcedor quiser, ele acesse lá. E aí vai para FanTokens, NFTs, Metaverso, realidade aumentada, carteira digital. Na inteligência artificial, você precisa estar dois passos na frente. Estamos focados nessas frentes. O Palmeiras irá ‘surfar nessas ondas’”.

  • E-sports

“Estamos trabalhando em uma frente diferente em relação aos outros clubes que entraram no E-sports. Eles entraram com parcerias e a maioria não deu certo. Estamos vendo de transformar em uma atividade esportiva dentro do Palmeiras, queremos criar uma equipe, temos dois parceiros fortes, que ainda não podemos revelar. Essa modalidade [o E-sports] vem crescendo muito no mundo inteiro, os influencers deste segmento têm grande envolvimento com os jovens. A gente está investindo forte”.

  • Sócio Avanti e Match Day (ações no Allianz Parque em dias de jogo)

“Queremos chegar aos 100 mil sócios Avanti até o final do ano. Estamos trabalhando fortemente nisso. Até julho quero entregar o Match Day completo, no nível que vemos fora do Brasil. Há algumas coisas que ainda não podemos revelar, mas terá atrações em que a pessoa entra e participa, principalmente o Avanti. Ele será cada vez mais valorizado, vamos entregar novas experiências. Não será apenas um simples espectador”.

“Para o torcedor Avanti que está fora de São Paulo, a primeira coisa que fizemos foi a carreta interativa, que tem os troféus da Libertadores, os mascotes e ativação do Avanti. Nós vamos cada vez mais construir eventos. Temos muitos consulados. Estamos construindo muitas coisas para que essa relação seja cada vez melhor, como por exemplo levar a equipe para fazer uma pré-temporada em outro estado”.

  • Patrocínio para o futebol feminino e outros esportes

“[Sobre o futebol feminino] estamos terminando uma discussão com 3, 4 parceiros. Por questão de confidencialidade não podemos abrir ainda. Assim como no basquete, futsal. Estamos fechando um pacote com eles. Há muitos interessados em várias formas de patrocinar o Palmeiras”.

  • Patrocínio de empresas no ramo de apostas esportivas

“O Palmeiras tinha uma parceria com uma casa de apostas até o final do ano passado. Encerramos aquele contrato e hoje estamos discutindo valor com 4, 5 empresas. Temos que nos preocupar com quem está se relacionando com a marca Palmeiras. Sou guardião da marca. Temos várias propriedades que podemos usar [para colocar a casa de aposta]”.

  • Sobre o patrocínio da Crefisa

“Não dá para falar que esse patrocínio está defasado. São mais R$100 milhões (R$80 pelas propriedades da camisa mais premiações). Se vier uma nova empresa, disposta a investir e que dará mais dinheiro ao Palmeiras, estendemos o tapete verde. A Leila já havia falado sobre isso em sua coletiva de apresentação”.

  • Sobre a proposta de campanha de Leila Pereira para diminuir o preço da camisa oficial

“Tivemos reuniões com a Puma e estamos buscando uma saída para isso. O preço da camisa é realmente alto para os brasileiros. Estamos discutindo alternativas criativas com a Puma, para vermos como a gente consegue minimizar esses efeitos. Não é simples [é preciso pagar royalties à Puma]. Os dois lados precisam abrir a mão de algo. Se eu tirar os royalties, eu perco receita, mas consigo de certa forma compensar de outra forma? Estamos vendo. Nunca vamos chegar ao preço que custa hoje uma camisa pirata, mas estamos trabalhando para chegar a uma solução mais viável”.

Weverton descreve seu estilo de jogo debaixo das traves: “simplicidade e concentração”

Felipe Melo e Weverton durante segunda partida do Palmeiras contra o Atlético-MG, válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Mineirão.
Cesar Greco

Weverton concedeu entrevista coletiva na Academia de Futebol e comentou sobre diversos assuntos

Colecionador de diversos prêmios individuais, o goleiro Weverton, em entrevista coletiva concedida na quarta-feira, na Academia de Futebol, comentou sobre seu estilo de jogo e destacou dois pontos que acredita serem fundamentais para um arqueiro: “simplicidade e concentração”.

“Gosto de mostrar segurança. Os adversários que são de alto nível sabem quando o goleiro gosta de espalmar. Eu sou seguro e quero mostrar para eles que é difícil fazer gol em mim. Acredito que goleiro precisa ser simples para ser regular. Toda bola é perigosa. Essa é minha forma de jogar”, contou.

“Fico feliz com a minha postura em campo. Meu desejo é que meus companheiros olhem para trás e confiem em mim para jogarem tranquilos. Não sou invencível, mas vou poder ajudar eles a manter a baliza zero, que é sempre o objetivo em campo”, acrescentou.

Além da qualidade debaixo das traves, que o faz ser convocado à Seleção Brasileira com frequência, Weverton também apresenta um bom jogo com os pés. No duelo frente ao Atlético-MG, terça-feira passada, o Verdão teve duas boas chances de balançar as redes adversárias, com Piquerez e Rony, através de lançamentos do arqueiro.

“Converso muito com os atacantes, vejo bastante como as outras equipes jogam. Se estão com a linha alta, se jogam na sobra, como posso explorar os lançamentos. Estamos conseguindo fazer boas jogadas através dos meus lançamentos, mas está faltando sair o gol. Até brinquei com o Rony, porque ele teve uma grande chance. Falei: ‘pô, Rony. Me ajuda’”, detalhou.

“O importante é eles saberem que tem um goleiro ali atrás que pode encontrar eles numa ligação direta. Não chute para frente. Óbvio que às vezes erro, mas às vezes dá certo. No momento certo, vamos fazer gol assim e comemorar bastante”, prosseguiu.

Estratégia do Palmeiras contra o Atlético-MG e o trabalho de motivação feito pela comissão técnica

Weverton e Gustavo Gómez, observam Zé Rafael em disputa de bola com Hulk durante jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG Mineiro, na segunda partida válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Mineirão.
Cesar Greco

Sobre os dois confrontos do Verdão diante do Atlético-MG, o camisa 21 ressaltou a estratégia escolhida pela comissão técnica e rebateu as críticas recebidas pela equipe.

“As pessoas gostam de dizer que o Palmeiras só joga se defendendo, mas se analisar o jogo contra o Atlético-MG friamente, também vai ver que o Éverson fez, pelo menos, três defesas. Nós poderíamos ter ganhado o jogo no segundo tempo. Prevaleceu a estratégia do Palmeiras. Aquilo que o Abel planejou foi muito bem executado. Tem que dar os parabéns a ele e a toda comissão técnica, porque conseguimos chegar novamente à decisão”, enalteceu.

“Sobre o primeiro jogo, o Palmeiras não chutou, mas o Atlético também não. Eu não fiz uma defesa na ida. As pessoas acham que só o Palmeiras tem que dar espetáculo, dar show. Tem que olhar para o outro time também. Foi um bom jogo, aberto, e nós tivemos o mérito de fazer o gol fora de casa”, rebateu.

Nos dias que antecederam a partida contra o Galo, Abel Ferreira e seus auxiliares não treinaram apenas como o Palmeiras iria se portar dentro de campo, como também trabalharam a parte mental dos atletas e a motivação para o jogo.

“O Abel é um cara muito motivador, que procura sempre trazer à nossa memória o que nos dá esperança. Ter a taça da Libertadores [dentro do vestiário] é lembrar o quanto é importante voltar a uma decisão de Libertadores. Na semana ele perguntou o que significava isso e cada um respondeu da sua maneira. A taça nos trouxe a memória de poder disputar outra final e marcar nosso nome na História do clube. Foi uma motivação a mais, uma inspiração para todos nós”, revelou.

Weverton fala sobre jogar com torcida no estádio

Weverton durante segunda partida do Palmeiras contra o Atlético-MG, válida pelas semifinais da Libertadores 2021, no Mineirão.
Cesar Greco

Diferentemente do Palmeiras, que não pôde ter a presença da sua torcida no Allianz Parque, a equipe mineira teve a liberação do governo do Estado para contar com quase 18 mil atleticanos no Mineirão.

Ainda que isto tenha sido visto como uma vantagem para o adversário, Weverton acredita que o público gerou uma pressão a mais ao Atlético e afirmou que o Verdão soube usar isso ao seu favor.

“A gente sente muita falta de entrar com nossa torcida no Allianz Parque. É ruim para a gente, sabemos como é bom. Mas ontem era um ambiente de pressão para eles e aproveitamos. Tinha bastante gente no estádio e uma coisa que estava com saudade de ver era o quanto o estádio se cala ao sofrer um gol do adversário. O Mineirão se calou no momento do gol e a gente estava bem no jogo”, disse.

Foco no Brasileirão

Para finalizar, o goleiro não quis comentar sobre a final da Libertadores, já que o jogo acontecerá somente no dia 27 de novembro, e pediu foco total do Palmeiras no Campeonato Brasileiro.

“A final acontecerá só daqui a dois meses. Vamos focar todas as nossas ações no Brasileiro. Somos o segundo colocado, ainda temos chances reais de conquistá-lo. Brigaremos até o fim e o nosso foco nesses dois meses será neste campeonato”, finalizou.

Com 38 pontos, o Palmeiras está a 10 do líder, Atlético-MG. Neste domingo, a equipe terá pela frente o Juventude, às 18h15, no Allianz Parque.

Entrevista: Conselheiro Luiz Fernando Marrey Moncau

O Verdazzo entrevistou o conselheiro da SEP Luiz Fernando Marrey Moncau, que mantém uma conta no Twitter bastante ativa – @vaiparmera.

Nesta entrevista, conversamos sobre a última reunião do Conselho Deliberativo, o modelo de votação definido pelo Presidente do Conselho e sobre o documento que regulamenta tudo isso, o Estatuto do clube. Confira abaixo.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.