Abel critica arbitragem de Vuaden e pede que o juiz “não apite mais jogos do Palmeiras”

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o América-MG, durante partida válida pela vigésima quarta rodada do Brasileirão 2021, no estádio Independência.
Cesar Greco

Sobre a partida, Abel Ferreira admitiu que o Palmeiras não fez um bom jogo e declarou que “há muito espaço para melhorar”

O técnico Abel Ferreira fez duras críticas à arbitragem de Leandro Vuaden, em entrevista coletiva, após a derrota do Palmeiras para o América-MG por 2 a 1 na noite desta quarta-feira. O principal lance questionado pelo comandante foi a não expulsão do zagueiro Eduardo Bauermann, que cometeu uma falta em Rony quando o atacante ia sozinho em direção ao gol do adversário.

“Hoje o jogo teve um fator determinante que não foi visto pelo árbitro. Infelizmente, das três equipes que estiveram em campo, uma delas não fez o trabalho que deveria fazer”, declarou Abel, que depois prosseguiu fazendo um pedido:

“Não tenho nada contra o árbitro [Vuaden], mas desejo que ele não apite mais jogos do Palmeiras. Contra o SPFC ele não viu um pênalti sobre o Luiz Adriano e hoje também não expulsou o zagueiro adversário, ao segurar o Rony quando era o último homem. Na Supercopa também, vocês lembram o que aconteceu”, contou.

Abel Ferreira admite que Palmeiras precisa melhorar e explica modo de atuar da equipe

Sobre o jogo, Abel lamentou as chances desperdiçadas pelo Palmeiras e admitiu que há muito espaço para evolução.

“Só há uma forma de melhorar, que é treinar. Temos muito que melhorar, reconheço que não fizemos um bom jogo. Jogamos contra uma boa equipe, que vem em uma boa fase de resultados. Não tivemos a capacidade de, com bola, impor o nosso jogo, nossa qualidade”, declarou.

“O futebol é isso. Eles foram eficazes e, nós, não. Quando estava 1 a 1, tivemos uma bola nos pés do Veron e outra no Wesley, mas não conseguimos fazer”, acrescentou.

Já em relação ao estilo de jogo do Verdão, que hoje pouco teve a bola nos pés (apenas 39%), o treinador afirmou que o Palmeiras “não é uma equipe reativa”.

“O Palmeiras não se resume apenas em transitar. Quando temos a bola, o que eu espero é que os jogadores coloquem todas as suas qualidades a serviço da equipe, que assumam o jogo, arrisquem. Mas hoje não conseguimos fazer”, disse.

“Escolho a forma de jogar a partir das características dos jogadores. Nós treinamos o ataque posicional. Encorajamos os jogadores a terem a bola. Agora, temos que ter a coragem de assumir o jogo, ter a bola. Com todo respeito ao América, nós somos melhores. Não digo para os atletas jogarem em transição, claro que quando temos a bola nós vamos defender e sair em contra-ataque. Mas com a bola, peço para nós nunca deixarmos de sermos protagonistas, para não abdicar de atacar com calma e paciência para encontrar a linha de passe. Há muito espaço para melhorar e vamos melhorar. Assumo toda a responsabilidade”, finalizou.

O Palmeiras retorna para São Paulo na madrugada desta quinta-feira e já realiza o primeiro treinamento visando o Red Bull Bragantino amanhã, às 11h, na Academia de Futebol.

O duelo frente à equipe de Bragança Paulista acontecerá no sábado, no Allianz Parque, às 21h, em jogo válido pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.