O peso da cruz do Savóia (e de outros coleguinhas)

Eduardo Savóia na Fox

O episódio em que os empresários de Bruno Henrique alegam ter uma proposta de salário astronômica para o atleta gerou alguns desmembramentos nos últimos dias. Além da bronca de Felipão nos jornalistas, a quem disse que deveriam cobrar comissão dos agentes por estarem fazendo o serviço de pressão para eles, começam a surgir histórias nos bastidores. Historinhas. Conversa pra boi dormir.

O experiente jornalista Eduardo Savóia lançou na Fox Sports, em entrada que você pode ver neste link, que o aumento salarial concedido a Dudu gerou ciúmes em outros jogadores, insinuando um início de crise no elenco.

Bruno Henrique foi um dos jogadores mais importantes na conquista do Brasileirão. É absolutamente legítimo que o atleta, através de seus agentes, busque reconhecimento profissional através de um aumento. Isso não é ser mercenário, nem desleal, nem ingrato, muito menos pode ser visto como intriga de vestiário. Ao contrário, é muito merecido.

A forma com que seus empresários buscaram a aproximação junto ao clube, no entanto, foi das mais infelizes. Aliás, são os mesmos que gerenciam as carreiras de atletas que vivem em apuros, como Gabriel e Gustavo Scarpa, entre outros. Se eu fosse o Bruno Henrique, procuraria desde já outros agentes, que não o fizessem correr o risco de ter a imagem desgastada junto à torcida, sobretudo por intervenções como essa vista no vídeo linkado.

A cruz que os jornalistas carregam

Neto e Velloso

A intervenção de Eduardo Savóia é apenas mais uma entre tantas que podem ser vistas nos programas esportivos de TV, que buscam atingir um público massificado. Mesmo os canais por assinatura buscam números expressivos na audiência, porque a receita com anúncios é diretamente proporcional a eles. Muitas vezes o jornalista que trabalha nesse tipo de redação é pressionado pela chefia a usar recursos rasteiros em busca de números; quem o faz com mais naturalidade – ou menos vergonha – certamente deve ganhar muitos tapinhas nas costas, ao passo que os que preferem o jornalismo reto tendem a trocar de emprego mais vezes.

A insinuação de ciúme no elenco gera burburinho e deixa marcas mais profundas do que pode parecer. No futuro, qualquer coisa diferente que aconteça envolvendo Dudu ou Bruno Henrique será associada a esse factoide. A semente da crise estará eternamente à espera para germinar. E Savóia ou a editoria da Fox não está nem um pouco preocupado com isso.

Um caso semelhante aconteceu há cerca de dez anos no Palmeiras. Em 2009, o time tinha tudo para vencer o Brasileirão, mas acabou sucumbindo na reta final por uma incrível convergência de eventos. Hoje, a maioria dos torcedores atribui o fracasso à contratação de Vagner Love, que teria gerado ciúmes no elenco – algo absolutamente equivocado, visto que o atacante foi bem recebido e manteve um ótimo clima de vestiário com os companheiros até o dia de sua saída. Mas o boato deixou marcas profundas, a começar da própria influência naquela reta final.

O jornalismo nos meios de comunicação de massa parece condenado. Com raras exceções, até os canais por assinatura, antes blindados, já sucumbiram ao mundo cão do deboche raso e do popularesco, da fofoca rasteira e da irresponsabilidade. Não adianta mais se revoltar. A saída está na internet.

Alternativa: a mídia palestrina

Verdazzo - Youtube

O Verdazzo surgiu há doze anos e hoje se posiciona, dentro da mídia palestrina, como alternativa a esse tipo de comunicação. Depois de altos e baixos, contando com a evolução da tecnologia, o site tem uma linha de atuação bem definida e todo o potencial para oferecer conteúdo palmeirense com respeito ao clube e à torcida, sem recorrer a nenhum expediente desleal.

A diferença se dá porque nosso objetivo não é a audiência em massa. Não dependemos de números para ter uma receita expressiva. Nosso posicionamento é o de promover o debate entre a torcida num tom mais ameno, menos novelesco, mais racional – e isso não significa ser melhor ou pior que ninguém, apenas seguir um estilo.

Nós sempre nos preocupamos com o efeito que nossas palavras podem causar ao Palmeiras. Na nossa atuação, o Palmeiras sempre será protegido.

E dentro deste estilo, o projeto precisa de 1.000 apoiadores para conseguir dar seu próximo passo, que é ter um setorista na Academia, buscando as informações e abastecendo a torcida sem viés sensacionalista, sem manchetes arrebatadoras, sem brincar com a expectativa do torcedor.

Teremos nosso canal no YouTube recheado de atrações diárias, com matérias, entrevistas, quadros especiais e resenha. Porque apenas 1.000 apoiadores bastam para tornar esse sonho economicamente viável.

Neste momento, ultrapassamos 45% 46% da meta. Em breve, a torcida do Palmeiras terá em tempo integral uma alternativa à Fox, à ESPN, ao Neto, ao Savóia, e a todos que nos aborrecem tanto. Isso acontecerá mais rápido, quanto mais palmeirenses se juntarem a nós.

Conheça mais sobre nosso projeto clicando aqui; se quiser mais detalhes, entre em contato pelas redes sociais ou pelo formulário de e-mail do site. Será um prazer tê-lo a bordo.