Palmeiras precisa desativar o “modo Lacraia” em Deyverson

Deyverson
Reprodução

Deyverson foi um dos maiores personagens do clássico de ontem contra o SCCP. Com a bola, marcou o único gol da partida, criou chances, sofreu um pênalti não assinalado pela arbitragem e disputou todas as bolas como se fosse a última da carreira, incendiando a torcida.

O camisa 16 também agitou o estádio ao ser substituído, recebendo uma ovação que poucos conseguiram até hoje na História do Allianz Parque – e já do lado de fora, provocou Roger com uma prosaica piscadinha, o que causou um princípio de confusão à beira do gramado e fez o relógio andar um pouquinho mais.

Se fosse “só” isso, tudo certo. Mas Deyverson faz tudo isso oscilando emocionalmente de forma perigosa. Seu comportamento em campo destoa. Sua forma teatral de agitar os braços; seus mergulhos acrobáticos e as vezes em que se dirige à torcida para pedir apoio são exageradas e atraem antipatia dos adversários e das arbitragens. É o “modo Lacraia”.

Mesmo sendo uma peça importante nos últimos jogos – deu o passe que abriu caminho para a vitória sobre o Atlético-PR e marcou o gol solitário do Derby – Deyverson segue sendo uma figura questionável exatamente por esse tipo de comportamento instável.

Paga pelo que faz e pelo que não faz

Deyverson
Reuters

No Derby, Deyverson foi calçado dentro da área por Henrique, mas a forma com que mergulhou no gramado ajudou a já natural má-vontade dos árbitros em não marcar pênaltis contra o SCCP. Amarelado, procurando confusões desnecessariamente – incluindo um choque forçado com Cássio – obrigou Felipão a tirá-lo de campo, pois era nítido que seria expulso a qualquer momento.

Sua entrada em campo na partida contra o Cerro Porteño foi apoteótica. Pilhado muito acima do normal, provocou, sofreu faltas, deu piruetas, tomou encontrões e acabou expulso sem agredir ninguém – mas o árbitro considerou seu comportamento inadequado. O presidente do Cerro Porteño, Juan Zapag, chegou a afirmar em entrevista que el rúbio parecia um personagem de circo em meio a adjetivos como “drogado” e “possuído” – um claro exagero, mas que traduz o quanto o comportamento amalucado de Deyverson chama a atenção de forma negativa.

Contra o Bahia, Deyverson subiu numa disputa de bola com os braços abertos e acabou atingindo o lateral Mena. Anderson Daronco aplicou-lhe o amarelo, mas Leandro Vuaden, que comandava o sistema do VAR, recomendou a expulsão – totalmente injusta, já que o movimento foi claramente para equilibrar o corpo, tanto que os dois braços fazem o mesmo gesto. Mas como é o Deyverson (e joga no Palmeiras), o cartão vermelho foi aplicado – e a punição no STJD veio com bônus: dois jogos de gancho.

Com essa sequência que mistura comportamentos inadequados, falta de controle emocional e um jeitão estabanado, mesmo sendo importante quando está apenas jogando bola, Deyverson conseguiu uma proeza: está suspenso dos próximos três jogos do Palmeiras, por três competições diferentes. Borja sente uma lesão na panturrilha e Felipão pode precisar recorrer a Willian Bigode ou mesmo a Papagaio em partidas importantes da temporada.

Correção urgente

Deyverson e Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Deyverson vinha sendo o jogador que a torcida havia selecionado para ser pregado na cruz – nossas arquibancadas sustentam esse costume há décadas, sempre existe um que é o escolhido – mas conseguiu, com Felipão, dar a volta por cima. De perseguido passou a ser até uma espécie de xodó, para alguns. Mas ainda é possível notar na torcida quem não o veja com bons olhos. Há muitos palmeirenses que, com alguma razão, torcem o nariz para seu jeito canastrão dentro de campo – e as suspensões consecutivas reforçam esse argumento. Como se não bastasse, Deyverson não é exatamente alguém que tem uma relação íntima com a bola, o que aumenta a rejeição.

Essa divisão na torcida pode pender para qualquer um dos lados. Se a boa fase dentro de campo cessar, Deyverson voltará a ser uma unanimidade negativa. Mas se ele for corrigido, passando a dosar seus impulsos e seus trejeitos abilolados, focando em jogar bola e continuar sendo útil ao time, até aquele mesmo xarope que fica no Gol Sul sempre no mesmo ponto, posicionado para aparecer para a câmera do guindaste e criticando o camisa 16 mesmo quando ele acabou de fazer um gol (como fez ontem) pode passar a aplaudi-lo. Até ele.

Felipão mencionou de forma misteriosa na coletiva pós-jogo que existem algumas correções que precisam ser feitas fora de campo. Houve quem dissesse que é a influência excessiva da patrocinadora; outros disseram que só podia ser o “modo Lacraia” que se apossa de Deyverson nas partidas. Como nosso general deixou as tais correções no ar, que sejam as duas coisas; que todos os ajustes sejam feitos e que nosso camisa 16 seja controlado para que possa usar toda sua energia apenas em favor do Verdão, e não contra.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo