Conmebol descarta “invasão” de Deyverson; confira todo o lance analisado pelo VAR

Conmebol divulga áudios do VAR no gol do Palmeiras; “invasão” de Deyverson foi analisada.
Reprodução

Nas redes sociais, Deyverson ironizou o lance e provocou os rivais

O gol de empate do Palmeiras, marcado por Dudu, contra o Atlético-MG, causou agitação nas redes sociais não só pelo gol em si, mas também por conta do atacante Deyverson. O camisa 16 invadiu o gramado antes da jogada ser finalizada e isso causou irritação nos torcedores rivais, que queriam que o tento fosse anulado pela arbitragem.

Na tarde desta quarta-feira, a Conmebol divulgou, em seu site oficial, a conversa entre o árbitro de vídeo e o juiz de campo, Wilmar Roldán, sobre o lance. A invasão foi observada pela equipe de arbitragem e a decisão foi por advertir o atacante com o cartão amarelo.

A equipe do VAR analisou também outros dois momentos: a disputa envolvendo Gabriel Veron e Nathan Silva e um possível toque de mão de Dudu na jogada. Ambos os lances foram considerados limpos.

Confira a análise do VAR no lance do gol do Palmeiras; “invasão” de Deyverson foi descartada:

De acordo com o ex-árbitro Alfredo Loebeling, o gol não deveria ser anulado: “O gol, para mim, é legal. Realmente há a invasão do Deyverson, isso não tem a menor dúvida, uma atitude que considero totalmente desequilibrada para um profissional. Mas tem que analisar se teve uma participação ativa do Deyverson. O texto fala que o gol é ilegal, e o próprio texto, no parágrafo inicial, fala em tiro livro no local onde o agente externo participa da jogada. Onde que o Deyverson participa da jogada? Existe uma interpretação do texto buscando o espírito da regra. Não tem o menor sentido se você ler o primeiro parágrafo do que está na regra de dizer que o gol é irregular por causa disso. É absurdo. Ele tem que participar do jogo, e o Deyverson não participa do jogo”, disse ao Uol.

Elenco realiza treino tático antes de enfrentar o SCCP

Dudu e Gabriel Menino durante treino do Palmeiras, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Após o treino, Deyverson conversou com a TV Palmeiras/FAM e projetou o clássico

O elenco do Palmeiras realizou mais um treino na manhã desta sexta-feira, na Academia de Futebol, em preparação para o clássico diante do SCCP, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Derby acontecerá amanhã no Itaquerão, às 19h.

No campo, Abel Ferreira e seus auxiliares comandaram, inicialmente, uma atividade tática. O grupo foi dividido em dois times para aprimorar os balanços (ofensivos e defensivos), posicionamentos, transições e outros fundamentos de jogo.

Em seguida, os atletas ensaiaram jogadas de bola parada, tanto ofensiva quanto defensiva, além de movimentações específicas. Por fim, alguns jogadores praticaram cobranças de faltas e batidas de pênaltis.

O lateral-esquerdo Jorge participou normalmente de todas as ações propostas pela comissão técnica, assim como nos demais dias da semana, e tem chances de estrear com a camisa do Verdão.

Após o treino, Deyverson falou sobre o Derby

Dudu e Deyverson durante treino do Palmeiras, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Ao final da atividade, o atacante Deyverson conversou com a TV Palmeiras/FAM e projetou o confronto frente ao rival.

“A preparação foi boa e exigente. Sabemos do tamanho do Palmeiras e cada jogo é uma batalha. Esse jogo [contra o SCCP] tem um sabor diferente. Espero que possamos entrar focados naquilo que temos que fazer e sair vitoriosos”, declarou.

O Palmeiras é o segundo colocado na tabela de classificação com 38 pontos, sete a menos que o Atlético-MG, líder do campeonato.

Decisivo na última vitória sobre o Flamengo, Deyverson não marca há mais de 2 meses

Deyverson, do Palmeiras, comemora gol marcado contra o Internacional, em Porto Alegre
Cesar Greco

Deyverson teve um bom início com Abel Ferreira, mas caiu de produção nos últimos jogos

Buscando a liderança do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras entra em campo no próximo domingo para enfrentar o Flamengo no Allianz Parque, às 16h. O duelo é mais uma oportunidade para o Verdão conseguir quebrar uma pequena escrita: há quase quatro anos o clube não vence os cariocas.

O último triunfo ocorreu em 12 de novembro de 2017, por 2 a 0. À época, a equipe era comandada por Alberto Valentim e o destaque da partida foi o atacante Deyverson, autor dos dois gols.

De volta ao clube em junho deste ano, após uma temporada e meia na Espanha, o camisa 16 terá a oportunidade de reencontrar o rival e também de voltar a marcar gols. Seu último tento aconteceu há mais de dois meses, quando o Palmeiras visitou o Internacional e venceu por 2 a 1, em 30 de junho.

Desde então, Deyverson disputou 12 partidas, sendo titular em metade delas, e contribuiu com duas assistências. Apesar do período sem gols, o jogador afirmou em entrevista ao Uol que mantém a confiança e que também procura outras formas de ajudar o time. “Sempre que entro, procuro ajudar, seja com assistências, gols, voltando para marcar, fazendo recomposição”.

Deyverson teve bom início com Abel Ferreira

Deyverson, do Palmeiras, comemora seu gol contra o Juventude em Caxias do Sul
Cesar Greco

Em seu retorno ao Palmeiras, Deyverson aproveitou o fato de Abel Ferreira não ter à disposição um jogador com suas características e engatou uma boa sequência.

Foram cinco jogos seguidos como titular, dois gols marcados (os únicos em 2021) e elogios recebidos do treinador. “O Deyverson tem uma coisa que para mim é obrigatório em um jogador: é dar tudo em campo. Além disso, tem um jogo aéreo fortíssimo, que nenhum dos nossos centroavantes têm. Ele nos traz opções”, disse Abel após a vitória por 3 a 0 sobre o Juventude.

Aos 30 anos, o atacante contabiliza 122 jogos e já marcou 27 gols pelo Palmeiras; seu contrato vai até o final de junho de 2022.

Felipão, Deyverson, Borja e a dificuldade da torcida em lidar com frustrações

Deyverson
Fabio Menotti/Ag.Palmeiras

Deyverson entrou nos noticiários, de novo. Desta vez, por publicar dois vídeos, o segundo desmentindo o primeiro, que por sua vez desmentia a coletiva de Felipão na véspera. Isto é Deyverson.

As idas e vindas deste rápido caso do final de semana precisam ser bem interpretadas. Mas para isso, é preciso de mais informações que qualquer um do lado de fora da Academia de Futebol tenha. Por isso, é muito mais justo manter a cautela antes de iniciarem mais um linchamento virtual.

Deyverson começou, Felipão acabou entrando de gaiato, Borja inevitavelmente entra na discussão, mas o principal personagem de toda a repercussão, de forma quase metafísica, é a própria torcida e suas reações inacreditáveis nas redes sociais.

Vamos tentar desmembrar o caso com muita calma nas linhas a seguir.

Felipão bancou? Mesmo?

Felipão

Após o clássico contra o Santos, Felipão informou a permanência de Deyverson. Segundo o treinador, após uma conversa com o atleta, ele disse que preferia ficar, e o treinador, diante da decisão tomada, disse ter ficado satisfeito.

Evidentemente o negócio não saiu por falta de acordo entre o clube chinês e o atleta – seja pelas bases financeiras, seja pela própria vontade de Deyverson em não deixar o país para partir para um a cultura totalmente diversa da nossa, ou por não pretender mais deixar o Brasil. Só ele sabe.

Qualquer que tenha sido a razão para o negócio melar, Felipão não tem nenhuma participação nisso, a não ser pela tal conversa, na qual Deyverson teria lhe perguntado se ele queria sua saída. Ora, é claro que o treinador vai dizer que não quer, porque as duas coisas ainda podiam acontecer, e em caso de permanência, seria melhor preservar o relacionamento – foi o que ele fez, como faz com todos os atletas.

Parte da torcida, no entanto, parece ter invertido a ordem das coisas e atribuído a Felipão a permanência do jogador, como se o negócio de mais de R$ 50 milhões tivesse sido abortado por interferência dele. E tome Felipão linchado virtualmente. “Culpa dele!”, bradam.

Não tem conserto

Deyverson
Reprodução

Infelizmente o negócio não saiu. Conforme já explanado neste post, o ciclo de Deyverson no Palmeiras parece ter se esgotado, e este episódio apenas reforça a conclusão.

No primeiro vídeo que circulou ontem, exaustivamente compartilhado nas redes sociais e nos grupos de whatsapp, Deyverson dirige-se a um grupo chamado por ele de “D16” – provavelmente um grupo de fãs ou algo dedicado a sua carreira e/ou personalidade. Nele, informa que estaria deixando o Palmeiras, e em tom de despedida, mandou um #partiuchina.

Poucas horas depois, um novo vídeo surgiu, desmentindo tudo e explicando que era apenas uma brincadeira interna. Deyverson diz que gosta do Palmeiras e que não é para ninguém “se preocupar”, que ele vai ficar no clube.

Um dia depois do técnico informar publicamente a permanência, o camisa 16 deu um nó na internet e causou um pandemônio. E tome Deyverson linchado virtualmente, porque estaria “fazendo os torcedores de palhaços”.

Não é para tanto

Deyverson
Reuters

Já sabemos que o chip de Deyverson não funciona. Uma arte como essa é bem menos grave do que muita coisa que ele já fez. Se de fato ele fez o primeiro vídeo apenas para trollar um grupo específico, achando apenas que iria, poucos minutos depois, gritar um RÁÁÁÁÁ e tudo iria ficar bem… isto é Deyverson!

Não surpreende que ele não tenha pensado dois movimentos à frente, prevendo que alguém vazaria rapidamente o vídeo, que, além de ter uma fake news bombástica, ainda desmentia a entrevista do chefe na véspera. Ou alguém ainda espera que Deyverson tenha esse nível de maturidade?

O problema é que nossa torcida é tão madura quanto o camisa 16.

O sujeito quer que Deyverson vá embora. Um belo domingo, ele mesmo “diz” que vai. A comemoração é imensa, chega até a superar a frustração do empate na véspera – afinal, o fim-de-semana não foi tão ruim. Nem precisa esperar o clube anunciar oficialmente, afinal, saiu da boca do próprio jogador, não é verdade?

Ora, se Deyverson não serve para o Palmeiras exatamente porque não é confiável, de quem é a culpa pela frustração pela reviravolta após o segundo vídeo? Do Deyverson ou de quem preferiu enganar a si próprio?

Lidar com frustrações

A dificuldade da torcida em lidar com frustrações é assustadora. O episódio Deyverson é apenas mais um em que parte da torcida do Palmeiras, num reflexo do que é a sociedade atual, demonstra toda sua falta de maturidade.

Borja vive uma fase péssima. Vem errando gols facílimos de forma incrível. Mas no sábado, após a chuva que caiu nos minutos iniciais, a bola e o gramado ficaram mais lisos e tudo ficou mais difícil, para todos. Alguns erros de domínio foram notados. Mas só Borja foi vaiado quando a bola lhe escapou, antes dos 20 minutos de jogo.

É claro que o colombiano pensa, na hora, “por que só comigo?”, e perde ainda mais confiança. Nossa torcida, em vez de apoiar quem está em campo para fazer nossos gols, prefere vaiá-lo. Dez ou quinze minutos depois, Borja perdeu um gol feito. Será que se ele não tivesse recebido aquela vaia antes, não teria tido mais confiança e a bola não teria entrado?

Vaiar o Borja agora não adianta nada. Não estamos em janela de transferência. Apenas alguns jogadores estão disponíveis – um deles, Alexandre Pato, ironicamente, um dos maiores ícones da indolência que tantos estão querendo enxergar em Borja. Ironicamente, um dos jogadores da mesma posição de Deyverson, que todos querem que saia.

Borja parece não estar à altura do Palmeiras neste momento; circulam por aí vídeos editados com seus piores gols perdidos. Ora, é claro que numa seleção de momentos ruins, o Borja, o Fred, o Ibra, assim como o Gioino ou o Enílton – qualquer um – vai parecer o pior atacante do mundo, da mesma forma que se pegarmos uma seleção de seus golaços, todo mundo vai querer ter esse cara no time.

Borja

Borja é as duas coisas. Temos que fazer a nossa parte e tentar fazê-lo voltar a ser o matador letal que foi no Atlético Nacional – ou, pelo menos, aquele que foi artilheiro da Libertadores e do paulista em 2018, que fez gol em Itaquera na primeira final, entre outros grandes momentos com nossa camisa.

Nossa torcida tem que ser mais madura, no estádio e nas redes sociais. Tem que ser menos imediatista, menos resultadista, e tentar enxergar o quadro sob uma perspectiva mais ampla.

Arthur Cabral é a terceira opção para a função no elenco e, neste momento, é apenas uma esperança. Afinal, se vendermos o Deyverson e o Borja neste momento, quem serão nossos centroavantes mesmo? Tudo o que Borja precisa, agora, é de apoio. Não por ele, mas pelo Palmeiras.

Pedir “fora este, fora aquele” é apenas uma solução imediata para a frustração do momento. Não foi por causa de Felipão que Deyverson não saiu. Deyverson-saiu-é-mentira-não-saiu-mais, é apenas um pouco mais do que Deyverson já mostrou ser. Ter o Borja da melhor forma possível, neste momento, é melhor que não tê-lo.

Que tal tentar amadurecer um pouco antes de mais um linchamento virtual?


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Palmeiras precisa desativar o “modo Lacraia” em Deyverson

Deyverson
Reprodução

Deyverson foi um dos maiores personagens do clássico de ontem contra o SCCP. Com a bola, marcou o único gol da partida, criou chances, sofreu um pênalti não assinalado pela arbitragem e disputou todas as bolas como se fosse a última da carreira, incendiando a torcida.

O camisa 16 também agitou o estádio ao ser substituído, recebendo uma ovação que poucos conseguiram até hoje na História do Allianz Parque – e já do lado de fora, provocou Roger com uma prosaica piscadinha, o que causou um princípio de confusão à beira do gramado e fez o relógio andar um pouquinho mais.

Se fosse “só” isso, tudo certo. Mas Deyverson faz tudo isso oscilando emocionalmente de forma perigosa. Seu comportamento em campo destoa. Sua forma teatral de agitar os braços; seus mergulhos acrobáticos e as vezes em que se dirige à torcida para pedir apoio são exageradas e atraem antipatia dos adversários e das arbitragens. É o “modo Lacraia”.

Mesmo sendo uma peça importante nos últimos jogos – deu o passe que abriu caminho para a vitória sobre o Atlético-PR e marcou o gol solitário do Derby – Deyverson segue sendo uma figura questionável exatamente por esse tipo de comportamento instável.

Paga pelo que faz e pelo que não faz

Deyverson
Reuters

No Derby, Deyverson foi calçado dentro da área por Henrique, mas a forma com que mergulhou no gramado ajudou a já natural má-vontade dos árbitros em não marcar pênaltis contra o SCCP. Amarelado, procurando confusões desnecessariamente – incluindo um choque forçado com Cássio – obrigou Felipão a tirá-lo de campo, pois era nítido que seria expulso a qualquer momento.

Sua entrada em campo na partida contra o Cerro Porteño foi apoteótica. Pilhado muito acima do normal, provocou, sofreu faltas, deu piruetas, tomou encontrões e acabou expulso sem agredir ninguém – mas o árbitro considerou seu comportamento inadequado. O presidente do Cerro Porteño, Juan Zapag, chegou a afirmar em entrevista que el rúbio parecia um personagem de circo em meio a adjetivos como “drogado” e “possuído” – um claro exagero, mas que traduz o quanto o comportamento amalucado de Deyverson chama a atenção de forma negativa.

Contra o Bahia, Deyverson subiu numa disputa de bola com os braços abertos e acabou atingindo o lateral Mena. Anderson Daronco aplicou-lhe o amarelo, mas Leandro Vuaden, que comandava o sistema do VAR, recomendou a expulsão – totalmente injusta, já que o movimento foi claramente para equilibrar o corpo, tanto que os dois braços fazem o mesmo gesto. Mas como é o Deyverson (e joga no Palmeiras), o cartão vermelho foi aplicado – e a punição no STJD veio com bônus: dois jogos de gancho.

Com essa sequência que mistura comportamentos inadequados, falta de controle emocional e um jeitão estabanado, mesmo sendo importante quando está apenas jogando bola, Deyverson conseguiu uma proeza: está suspenso dos próximos três jogos do Palmeiras, por três competições diferentes. Borja sente uma lesão na panturrilha e Felipão pode precisar recorrer a Willian Bigode ou mesmo a Papagaio em partidas importantes da temporada.

Correção urgente

Deyverson e Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Deyverson vinha sendo o jogador que a torcida havia selecionado para ser pregado na cruz – nossas arquibancadas sustentam esse costume há décadas, sempre existe um que é o escolhido – mas conseguiu, com Felipão, dar a volta por cima. De perseguido passou a ser até uma espécie de xodó, para alguns. Mas ainda é possível notar na torcida quem não o veja com bons olhos. Há muitos palmeirenses que, com alguma razão, torcem o nariz para seu jeito canastrão dentro de campo – e as suspensões consecutivas reforçam esse argumento. Como se não bastasse, Deyverson não é exatamente alguém que tem uma relação íntima com a bola, o que aumenta a rejeição.

Essa divisão na torcida pode pender para qualquer um dos lados. Se a boa fase dentro de campo cessar, Deyverson voltará a ser uma unanimidade negativa. Mas se ele for corrigido, passando a dosar seus impulsos e seus trejeitos abilolados, focando em jogar bola e continuar sendo útil ao time, até aquele mesmo xarope que fica no Gol Sul sempre no mesmo ponto, posicionado para aparecer para a câmera do guindaste e criticando o camisa 16 mesmo quando ele acabou de fazer um gol (como fez ontem) pode passar a aplaudi-lo. Até ele.

Felipão mencionou de forma misteriosa na coletiva pós-jogo que existem algumas correções que precisam ser feitas fora de campo. Houve quem dissesse que é a influência excessiva da patrocinadora; outros disseram que só podia ser o “modo Lacraia” que se apossa de Deyverson nas partidas. Como nosso general deixou as tais correções no ar, que sejam as duas coisas; que todos os ajustes sejam feitos e que nosso camisa 16 seja controlado para que possa usar toda sua energia apenas em favor do Verdão, e não contra.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo