Abel comenta expulsão de Deyverson e confirma que espera por um novo atacante

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Red Bull Bragantino, durante partida válida pela décima segunda rodada do Paulistão 2022, no Estádio Nabi Abi Chedid.
Cesar Greco

Em entrevista coletiva após o 1 a 1, Abel falou também sobre a utilização de Jailson na zaga

O Palmeiras visitou o Red Bull Bragantino na tarde deste domingo, em partida válida pela última rodada da primeira fase do Paulistão, e empatou o duelo em 1 a 1. Para o técnico Abel Ferreira, no entanto, o Verdão deveria ter saído de Bragança Paulista vitorioso.

“Foi um bom jogo. São duas equipes com processos bem definidos, consolidados. Entramos bem na partida, sofremos o gol, mas depois tivemos oportunidades de ir às redes. Criamos o suficiente. O que faz a diferença em um jogo é a eficácia. Merecíamos e deveríamos ter ganhado. Até mesmo com um a menos criamos uma ótima oportunidade, numa grande jogada do Garcia. O Gabriel Silva tem que fazer o gol naquela bola. Mas os meninos da base foram bem”, disse o treinador, que também enalteceu o adversário.

“É preciso colocar os adversários na equação quando se analisa um jogo. Eles têm qualidade, estudaram nossa equipe. O Bragantino é uma equipe que investe muito e eles também não têm tanta pressão”.

Além do desempenho do Palmeiras, outros assuntos comentados por Abel Ferreira foram os centroavantes. O comandante voltou a pedir calma com Navarro e afirmou estar esperando um 9; já sobre Deyverson, falou sobre sua expulsão e confirmou que o camisa 16 não terá seu contrato renovado – o vínculo do atacante se encerra em junho.

“Nós confiamos nele [no Navarro], ainda é jovem jogador. Ele veio como um projeto a longo prazo, queríamos contratar dois centroavantes e isso não é novidade para ninguém. O Deyverson está encerrando seu ciclo conosco e ele sabe disso. É preciso ter calma, paciência. Veio apenas o Navarro e ainda esperamos por outro”, disse.

“O Deyverson não é um menino. Já teve uma passagem pelo clube, saiu, e retornou porque eu e a estrutura do futebol entendemos que poderia nos ajudar. Ele entrega tudo dentro de campo e naquela circunstância não havia muito dinheiro dentro do clube para contratar um centroavante. Ele fez o papel dele hoje, marcou o gol de pênalti, mas depois não pode ter aquele tipo de comportamento. Tem um coração bom, mas o comportamento dele tem que mudar. Sofremos de forma desnecessária. Depois ele pediu desculpas a todo o grupo”, complementou.

Deyverson entrou em campo aos 21 minutos do segundo tempo, no lugar de Gabriel Veron. Aos 36, cobrou o pênalti que deu o empate ao Verdão, mas dois minutos depois reclamou com a arbitragem de forma exagerada e foi ejetado.

Abel fala sobre improvisação de Jailson

O treinador falou também sobre a utilização de Jailson, como zagueiro, na partida diante do Bragantino e afirmou que a ideia é que ele repita essa função nas quartas-de-final, já que o comandante não terá Gómez e Kuscevic (convocados) e Luan (machucado).

“Foi um teste [a escalação de Jailson na zaga]. O futebol brasileiro tem essa condicionante. Quando há jogadores selecionáveis na sua equipe, você ficará sem eles. Nós temos que arranjar opções. Não gosto dessas mudanças, porque acredito que desvirtua aquilo que é a realidade desportiva. No ano passado tivemos uma fase irregular por conta disso. Quando temos todos, somos uma equipe forte e competitiva. Não vamos ter o Luan (machucado) e Gómez e Kuscevic (convocados). Teremos que utilizar o Jailson nessa posição”, finalizou Abel.

O adversário do Palmeiras nas quartas-de-final será o Ituano, que classificou-se em segundo do grupo com 19 pontos. A partida acontecerá nesta quarta-feira, no Allianz Parque, às 21h35.