Campeonato Paulista 1999

O Campeonato Paulista de 1999 foi disputado entre março e junho, inserido num dos calendários mais cruéis da história do futebol brasileiro. Logo após o fim do Rio-São Paulo e intercalando jogos com a Copa do Brasil e a Libertadores, o estadual fez parte de uma sequência de 52 jogos em menos de cinco meses.

Foram 16 jogos na fase de classificação, mais quatro entre as semifinais e finais. E o público deixou a competição de lado: a maior bilheteria registrada foi de 31 mil pagantes, num empate em 4 a 4 contra o SPFC, na fase de classificação. Os mata-matas da Copa do Brasil e da Libertadores estavam atraindo toda a atenção.

Foi fácil para o Palmeiras, mesmo com tantos jogos, chegar às semifinais – bastou ficar entre os dois primeiros num grupo de seis, após 16 compromissos. Com o elenco farto sendo totalmente explorado por Felipão, o Verdão deu conta e cruzou com o Santos no mata-mata.

Por ter acumulado mais pontos que o time praiano na fase regular, o Verdão jogou por dois resultados iguais, e conseguiu: depois de perder o primeiro jogo por 2 a 1, dias após a primeira final da Libertadores em Cali, o Palmeiras devolveu o placar, de virada, após sofrer um gol de Viola em escandaloso impedimento. O Morumbi seguia às moscas.

Nem nas finais, contra o SCCP, o público prestigiou. Nossa torcida estava mais preocupada com outras conquistas; e a deles ainda estava tentando lamber as feridas da eliminação na Libertadores e apavorada com a possibilidade do Verdão levantar o maior troféu sul-americano na quarta e o Paulista em cima deles, no domingo.

A primeira partida das finais foi apertada. Edílson abriu o placar aos 8 do segundo tempo e o SCCP só aumentou aos 45, num pênalti discutível de Roque Júnior em Rincón. O juiz Oscar Roberto Godoy deu 4 minutos de acréscimo, mas deixou o jogo seguir até pra lá de 50, quando o SCCP fez o terceiro.

O Palmeiras não se abalou e fez o principal: ganhou a Libertadores na quarta-feira, no Palestra. No domingo, num Morumbi novamente cheio de espaços nas arquibancadas, de ressaca, o Verdão precisava reverter uma desvantagem de três gols – e mesmo saindo atrás, conseguiu ir para o intervalo com vantagem de 2 a 1, após dois gols de Evair.

Eram necessários ainda mais dois gols e o título estava aberto. O jogo ficou quente, disputado – afinal, era Derby e não tinha mais nenhuma competição mais importante pela frente nos dias seguintes. Aos 29, Ricardinho fez uma grande jogada e a bola sobrou para Edílson definir o placar. Com pouco mais de 15 minutos pela frente, o Palmeiras voltou a precisar de três gols e, exausto, praticamente entregou os pontos.

Foi quando Edílson mostrou do que é feito. Esquecendo-se de seu passado, de como se tornou um jogador conhecido no cenário nacional, resolveu fazer gracinhas às custas da camisa do Palmeiras. Um grande quebra-pau tomou conta do gramado do Morumbi e um castigo merecido. No final da grande maratona que foi o primeiro semestre de 1999, o Palmeiras levantou a Libertadores; o SCCP ficou com o paulistinha e vários hematomas pelo corpo.

Campeonato Paulista 1999

Lista de jogos

Lista e estatística dos jogadores