2
X
2

03/08/2022 - 21:30

Atlético-MG x Palmeiras
Cesar Greco

O Palmeiras conseguiu um resultado excepcional ao empatar por 2 a 2 com o Atlético-MG, no Mineirão, no jogo de ida das quartas-de-final da Libertadores. Numa partida em que o time da casa prevaleceu na maior parte do tempo com muita intensidade física e chegou a abrir 2 gols de vantagem, o Verdão mostrou o quanto é cascudo e foi buscar o empate nos acréscimos.

O placar permite que o Palmeiras avance às semifinais da competição com uma vitória simples no Allianz Parque, na próxima semana. Um novo empate levará a decisão da vaga para os pênaltis.

O Atlético iniciou a partida sufocando a saída de bola do Palmeiras. Com Keno jogando em cima de Marcos Rocha – e levando nítida vantagem nos duelos – o time da casa não deixava o Palmeiras jogar. A tática tinha eficiência absoluta, ainda, porque a arbitragem não puniu com cartões a prática de cometer faltas táticas para conter a transição ofensiva do Palmeiras. Ao todo, o Atlético cometeu 23 faltas, contra 11 do Verdão.

O que quebrou o galho do Palmeiras foi a péssima pontaria dos jogadores atleticanos. Com jogadas muito perigosas, o time da casa finalizava de dentro da área com Weverton exposto, mas a bola foi para fora em quase todas. E assim transcorreu todo o primeiro tempo, de forma agonizante.

Numa rara jogada encaixada, o Palmeiras chegou a fazer o primeiro gol, num contra-ataque articulado por Dudu, com participação de Gustavo Scarpa e finalização de Piquerez, mas houve impedimento no lance. Foi um aviso aos empolgados torcedores do Atlético do quanto nosso time é copeiro.

Após este lance, houve um breve momento de silêncio no estádio, quebrado pela discutível marcação do pênalti sobre Jair. Mas, ao contrário das desastradas intervenções da arbitragem brasileira, a decisão de Facundo Tello não dá margem a nenhuma reclamação – é dele a prerrogativa de interpretar o lance – embora Jair não tenha ido ao solo por causa do contato.

O gol de pênalti, legítimo ou não, fez justiça mínima ao volume de jogo das duas equipes – perder por um gol já estava de bom tamanho para o Palmeiras, que não conseguiu sair do caixote armado pelo Atlético no primeiro tempo. E com Dudu e Scarpa invertidos no início do segundo tempo, o time deu uma rápida esperança de que a partida ficaria equilibrada.

Para decepção total, no entanto, no segundo minuto o Atlético ampliou, em mais uma jogada de Keno, e a classificação ficou seriamente ameaçada. Àquela altura, o time da casa teve o Palmeiras à sua mercê,  faltando apenas mais um golpe, que poderia ser o de misericórdia.

A intensidade que o Atlético imprimiu na partida até então, no entanto, acabou cobrando seu preço. O time listrado foi desaparecendo fisicamente. E o Palmeiras saiu do sufoco, passando a frequentar seu campo ofensivo. Numa falta sofrida quase no bico da área por Raphael Veiga, mais uma vez sumido, Gustavo Scarpa chutou no travessão e no rebote Murilo diminuiu.

O alerta acendeu do lado de lá, uma apreensão enorme tomou conta do estádio. O Palmeiras construiu esse respeito ao longo das últimas temporadas, e a superioridade física dava o tom.

As três mexidas de Abel fizeram muito mais efeito que as cinco de Cuca. Rafael Navarro, mais móvel que López, abria mais espaços; Gabriel Menino conseguiu escapar com mais vivacidade da marcação do que Veiga, e o time teve duas chances claras desperdiçadas por Dudu – a segunda, aos 37 minutos, foi inacreditável.

Mas nosso heroi se redimiu aos 46: após escanteio da direita batido, claro, por Scarpa, o camisa 7 fez um contorcionismo para cabecear a bola para o meio da pequena área, onde estava Danilo, que escorou para as redes e decretou o empate que fez os 5% do Mineirão pintados de verde explodirem em êxtase.

O Palmeiras não apenas segue vivíssimo na competição, mas reverteu a vantagem aberta pelo Atlético ainda no jogo da ida, já que os 90 minutos restantes, inclusive os 15 finais, sempre decisivos, serão na atmosfera do Allianz Parque, com o Palmeiras provavelmente atacando o Gol Sul. O Atlético estava no topo da montanha, escorregou, e agora tem que escalar tudo de novo pelo lado mais difícil.

O elenco comandado por Cuca é talentoso demais e tem todas as condições de, a exemplo do Palmeiras, conseguir um grande resultado fora de casa. Sabemos que mata-mata são traiçoeiros e que a empolgação de hoje pode ser a decepção de amanhã. Mas, qualquer que seja o resultado da eliminatória, não tem como não sentir um orgulho enorme desse elenco, que a cada jogo mostra do que é feito.

A sensação geral do mundo do futebol a respeito do nosso time é de resignação. O Palmeiras conseguiu chegar num estágio em que é preciso uma enorme combinação de fatores para nos tirar de um campeonato. O protagonismo é inquestionável. Os tempos são de júbilo. Só temos que aproveitar. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

57.140

R$ 4.232.050,90

Facundo Tello

Escalação

Atlético

Everson
Mariano
Nathan Silva
Junior Alonso
Igor Rabello
Rubens
Otávio
Jair
Ademir
Pedrinho
Zaracho
Nacho Fernández
Keno
Vargas
Hulk
Alan Kardec
Cuca
TÉCNICO


Primeiro tempo

2'
Atlético

Após troca de passes, a bola ficou suspensa e Zaracho tentou uma puxeta da meia-lua; a bola desviou no rosto de Gustavo Gómez e ficou tranquila com Weverton.

7'
Atlético

Hulk recebeu na meia direita, saiu da marcação de Gustavo Scarpa e disparou uma bomba; a bola passou sobre o ângulo direito de Weverton.

10'
Palmeiras

Gustavo Scarpa bateu falta da intermediária, com muita força, mas na direção de Everson, que espalmou a escanteio.

14'
Atlético

Keno tabelou com Hulk, recebeu nas costas de Marcos Rocha dentro da área e tocou forte, pelo alto.

16'
Atlético

De novo Keno: desta vez ele fez o facão por dentro, recebeu de Hulk mas ficou desequilibrado na hora da finalização e novamente bateu pelo alto. Marcos Rocha desta vez conseguiu atrapalhar o ponteiro do time da casa.

26'
Atlético

Após saída de bola errada do Palmeiras, Ademir foi lançado por Junior Alonso dentro da área, recebeu, girou mas foi travado por Murilo- a bola saiu em escanteio.

31'
Atlético

Após escanteio da esquerda, Flaco López afastou da área; a bola ficou viva e Zaracho tentou finalizar de voleio, pegou na orelha da bola mas foi o suficiente para que Ademir saísse na cara de Weverton para tocar rasteiro – a bola beijou o pé da trave direita e Danilo afastou o perigo.

38'
Palmeiras

Dudu arrancou por dentro e abriu na velocidade na direita para Gustavo Scarpa, que fez a jogada em cima de Rubens, entrou na área e bateu sem ângulo; Everson deu rebote e Piquerez escorou de direita para as redes do Atlético. O gol foi anulado por impedimento de Gustavo Scarpa.

45'
Atlético

Gol do Atlético – Gustavo Scarpa dormiu na saída de bola e foi desarmado por Ademir; a bola ficou com Mariano que tocou dentro da área para Jair – Marcos Rocha foi na marcação, houve o contato por baixo e o volante do Atlético se desmanchou na área. O árbitro assinalou, Hulk bateu no canto esquerdo e abriu o placar.

47'

Facundo Tello encerrou o primeiro tempo.


Segundo tempo

As duas equipes voltaram sem alterações dos vestiários. Gustavo Scarpa inverteu com Dudu.

1'
Atlético

Gol do Atlético – Após mais pressão em nossa saída de bola, Hulk recuperou, Keno tabelou com Jair, foi ao fundo e cruzou rasteiro na pequena área; a bola bateu em Murilo e foi para as redes do Palmeiras. Hulk e Zaracho estavam posicionados para escorar.

7'
Atlético

Zaracho roubou, tocou com Hulk que devolveu; Danilo tentou cortar mas escorregou e a bola ficou com o argentino, que bateu colocado – a bola desviou em Gustavo Gómez e foi a escanteio.

13'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Gustavo Scarpa cobrou falta do bico da área no travessão; a bola voltou para Murilo na risca da pequena área e o zagueiro apenas escorou para o gol vazio.

21'
Atlético

Keno bateu de fora da área; Weverton pegou firme por baixo.

22'

Raphael Veiga saiu para a entrada de Gabriel Menino.

32'
Palmeiras

Danilo bateu da intermediária, por cima do gol.

32'
Palmeiras

Marcos Rocha roubou e ligou com Gabriel Menino, que tocou rápido para Dudu, no facão, dentro da área, o camisa 7 girou rápido e bateu por cima.

35'

Rafael Navarro e Mayke entraram nos lugares de López e Marcos Rocha.

37'
Palmeiras

Mayke tocou para Gustavo Scarpa por trás de Rubens; o cruzamento veio do fundo por baixo e Dudu não aproveitou o escorregão de Mariano – de frente para Everson, pegou mal na bola e tocou para fora.

46'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Gustavo Scarpa bateu escanteio da direita; Dudu escorou no segundo pau para a pequena área e Danilo tocou para o fundo das redes!

50'

Facundo Tello, que poderia ter contido com cartões as faltas sucessivas do time da casa, encerrou o jogo.



Notas


Jogador
Descrição
Nota
Weverton
Bem colocado nos poucos chutes que foram na direção do gol.
6.5
Marcos Rocha
Engolido pelo Keno, imprudente na marcação de Jair dentro da área.
5
Mayke
Devolveu a tranquilidade ao setor; podia ter entrado mais cedo.
7
Gustavo Gómez
Impôs respeito mesmo numa partida tão difícil. O placar poderia ter se tornado irreversível não fosse sua presença.
8
Murilo
Encaixou bem demais no sistema defensivo e complementa a zaga sem dar sustos. Má sorte no gol contra, muita sorte do gol a favor.
7.5
Piquerez
Chegou a marcar o seu, anulado por impedimento. Ajudado por Scarpa, não deu muitas chances a Ademir.
7.5
Danilo
Fez uma partida muito ruim, não conseguindo fazer a contenção e errando muitos passes de forma precipitada. Mas o gol no final praticamente o redimiu de tudo.
6.5
Zé Rafael
Também teve dificuldades na marcação; quando os dois volantes são envolvidos, fica difícil para segurar o volume do adversário.
6.5
Dudu
Apesar dos gols perdidos, foi o atacante mais perigoso mais uma vez; participação fundamental no gol de empate; jogada icônica, pra entrar em clipes.
7.5
Raphael Veiga
Segue muito abaixo do normal - nesta partida, especialmente, sofreu também com a pancadaria dos volantes do Atlético.
5
Gabriel Menino
Entrou com muito mais vitalidade e devolveu o equilíbrio ao setor ofensivo.
7.5
Gustavo Scarpa
A disposição na marcação o permitiu atravessar o campo da ponta-direita para a lateral esquerda em segundos; e sua bola parada é mortal. Mais uma vez, o dono do time.
8.5
López
Impotente diante da configuração tática do jogo.
5.5
Rafael Navarro
Mais móvel, melhorou a dinâmica do setor ofensivo.
6
Abel Ferreira
Abel Ferreira
Demorou um pouco para trocar Rocha por Mayke, mas manteve-se agarrado ao plano e colheu os frutos do esgotamento físico do Atlético. Funcionou, de novo.
6.5




  • Palmeiras foi muito superior.
    Um penalti que não existiu e um gol contra por azar.

    Já o palmeiras apesar da marcação do Galo conseguiu jogar muito com dois gols, fora a falta perfeita cobrada do Scarpa.

    Palmeiras superior.