1
X
0

Palmeiras 1x0 Universidad CatólicaCesar Greco

O Palmeiras venceu a Universidad Católica por 1 a 0 esta noite, no Allianz Parque, e garantiu passagem para as quartas-de-final da Libertadores.

Apesar do placar magro, a vitória foi merecida e tranquila. O goleiro Pérez, da Católica, foi o melhor homem em campo e a trave salvou os chilenos mais duas vezes.

O Verdão terá pela frente na próxima fase o SPFC, que eliminou o Racing, em Avellaneda.

Primeiro tempo

7'
Universidad Católica

Após jogada ensaiada, o cruzamento da esquerda chegou na área; Lataro ajeitou de cabeça e Zampedri tentou a bicicleta, mas Weverton pegou firme no meio do gol.

14'
Palmeiras

Gustavo Scarpa bateu falta da esquerda; Felipe Melo surgiu livre na frente de Pérez mas testou para fora – o camisa 30 estava impedido, de qualquer forma.

15'
Palmeiras

Wesley enfiou para Gustavo Scarpa aberto pela esquerda; o camisa 14 foi ao fundo e cruzou pra a chegada de Deyverson no primeiro pau; a testada saiu cruzada e saiu lambendo o poste esquerdo de Pérez.

16'
Universidad Católica

Depois de cobrança de falta na área, a bola ficou viva e Zampedri furou com o gol à sua mercê.

16'
Palmeiras

Resposta rápida – Wesley foi lançado por Scarpa, entrou driblando pela esquerda, cortou para dentro e bateu forte; Pérez deu rebote e Deyverson fez uma bela acrobacia para emendar – a bola explodiu no travessão.

18'
Palmeiras

Danilo enfiou para Wesley no meio da zaga; em velocidade, o camisa 11 saiu cara a cara com Pérez e bateu com muita força – a bola deu em cheio no rosto do goleiro e saiu em escanteio.

19'
Palmeiras

Gustavo Scarpa bateu escanteio da esquerda, Gustavo Gómez testou firme e Pérez espalmou no reflexo. Outra defesaça!

28'
Palmeiras

Gustavo Scarpa recebeu de Raphael Veiga por dentro, limpou e bateu de fora, Pérez bateu roupa mas pegou firme no segundo lance.

31'
Palmeiras

Saída rápida do Palmeiras, Scarpa recebeu na meia esquerda, avançou e cruzou; Veiga chegou no segundo pau testando forte, mas a bola saiu por cima do gol.

35'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Wesley, mais uma vez, construiu pela esquerda; Deyverson puxou a zaga e Veiga ocupou o espaço; Wesley cruzou e Veiga chicotou na trave direita; Marcos Rocha pegou o rebote do lado direito e bateu cruzado, por baixo do zagueiro, abrindo o placar.

47'

O árbitro venezuelano terminou o primeiro tempo após dois minutos de acréscimos.


Segundo tempo

Os dois times voltaram sem alterações para o segundo tempo.

8'
Palmeiras

Marcos Rocha cruzou de três dedos; Renan surgiu de surpresa no segundo pau e emendou uma bomba, que explodiu no peito de Pérez.

10'
Universidad Católica

Após falta batida da meia direita, Huerta fechou no segundo pau e testou para baixo, tentando o canto direito de Weverton, mas errou o alvo.

13'
Universidad Católica

Astaburuaga cruzou da direita, no segundo pau; Zampedri disputou com Marcos Rocha e testou para fora – o argentino fez falta em nosso camisa 2 e o juiz assinalou.

18'
Universidad Católica

Após escanteio da esquerda, a bola ficou viva e Valencia cabeceou da risca da pequena área – a bola literalmente raspou o travessão.

23'

Dudu, Breno Lopes e Mayke entraram nos lugares de Raphael Veiga, Wesley e Marcos Rocha.

25'
Palmeiras

Dudu recebeu na meia e enfiou na área para Danilo que ajeitou o corpo e bateu, à esquerda do gol de Pérez.

28'
Palmeiras

Zé Rafael pegou rebote do escanteio girou e soltou uma bomba; Pérez, no reflexo, defendeu com o braço direito; na volta, a bola foi erguida na pequena área buscando Gustavo Gómez mas a zaga aliviou em escanteio.

34'
Palmeiras

Em contra-ataque fulminante, Breno Lopes acionou Dudu, que passou um pouco da bola e improvisou de calcanhar, para a chegada de Deyverson – era só tocar no canto, mas o camisa 9 conseguiu chutar em cima do zagueiro – e a bola ainda ia para fora.

35'
Universidad Católica

Astaburuaga apoiou pela direita e rolou para a chegada de Gutiérrez, que bateu da entrada da área, por cima.

36'
Palmeiras

Zé Rafael bateu da meia esquerda com curva, no canto esquerdo de Pérez, que voou e fez grande defesa.

37'

Saiu Felipe Melo, entrou Kuscevic.

41'

Gabriel Veron entrou no lugar de Deyverson.

44'
Palmeiras

Scarpa tabelou com Veron e bateu por baixo, na rede pelo lado de fora.

 

47'
Palmeiras

Depois de jogada trabalhada por todo o ataque, Scarpa bateu forte da entrada da área; Pérez amorteceu e pegou.

48'
Palmeiras

Zé Rafael abriu na esquerda para Breno Lopes, que bateu cruzado; Pérez pegou mais uma.

50'

O jogo terminou e o Verdão avançou às quartas-de-final da Libertadores.



Ficha Técnica

0

R$ 0,00

Alexis Herrera

Universidad Católica

Sebastián Pérez
Rebolledo
Astaburuaga
Lanaro
Huerta
Parot
Montes
Juan Leiva
Marcelino Núñez
Saavedra
Francisco Silva
Felipe Gutiérrez
Buonanotte
Fuenzalida
Zampedri
Diego Valencia
Gustavo Poyet
TÉCNICO


Fim de jogo

Time grande no Chile, o adversário não veio para jogar como pequeno e tentou se impor diante do Verdão. Depois de um começo enroscado, em que o meio-campo da Católica conseguiu equilibrar o jogo, o Palmeiras achou os buracos no sistema do adversário e começou o massacre.

O goleiro Pérez foi bombardeado de todas as formas. O Palmeiras roubava bolas e saía em extrema velocidade, com muita movimentação de Wesley, Veiga e Scarpa, mais o auxílio de Deyverson, seja puxando zagueiros, seja fazendo o pivô.

Depois de acertar a trave duas vezes, o rosto do goleiro e de outras inúmeras defesas, aos 35 o Verdão finalmente abriu o placar, com Marcos Rocha pegando rebote de um belo voleio de Veiga. O gol obrigou a Católica a sair em busca de dois gols.

Mas a diferença individual e coletiva era muito grande. Nosso time atravessa uma grande fase técnica e tática. As únicas chances de gol dos chilenos saíram de bolas paradas. O Palmeiras é um time absurdamente equilibrado entre defesa e ataque – o resultado disso é que nas últimas sete partidas, só sofremos 3 gols – todos de pênalti.

Depois de uma pequena ameaça de pressão da Católica no início do segundo tempo, o Palmeiras seguiu amassando após as mexidas de Abel. Dudu mostrou estar em franca evolução e aumentou as esperanças de revivermos seus grandes momentos.

Veiga segue jogando em grande intensidade e Wesley quebra a marcação com uma naturalidade que faz parecer muito fácil. Mas o grande destaque  tem que ir para a dupla de volantes.

Zé Rafael e Danilo encaixaram de maneira excepcional à frente da zaga e são a alma do time. Estão sempre no lugar certo, na hora certa. Se futebol é “tempo e espaço”, como diz Abel, Zé e Danilo quebraram a banca e pegaram tudo pra eles.

Enquanto Pérez dava um show debaixo das traves da Católica, Weverton só tinha problemas com a deslealdade de Zampedri, que sempre dava um jeito de dar uma pegada em nosso goleiro, sob o olhar debochado do juiz.

O Palmeiras fez um jogo chato ficar fácil. A imposição técnica e tática foi brutal. No final, o time grande do Chile saiu daqui como se fosse a Ponte Preta.

Um a zero foi um ótimo resultado. Uma merecida goleada atrairia olhares muito mais minuciosos sobre nossas virtudes e defeitos. Uma classificação com resultados low profile é perfeita.

O Verdão terá agora pela frente o Fluminense, pelo Brasileirão, e na sequência, aleluia!, duas semanas cheias para treinamento, interrompidas apenas para a partida no outro fim de semana, contra o SPFC, pelo Brasileirão – um ensaio para os dois confrontos pela Libertadores, nas semanas dos dias 11 e 18 de agosto.

Enquanto isso, os adversários se matam pela Copa do Brasil. Cada vez mais, a derrota para o CRB não parece que foi tão ruim assim. VAMOS PALMEIRAS!





  • Fico um pouco apreensivo desse jogo contra o SPFC. Em 94 tínhamos mais time e perdemos em 2005 e 2006 eles tinham e ganharam mas o ponto principal para mim é que tinha CERTEZA que ganharíamos o paulista desse ano em cima deles e perdemos sendo anulados e os times não mudaram de lá pra cá. Realmente preocupado mas confiante pois ainda acho que temos mais time e mais técnico que eles.

  • Vamos enfrentar o SPFC de novo, em 94 eu não lembro 74 muito menos, mas tenho bem gravado na memória as oitavas de 2005 e 2006, rodando em Full HD kkkk, mas não tenho sentimento de vingança ou raiva, por mais que em 2006 tenha rolado uma ajuda da arbitragem, acho que era uma época diferente o Palmeiras tinha um time pouco competitivo, tanto 2005 quanto 2006 avançou em segundo no grupo, sendo que em 2006 estava em meio a uma crise aguda, hoje é diferente , o time está acostumado com a Libertadores e tem grandes jogadores vivendo uma boa fase , tô confiante que esse tabu vai cair.

    • Em 94 o primeiro jogo foi antes da Copa do mundo, um zero a zero em que o Palmeiras massacrou, mas o Zetti pegou tudo o que vinha pela frente. Durante a Copa o vagabundo do Mustafá inventou excursões para o Japão e para a a Rússia, o Palmeiras voltou meio que em cima da hora para o jogo de volta e acabamos perdendo o jogo por 2 a 1 sendo que tínhamos mais time que o São Paulo, que era bem forte também. Em 2005 e 2006 nosso time era bem fraco, bem inferior ao SP e ainda fomos roubados em 2006.

  • Palmeiras vai perde muito sem O Vina. E essa diretoria banana nao vai traze ninguem ou vai traze esse cara com joelho bichado. Impressionante!