Alvo de fortes críticas em 2021, Luan revela que nunca se sentiu vítima e destaca aprendizado

Luan durante treinamento do Palmeiras, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Indo para sua sexta temporada no Verdão, Luan também destacou a importância das férias de final de ano

Mantendo a base da equipe que conquistou a Tríplice Coroa na temporada 2020 e levantou o tri da Libertadores em 2021, o Palmeiras iniciou os trabalhos de pré-temporada na última quarta-feira, visando a temporada 2022.

Indo para sua sexta temporada no Verdão, o zagueiro Luan falou da sua volta por cima dentro do clube e como as fortes críticas recebidas em 2021 o serviram de aprendizado.

“Desde cedo aprendi com meus pais a não me vitimizar. Nada é por acaso e tudo acontece no tempo de Deus. Tudo que eu passei serviu de aprendizado e em nenhum momento me senti vítima. O que eu senti é que isso foi necessário para o meu crescimento dentro e fora de campo. Sei que essa profissão [jogador de futebol] lida muito com a emoção das pessoas e que é preciso provar a cada dia da nossa capacidade, ainda mais na instituição que defendo, a maior do país. Aqui, quanto mais a gente ganha, mais a pressão para vencer novamente aumenta. É disso que a gente se alimenta: vitória e trabalho”, disse ao site oficial.

O pior momento do defensor no Palmeiras ocorreu nos primeiros meses de 2021. Apesar de ter sido titular na final da Libertadores contra o Santos e ter ajudado o time a conquistar o título, o zagueiro cometeu o pênalti na semifinal do Mundial (em fevereiro), foi expulso na primeira decisão da Copa do Brasil diante do Grêmio (em março) e desperdiçou o pênalti que daria o troféu da Supercopa do Brasil frente ao Flamengo (em abril).

Essas três situações, vividas em um curto espaço de tempo, fizeram com que o jogador tivesse seu nome pichado nos muros do Allianz Parque e fosse alvo dos torcedores nas redes sociais.

“Agora estou feliz por estar colocando meu nome na História do clube, estar disputando finais e sendo campeão. Posso dizer que 2021 foi um ano de aprendizado, mas acima de tudo de felicidade, orgulho. Agradeço aos companheiros por terem me ajudado, pois se consegui ter um bom desempenho é porque eles também estavam performando bem. Feliz, mas sabedor do que vem pela frente e do que é preciso fazer para que essa fase dure por mais tempo”, declarou.

“Está todo mundo focado, querendo mesmo. Todos estão sabendo dos objetivos da temporada e que já no próximo mês temos pela frente um dos nossos sonhos [o Mundial de Clubes]. Criamos uma energia, uma união e um trabalho mental, que é algo que o Abel fala muito, e sabemos que precisamos trabalhar muito e nos sacrificar”, projetou.

Luan destaca importância das férias completas

Focado na preparação para o Mundial de Clubes, Luan ressaltou ainda a importância dos jogadores terem tido o período de férias completo, após quase dois anos entrando em campo sem descanso.

“Foi bom e necessário [a pausa]. A gente vem de praticamente um ano e meio trabalhando direto. Ano passado tivemos 10 dias de descanso e passou muito rápido. Eu aproveitei para viajar com minha família. É importante para nós recarregarmos as energias, desligar um pouco dessa loucura que vivemos, que nos desgasta fisicamente e mentalmente. Muito bom também sair de férias bicampeão da Libertadores, não tem coisa melhor. Estou descansado e pronto para 2022, que se Deus quiser será de grandes jogos e títulos”, finalizou.

Antes de viajar aos Emirados Árabes Unidos, contudo, o Palmeiras tem quatro jogos do Campeonato Paulista por fazer. A estreia da equipe ocorre no dia 23 contra o Novorizontino, fora de casa, e na sequência o Verdão enfrentará Ponte Preta, São Bernardo e Água Santa.