Abel pede paciência com Navarro e cobra mais ação após casos de violência no futebol

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Guarani, durante partida válida pela décima rodada do Paulistão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Abel concedeu entrevista coletiva após a vitória do Palmeiras por 2 a 0 sobre o Guarani

O Palmeiras recebeu o Guarani na tarde deste domingo, pelo Campeonato Paulista, e venceu o adversário por 2 a 0Gustavo Scarpa e Wesley marcaram os gols palmeirenses.

O técnico Abel Ferreira escalou um time alternativo para o duelo e novamente apostou em Rafael Navarro para ser o comandante de ataque. O camisa 29 ainda não foi às redes com a camisa do Verdão, mas mostrou bom desempenho contra o Guarani e o treinador pediu paciência com o atacante.

“O Navarro é um jogador que eu, particularmente, confio. É um jovem com muito potencial, fez um grande jogo, apoiou, faltou um pouco de sorte nas oportunidades de fazer gol, mas sabe que acreditamos nele”, disse em entrevista coletiva ao final do jogo.

“É preciso ter paciência. Tenho três exemplos para dar para termos paciência: o Raphael Veiga está em grande forma há dois anos, mas o clube o contratou há cinco anos; o Rony é a mesma coisa. Quando cheguei, não tinham paciência com ele. Peço isso aos torcedores. Que deem confiança aos nossos jogadores, como eu dou; e tem o Weverton, que foi contratado, ficou fora, teve que esperar para nos dar a alegria que nos deu. Estamos contentes com todo o trabalho da equipe, do Navarro, mas não estamos satisfeitos. Queremos mais, queremos melhor”, completou.

Com a vitória sobre a equipe de Campinas, o Palmeiras chegou a 20 pontos no Paulistão e está próximo de confirmar a classificação à próxima fase. O Verdão tem a melhor defesa da competição – sofreu apenas um gol em oito jogos – e para Abel, o bom momento defensivo tem a ver com o desempenho ofensivo.

“Nossa defesa é consequência da forma que atacamos. Se finalizo mais de 20 vezes, ofereço pouca oportunidade do adversário nos atacar. E quando não finalizamos a jogada, nossos jogadores têm tido um comportamento de pressionar o mais rápido possível o adversário”, declarou.

Abel desabafa após casos de violência no futebol

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Guarani, durante partida válida pela décima rodada do Paulistão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Na parte final da entrevista coletiva, o treinador falou sobre os recentes casos de violência que aconteceram no Brasil e no México, e cobrou mais ação dos órgãos públicos e dos que cuidam do futebol.

“Coisas muito graves estão acontecendo, sobretudo no futebol sul-americano. Os organismos, sejam os do futebol, sejam os fora do futebol, têm que assumir, dar as caras, exercer os cargos que têm. Quando eu não ganho, pedem responsabilidades. Isso é o que espero que cada pessoa em seu cargo faça, assuma responsabilidades. Pelo bem do futebol brasileiro. De todos nós. Que se junte a CBF, quem organiza estaduais, o Ministério Público, e que se tomem medidas. Na Europa, acabou-se com o hooliganismo, que era feito na Inglaterra”, iniciou.

“É preciso ação. Palavras, o vento leva. Isso me preocupa muito. A segurança me preocupa muito. Quando entrei aqui e vi as imagens no México, me disseram que se passa a mesma coisa no Brasil. Vou ter que pensar muito bem no que quero para minha família, para mim e meus jogadores. No futebol não vale tudo. A vida tem valor. Se vemos isso e não fazemos nada, alguma coisa vai mal. Temos que passar à ação. Estamos à espera de quê?”, finalizou.