Apêndice: Montagem do elenco

O texto abaixo serve como apoio para o post principal: “Futebol é momento”: trabalho de Mattos não pode depender da Libertadores e visa destrinchar a atuação de Alexandre Mattos na montagem do elenco do Palmeiras em 2017, diante da atuação dos jogadores até o início de agosto.

Defesa

EgídioNo gol, foram mantidos os atletas que brilharam em 2016. Escolha aparentemente acertada, mas que teve sobressaltos com a má fase de Fernando Prass, que pode nos ter custado alguns pontos no Brasileirão – rapidamente contornada com a promoção de Jailson.

Nas laterais, o ano começou com Jean e Fabiano na direita, tendo Tchê Tchê como quebra-galho – também uma escolha razoável e o setor parecia bem guarnecido. Mas nenhum dos três correspondeu tecnicamente em 2017, além de sofrerem com problemas físicos. A solução foi recorrer ao mercado e Mayke foi uma boa solução, apesar do começo oscilante. Por ter chegado tarde, não pôde ser usado na Copa do Brasil e sua falta foi sentida nos confrontos contra seu ex-time. Contesta-se o não aproveitamento de João Pedro, mas parece pouco provável que o prata-da-casa tivesse uma performance suficiente.

O lado esquerdo talvez seja o maior erro do diretor na montagem no início do ano. Zé Roberto é um jogador que dispensa apresentações e Egídio, apesar da longa fase ruim que vem desde o início de 2016, teve a confiança do dirigente fortalecida pelas ótimas campanhas no Cruzeiro em 2013 e 2014. A estatura dos dois impedia que se contratasse um reforço de peso para a posição, e quem veio como terceira opção foi Michel Bastos, como quebra-galho – sua função primordial era ajudar na meia, pelos lados. É de se imaginar que esta tenha sido a definição mais dura na formação deste elenco, mas hoje é fácil apontar que Mattos errou – e diga-se, não foi por abrir mão de Victor Luis, que vem sendo superestimado por atuações apenas satisfatórias na lateral do Botafogo.

No miolo da zaga, a saída de Vitor Hugo era iminente e Roger Carvalho encerrou seu ciclo – para seus lugares, Mattos trouxe Antônio Carlos, boa aposta da Ponte, enquanto entregava a titularidade a Mina e Edu Dracena. Luan, do Vasco, era uma aposta para substituir Mina depois da Copa e a negociação foi fechada em março. E Juninho, destaque do Coritiba, chegou assim que a saída de Vitor Hugo foi concretizada. Mais uma vez, a Copa do Brasil foi prejudicada pelo regulamento, já que os dois últimos não tinham mais condição de jogo, mas a composição do setor pode ser considerada plenamente satisfatória, sobretudo na megaoperação em torno de Mina – além de torná-lo uma transação altamente lucrativa para o clube, ainda foi mantido como jogador alviverde por dois anos mesmo já fechado com o Barcelona. Uma negociação perfeita.

Meio-campo

Felipe MeloFelipe Melo era um antigo sonho de Mattos que só não veio antes por duas razões: os valores pedidos pela Internazionale e a resistência de Cuca. Felipe Melo conseguiu a liberação sem custos ao mesmo tempo em que Cuca deixava o Palmeiras. O casamento, abençoado por Eduardo Baptista, ficou fácil, ainda mais porque o empresário do Gabriel, de forma pouco profissional, apresentou uma proposta de renovação indecente apenas para forçar sua saída para seu clube de coração. Felipe Melo foi um dos destaques na mão do novo treinador, mas o time não embalou e Cuca voltou. Temos aqui o primeiro efeito colateral claríssimo dos problemas que essas trocas de treinadores em sequência causaram.

A lesão de Moisés foi um agravante. Bruno Henrique foi contratado no meio da temporada; Thiago Santos evoluiu a olhos vistos e agora o setor parece estar voltando aos trilhos, mas é óbvio que nesta posição, tão importante no acerto tático de qualquer equipe, o Palmeiras patinou por longos meses. Não parece culpa do planejamento, nem dos técnicos, nem dos jogadores; apenas uma fatalidade.

Foi na armação que tivemos o maior número de mudanças na virada do ano: saíram Allione e Cleiton Xavier, e entraram Guerra, Michel Bastos, Raphael Veiga e Hyoran. Os dois últimos, claramente, foram apostas para as temporadas seguintes. O venezuelano não demorou muito e pegou o jeito do futebol brasileiro – não sem antes cometer um erro crucial na trajetória do time: um vacilo no Derby do Paulistão, que decretou uma imerecida derrota e embalou o rival. Uma fatalidade que não desabona sua contratação; Guerra é um dos melhores meias-armadores em atividade no país.

Ataque

Borja
AFP

Willian Bigode e Keno foram contratações que agradaram a quase todos – o primeiro, um fazedor de gols que mantém o perfil discreto, campeão por onde passa. O segundo, apesar de não ser garoto, foi uma das revelações do Brasileirão de 2016 e veio para disputar a reserva de Dudu com Erik.

Mas o Palmeiras precisava de uma reposição que compensasse a saída de Gabriel Jesus. A grande contratação do início de 2017 foi a do colombiano Miguel Borja. À época, havia uma pequena discussão com relação a Lucas Pratto, que estava no Atlético-MG – o argentino, já adaptado ao futebol brasileiro, poderia ser uma aposta menos arriscada, embora com um valor de revenda bem menor.

O jogo duro do Atlético-MG, receoso em reforçar um rival da Libertadores, mais o potencial explosivo de Borja, o rei da América, somado a seu potencial econômico, fez o Palmeiras investir grande parte de seu orçamento no colombiano. Com a celebração do acordo, não houve palmeirense que não tenha comemorado; não houve rival que não tenha arrancado os cabelos. Alecsandro, Barrios e Rafael Marques, sem perspectivas de serem aproveitados, pediram para sair, e mesmo assim o ataque ficou bem servido, com as manutenções de Dudu e Roger Guedes.

Borja atravessa sérias dificuldades de adaptação ao que Cuca deseja; provavelmente nem teria vindo se Cuca não tivesse saído. A bem da verdade, tampouco se encaixou no esquema de Eduardo Baptista. Talvez ele precise de tempo; talvez seja um mico. Uma coisa é certa: foi uma contratação sensacional, mas que para este ano não deu certo e precisou de uma reposição: Deyverson, um grande achado de Mattos no mercado espanhol.

Voltar ao texto principal