Brasileirão 2020: fim do primeiro quartil

Calculadora

No exercício anual de projeção de pontos do Brasileirão, consideramos o primeiro quartil o período entre a primeira e a nona rodadas. Como o jogo da primeira rodada, contra o Vasco, foi adiado e ainda não foi remarcado, fizemos um pequeno remanejamento no estudo: jogamos a partida atrasada para um ponto aleatório do segundo quartil e consideramos o primeiro quartil encerrado na rodada 10, com 9 jogos disputados.

Considerando os mesmos resultados projetados, já podemos comparar o desempenho em pontos realizado com a projeção feita antes do campeonato começar. E os pontos perdidos em casa contra times pequenos ficaram mais evidenciados ainda.

A projeção inicial apontava o resultado do primeiro quartil com 21 pontos, levando-se em conta que uma pontuação segura para conquistar o título seja 82 pontos. Pela marcha verificada até agora, essa projeção pode ser mantida, já que o Inter é o ponteiro da tabela com 20 pontos ganhos.

Se o Palmeiras tivesse atingido a meta estabelecida, teria a mesma pontuação. No entanto, ficou quatro pontos abaixo.

Passando a limpo o primeiro quartil

Uma das metas estabelecidas foi cumprida: o Palmeiras passou invicto pelos primeiros nove jogos, algo nada fácil. Mas em vez de 6 vitórias e 3 empates, ficamos com 4 vitórias e 5 empates.

É fato que o Verdão venceu dois jogos fora de casa nos quais empates eram esperados, mas eles anulam apenas dois empates que não poderiam ter acontecido – escolha dois entre Fluminense, Goiás, Inter e Sport. O mais frustrante é que três deles foram em casa.

Os tropeços inesperados nas duas primeiras rodadas fizeram o time ficar abaixo da projeção desde o início. Os jogos contra Fluminense e Goiás, nos quais estivemos na frente e cedemos o empate de forma tola, parecem mesmo ser os vilões do exercício.

Ao final do quartil, os 17 pontos marcados nos mantêm a quatro pontos da meta.

Segundo quartil ajustado – 24 a 26 pontos (total: 41 a 43)

Na projeção original, o segundo quartil previa 23 pontos, para fechar o turno com enormes 44 pontos ganhos. Como já estamos 4 pontos abaixo, manter a projeção original nos levará a 40 pontos. Mas se conseguirmos 25 pontos, chegaremos a 42 e diminuiremos o déficit de 4 para 2 – um resultado aceitável.

Assim, quaisquer resultados acima do projetado inicialmente nas três partidas em que tropeços seriam toleráveis já nos devolvem essa condição, ou pelo menos nos deixam perto disso.

Considerando que a partida contra o Vasco seja remarcada para algum ponto deste quartil, precisaríamos (segundo a projeção inicial) de 7 vitórias, aceitando 2 empates (FLA e CAM, em casa) e 1 derrota (GRE, fora).

Essa projeção precisa ser alterada para algo como 7 vitórias e 3 empates, ou 8 vitórias, 1 empate e 1 derrota. Na imagem, fizemos o ajuste com vitória sobre o Flamengo, em vez de empate. O sarrafo segue altíssimo, com o complicador das partidas da Libertadores e da Copa do Brasil.

Terceiro e quarto quartis: apenas um resultado melhor

Caso consigamos reduzir o déficit no terceiro quartil para algo ente 1 e 3 pontos, bastará mais um resultado acima do esperado para voltarmos à projeção inicial.

No primeiro exercício, considerando que as competições de mata-mata estarão nas fase decisivas, mais tropeços foram admitidos. Por isso, haverá mais chances de recuperação.

Quando o segundo quartil (rodada 19) se encerrar, teremos mais elementos para pensar nos ajustes a serem feitos nos quartis 3 e 4.

Conclusão

É sempre importante lembrar que esta projeção é um mero exercício para referência, tendo por base as séries históricas, ponderado subjetivamente pelo panorama atual do futebol brasileiro.

E como mera referência, a tendência é que nas cinco ou seis rodadas finais tudo isto seja jogado para o ar e passemos a fazer o velho trabalho de secação nos clubes que estiverem concorrendo conosco, gastando o dedo nos tradicionais apps de simulação. Até lá, este exercício é bem útil.

No ano passado, o Flamengo encaixou uma sequência que atingiu 90 pontos, que dificilmente será repetida. O Inter, que até agora projeta uma campanha de 82 pontos, não parece ter fôlego para se manter nesse ritmo até o fim da temporada, mas mesmo assim isso não pode ser descartado. Ou outro time qualquer pode encaixar o jogo e atropelar, como no ano passado. Não sabemos.

Vamos seguir observando; a projeção inicial de 82 pontos pode ser ajustada para cima ou para baixo, dependendo do ritmo dos ponteiros. Neste momento, ainda podemos mantê-la.

Nossa campanha no primeiro quartil não foi como gostaríamos, mas ainda nos permite alimentar a esperança pelo décimo-primeiro campeonato.

Passamos pela primeira barreira da “Lei de Guardiola”, que determina que o campeonato é vencido nas últimas oito rodadas, mas que é perdido nas oito primeiras. Logo, seguimos dentro.

Os mata-matas vão bagunçar o campeonato. As lesões estão afetando a todos. Ainda tem muita coisa para acontecer. VAMOS PALMEIRAS!

  • Não custa lembrar que o gol do Goiás saiu de uma falta inexistente e que contra o Bahia perdemos 2 pontos ganhos por uma falha individual. Estaríamos na projeção feita no início. Mas faz parte. E esse ano haverá uma distribuição maior de pontos, acho que se mantiver a média atual dá pra ser campeão.

  • Ao meu ver, esse mês de Setembro será DECISIVO com uma sequência bem complicada no Brasileiro intercalando com a Libertadores. Oremos, AVANTI PALESTRA!

  • Projeção bem aceitável. Se ganhar o jogo contra o Vasco a meta não fica muito longe e da pra buscar esse campeonato. Era pra estar melhor, mas também não esta tão ruim assim. Vou torcer pra mantemos pelo menos no meio do bolo e pra nenhim time disparar. Temos uma sequência dura prla frente e o time precisa achar um ponto de equilíbrio nos campeonatos.

  • Não consegui assistir o jogo contra o Sport, mas, pelo que soube, houve alguma evolução. Vi muitos elogios ao Lucas Lima e Zé Rafael, apesar da expulsão. E este era um ponto falho no time, o meio campo. Enfim, são muitos pontos perdidos no início do campeonato, mas podem ser recuperados, sobretudo porque o time já respondeu em jogos maiores, como nos clássicos.

    Vamos acreditar, que podemos conquistar coisas grandes ainda na temporada.

    E se a diretoria ajudar com dois ou três reforços, nossas chances são ainda maiores. Vamos!

  • Do apresentado até agora, pra mim está claro que o foco da comissão técnica é a Libertadores, não o Brasileirão. Mesmo assim, estamos no bloco da frente e invictos.
    NUNCA MENOSPREZEM O LUXA!

  • Não há motivos pra surtarmos. Estamos devendo bons resultados em casa, sim, mas há tempo pra nos recuperarmos.

    Fora que ninguém ainda pode ser visto como favorito ao título. O São Paulo está melhor que a gente e ninguém acha que serão campeões.

  • Seguimos no comboio, estamos em 6° é verdade, mas a 3 pontos do líder com um jogo a menos , tenho plena convicção que vamos brigar por esse título até às últimas rodadas, isso se nas últimas rodadas não estivermos na liderança com uma gordurinha

    Domingo é vencer o Grêmio que recuperamos os pontos perdidos, o Grêmio não vai jogar completo pensando no Grenal da Libertadores, da pra ganhar.

  • Um resultado acima do esperado seria uma vitória domingo contra o Grêmio em Porto Alegre, e o Grêmio com ctz vai poupar jogadores já que depois do confronto com o Palmeiras na quarta feira já tem um grenal na libertadores

  • “O Palmeiras se quiser ser campeão não pode empatar com o Bahia”. O Inter empatou em casa. “O Palmeiras se quiser ser campeão não pode empatar com o Sport”. O Grêmio PERDEU em casa. Logo, todo mundo vai perder ponto, a questão é saber administrar estes pontos perdidos e recupera-los no momento certo. E baixar o tom das cornetas, pq TODO TIME OSCILA. Até parece q não leem o Verdazzo.

    • Exato. Vi a galera surtando em todos pós-jogo dos empates, falando as mesmas frases prontas de sempre. Tenha paciência viu.