O onze ideal; pelo menos, até agora

Ricardo Goulart
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

É consenso que o Palmeiras não tem uma formação titular fixa. A fartura de bons jogadores, somadas às lesões e às suspensões, fazem com que Felipão mude o time a cada jogo, conforme a característica do adversário. Não é à toa que o locutor do estádio, Marcos Costi, anuncia o “banco de titulares” logo após a escalação do time que sai jogando nas partidas no Allianz Parque.

Mas também parece claro que nas partidas que realmente valem a sequência da temporada, Felipão coloca o que tem de melhor à disposição em campo, mesmo que o rodízio de jogadores aponte em outra direção.

Até agora, foram nove jogos na temporada – todos pelo campeonato paulista. Dois clássicos e sete jogos contra times pequenos serviram para observar 25 jogadores – dos inscritos, apenas Jean ainda não entrou em campo em 2019.

Nesta nova página do Verdazzo, é possível conferir os principais números de todos os atletas, que, somados à observação das partidas, ajudam a traçar um mapa do elenco a qualquer momento. Diante do que os atletas apresentaram em 2019 até agora, já é possível arriscar um time “ideal”.

Defesa que ninguém passa

Gómez
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

No gol, tanto faz. Todos vêm jogando muito bem e passam total segurança à defesa. Qualquer que seja a escolha de Felipão, terá sido bem feita.

Nas laterais, Mayke e Victor Luis estão à frente de Marcos Rocha e Diogo Barbosa, com partidas mais sólidas tanto na defesa, quanto no apoio. É claro, todos apresentaram oscilações, mas no conjunto, a dupla sugerida foi mais consistente.

A dupla de zaga não deixa dúvidas: Luan e Gómez estão bastante à frente de Antônio Carlos e Edu Dracena, não só nas atuações individuais, mas no conjunto, preenchendo bem os espaços e com um posicionamento mais afinado.

É evidente que o entrosamento não se aplica apenas à dupla de zaga, mas em toda a linha de quatro defensores. Victor Luis, neste momento, está mais alinhado com a dupla Antônio Carlos/Dracena, mas nada impede que isso seja invertido a qualquer momento.

Do meio para a frente

Dudu
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Parece claro que Thiago Santos está à frente de Felipe Melo, tanto na precisão dos desarmes quanto no preparo físico. A função de segundo volante tem uma disputa interessante entre Moisés, que brilha mais nos passes e assistências, e Bruno Henrique, que tem uma chegada mais efetiva na área e finaliza melhor. Este último, pelo histórico de gols, ainda parece ter mais espaço.

Já a linha ofensiva tem jogado sempre com um ponta de origem – ou Felipe Pires, ou Carlos Eduardo, usando Dudu como meia de beirada, jogando mais afunilado. Mas o time não rende como indica o potencial. Pelo que jogaram até agora, Gustavo Scarpa de um lado, com Dudu fazendo a função do ponta jogando mais aberto do outro, tendo Goulart no meio, se posicionando mais próximo à área, parece ser uma formação que pode tanto encarar uma defesa mais fechada, quanto uma marcação mais avançada, que deixa espaços.

Fechando o time, na frente, apesar da fábrica de memes, Borja sobressai – até por falta de concorrentes. Deyverson pode até ser mais útil em determinados cenários, mas o colombiano, ainda mais com a aproximação de Goulart, pode crescer bastante.

Neste time ideal, hoje, temos dois lesionados que não poderão enfrentar o Junior, na Colômbia. Há os que sequer estrearam, como Willian e Arthur Cabral, que podem ter lugar na formação principal com o passar do tempo. E todos os outros que ficaram de fora têm potencial para virar o jogo e entrar neste time. Mas diante do que foi mostrado nos nove primeiros jogos, este parece ser o que o Palmeiras poderia montar de mais forte, considerando as lesões de recuperação mais rápida.

E um time “alternativo” teria Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo e Moisés; Felipe Pires, Lucas Lima e Zé Rafael; Deyverson.

O que acham?


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.