Brasileirão 2021: planejamento de pontos

Calculadora

Começa neste domingo mais uma edição do Campeonato Brasileiro e quem tem mais, tem dez. O Palmeiras parte em busca do hendecacampeonato e, como já é tradição no Verdazzo, lançamos nosso planejamento de pontos para servir de referência no decorrer da competição.

Com a redução do número de times “grandes” – 3 das 12 maiores camisas do país estão na Série B – a tendência é que dois ou três clubes se destaquem dos demais, mais uma vez contrariando a tendência histórica de muito equilíbrio e de campeão com pontuação em torno de 75 pontos.

Palmeiras, Flamengo e Atlético-MG surgem como os maiores candidatos, com Grêmio, Inter e SPFC correndo por fora. E a pontuação básica para este cálculo será 83 pontos para ser campeão.

Lembrando sempre que este exercício apenas projeta os pontos de acordo com uma relação de forças subjetiva. No decorrer da competição, ao fim de cada quartil, a projeção será refeita com base no que terá de fato acontecido.

Primeiro quartil

Os primeiros dez jogos terão como principal estorvo as disputas das Eliminatórias e da Copa América. Com vários selecionáveis no elenco, o Palmeiras vai precisar recorrer ao elenco alternativo para manter-se competitivo. Felizmente, entre todos os concorrentes ao título, o elenco do Verdão parece ser o mais equilibrado, embora curto.

A estreia permite uma derrota para o Flamengo, o que faz com que qualquer ponto conquistado nesse jogo seja um enorme lucro, porque além de tudo tira pontos do concorrente direto.

Em meio à disputa da Copa do Brasil, o Verdão precisa iniciar uma recuperação, precisando ganhar cinco dos seis jogos seguintes, tendo como adversários mais difíceis Bragantino e SCCP. Dá pra encarar.

Nos três jogos finais, precisamos vencer o Sport fora e o Grêmio em casa, depois de poder perder no Beira-Rio, por motivos de: PORQUE SIM. A conta final do quartil precisa estar bem próxima de 22 pontos.

Segundo quartil

O Palmeiras abre o segundo quartil contra o Santos, à espera dos jogadores das seleções – alguns já devem estar de volta, já que apenas duas seleções chegam à final. Mas outro entrave vai complicar nosso planejamento: o início frenético dos mata-matas da Libertadores e da Copa do Brasil.

Abel Ferreira deve recorrer à fórmula que já ensaiou nas últimas semanas, também usada com sucesso por Felipão em 2018: desenvolver dois times bem definidos, um para os finais de semana, outro para os meios de semana.

Com jogos complicados em meio a duelos importantíssimos, a chavinha, enlouquecida, vai emperrar algumas vezes e será inevitável perder pontos. O quartil prevê seis vitórias e três derrotas.

A meta é encerrar o primeiro turno com 40 pontos, classificado para as semifinais da Libertadores e bem posicionado nas semifinais da Copa do Brasil.

Terceiro quartil

Teremos “apenas” cinco jogos de copas entre as dez rodadas deste quartil. Com a parte mais fácil da tabela à disposição, o Palmeiras precisa aproveitar e recuperar parte dos pontos perdidos no segundo quartil.

Os primeiros três jogos ainda acontecerão em meio às semifinais das copas e empates podem ser tolerados. Mas na sequência, será necessário vencer quatro jogos em sequência, contra Juventude, América, Bragantino e Bahia.

E teremos datas Fifa para atrapalhar, é claro.

Às vésperas das finais da Copa do Brasil, tropeços podem ser tolerados. Ao final do terceiro quartil, esperamos estar com 60 pontos, classificados para a grande final da Libertadores e com o pentacampeonato da Copa do Brasil na prateleira.

Quarto quartil

Os nove jogos finais serão disputados a partir de novembro. Caso o Palmeiras esteja classificado para a final da Libertadores, provavelmente a partida da rodada 34 será puxada para o dia 3 de novembro, uma solitária semana livre no calendário.

Nesta reta final, pode-se tolerar dois tropeços. Um deles, é claro, na semana da final da Libertadores – rodada 33, contra o SPFC. Essas semanas que antecedem à final em Montevidéo terão mais uma vez o estorvo das convocações para as seleções.

Um dos jogos-chave será contra o Atlético-MG no Allianz Parque. Este, sim: livre de qualquer empecilho, com as copas já encerradas e sem datas Fifa; a partir desta rodada, foco total no Brasileirão até a rodada 38.

Mas até lá, ainda tem muita coisa para acontecer e certamente esta previsão sofrerá alterações nos pontos de checagem aos finais dos quartis.

Conclusão

O calendário que começa no dia 29 de maio poderia começar no início de fevereiro num ano normal, sem as 15 datas dos inúteis estaduais. Seria de enorme valia para os atletas e clubes, que teriam mais tempo para trabalhar a parte tática e teriam menos riscos de lesões. O produto seria valorizado como um todo e as perdas das receitas dos estaduais seriam compensadas no médio e longo prazo. Mas isto é assunto para outra conversa.

A campanha proposta para se chegar ao título é de 83 pontos, com 25 vitórias, 8 empates e 5 derrotas. E é claro que é difícil, afinal, ser campeão nunca foi uma tarefa tranquila.

Fazendo este tipo de exercício nos últimos cinco anos, acompanhamos dois títulos rodada a rodada, e em três edições ficamos pelo caminho. Mas o campeonato fica mais divertido de acompanhar. Manter a referência viva ajuda a encarar os pontos perdidos com mais serenidade.

Retomaremos o tema na segunda semana de julho, ao final do primeiro quartil. Até lá, boa sorte pra nós e VAMOS PALMEIRAS!

> Acesse aqui nossa SUPER PÁGINA DO BRASILEIRÃO e salve nos seus favoritos.

  • Esse ano há um equilíbrio maior entre os grandes e os pequenos. Acho que os confrontos diretos serão mais importantes.

  • A chegada do Baixola e do Borja aumentam nosso poder de fogo ponto fraco da equipa. São mais dois goleadores dando opções ao Portuga.
    Weverton, , Rocha, Luan Gomes e Viña
    Danilo, Patrick, Scarpa,
    Dudu , Borja e Rony Rústico.
    Com Veiga, Bigode, Wesley, Luiz Adriano e Verón para o segundo tempo.
    Infelizmente falta um 10 e um 9.
    Seríamos outra equipa.

  • Interessante, mas não sou tão pessimista com o time em relação a Flamengo, São Paulo, Inter e Atlético. Se queremos ser campeões, estes são os adversários a derrotar.

  • Acompanho esse planejamento de pontos desde o início em 2015 ou 2016. É perfeita e dá a dimensão exata do que precisa ser feito pelo clube. Muito bom!!!