Abel aponta fatores que atrapalharam o jogo do Palmeiras e pede paciência com Navarro

Abel aponta fatores que atrapalharam o jogo do Palmeiras e pede paciência com Navarro.
Reprodução

Após empate em 0 a 0 com a Inter de Limeira, Abel falou sobre os últimos acontecimentos no futebol brasileiro e desconversou sobre presença de Gómez na final

O Palmeiras empatou em 0 a 0 com a Inter de Limeira, na tarde deste domingo, e segue invicto no Campeonato Paulista. Para o duelo, o técnico Abel Ferreira optou por colocar em campo a equipe reserva, já que o Verdão terá uma decisão na quarta-feira, e explicou a formação inicial com Deyverson e Navarro no comando de ataque.

“Tivemos jogo três dias atrás e não há outra forma de sermos competitivos e intensos a não ser rodar a equipe. O futebol brasileiro tem muitos jogos seguidos e tivemos lesões por conta disso. Dentro dos jogadores que eu tinha disponíveis, essa foi a escolha que fiz, deixar o Deyverson de centroavante mais fixo e o Navarro um pouco mais atrás, algo fora da posição dele, mas também para dar minutos a ele”, disse o treinador, que em seguida saiu em defesa do camisa 29.

“Nós acreditamos no Navarro, ainda tem 21 anos. Tenho paciência, assim como tivemos com muitos outros. É importante dar tempo. Ele tem qualidade, potencial e eu confio. Sabemos que a camisa de centroavante do Palmeiras pesa muito, mas vamos torná-la mais leve”, complementou o treinador sobre Navarro, que chegou ao Palmeiras na atual temporada após ser um dos destaques da Série B, pelo Botafogo.

Ao analisar a partida, Abel apontou alguns fatores que prejudicaram o desempenho do time no estádio Major Levy Sobrinho.

“Foi uma soma de fatores (falta de entrosamento, forte calor e o gramado). Jogar às 16h com a temperatura em 35ºC é muito duro. O gramado estava muito alto e isso deixa o jogo lento. Mas, sim, faltou um pouco mais de calma e fluidez de jogo. Não foi um jogo de muitas oportunidades. [Sobre a falta de entrosamento] é só com jogo que vamos melhorar, dos 27 atletas do elenco, apenas o Vinicius Silvestre ainda não foi utilizado. Sabemos que podemos fazer melhor, mas as condições hoje estavam muito difíceis”, declarou.

Questionado se Gustavo Gómez voltará para o jogo decisivo contra o Athletico-PR, pela Recopa, Abel desconversou e reforçou a confiança em todos os jogadores.

“Ainda temos que ver [se Gómez jogará]. Por norma, eu não coloco em campo [de titular] jogadores que estão voltando de lesão. Temos 27 jogadores no elenco e confio em todos. Kuscevic e Murilo tiveram que jogar o primeiro jogo e não teve problema nenhum. Se fosse preciso colocar o Renan, ele jogaria também. Vamos ver quem estará disponível para quarta-feira”, disse.

Abel faz reflexão sobre o futebol brasileiro

No fim da entrevista coletiva, o treinador comentou e fez uma reflexão sobre os episódios que aconteceram com Grêmio e Bahia, que tiveram seus ônibus apedrejados, e com o Paraná Clube, que viu seus próprios torcedores invadirem o gramado para agredirem os jogadores.

“O que está acontecendo na Europa [conflito entre Rússia e Ucrânia] e o que está acontecendo no Brasil [casos de Bahia, Grêmio e Paraná] me preocupa muito. As entidades competentes têm que dar um passo à frente para que todos na sociedade entendam o que é infringir as leis. Precisa ter uma punição. Não adianta ter os cargos e não fazer a liderança dos cargos que têm. Olho futebol como entretenimento e com muito respeito. E quando o limite do respeito é ultrapassado, vimos coisas que não são agradáveis para ninguém. É uma reflexão que todos nós precisamos fazer. Precisamos de paz, isso é um valor que está muito em falta”, finalizou Abel.