Ala-esquerdo contra o Flamengo, Gustavo Scarpa fala sobre estratégia de Abel para a final

Gustavo Scarpa do Palmeiras em disputa com Rodrigo Caio e Willian Arão do Flamengo, durante partida final da Libertadores 2021, no Estádio Centenário, em Montevidéu.
Cesar Greco

Meia de origem, Gustavo Scarpa aprovou jogar nesta função

O técnico Abel Ferreira mudou a função de alguns jogadores na partida contra o Flamengo na decisão da Libertadores, que foi vencida pelo Palmeiras por 2 a 1. Dentre as alterações, a mais significativa ficou por conta do posicionamento de Gustavo Scarpa no duelo.

O camisa 14 foi escalado para jogar de ala-esquerdo, enquanto Piquerez fechava como terceiro zagueiro por aquele lado do campo. Embora essa não seja sua posição de origem, o jogador gostou de ter feito a função.

“O Abel chamou os 11 titulares e falou: ‘a gente vai precisar se sacrificar’. Ali eu já pensei que sobraria pra mim e já estava preparado. Ele perguntou ao grupo: ‘quem é o ponta do nosso time que vai ter que marcar mais?’. Eu nem precisei responder porque os caras disseram que era eu. Aí ele olhou para mim e eu falei que já esperava. Só não esperava entrar do outro lado, porque vinha jogando pela direita. Foi um pouco de surpresa. Estava muito nervoso antes do jogo, arrepiado no aquecimento, gritando de emoção, mas na partida o pessoal me passou confiança e fiquei bem à vontade”, disse o jogador em entrevista ao SporTV.

“Foi a primeira vez que joguei posicionado na linha de cinco. Confesso que fiquei à vontade, eu sabia da responsabilidade defensiva que teria que ter e acredito que cumpri bem. Foi da hora, uma função diferente. Durante o jogo, comecei a ir um pouco mais para frente e não recebia a bola, pensei ‘quer saber?‘ No segundo tempo tem Michael, vai que o Bruno Henrique vem para cá. Vou ficar aqui atrás e guardar fôlego’”, acrescentou.

Scarpa revelou também que o plano de Abel para a decisão foi repassado aos atletas no início da semana passada, antes de a equipe jogar contra o Atlético-MG, pelo Brasileirão.

“O Abel nos reuniu numa sala e mostrou o time que jogaria já na segunda-feira. Aí já fui colocando na cabeça o que precisaria fazer, como marcar, me preparar mentalmente. Foi uma experiência diferente. O Abel tem as ideias dele e é leal aos pensamentos dele. É importante ter um treinador assim. Nossa equipe tem se consolidado taticamente já há um bom tempo e essa conquista contra uma equipe tão boa, nos fez amadurecer muito”, contou.

E prosseguiu falando sobre o trabalho do comandante: “Dos treinadores que já tive na carreira, ele é o que mais mostra vídeos, lances, é muito apegado a essa questão tática. Às vezes ele erra, mas não deixa de mostrar para a gente o que ele quer no campo. Eu entrei na final sabendo 100% o que precisaria fazer e isso deixa o jogador mais à vontade”.

Gustavo Scarpa diz que preparação será essencial para o Mundial

Com o tricampeonato da Libertadores, o Palmeiras garantiu novamente uma vaga no Mundial de Clubes. A competição será realizada nos Emirados Árabes Unidos, entre os dias 3 a 12 de fevereiro.

Para Scarpa, o Palmeiras tem tudo para ter um desempenho melhor do que em 2020, quando a equipe perdeu para o Tigres, por causa da falta de tempo para preparação.

“Nosso jogo [contra o Tigres] foi fraco tecnicamente, nós não conseguimos decidir entre jogar na transição ou ter a bola. Ficamos confusos, perdemos um jogo que dava pra ganhar. A preparação será o essencial no ano que vem. Tivemos uma semana depois da final contra o Santos, foi tudo muito corrido. Agora estamos mais maduros, mais cientes de como se disputa um Mundial. Tenho certeza de que vamos dar um trabalho maior que no último”, finalizou.

Gustavo Scarpa, assim como demais atletas do elenco, não jogará na noite desta terça-feira contra o Cuiabá, pelo Campeonato Brasileiro, e deverá sair de férias já no início da próxima semana.