Há 6 temporadas no Verdão, Mayke relembra superação para atuar na decisão da Libertadores

Mayke do Palmeiras em disputa com Michael do Flamengo, durante partida final da Libertadores 2021, no Estádio Centenário, em Montevideo.
Cesar Greco

Mayke, que pouco atuou antes da final, foi o escolhido por Abel Ferreira para substituir Marcos Rocha, que estava suspenso

O lateral-direito Mayke terminou o ano de 2021 em alta no Palmeiras. Apesar de ter sido reserva durante a temporada, o atleta recebeu a oportunidade de começar jogando a final da Libertadores contra o Flamengo entre os onze iniciais, já que Marcos Rocha estava suspenso, e foi importante para a conquista do tricampeonato, contribuindo com uma assistência para o gol de Raphael Veiga.

Aos 29 anos de idade, Mayke chegou para a decisão em Montevidéu tendo disputado apenas três jogos nos três meses que antecederam a partida (frente ao Atlético-GO, Fluminense e Fortaleza) e, ainda, vindo de uma cirurgia no joelho direito.

“Só tenho de agradecer a Deus, ao staff do clube que me ajudou demais e à minha família, que sempre esteve me apoiando e me ajudando nos momentos bons e ruins. Vim de uma cirurgia, voltei aos gramados, fiz só três jogos e fui para a final da Libertadores. É um jogo muito importante para a minha carreira, pois saí com o sentimento de dever cumprido”, relembrou o defensor à TV Palmeiras/FAM.

“Esperava um jogo muito difícil, estava bem nervoso, preocupado. Entrar em uma final de Libertadores é um enorme compromisso, ainda mais vestindo a camisa do Palmeiras. [Na comemoração do título] eu fui direto ver minha família que estava no estádio e agradeci a eles”, continuou.

Na temporada 2021, o camisa 12 participou de 32 jogos.

Mayke projeta o ano de 2022 do Palmeiras

Mayke durante treinamento do Palmeiras na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Contratado junto ao Cruzeiro, Mayke vai para sua sexta temporada no Palmeiras. Eleito o melhor lateral-direito do Brasileirão de 2018, o experiente jogador enalteceu as conquistas do Verdão em 2021, mas ressaltou que isso é “passado” e comentou sobre as expectativas para 2022.

“Fizemos uma excelente temporada em 2021, mas sabemos que já passou e agora é ir atrás dos nossos objetivos deste novo ano. É fazer de tudo para virem mais títulos e tenho certeza de que vamos nos empenhar ao máximo para que no final dê tudo certo”, finalizou.

Ao todo, Mayke esteve presente nos cinco títulos conquistados em sua trajetória no Palmeiras (as Libertadores 2020 e 2021, Copa do Brasil 2020, Paulistão 2020 e Brasileirão 2018). Esses números o deixam entre os laterais (esquerdos e direitos) mais vencedores pelo clube, ao lado de jogadores históricos como Djalma Santos, Geraldo Scotto, Eurico, Zeca, Junior, Roberto Carlos e Arce.

“A escalada da Glória Eterna!”, Conmebol lança filme sobre a conquista da Libertadores pelo Palmeiras; confira

“A escalada da Glória Eterna!”, Conmebol lança filme sobre a conquista da Libertadores pelo Palmeiras.
Reprodução

Documentário “A escalada da Glória Eterna!” conta com falas de Abel Ferreira sobre a “montanha” que precisava ser escalada até o tricampeonato

No dia 27 de novembro, o Palmeiras venceu o Flamengo por 2 a 1, em Montevidéu, e conquistou a Libertadores da América pela terceira vez em sua História. 12 dias após o título, a Conmebol lançou o filme oficial da conquista, intitulado como “A escalada da Glória Eterna!”.

O título do documentário faz alusão às falas de Abel Ferreira durante a trajetória do Palmeiras no torneio, quando dizia que a equipe precisaria escalar uma montanha maior que a do bicampeonato para conquistar novamente a América, e também conta com entrevistas concedidas por ele ao filme.

“Gosto de contar histórias e criar uma missão, um objetivo. Como comissão técnica, tínhamos que criar algo para motivar nossos jogadores outra vez, como se nunca tivéssemos ganho. Como se fosse um desejo intrínseco de todos voltar a ganhar novamente”, contou.

Abel Ferreira nas comemorações do Palmeiras pela conquista da Copa Libertadores 2021.
Reprodução

“Criamos essa montanha. Quando nós olhamos para o espírito de um escalador, alguém que ultrapassa seus limites. Achamos que poderia ser uma analogia, uma figura de linguagem muito boa que pudesse inspirar todos nós. É uma imagem que representa nossa caminhada”, acrescentou.

Abel é o único personagem da final que aparece dando depoimentos no documentário. Além de falar do quanto o Palmeiras teria que percorrer para levantar o título mais uma vez, o comandante comentou também da importância da parte mental para esse jogo.

“Falei para eles [os jogadores] focarem somente no processo. No futebol tudo é possível, principalmente quando você acredita e planta a semente na cabeça deles que realmente é possível vencer”, disse.

“Em uma final, nosso maior adversário somos nós próprios. É a capacidade que cada um de nós tem de dar o melhor naquela hora e naquele momento do jogo. Esse é o maior desafio. Mais do que o adversário, é que cada um consiga estar em paz com a cabeça para que seu corpo, no momento de maior pressão, consiga reproduzir o futebol de alto nível”, completou.

Dentre as imagens apresentadas, destacam-se as reações de Rony e Dudu após o gol de Raphael Veiga, a reunião dos jogadores com Abel Ferreira antes do início da prorrogação e toda a jogada do segundo gol, anotado por Deyverson, incluindo a festa da torcida palmeirense presente no estádio Centenário.

Com o tricampeonato, o Palmeiras se tornou o maior vencedor brasileiro de Libertadores, ao lado de SPFC, Santos e Grêmio. Em 2022, o Verdão disputará a competição pela 22ª vez em sua História. 

Confira o filme “A escalada da Glória Eterna!”:

Ao Verdazzo, Daniel Gonçalves fala sobre “plano de Abel Ferreira” e preparação para o Mundial de Clubes

Ao Verdazzo, Daniel Gonçalves fala sobre “plano de Abel Ferreira” e preparação para o Mundial de Clubes.
Reprodução

Coordenador científico do Palmeiras, Daniel Gonçalves concedeu entrevista exclusiva ao Verdazzo na noite de quarta-feira

Em entrevista coletiva após o revés para o SPFC, o técnico Abel Ferreira falou abertamente com o torcedor do Palmeiras: “temos um plano e vamos segui-lo até o final, não importa o que aconteça”. Àquela altura, o Verdão estava a 10 dias de jogar a final da Libertadores, em Montevidéu, e a escolha da comissão técnica foi poupar os titulares no Choque-Rei e colocá-los em campo no jogo seguinte, frente ao Fortaleza (uma semana antes da decisão).

Com exclusividade ao Verdazzo, o coordenador científico do Palmeiras, Daniel Gonçalves, explicou sobre a decisão da comissão técnica e detalhou as vantagens de ter jogado com os titulares contra o Leão.

“Temos no nosso processo reuniões periódicas para a gente tomar a melhor decisão como núcleo e a assim assessorar a comissão técnica e a direção de futebol. Dos auxiliares, quem participa das discussões é o João Martins. O Abel já havia nos avisado que a partida contra o Fortaleza seria o último teste [antes da final]. Ele queria a força máxima, porque vislumbrava que ali seria um tempo ótimo de preparação para a equipe, de recuperação, restabelecimento. O Abel acreditava que 10 dias seria um tempo longo e a equipe poderia perder um pouco o ritmo de competição, e isso realmente aconteceria já que os atletas estão habituados a jogar com certa frequência por causa do nosso calendário”, iniciou.

“Diante dessa necessidade dele de exigir como último teste o duelo diante do Fortaleza, vimos que tínhamos que munir ele com outras informações, como falar que o clássico contra o SPFC seria muito perto do jogo em Fortaleza e os atletas poderiam entrar em campo não totalmente recuperados. Então ele optou por fazer da partida frente ao Fluminense e Fortaleza como jogos chaves e preservar os titulares no clássico, a fim de que cumpríssemos um plano por um objetivo maior. A gente sabe da nossa responsabilidade como profissional do Palmeiras, todo jogo a gente tem a necessidade de vencer, ainda mais contra um rival. Mas, para não comprometer a final da Libertadores, essa medida tinha que ser tomada”, acrescentou.

Daniel prosseguiu falando qual é o tempo necessário para um jogador de futebol estar 100% recuperado depois de uma partida.

“Vale lembrar que a ciência do esporte mostra que o tempo de recuperação do jogador varia de 72 a 96 horas após uma partida. Temos diversas ferramentas para poder verificar esse nível de recuperação. Na véspera do jogo contra o Fortaleza, os atletas que atuaram na partida anterior não estavam recuperados 100%. Então a gente tinha a noção de que, caso contra o SPFC tivesse jogado os titulares, a gente poderia comprometer de maneira incisiva a preparação para a final”, detalhou.

Daniel Gonçalves fala da preparação para o Mundial de Clubes

Em fevereiro, o Palmeiras disputará o Mundial de Clubes, em Abu Dhabi. Diferentemente do que ocorreu na temporada passada, quando a equipe teve uma semana de diferença entre a conquista da Libertadores para a estreia no Mundial, o clube terá desta vez um tempo maior para se preparar.

O elenco retorna das férias no dia 5 de janeiro e o primeiro jogo na competição está marcado para o dia 8 de fevereiro. Antes disso, ainda, o Verdão estreará no Campeonato Paulista.

“Tivemos uma experiência nesse ano que gerou frustração para a torcida e também para nós, internamente. Realmente nosso tempo de adaptação a Doha foi muito curto, alguns atletas se queixaram do fuso-horário e da qualidade do sono. Além disso, teve as questões de ordem mental e emocional. A final contra o Santos demandou alta carga emocional e para mobilizar novamente os atletas requer um tempo”, contou.

“Com certeza isso gerou um aprendizado pra gente. Vamos antecipar a nossa ida ao Emirados Árabes Unidos e elaboraremos uma nova estratégia para que a gente se adapte melhor ao fuso-horário. Teremos tempo também para que os jogadores curtam a conquista e virem a chave. Esse período de descanso ou transição, já que os atletas têm um acompanhamento remoto, é preciso para que quando voltarmos em janeiro a gente consiga ter uma preparação física, técnica-estratégica com o Abel e mental boa. E consigamos ir em busca dessa conquista tão importante para a instituição”, completou.

Confira a entrevista completa do Verdazzo com Daniel Gonçalves:

5 jogadores do Palmeiras entram na seleção da Libertadores

O elenco do Palmeiras, em foto oficial no jogo contra o Flamengo, durante partida final da Copa Libertadores 2021, no Estádio Centenário.
Cesar Greco

Weverton, Gustavo Gómez, Raphael Veiga, Dudu e Rony são os representantes do Palmeiras

A Conmebol divulgou em suas redes sociais na noite de quinta-feira a seleção dos 11 melhores da Libertadores de 2021, conquistada pelo Palmeiras no último sábado sobre o Flamengo por 2 a 1, na prorrogação.

Tricampeão, o Verdão dominou a lista com cinco jogadores. Foram eles: Weverton, Gustavo Gómez, Raphael Veiga, Dudu e Rony. Confira:

De todos os palmeirenses presentes, apenas Raphael Veiga foi eleito pela primeira vez. Gómez, Weverton e Rony estiveram na seleção da temporada passada e Dudu foi escolhido para os onze melhores da Libertadores de 2018 – o atacante, na ocasião, foi o único representante brasileiro.

Veja também as jogadas do Palmeiras na Libertadores selecionadas pela Conmebol

Além da divulgação da seleção do campeonato, a Conmebol soltou também em seu Instagram as melhores jogadas do Palmeiras na Libertadores. A combinação de lances conta com dribles e passes de efeito de Danilo, Dudu (duas vezes), Raphael Veiga (duas vezes) e Rony.

Em 2022, o Palmeiras disputará a Libertadores pela 22ª vez e será a sétima de forma consecutiva, número recorde na História do clube.

Ala-esquerdo contra o Flamengo, Gustavo Scarpa fala sobre estratégia de Abel para a final

Gustavo Scarpa do Palmeiras em disputa com Rodrigo Caio e Willian Arão do Flamengo, durante partida final da Libertadores 2021, no Estádio Centenário, em Montevidéu.
Cesar Greco

Meia de origem, Gustavo Scarpa aprovou jogar nesta função

O técnico Abel Ferreira mudou a função de alguns jogadores na partida contra o Flamengo na decisão da Libertadores, que foi vencida pelo Palmeiras por 2 a 1. Dentre as alterações, a mais significativa ficou por conta do posicionamento de Gustavo Scarpa no duelo.

O camisa 14 foi escalado para jogar de ala-esquerdo, enquanto Piquerez fechava como terceiro zagueiro por aquele lado do campo. Embora essa não seja sua posição de origem, o jogador gostou de ter feito a função.

“O Abel chamou os 11 titulares e falou: ‘a gente vai precisar se sacrificar’. Ali eu já pensei que sobraria pra mim e já estava preparado. Ele perguntou ao grupo: ‘quem é o ponta do nosso time que vai ter que marcar mais?’. Eu nem precisei responder porque os caras disseram que era eu. Aí ele olhou para mim e eu falei que já esperava. Só não esperava entrar do outro lado, porque vinha jogando pela direita. Foi um pouco de surpresa. Estava muito nervoso antes do jogo, arrepiado no aquecimento, gritando de emoção, mas na partida o pessoal me passou confiança e fiquei bem à vontade”, disse o jogador em entrevista ao SporTV.

“Foi a primeira vez que joguei posicionado na linha de cinco. Confesso que fiquei à vontade, eu sabia da responsabilidade defensiva que teria que ter e acredito que cumpri bem. Foi da hora, uma função diferente. Durante o jogo, comecei a ir um pouco mais para frente e não recebia a bola, pensei ‘quer saber?‘ No segundo tempo tem Michael, vai que o Bruno Henrique vem para cá. Vou ficar aqui atrás e guardar fôlego’”, acrescentou.

Scarpa revelou também que o plano de Abel para a decisão foi repassado aos atletas no início da semana passada, antes de a equipe jogar contra o Atlético-MG, pelo Brasileirão.

“O Abel nos reuniu numa sala e mostrou o time que jogaria já na segunda-feira. Aí já fui colocando na cabeça o que precisaria fazer, como marcar, me preparar mentalmente. Foi uma experiência diferente. O Abel tem as ideias dele e é leal aos pensamentos dele. É importante ter um treinador assim. Nossa equipe tem se consolidado taticamente já há um bom tempo e essa conquista contra uma equipe tão boa, nos fez amadurecer muito”, contou.

E prosseguiu falando sobre o trabalho do comandante: “Dos treinadores que já tive na carreira, ele é o que mais mostra vídeos, lances, é muito apegado a essa questão tática. Às vezes ele erra, mas não deixa de mostrar para a gente o que ele quer no campo. Eu entrei na final sabendo 100% o que precisaria fazer e isso deixa o jogador mais à vontade”.

Gustavo Scarpa diz que preparação será essencial para o Mundial

Com o tricampeonato da Libertadores, o Palmeiras garantiu novamente uma vaga no Mundial de Clubes. A competição será realizada nos Emirados Árabes Unidos, entre os dias 3 a 12 de fevereiro.

Para Scarpa, o Palmeiras tem tudo para ter um desempenho melhor do que em 2020, quando a equipe perdeu para o Tigres, por causa da falta de tempo para preparação.

“Nosso jogo [contra o Tigres] foi fraco tecnicamente, nós não conseguimos decidir entre jogar na transição ou ter a bola. Ficamos confusos, perdemos um jogo que dava pra ganhar. A preparação será o essencial no ano que vem. Tivemos uma semana depois da final contra o Santos, foi tudo muito corrido. Agora estamos mais maduros, mais cientes de como se disputa um Mundial. Tenho certeza de que vamos dar um trabalho maior que no último”, finalizou.

Gustavo Scarpa, assim como demais atletas do elenco, não jogará na noite desta terça-feira contra o Cuiabá, pelo Campeonato Brasileiro, e deverá sair de férias já no início da próxima semana.