1
X
2

Defensa Y Justicia 1x2 PalmeirasCesar Greco

O Palmeiras venceu o Defensa Y Justicia por 2 a 1 agora há pouco em Buenos Aires e traz uma boa vantagem para a decisão da Recopa Sul-Americana para o jogo da próxima semana, em Brasília.

O Verdão aproveitou mais um milagre de Weverton no início do jogo, abriu a vantagem, tomou o empate no segundo tempo mas chegou à vitória com um gol de falta de Gustavo Scarpa. Qualquer vitória ou empate no dia 14 dará o título inédito ao Verdão.

Ficha Técnica

Defensa Y Justicia

Unsain
M. Rodríguez
Frías
Meza
Benítez
Loaiza
Escalante
B. Romero
E. Fernández
Pizzini
Martínez
Walter Bou
Rotondi
Isnaldi
Sebastián Beccacece
TÉCNICO

Primeiro tempo

3'
Defensa Y Justicia

Pizzini aproveitou erro de Zé Rafael e acionou Braian Romero, que recebeu já dentro da área e bateu com força; Weverton abriu a caixa de milagres e pegou a primeira no rodapé direito.

12'
Palmeiras

Viña recebeu na meia esquerda e arriscou, mas a bola saiu sem direção.

15'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Viña ganhou a bola na defesa e ligou rápido com Willian, que brigou com Frías e conseguiu colocar na frente; Rony, enfiado, ganhou de Meza e tocou na saída de Unsain.

24'
Defensa Y Justicia

Rotondi avançou pela esquerda e cruzou por baixo; Felipe Melo cochilou na cobertura e Bou conseguiu tocar para a chegada de Romero, que bateu por baixo – Weverton, bem colocado, pegou firme.

33'
Defensa Y Justicia

Benítez bateu falta da esquerda e surpreendeu, mandando direto para o gol; Weverton rebateu de manchete e Enzo Fernández emendou da meia-lua, por cima do gol.

39'
Palmeiras

Meza errou na saída de bola, Veiga interceptou, Rony aproveitou e tocou rápido para Willian, que entrou na área e tentou colocar no canto esquerdo de Unsain, mas Rodríguez chegou para bloquear o lance.

40'
Defensa Y Justicia

Walter Bou recebeu na entrada da área e bateu forte, por baixo – a bola saiu à direita do gol.

47'

O juiz, que não apitou qualquer faltinha, encerrou o primeiro tempo.


Segundo tempo

1'
Palmeiras

Willian puxou o contra-ataque e abriu para a velocidade de Breno Lopes; ele escapou de Benítez, entrou na área, mas não chutou e nem cruzou – a bola saiu à direita de Unsain.

2'
Defensa Y Justicia

Após erro na saída de bola de Viña, Pizzini abriu para Enzo Fernández que cruzou muito forte; a bola passou por Bou e Romero que fechavam livres na risca da pequena área.

12'
Defensa Y Justicia

Gol do Defensa Y Justicia – Bou recebeu com liberdade na frente da área e enfiou no facão para Braian Romero, que saiu na cara de Weverton e tocou no canto esquerdo.

13'

Esteves e Gustavo Scarpa entraram nos lugares de Willian e Raphael Veiga.

17'

Danilo e Patrick de Paula entraram nos lugares de Zé Rafael e Felipe Melo.

19'
Palmeiras

Gustavo Scarpa bateu falta frontal por fora da barreira no canto direito de Unsain, que espalmou a escanteio.

29'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Gustavo Scarpa bateu falta da meia direita; a bola passou por cima da barreira e Unsain acabou indo com a mão de alface na bola, apenas desviando a bola para as redes.

39'

Mayke entrou no lugar de Breno Lopes.

40'
Defensa Y Justicia

Braian Romero recebeu na entrada da área, deu um chapéu em Luan e bateu por baixo; Weverton pegou firme, bem colocado.

41'
Defensa Y Justicia

Rodríguez cruzou da direita; Fernández e Romero estavam impedidos mas Bou tinha condição legal e escorou para as redes. O auxiliar marcou fora de jogo no primeiro lance, já que Gustavo Gómez desvia levemente a bola para marcar Romero, influenciando no desfecho da jogada.

49'
Defensa Y Justicia

Escalante rolou para Enzo Fernández, que bateu chapado por cima do gol.

50'

O árbitro colombiano encerrou o jogo após cinco minutos de acréscimo.





Fim de jogo

Foi uma vitória da camisa. Sentindo demais a falta de ritmo de jogo, o Palmeiras fez um jogo muito aquém do esperado e foi dominado pelo pequeno time argentino, que é composto por jogadores inteligentes e disciplinados taticamente, apesar de fracos em termos técnicos.

Jogando agrupados, com um toque de bola rápido e marcando nossa saída de bola, o time argentino forçou o jogo pelo lado esquerdo no  início, obrigando Breno Lopes a compor momentaneamente uma linha de cinco para socorrer Marcos Rocha.

Esse movimento fez com que o time da casa passasse a variar mais os lados e o Palmeiras equilibrou o jogo. Na primeira escapada rápida, o Verdão chegou à vantagem, com participações de Viña e Willian, antes da conclusão de Rony.

Insistindo na ligação rápida, o Palmeiras pecava na execução. Defensivamente, estava muito exposto, com os meias argentinos deitando e rolando no espaço deixado por nossa dupla de volantes. A vantagem no intervalo foi justa, mas não exatamente merecida.

Sem mexidas no segundo tempo, o Palmeiras voltou mais pressionado ainda e sofreu o empate numa jogada que estava escancarada, com Bou aproveitando o latifúndio entre a zaga e os volantes para enfiar para o facão de Romero.

As entradas de Esteves e Scarpa não mudaram muita coisa, mas logo depois, as de Danilo e Patrick resolveram  nosso problema. O meio-campo mudou de dono rapidamente e, com naturalidade, nosso time passou a ter mais volume de jogo.

O gol de falta de Gustavo Scarpa foi consequência desse maior volume de jogo. O jogo estava sob controle. Mas a entrada de Mayke em Breno Lopes coincidiu com uma brusca mudança no panorama, com o time argentino adiantando todos os jogadores e fazendo uma pressão final fortíssima.

Bou chegou a empatar o jogo, mas o gol foi anulado por participação (discutível) no lance de dois companheiros que estavam impedidos, a cinco minutos do fim. E com isso o Palmeiras conseguiu segurar o resultado até o fim.

Final não se joga, se ganha. Nunca o clichê foi levado tão ao pé da letra. O Palmeiras foi mal tecnicamente e taticamente. Sem ritmo de jogo, acabou prevalecendo graças aos lances isolados em que levou vantagem, tanto no ataque quanto na defesa. Ganhou na camisa.

A pequena vantagem será útil para o jogo da volta, quando, esperamos, o time já esteja menos enferrujado e mais azeitado. Mas a má partida preocupa para o desempenho que precisamos ter diante do Flamengo, domingo, na final da Supercopa.

Como diz Abel, cada jogo tem uma História. E que venha o clichê de novo no domingo, para trazer a primeira taça da temporada para casa. Quem sabe, com a companhia de outra, a ser conquistada na quarta. VAMOS PALMEIRAS!





  • Além da falta de ritmo, temos que pensar que o Abel pode ter “escondido o jogo” para a decisão de domingo. Ou vocês acham que o goleiro que gostava de tomar gol de cobertura não assistiu o jogo?…

  • Segundo Felipe Melo ele valeria 80 milhões de euros se tivesse 25 anos hahahaha Nem nossas crias, que tem menos de 25 anos e tem mais futebol que ele, valem isso tudo. Ontem foi um sufoco com ele e Zé Rafael à frente da defesa.

  • Domingo ja tem outra decisão, podemos ser campeões em menos de 5 dias no mesmo estádio, isso ja aconteceu antes ?

  • Esse time do Defensa é entrosado, tem um bom treinador, e joga junto a muito tempo, se pega um Corica da vida os itaquera ia levar uma surra que iam perder o rumo de casa, ganhamos na camisa sim, mas o diferencial de um Willian Bigode , Ronny, Scarpa, fizeram toda a diferença, o gol anulado acho que é interpretativo , o arbitro nem foi olhar na telinha, o VAR anulou da cabine mesmo, provavelmente interpretou ilegalidade. AVANTI PALESTRA , SEREMOS !

  • Achei o Luan inseguro, tomou até chapéu de adversário e ficou indeciso no gol.
    Felipe Melo falhou bem no gol, deu um baita espaço e trotou… Não dá mais pra ele não. Fala muito mais do que joga.

    Mas ACREDITO QUE o Abel escalou assim e usou o time assim para domingo ir com a molecada e com força total.

  • O Abel pediu um ponta esquerda e um centroavante. Este jogo é para FM baixar a bolinha na renovação, estava falando muito em coletivas sobre a importância dele ser valorizado, jogar até 40 anos, etc e etc, penso q a renovação, se ocorrer, deve ser padronizada pelo potencial de entrega, q tende a diminuir gradualmente, o mesmo vale p Bigode, com exceção de que este não é falastrão. Torço muito p q FM domingo não seja titular.

  • Interessante notar algo que parece padrão: as boas jornadas do time sempre começam com pequenos milagres (se é que um milagre pode ser pequeno) do Weverton.

    Que goleiro fantástico!

  • Este time foi eliminado da Libertadores na primeira fase pelo Delfin. Não deve ser grande coisa.