0
X
2

Pré-Jogo

Pré-jogo Palmeiras x River Plate

Na noite desta terça-feira, a Sociedade Esportiva Palmeiras recebe o River Plate no Allianz Parque, no jogo de volta da fase semifinal da Libertadores da América.

Depois de abrir uma vantagem espetacular no jogo de ida ao vencer o adversário por 3 a 0, o Verdão tem todas as condições para avançar à grande final. Mas precisa ratificar a vantagem no campo.

Palmeiras

PalmeirasDESFALQUES
Lesionados:
Luan Silva, Wesley e Gabriel Veron
Transição física: Felipe Melo
Suspensos: Patrick de Paula

Pendurado: ninguém

O técnico Abel Ferreira tem como missão manter os jogadores com o foco ajustado para uma partida com este cenário. A vantagem de três gols é ótima, mas numa partida com esta carga de tensão, pode desabar em questão de minutos – da mesma forma que foi construída.

Para esta partida, Gabriel Veron será desfalque – o atacante sentiu lesão muscular na coxa direita no jogo contra o Sport e entrou em tratamento. Patrick de Paula, suspenso, também vai assistir ao jogo de fora.

Com os jogadores que tem à disposição, uma das possíveis escalações do Verdão para esta noite é Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Viña; Danilo e Zé Rafael; Rony, Gabriel Menino e Gustavo Scarpa; Luiz Adriano.

River Plate

O técnico do River Plate, Marcelo Gallardo, acena com modificações táticas para o jogo desta noite. A imprensa argentina alardeia um 3-5-2, com o zagueiro Díaz entrando no lugar do meia-atacante Carrascal, suspenso pelo cartão vermelho.

Angileri, lateral titular, deve reassumir a vaga após lesão – ele já jogou no sábado, quando o River foi derrotado pelo Independiente pelo campeonato local. Assim, a provável formação dos argentinos será Armani; Rojas, Díaz e Pinola; Montiel, Pérez, Nacho Fernández, De La Cruz e Angileri; Matías Suarez e Borré.

Números

  • O Palmeiras diminuiu a vantagem histórica do River com a vitória em Avellaneda: agora são 4 vitórias do Palmeiras, 3 empates e 6 vitórias dos argentinos;
  • Jogando em casa, o Verdão venceu 3 vezes, empatou 1 e perdeu 2;
  • Os dois times se enfrentaram pela Libertadores em 1999, também pelas semifinais, e o Verdão levou vantagem: 0 a 1 em Buenos Aires e 3 a 0 no Palestra, com shows, respectivamente, de Marcos e Alex;
  • Faça os cruzamentos de dados históricos como quiser usando nosso Almanaque. Clique aqui!

Odds

Os principais sites de aposta pagarão, em média, para cada real aplicado:

PalmeirasPalmeiras: R$ 2,37
Empate: R$ 3,40
River Plate: R$ 2,62

No calendário

O Palmeiras disputou onze jogos no dia 12 de janeiro e nunca perdeu. Veja a lista completa clicando neste link.

Arbitragem

Esteban OstojichÁrbitro Principal:
Esteban Ostojich

Nicolás GalloVAR:
Nicolás Gallo

Parpite

Mantendo a coerência da semana passada, não teremos parpite para este jogo.

A vantagem é inegavelmente boa, mas a sensação de tranquilidade é ilusória. Se abrirmos o placar, praticamente fechamos a classificação. Mas se o primeiro gol for deles, o confronto se tornará incrivelmente difícil.

Por isso, além de todo o planejamento tático, nossos jogadores precisarão provar mais uma vez que sabem jogar mata-mata, usando o relógio como aliado, truncando o ritmo do jogo e enervando o adversário, que entrará naturalmente ansioso. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

sbtSBT

Conmebol TVConmebol TV

Pós-Jogo

Palmeiras 0x2 River PlateCesar Greco/Ag.Palmeiras

O Allianz Parque viveu talvez a noite mais tensa de sua História, mas o final foi feliz. O Palmeiras foi derrotado pelo River Plate por 2 a 0, sofreu miseravelmente até o apito final, mas conseguiu segurar a desvantagem que nos deu a passagem à final da Copa Libertadores .

O jogo foi marcado por um domínio completo dos argentinos, que chegaram a ter um gol e um pênalti a favor marcados mas corrigidos com as corretíssimas intervenções da equipe do VAR. Ao final, depois de dois shows dos visitantes, prevaleceu quem fez mais gols legais. Futebol tem que ser decidido assim.

Primeiro tempo

9'
Palmeiras

Gabriel Menino enfiou para Rony no meio dos zagueiros; ele tentou entrar na área mas Armani se atirou em seus pés e bloqueou a jogada. Chance incrível perdida pelo camisa 11.

9'
River Plate

Borré avançou por dentro e bateu de curva buscando o canto esquerdo de Weverton, que foi buscar – no rebote, Suárez dividiu com nosso goleiro, que aproveitou para queimar um pouco de relógio.

28'
River Plate

Díaz roubou de Scarpa na intermediária, deu dois passos e bateu forte; Weverton estava bem colocado e espalmou a escanteio.

29'
River Plate

Gol do River – Na cobrança da direita, Rojas ganhou pelo alto de Gustavo Gómez e testou no ângulo direito de Weverton.

31'
River Plate

De La Cruz cruzou da esquerda; Borré disputou pelo alto e escorou; a bola saiu fraquinha à esquerda do gol, mas muito perto.

33'
Palmeiras

Rony ganhou de Rojas no físico e tocou para Luiz Adriano, que fez o pivô e rolou para a chegada de Zé Rafael – ele bateu chapado, buscando o ângulo esquerdo de Armani, mas a bola saiu tirando tinta do travessão.

36'
River Plate

Angileri passou por Gabriel Menino  cruzou por baixo; Gustavo Gómez furou feio e a bola cruzou a pequena área, mas Viña afastou o perigo.

40'

Gustavo Gómez sentiu lesão. Luan entrou em seu lugar.

43'
River Plate

Gol do River – De La Cruz centrou da direita; a bola foi desviada no primeiro pau e Borré apareceu por trás de Marcos Rocha e empurrou para o gol.

49'

Fim de um primeiro tempo pavoroso do Palmeiras.


Segundo tempo

Breno Lopes entrou no lugar de Gustavo Scarpa.

1'
River Plate

De La Cruz bateu falta da meia esquerda, bem aberto; Luiz Adriano abriu na barreira e a bola passou muito perto do poste direito de Weverton.

5'
River Plate

De La Cruz bateu de fora, rasteiro – colocado, mas sem muita força, o chute ficou nas mãos de Weverton.

6'
River Plate

Angileri apoiou pela esquerda, teve liberdade e cruzou no segundo pau; Montiel apareceu nas costas de Viña e bateu de primeira, cruzado, no canto direito de  Weverton. O gol foi anulado após checagem no VAR por impedimento de Borré na origem da jogada.

12'
River Plate

Montiel cruzou, Luan tentou cortar e fez Weverton trabalhar; De La Cruz pegou o rebote com pouco ângulo e bateu na rede, por fora.

15'
River Plate

Nacho bateu de fora e Weverton deu rebote; o River insistiu pela direita com Montiel que cruzou por baixo; a bola atravessou a pequena área e Borré quase escorou.

23'

Zé Rafael deu lugar a Emerson Santos.

26'
River Plate

Angileri bateu falta da esquerda no primeiro pau; Nacho Fernández testou e Weverton pegou, bem colocado.

27'

Rony girou em cima de Rojas e ia escapando, quando recebeu falta do paraguaio, que recebeu o segundo amarelo e foi expulso.

29'
River Plate

Matías Suarez recebeu na área, cortou Alan no primeiro lance e apontou o tiro; Alan se recuperou e tentou bloquear – o argentino se desmanchou na área e o juiz marcou pênalti. O VAR foi acionado e depois de quatro minutos anulou a marcação.

33'

Raphael Veiga e Kuscevic entraram nos lugares de Danilo e Marcos Rocha.

38'
River Plate

Após escanteio pela esquerda, Enzo Pérez testou no cantinho esquerdo e Weverton foi buscar; no rebote Borré mandou na trave, mas estava impedido.

44'
Palmeiras

Breno Lopes teve o contra-ataque à disposição, mas se atrapalhou com a bola e desperdiçou.

45'
River Plate

A bola ficou viva em nossa área e Montiel teve a chance de bater de primeira, mas errou o alvo.

53'
River Plate

Kuscevic disputou com Borré na área; o colombiano se atirou mas o VAR solicitou a checagem do árbitro. Como houve impedimento na origem da jogada, nada foi marcado.

57'

Fim de um dos jogos de futebol mais memoráveis de todos os tempos – e de uma das melhores arbitragens.





Fim de jogo

O River Plate foi o adversário difícil e temido que não foi visto na semana passada. Fez uma partida bravíssima e merece todos os elogios.

Ao escalar corajosamente os dois laterais totalmente soltos e vencer a batalha pelo meio do campo, Marcelo Gallardo prensou o Palmeiras no campo de defesa – o primeiro golpe na confiança de nossos jogadores. Com domínio completo da partida, chegou ao gol numa falha de Gustavo Scarpa e deu o segundo golpe em nosso moral.

Contra um time atordoado, intimidado, o River sentiu o momento e fez o segundo antes do intervalo, destruindo toda a gordura acumulada pelo Palmeiras no confronto de ida. Aumentou sua confiança e pulverizou a do Verdão.

O intervalo requeria uma intervenção divina no vestiário do Palmeiras. Em 15 minutos, Abel Ferreira precisava reerguer o moral do time ao mesmo tempo em que tinha que reagir taticamente à armadilha de Gallardo. Falhou.

O River fez o terceiro gol com apenas seis minutos e certamente faria o quarto e o quinto caso o VAR não tivesse socorrido o auxiliar e detectado impedimento de Suárez na origem do lance. A correção foi o sopro de vida a que o Palmeiras se agarrou.

Pouco a pouco nosso time foi criando uma discreta capacidade de resistir, os argentinos já não invadiam nossas trincheiras como faca quente na manteiga. Mesmo assim, eram superiores e ganhavam todas as bolas. TODAS.

Nem a expulsão de Rojas deu ao Palmeiras a capacidade de ao menos igualar as ações. Com dez contra onze, o River parecia ter doze contra nove.  A disposição física dos jogadores na luta por cada bola era incrível.

Esse esforço cobrou seu preço no final. Nos quinze minutos derradeiros, o Palmeiras se trancou na defesa e conseguiu resistir a um River completamente extenuado. Nossos jogadores, enfim, passaram a vencer duelos um contra um, por baixo e por cima. E assim  o relógio cumpriu seu papel e determinou o fim do jogo.

Foi uma noite gloriosa do futebol. Palmeiras e River Plate fizeram um duelo digno do tamanho das duas camisas e sustentaram a natureza humana da disputa, cada vez mais definida por dados, computadores, suplementos, musculação e tantas outras modernidades que engrandecem o espetáculo ao mesmo tempo que parecem tirar um pouco da espontaneidade do jogo.

O duelo foi eminentemente mental, com dois capítulos distintos e opostos; prevaleceu quem aproveitou melhor os detalhes. Parabéns ao Palmeiras, finalista da Libertadores. E parabéns ao River Plate, que dignificou demais a passagem. MARACANÃ, AQUI VAMOS NÓS! VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

River Plate

Armani
Rojas
Díaz
Pinola
Girotti
Montiel
Enzo Pérez
Nacho Fernández
De La Cruz
Álvarez
Angileri
Casco
Matías Suárez
Borré
Marcelo Gallardo
TÉCNICO

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Weverton
Nossa última defesa estava num paredão de fuzilamento. Mesmo baleado, sobreviveu.
8.5
Marcos Rocha
Fazia uma surpreendente boa partida na cobertura, até falhar no segundo gol.
6
Kuscevic
Entrou para fechar a casinha - e ajudou muito bem a fechar, sem se desesperar ou cometer erros bobos.
6
Gustavo Gómez
Vencido três vezes, se lesionou antes de ter a chance de se recuperar.
4
Luan
Foi o principal defensor do Palmeiras sobretudo na pressão final.
7.5
Alan Empereur
Outro que conseguiu se manter frio e concentrado sob fogo intenso. Além da consciência de evitar o pênalti.
6.5
Viña
Jogo de altos e baixos - salvou bolas importantes na mesma medida que foi batido até com facilidade.
6
Danilo
Perdido, sentiu o peso do jogo. Anormal era se não sentisse, como na semana passada.
5.5
Raphael Veiga
Entrou para prender a bola, mas a) pegou pouco nela; e b) quando pegou, não tinha com quem fazer 1-2.
5.5
Zé Rafael
Um dos menos perdidos no meio-campo - conseguiu até finalizar um bom lance de chapa que poderia ter definido o rumo do jogo.
6
Emerson Santos
Saiu do banco com a expressão de quem ia fechar tudo - dentro do possível, fez sua parte.
6.5
Rony
Além de perder um lance claro de gol no início do jogo, ficou mais preocupado em pressionar o juiz do que em jogar bola.
5
Gabriel Menino
Ou sentiu o físico, ou a cabeça não está boa.
5
Gustavo Scarpa
O mais fragilizado emocionalmente com a pressão do River, acabou causando o primeiro gol e o início do quase-desastre.
4.5
Breno Lopes
Apesar do erro grosseiro num raríssimo contra-ataque encaixado, foi importantíssimo na ajuda à defesa, com uma doação física notável.
6.5
Luiz Adriano
Deu o exemplo, mantendo a atitude altiva, disputando e ganhando divididas, fechando espaços, ajudando a defesa e tentando lutar contra a defesa argentina. Pena que não conseguiu inspirar os companheiros.
7
Abel Ferreira
Abel Ferreira
Foi dominado. Reconheceu prontamente e admitiu os erros. Grande professor.
4.5





  • O elenco tem deficiências tão gritantes que, assim como contra o Sport, foi obrigado a jogar o final do jogo com um zagueiro de lateral e outro de volante. Se o Gomez não se machuca, era provável que o Abel tivesse colocado também o Luan (e não o Veiga) no meio e o time terminasse com bizarros cinco zagueiros de origem em campo. Hoje, praticamente qualquer desfalque de meio campo ou laterais implica na entrada de mais um zagueiro no time pelo menos em algum momento do jogo, acho que nunca vi isso na vida. O que está acontecendo com o Palmeiras é miraculoso, nós somos normalmente punidos por qualquer falha, a menor que seja, acho que isso só mostra como o Abel (e alguns jogadores desse elenco, em especial os jovens) é especial, espero que na próxima temporada lhe sejam dadas condições de trabalho no mínimo iguais ao que foram dadas a bagres como Eduardo Baptista e Roger Machado.

  • Acho que se o primeiro jogo tivesse terminado empatado por exemplo, o jogo de ontem não seria como foi, acho que não devemos ficar preocupados em repetir uma atuação fraca como essa na final, não vai rolar, a final vai ser outros 500, não estaremos em vantagem e e o adversário não vai tá correndo atrás do placar , agora é foco total, entrar com o sub 12 no Brasileirão, é final de Libertadores, esperamos 20 anos pra viver isso novamente, e eu tô confiante, dá , seremos !

  • De infarto eu não morro, mas acho que acabei com meu pulmão, abri um maço de cigarro no primeiro gol do River, acabou o jogo só tinha dois cigarros, minha mãe falou um monte, fiquei pregado na poltrona o jogo todo, quando terminou o jogo e levantei ela estava toda molhada por causa do suor…nunca na minha vida eu passei tanto stress

  • O sufoco de ontem é o preço que o futebol brasileiro paga para a evolução do futebol no mundo – que não ocorre aqui (pelo menos até agora).

    Na América Latina, Argentina, Uruguai e Paraguai já se ligaram no futebol intenso há pelo menos 15 anos. Chile (com Sampaoli) e Peru (com Gareca) também estão nessa.

    Com estes seis anos do Gallardo, o River consegue fazer essa intensidade de forma muito mais natural e com menos desgaste físico – conseguindo também reduzir os riscos de subir os dois laterais de uma vez, por exemplo – como ontem.

    Não dá para esperar isso do Abel e do Palmeiras agora, é injusto. O técnico chegou há dois meses e ainda mal consegue treinar.

    Olhando por este lado o jogo de ontem foi “normal” e o da terça passada surpreendente.

    O lado bom de tudo isso é que o River está em um patamar superior ao dos semifinalistas de hoje.

    • Sem duvida, o River Plate está em um estágio muito mais avançado no “jogar futebol”.

      Por isso, devemos exaltar o histórico e grande feito do Palmeiras…

      • Caro Ginez, não é só minha opinião. São fatos!!!

        Sampaoli assumiu a seleção chilena em 2012. Este time estava prestes a perder a vaga para a Copa de 2014. Depois disso, além de se recuperar e conseguir a vaga, jogou melhor que a seleção brasileira nesta Copa e quase desclassifica o time da casa.

        Em seguida ganhou a Copa América de 2015 e também 2016.

  • Creio que aprendemos mais no jogo de ontem, do que no primeiro jogo. O que não nos mata, fortalece. Chegaremos muito mais fortes nas decisões

    • Perfeito.

      Na entrevista do Abel, ele deixou bem claro que entendeu que foi superado, isso é muito importante, porque agora ele pode aprender e melhorar.

      Nada é pior do que técnico que fica ponto a sua culpa nos outros, porque esse cara não vai aprender.

  • Faltou dar 10 pro VAR! Acertou em 3 lances críticos. Nosso melhor “jogador” junto com Weverton. Que bom que passamos!

  • Gostaria de ver nossa defesa com Weverton,
    Menino, Kuscevic, Gomes ( ES ) e Viña .
    Este chileno é brabo hein …. além de ser bom zagueiro .
    Espero que nada sério tenha acontecido com Gustavo Gomes, mais um que precisa de mais descanso, treino e menos jogos .

  • Que sufoco, mas no final deu certo, estamos com aquela “sorte de campeão” que tb precisa ter. River de hj é um melhor time que o Verdão, mas no confronto fomos mais competentes. Acredito com certeza que esse jogo vai servir de exemplo para o time e vamos ficar mais cascudos. Vamos ter a oportunidade de corrigir os erros e melhorar, independente da escalação que o Portuga achar ideal. Adversário agora, ambos vão ser difíceis, mas tenho convicção que vamos estar preparados. Sobre ontem, o desgaste físico e a falta de experiência foram cruciais para o péssimo desempenho de ontem, e lembrando que enfrentamos com certeza o adversário mais difícil da competição e passamos mesmo assim. Foco, correção e uma melhor Preparação para alcançarmos esse título.

  • Não me lembro de ter visto um time nos amassar tanto assim jogando no nosso estádio! Domínio absoluto do River.

    Abel Ferreira deu um nó no Gallardo no primeiro jogo, com a linha de 5 com M. Rocha como zagueiro; mas ontem usar a mesma estratégia foi um erro. Gallardo veio preparado e não caiu no mesmo truque.

    O senhor M. Rocha inclusive mais uma vez falhando na marcação e tomando gol nas costas. E segue titular absoluto por mais uma temporada.
    Scarpa foi uma enorme decepção; entrou se borrando de medo e conseguiu falhar duas vezes no primeiro gol deles.

    Danilo, Gabriel Menino e o próprio Abel sofreram pela inexperiência. É natural, todos são jovens em suas respectivas funções. Mas que tenha servido de batismo e que estejam preparados pras duas finais que temos pela frente.

    E eu vejo um bom muito positivo nessa derrota. Não entraremos na final com oba-oba. A imprensa, muitos torcedores e até os jogadores estavam muito confiantes depois do 3×0 no primeiro jogo. Pelo menos agora vamos pra final com mais pés no chão e sem favoritismo. Gostamos assim; deixem o favoritismo pros outros.

  • Eu daria melhor nota para o Weverton. Fez grandes defesas, um milagre no segundo tempo… Não caiu no apagão à la 7×1 do resto do time. Tem uma participação gigante nessa nossa classificação. Para os outros todos, eu daria notas menores. Não acertavam um passe, não venceram uma dividida, queriam se livrar da bola. Até cobrança de lateral erraram ontem.

  • Reservas em todos os jogos até a final. O time sentiu muito o físico. Não podemos ter mais baixas. BR tem todo ano, final da Liberta faz 20 anos.

  • O jogo já passou. O foco agora é na final, e a preparação começa no brasileiro. Não podemos nos dar ao luxo de perder os principais jogadores. Negócio é Poupar e treinar até a final!! Bora ser campeões baralho!!

  • O fato é que o time do River é superior ao nosso, tô nem aí, já cansamos de ser eliminados na Libertadores por times inferiores.
    Os Deuses do futebol nos deram outra chance, o time está visivelmente desgastado física e mentalmente, não há técnica e tática que dê jeito numa situação destas. Temos mais de duas semanas até a final, monta o time que vai jogar dia 30, com menino na LD, Marcos Rocha está muito mal .
    Este time deve treinar o maior tempo possível, entrar em campo somente dia 18 contra os gambás e dia 24 em Fortaleza, jogos que servirão pra corrigir problemas.
    São pouco mais de 2 meses de trabalho do portuga, esta estratégia de ficar mesclando o time em todos os jogos não vai funcionar, não poupa, não treina e não entrosa, poderemos chegar às finais sem um time formado .

  • Dentre todas as coisas que o Abel precisa tratar os com jogadores, é necessário repetir os lances com o Bigode no primeiro jogo onde ele perde um gol feito debaixo da trave e o gol que o Rony perde cara a cara no início do jogo de ontem e fazer eles entenderem que precisam aproveitar a oportunidade. Se um desses 2 lances fosse convertido em gol, nada disso teria acontecido.

  • Uma das razões do sufoco de ontem foi o fato de ter jogado o primeiro jogo com 1 a mais por mais de meia hora e não ter aproveitado tirando o pé. Isso valeria se o objetivo fossem 3 pontos. Em mata-mata não pode ser assim. Que sirva de aprendizado.

    • Pensei a mesma coisa, era pra ter feito 4, 5 na Argentina… O River tava tão morto quanto a gente estava no Allianz, vacilamos.

  • Não lembro real de uma partida em que ficamos nas cordas o tempo todo como essa. Ver o time dos caras com 10 enquadrar nosso time daquela forma foi desesperador. Não só os jogadores sentiram o baque, mas o Abel também sentiu, não conseguia reagir, mexeu pessimamente na equipe (colocou 99 zagueiros) e colocou nossa classificação em extremo risco. Que sirva de lição para uma final que promete e muito. ESTAMOS DE VOLTA DEPOIS DE 20 ANOS AMIGOS! Que momento.

    • Me lembrei do jogo do Rosario Central em 2016. Um massacre mas ganhamos de 2×0. Outro que me lembrei foi o jogo da final da Mercosul com Vasco. Vira 3×0 e termina 3×4.

  • Faltou tarimba para molecada, faltou pulso forte dentro de campo.
    Quando Weverton com 10 min pediu para trocar as luvas , logo percebi que entramos para amarrar o jogo. Não pode entrar em um jogo desse, com um adversário extremamente capaz com mentalidade de segurar o resultado. Que sirva de lição. Passamos. Agora é buscar o merecido título. Avanti!!!

  • Claramente havia uma diferença de postura entre as duas equipes, com o River disposto a morrer por uma bola e o Palmeiras apenas ratificar a classificação. Com o gol e a pressão, Palmeiras desabou psicologicamente e a realidade da desclassificação pesava a cada minuto. O desgaste físico também estava evidente, que pesou ainda mais as pernas para ganhar a segunda bola.
    Tem que servir de aprendizado.

    Mas o que vale mesmo é a classificação. Não interessa se teve VAR, se o River jogou mais…. quem tá na final é o Palmeiras.
    E por méritos próprios, por ontem, que no final soube resistir, por semana passada, porque foi mortal… por todos os jogos que fez na competição. Estamos na final, não foi por sorteio, é por mérito.

    Avanti Palmeiras!

    É dificil eu comentar aqui. Mas hoje achei importante.

  • Marcos Rocha, em final de carreira. Qquer torcedor, por mais que não admita, percebe que as pernas do cara estão fraquejando, parece um juvenil, rifando bolas, tropeçando na mesma como se fosse nativo de outro esporte. Para mim uma fonte de constante perigo a integridade do time. Já esta jogando para América, Atle PR, Botafogo, etc….para time competitivo já era.

    • concordo, ele está muito abaixo dos demais…..fazendo faltas bestas perto da área com o cara de costas para o gol…..

  • Acredito que a classificação do jeito que foi será boa, vai servir muito de aprendizado para todos, entraremos mais focados e “respeitando menos” o adversário. Num certo momento, pensei que teríamos a parmerada de todo ano, mas os Deuses do futebol estiveram com nós…..Avanti Palestraaa

  • Tive a impressão de que o grupo deixou a atenção necessária a batalha se diluir após o resultado na Argentina…… pelo menos por lá, com o domínio do River, sim, apesar do resultado existiu domínio do time da casa. O Verdão entendeu, soube manter a tática planejada e ainda foi mais brioso, ganhamos de 3. Ontem, com dez minutos de jogo e domínio total argentino, Rony e Zé Rafael (quanta paciência tem que ter com esse camarada, affff) já haviam tirado o pé de divididas que pelo menos poderia ter adiantado a chagada do espírito de jogo que só ocorreu aos 34 do segundo tempo. Ora, insinuo que faltou brio, já que territorialmente e taticamente estavamos dominados, nos restava bravura. Não vi isso no time. Sinceramente, fiquei bem desanimado com a postura dos jogadores. Que venha o título, se não no futebol, com atitude de homem.

  • Pensei que contra o Rosário Central tinha visto o maior baile que o Palmeiras tomou no Allianz, mas hoje superou aquele jogo, e muito.

    Abel tem apenas 2 meses de trabalho, Gallardo tem 6 anos.

    Ter passado pelo melhor time da América já foi um grande feito de Abel e seus comandados.

    Parabéns Palmeiras…

    • Eu comentei sobre esse jogo mesmo, nunca vi nós jogarmos tão mal como aquele dia e de alguma forma ainda ganhamos. Espero que o time que entre em campo dia 30 seja o das semi finais de ida, porque nós já gastamos toda nossa sorte ontem.

  • Semana passada foi uma partida de sonhos. Hoje foi uma partida de pesadelo.

    Levamos a classificação nos detalhes e na ótima partida na Argentina!

  • É por isso que o palmeiras jamais comemora vantagem em mata mata
    Porque coça o dedo do time de dar aquela famosa parmerada classica de time pipoqueiro,hoje os 10 idiotas de linha tentaram muito mas o weverton monstro sagrado nao deixou isso acontecer

  • Palmeiras não jogou hoje! Nosso 0x3 não foi nem de longe o sufoco que tomamos hoje! River amassou, não tivemos nem 5 minutos de tranquilidade durante o jogo inteiro! Palmeiras errou absolutamente TUDO que tentou! Foi sufoco literalmente o jogo inteiro! Que pipocada tá loco! Weverton salvou! Quase desintegrei de tanto suar!
    Que venha a final!

  • Quanta angústia. Até hoje eu queria ver o time fazendo o possível para levar o brasileiro, mas hoje vi um time muito, muito esgotado fisica e mentalmente e me contento com ganhar do SCCP e SPFC e focar nas copas

  • Hoje descobri que meu coração é forte. O Palmeiras agora pode se considerar o time que mais faz o torcedor testar o coração. Pqp, que vontade de fazer torcedor sofrer. Que classificação, mas que jogo horrrrrrrrrrrível. Avanti palestra.

  • Vai dar trabalho lavar as cuecas de tão sujas. Tremida monstruosa. Por sorte conseguimos uma boa vantagem na ida. Libertadores é isso. Sufoco total

  • Se futebol fosse justiça o Palmeiras tinha sido campeão em 2000 e 2001. Foda-se justiça, estamos na final.

  • No apito final, o Abel fez algo que eu também faria questão de fazer: parabenizou o Gallardo. O adversário jogou muita bola. Muita mesmo! E esse jogo fica de lição para a final da libertadores e da copa do Brasil. O jogadores do Palmeiras em alguns momentos foram displicentes. Não ganhavam uma jogada, “telegrafaram” todos os passes na saída de bola.

    Apesar dos pesares, mata-mata é assim mesmo. 0-3 lá 0-2 aqui e por fim acabou sendo merecida a classificação pelo que fizemos na Argentina. VAR foi perfeito em todas as decisões.

  • Essa partida diminuiu uns 20 anos na minha expectativa de vida. Opções na final: Boca Jrs, tradicionalíssimo, antigo rival e protagonistas do trauma de 2000; e Santos, rival direto e clássico histórico.

    É, vou ter que rever meu plano de saúde daqui pro dia 30…

  • River jogou muito, teve que ser com o regulamento debaixo do braço mesmo, teve que ser copeiro.
    Foco na final agora

  • Time irreconhecível. Totalmente perdido. Pipocada monstra. Foi na sorte e na raça mesmo quando estava com 1 a mais.

  • “Temos que desfrutar com sabedoria, ok? Usar a nossa agressividade no processo certo, com calma, com cabeça fria e coração quente CARÁLHIÔ”

    #AVANTIPALESTRA

    – Ferreira, Abel

  • Talvez os argentinos mantenham a dignidade se o jogo estiver terminando empatado, ou ao menos com uma vitória com 1 gol de diferença para eles.

    Mas se estiver perto do fim e o Palmeiras estiver ganhando – por qualquer placar – eles vão querer causar a expulsão dos nossos a qualquer custo. Muita cabeça fria nessa hora.

  • Hoje será 4×0 pro Palmeiras, jogando com inteligência, vamos surpreender o River no contra-ataque logo no inicio do jogo e matar o restante dos gols vão vir junto ao desespero argentino!

  • Na opinião vai ser outro show do verdão de Abel, River vai pra cima, em 3 contra ataques o Palmeiras faz 3×0, com hat-trick de Luiz Adriano, e estaremos na final.

  • MENTALIDADE!!! (com sotaque) Nossos jogadores precisam entrar focados. Os argentinos virão pra cima e criarão confusão para arranjar algumas expulsões. “Cabeça fria e coração quente”!!!!