Os 28 do Paulistão

Eduardo BaptistaEduardo Baptista tem uma dura decisão pela frente. Diante do inacreditável regulamento do Campeonato Paulista, em vigor desde 2015, apenas 28 jogadores podem ser inscritos na competição – 25 jogadores de linha e três goleiros. Assim, o Palmeiras, que conta com 32 atletas em seu elenco, terá que cortar quatro jogadores.

A medida da FPF visa coibir que os times grandes escalem jogadores da base nos jogos de menor apelo, para manter a competição atrativa para o público e para os anunciantes. Desta forma, clubes que planejam seus elencos para suportar o desgastante calendário imposto pela CBF, cuja competição menos importante é exatamente o estadual, acabam tendo que contornar climas desagradáveis entre o treinador e mais de 10% do elenco que precisa ser cortado – uma situação que desvaloriza atletas e mina a unidade do grupo.

A insistência da Federação em manter essa restrição faz com que um dos principais motivos esportivos dos estaduais continuarem existindo, fomentar a revelação de novos atletas para o cenário nacional, seja suprimido. O estadual seria uma ótima maneira dos times grandes darem cancha a novos e promissores atletas. Talvez Vitinho já estivesse num estágio mais avançado de desenvolvimento se tivesse sido inscrito entre os 28 do Paulistão do ano passado, só para dar um exemplo.

A FPF, em vez de tomar medidas para manter o interesse por sua competição de forma artificial, poderia desenvolver mecanismos para fortalecer os clubes do interior e assim torná-los mais fortes para a disputa do Paulistão, o que naturalmente aumentaria o interesse dos grandes pelos jogos. Jogar contra a Ferroviária em Araraquara era uma pedreira; hoje, perder pontos para esses times é uma vergonha. Os jogos da primeira fase são chatos e só os seis clássicos salvam as rodadas que precedem o mata-mata.

Enfim, discorrer sobre a incompetência e burrice da FPF é gastar vela boa com defunto ruim. Vamos ao que interessa: os cortes que Eduardo Baptista deverá promover para obedecer à estúpida regra.

Quem deve rodar

O atual elenco do Palmeiras é composto por 32 atletas. Logo, quatro cortes deverão ser feitos. A figura abaixo ilustra o mapa que nosso treinador tem em sua mesa:

Elenco Palmeiras 2017Daniel Fuzato, um dos melhores goleiros que nossa base produziu no século, certamente vai ter que esperar mais um pouco para ser inscrito no Paulistão, já que nossos outros três goleiros têm prioridade.

Rodrigo, que é a quarta opção para a volância, perdeu mais espaço ainda no elenco em relação ao ano passado pelo fato de Eduardo Baptista preferir jogar com apenas um volante de ofício, e não dois. Suas chances de ser inscrito são mínimas.

Arouca, que fez uma pequena cirurgia para remover um fragmento de cartilagem do tornozelo direito, está numa posição delicada. As semanas de recuperação que têm pela frente podem ser decisivas para que Eduardo Baptista o tire da lista, sobretudo porque nosso meio-campo é o setor mais concorrido. O camisa 5 chegou a jogar avançado, na linha de 4, no amistoso em Chapecó, mas mesmo nesta alternativa o moral do veterano volante não é dos mais elevados – nessa função, ele não estaria nem na formação reserva.

O quarto atleta a ser preterido tende a ser Rafael Marques. Embora tenha sido usado como “segundo centroavante” nos minutos em que esteve em campo contra a Ponte Preta, entrando em diagonal para tentar finalizações, sem ficar restrito à faixa externa do campo, o jogador parece também alguns passos atrás dos companheiros. Ontem, chegou a sinalizar resignação em caso de corte – uma atitude positiva em relação ao grupo e que deve ser valorizada.

Correm por fora

Outros jogadores ainda podem entrar nessa lista e salvar Rafael Marques ou Arouca. Antônio Carlos neste momento é o quinto zagueiro do grupo e sua posição é a mesma de Roger Carvalho no ano passado: salvo em caso de lesão prolongada de um dos titulares, tende a ser bem pouco usado. Outro que corre risco é Hyoran, que mesmo recém chegado ainda não conseguiu uma performance de destaque – a tendência é que seja inscrito, mas a posição não é das mais seguras.

A lista deve ser entregue na FPF até amanhã. Passado esse momento de turbulência, Eduardo voltará a focar totalmente nas alternativas para armar o time, inclusive pensando em formas de aproveitar os cortados do Paulistão nas outras competições. Afinal, se não fossem jogadores importantes, não estariam no grupo.