Palmeiras bate recorde de finalizações em uma partida no Brasileirão contra Sport

Raphael Veiga do Palmeiras durante partida contra o Sport, válida pela vigésima oitava rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Ao todo, foram 36 chutes a gol contra 6; para Abel Ferreira, o Palmeiras poderia ter feito “meia-dúzia” de gols

O Palmeiras derrotou o Sport por 2 a 1, na noite da última segunda-feira, e alcançou os 49 pontos no Brasileirão. Depois de levar o gol do uruguaio Barcia, a 3 minutos de jogo, o Verdão encurralou o adversário até conseguir a virada.

Ao final do jogo, as estatísticas apontaram 36 finalizações para o Palmeiras, sendo 15 na direção do gol; o Sport, por sua vez, deu apenas 6 chutes. Nenhum time do Campeonato Brasileiro até o momento finalizou tanto como o Verdão diante dos pernambucanos.

Outra estatística curiosa que também mostra como os comandados de Abel Ferreira foram agressivos é a quantidade de escanteios. Nada menos do que 23 tiros de canto foram cobrados pelo Palmeiras, contra nenhum do adversário.

Os dois gols da equipe vieram dessa jogada; o segundo gol aconteceu após uma sequência de três escanteios batidos por Gustavo Scarpa.

Produção ofensiva do Palmeiras foi destaque na coletiva de Abel

Para fins de comparação, em outras partidas no Brasileirão em que a equipe viveu um cenário parecido (sofrer um gol no início) ou teve que correr atrás da virada, dentro do Allianz Parque, o Palmeiras teve:

  • 15 finalizações (3 no gol) contra o Juventude;
  • 15 finalizações (6 no gol) contra o América-MG;
  • 19 finalizações (8 no gol) contra o Bahia;
  • 20 finalizações (2 no gol) contra o Fortaleza.

Os jogos mais próximos foram contra o Cuiabá e CRB (Copa do Brasil): 31 e 34 chutes, respectivamente.

A produção e o volume ofensivo contra o Sport fizeram com que o treinador Abel Ferreira elogiasse o time na coletiva de imprensa e também rebatesse o rótulo de equipe “defensiva” desenhada por grande parte da mídia tradicional.

“Hoje enfrentamos um adversário que se defende bem, mas com poucos recursos ofensivos. Tínhamos que ter a bola e, no último terço, sermos criativos, driblar, finalizar, fazer coisas. E foi isso que eles [os jogadores] fizeram e foram perfeitos. As 36 finalizações demonstram a agressividade da equipe, que contradiz alguns que quer nos catalogar como ‘um time que se defende’. Pena que foram apenas dois gols, poderíamos ter feito 6”, declarou.