Brasileirão 2022: planejamento de pontos – fim do primeiro quartil

Passamos pela décima rodada do Brasileirão e é chegado o momento do primeiro ajuste na projeção de pontos feita no início do campeonato. Após iniciar a disputa com uma surpreendente derrota em casa para o Ceará, o Verdão cruzou a linha do primeiro quartil líder e desponta como principal favorito ao título, segundo até a imprensa.

No entanto, como alertou Abel Ferreira em sua última coletiva, ainda falta muita coisa. E é sobre essa montanha de jogos que vamos nos debruçar nesta sequência de nosso tradicional exercício.

O Palmeiras atingiu uma maturidade fantástica enquanto equipe e já é possível sonhar com conquistas múltiplas. Além da liderança no Brasileirão, o Verdão está forte nas outras duas frentes de disputa e demonstra estar com o elenco, embora curto, equilibrado. Os reservas estão dando conta do recado e teremos alguns reforços na próxima janela, a partir de julho.

Assim, o ajuste na projeção original que veremos a seguir contempla a possibilidade de vencermos os três campeonatos em disputa, sem jamais perder de vista que essa meta é ousadíssima e que temos exemplos recentes de que o castelo de cartas pode cair numa fração de segundo – como em 2019. Mas se tem um momento em que podemos vislumbrá-la, diante do que o time vem mostrando em campo, é agora.

Panorama do Brasileirão

Luan do Palmeiras em disputa com Ademir do Atlético-MG, durante partida válida pela nona rodada do Brasileirão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

A meta de 80 pontos traçada originalmente pode ser ajustada para baixo. Os principais candidatos ao título, a exemplo do Palmeiras, perderam pontos bobos no primeiro quartil.

Mas não dá para afrouxar muito; sempre existe a chance de um time com bom potencial achar um encaixe que dure alguns bons meses. Assim, baixamos apenas um ponto a meta para bater campeão com segurança: 79 pontos.

Diante do que os times mostraram no primeiro quartil, alguns ajustes de resultado também foram feitos. Times que impunham respeito antes do início da competição, mas que estão mostrando fraquezas, precisam ser vencidos e o resultado previsto foi modificado. De forma análoga, equipes que fizeram a trajetória inversa e cresceram do fim dos estaduais para cá, tiveram os resultados previstos alterados de vitórias para tropeços.

Tudo isso, sem jamais perder de vista que os jogos do Brasileirão, sobretudo no terceiro e quarto quartis, serão entremeados por complicadíssimos jogos de mata-mata, nos funis da Copa do Brasil e da Libertadores.

Segundo quartil

A atual sequência invicta, uma hora, vai cair. Mas não pode ser no Brasileirão, pelo menos neste quartil. Precisamos terminar o primeiro turno com 42 pontos; não podemos nos contentar com uma vantagem mínima para os principais concorrentes. Temos que abrir margem.

Jogos em casa contra Atlético-GO, Athletico-PR, Cuiabá e Inter precisam ser vencidos a todo custo – mesmo o confronto contra os paranaenses, às vésperas da decisão de vaga na Libertadores: jogaremos com time misto, mas eles provavelmente também.

As partidas fora contra Avaí e América só admitem vitória, com plena confiança em nosso elenco de apoio. Já o jogo de amanhã, contra o Coritiba, até admite empate, diante de nosso histórico sofrível no Couto Pereira, um estádio hostil.

O clássico diante do SPFC, a dois dias de outro confronto contra eles no mesmo local pela Copa, não admite derrota, sob qualquer prisma. Apesar da recente virada no Paulista, perder no Morumbi traria uma dose de emoção indesejada para o futuro na Copa do Brasil, onde uma eliminação comprometeria a própria sequência no Brasileiro e no resto da temporada, num efeito dominó terrível. Este jogo pelo Brasileiro não parece, mas é um dos jogos-chave da temporada. Não podemos perder.

Terceiro quartil

Se passarmos para as quartas-de-finais das duas competições, o terceiro quartil será infernal. As rodadas 20 a 27 sempre serão disputadas nos finais de semana, com terríveis confrontos de mata-mata durante a semana. É por causa disto que temos que acumular gordura no primeiro turno.

Temos que seguir vencendo em casa e os jogos contra Goiás, Juventude e Santos não podem ter tropeços. Contra o Flamengo, na véspera da semifinal da Copa do Brasil, o jogo deve ser tenso e admite um empate – pelo menos enquanto não sabemos se os dois times estarão classificados. Pode até ser véspera de um novo confronto entre ambos, como acontece agora contra o SPFC.

Já os jogos fora de casa contra Ceará, SCCP, Fluminense e Bragantino serão onde a gordura acumulada poderá ser utilizada. Com o foco totalmente nos mata-matas, o Palmeiras terá condições de perder pontos e ainda assim se manter competitivo na disputa.

Após a data FIFA, teremos mais duas partidas fora, contra Atlético, quando um empate será bem fácil de digerir – o mesmo não se pode dizer do confronto no Engenhão, contra o Botafogo, quando a rotina de vitórias precisa ser retomada para chegar ao fim do quartil com 59 pontos.

Quarto quartil

A última parte da tabela do Brasileirão se inicia com apenas mais três jogos de mata-mata possíveis pela frente – justo as finais. Não sabemos se estaremos classificados, mas é certo que, se estivermos, será difícil manter o foco nas partidas do Brasileirão.

Por isso, os jogos em casa contra Coritiba e Avaí são fundamentais, já que os jogos fora contra Atlético-GO e Athletico-PR, mais o clássico contra o SPFC, todos imediatamente antes das partidas finais, devem nos render, no máximo, quatro pontos.

Passando pelos mata-matas, teremos então as quatro rodadas finais do Brasileirão, onde em tese poderemos ter um tropeço. Lembrando que este recorte decisivo do campeonato, de forma incrível, será feito já no período em que as seleções classificadas para a Copa do Mundo estarão reunidas visando o embarque para o Qatar.

Com o desfalque certo de Weverton, precisaremos da atuação de nossa diretoria nos bastidores para nos pouparem das convocações de Gustavo Gómez, Kuscevic e Atuesta, que não vão à Copa.

Conclusão

Com um quartil já encerrado, nosso tradicional exercício de projeção fica menos nebuloso, mas segue sendo apenas uma referência. Tudo pode mudar muito rápido.

De uma coisa, no entanto, nossa torcida pode estar certa: este time atual do Palmeiras tem todas as condições de, seguindo ou não este planejamento, conquistar os três troféus em disputa. Sobretudo se continuar tendo o apoio nas redes sociais e principalmente nas arquibancadas do Allianz Parque.

Voltaremos com a sequência deste exercício ao final do turno, entre os dias 24 e 27 de julho. VAMOS PALMEIRAS!

  • Resultado de ontem (em Curitiba) também é de fundamental importância para a sequência do segundo quartil, já que largamos convertendo um possível empate em vitória – de quebra ganhando o moral de derrubar um mandante que estava invicto; mas, sem sombra de dúvidas o Choque-Rei da próxima segunda-feira (20) será decisivo para os rumos da temporada.

    VAMOS, PALMEIRAS!!!

  • Muito legal essa forma de projetar jogo a jogo!
    Gosto de analisar outros pontos de vista, sempre visando os 76pts (2pts/jogo; 4pts/adversário; ganhar em casa e empatar fora).
    Nessa análise, estamos com 1,9pts/J, 1pt abaixo; estamos abaixo vs Ceará por causa da derrota, e com dificuldades vs atl-mg e flu, por empatar em casa; fizemos 6J como mandante e 4J como visitante, o ideal seria ter 18pts em casa + 4pts fora: conquistamos 11pts + 8pts. Estamos 3pts abaixo.
    Mas, o melhor disso tudo, é que mesmo assim, somos os líderes. Não há momento melhor do que agora para confiar na conquista! Avanti, Palestra!